Menu
2018-11-19T16:38:54-02:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
Novo presidente da estatal

Analistas de mercado dizem que Castello Branco na Petrobras é ‘sinal positivo’

Economista é visto como um nome que pode manter a atual política de reajustes de preços da petroleira

19 de novembro de 2018
16:38

Como esperado, a divulgação da escolha do economista Roberto Castello Branco para a presidência da Petrobras caiu bem no mercado. A indicação da equipe de Jair Bolsonaro é vista por analistas como um sinal positivo na gestão da política de preços de combustíveis.

De forma geral, a avaliação é de que o economista, que já ocupou cargos de direção no Banco Central e na mineradora Vale, é um nome com reconhecimento do mercado que pode manter uma política de reajustes de preços equalizada com as oscilações no mercado internacional.

Castello Branco foi convidado para assumir o comando da Petrobras e aceitou ocupar o cargo. A informação foi confirmada nesta segunda-feira, 19, por meio de um nota da assessoria do futuro ministro da Economia, Paulo Guedes.

"Castello Branco tem tudo pra fazer um ótimo trabalho. Não vejo risco de intervenções governamentais na política de preços, como já ocorreu no passado. Por tudo o que o (futuro) ministro da Economia (Paulo Guedes) e Roberto Castello Branco pensam, a tendência é que seja a política correta", Adriano Pires, diretor do Centro Brasileiro de Infraestrutura (CBIE).

Currículo alinhado

O futuro presidente da Petrobras já criticou, em entrevistas, as antigas políticas de conteúdo local e subsídios aos preços locais de combustíveis.

Para Alexandre Póvoa, sócio-fundador da Canepa Asset, o mercado tende a prestar atenção em como deve se portar o governo na questão do subsídio ao preço do diesel. "É preciso esperar para ver como vai ser o desarme do subsídio ao diesel para entender se haverá reação, como houve na greve dos caminhoneiros. É um tema politicamente difícil", diz Póvoa.

Já Pires, da CBIE, considera que o momento pode ser adequado para desarmar o subsídio diante de queda nos preços no mercado internacional. "Isso tende a promover uma transição tranquila para o fim do programa de subsídio", diz ele.

O nome de Adriano Pires chegou a ser citado como cotado para o Ministério de Minas e Energia (MME), mas ele nega ter participado de conversas com a equipe do presidente eleito, Jair Bolsonaro, e diz que não recebeu qualquer convite.

Pedro Galdi, da Mirae Asset, destaca que Castello Branco é conhecido entre profissionais do mercado, sobretudo por sua atuação na Vale. "É um nome conhecido no mercado financeiro, com uma carreira importante", diz.

Para ele, o novo presidente da Petrobras tende a continuar com uma fórmula de preços que não necessariamente seja o reajuste diário dos combustíveis, mas que permita a equalização com as cotações internacionais.

*Com Estadão Conteúdo.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Que pi… é essa?

Eu decidi sair do banco, mas não queria entrar em uma enrascada. Bem, acredito que eu tenha encontrado um portal para fugir dessa Caverna do Dragão das finanças. E cá estou para explicar essa descoberta.

gigantes na nasdaq

Ações de Facebook e Tesla caem mais de 4% após resultados do quarto trimestre

Recado da gigante de mídia social assustou mercado; já a montadora de veículos elétricos recua depois de avançar mais de 400% no último ano

crypto news

Elon Musk, bitcoin e as verdades no mundo dos investimentos

Basta que exista uma quantidade suficiente de pessoas ricas acreditando em uma ideia para ela se torne uma verdade; mercado financeiro têm agora dois casos emblemáticos

nova fase

Descredenciada pela XP, EWZ Capital estreia parceria com o BTG Pactual

Empresa, que tem foco educacional e no segmento de renda variável, quer avançar dos atuais R$ 630 milhões em patrimônio investido para R$ 1 bilhão

Dia de decisão

Fed mantém juros e ritmo de estímulos, mas fala de Powell pesa nos mercados

Presidente do Federal Reserve vê um longo caminho até que a economia americana se recupere dos impactos do coronavírus

desigualdade de gênero

Fundos têm que investir em empresas com mulheres no conselho, diz Luiza Trajano

No Brasil, 8% das posições em conselhos de administração, instância estratégia de uma companhia, são ocupadas por mulheres

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies