Menu
2018-11-23T19:56:03-02:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
Bolsa de Valores

Aposta na privatização de estatais rende até 70% para o investidor

O Ibovespa, principal índice de ações do mercado, decepciona, mas as ações de estatais estão dando porrada

23 de novembro de 2018
19:56
Imagem: Shutterstock

Usando o Ibovespa como parâmetro para o desempenho do mercado de ações, o quadro que se tem é um pouco desanimador. A esperada arrancada pós-eleitoral ainda não apareceu, mas uma forte puxada aconteceu nas ações das estatais.

O mercado já vinha apostando na agenda de privatizações tanto de Jair Bolsonaro, como de outros governos, como Minas Gerais, e essa aposta vai sendo referendada pela indicação dos novos comandantes das estatais.

Dentro desse grupo de empresas que pode passar para o setor privado, o destaque, dentro da amostra selecionada de sete companhias, é a estatal de energia Cemig. As ações da empresa mineira acumulam valorização de 11,5% agora em novembro, contra uma queda de 1,36% do Ibovespa no mesmo período.

Se ampliarmos um pouco a janela de tempo e tomarmos o dia 30 de setembro como “corte pré-eleições”, a valorização das ações ON da Cemig bate 71,8%. No mesmo período o Ibovespa sobe 8,7%.

A também mineira Copasa, de saneamento, não tem um desempeno tão brilhante no mês, avançando 0,19%, mas desde o fim de setembro ganhou 32%.

Outro destaque, esse em âmbito federal, são as ações ordinárias do Banco do Brasil. Agora em novembro o papel sobe 5,8%, e desde o fim de setembro acumula alta de 53,6%. Seu novo presidente, Rubem de Freitas Novaes, fala em eficiência e privatizar o que for possível.

De volta às empresas estaduais, a Sanepar, do Paraná, sobe 14,6% no mês e ganha 62,05% desde o fim de setembro.

As ações da Eletrobras também vão bem, o papel ON sobe 4,55% no mês e 58,41% desde 30 de setembro, e o ativo PNB tem valorizações de 3,95% e 58,41%, respectivamente.

A Petrobras é um caso aparte, pois além do fluxo de notícias envolvendo privatização e nomeações, os ativos reflete em cheio a queda na cotação do petróleo e as incertezas sobre a votação do projeto de cessão onerosa, que tramita no Senado.

Agora em novembro, o papel ON tem queda de 11,6% e o PN recua 11,4%. Desde o fim de setembro, no entanto, PETR3 ainda sobe 10,6% e PETR4 ganha 16%.

A BR Distribuidora tem alta de 1,33% no acumulado do mês e ganha 24,6% desde o fim de setembro. No último dia 13, chegaram a subir mais de 8% na máxima do dia após o vice-presidente eleito, Hamilton Mourão, afirmar que a empresa pode passar para as mãos da iniciativa privada.

Um grande amigo com vasta experiência em mercado sempre me disse que comprar ações de estatais é comprar “risco governo”. Não importa quão bom sejam os fundamentos, o risco que você está tomando é o “governo de plantão”.

O que as ações mostram é que depois de um longo inverno para as estatais, que pode ser caraterizado pelo governo Dilma Rousseff, os investidores estão dispostos a tomar risco de governos, seja ele federal ou estadual.

Mas a volatilidade dos ativos também é bem maior que a média do mercado. O “risco” do Ibovespa agora em novembro é de 21%, enquanto Petrobras ON, por exemplo, tem volatilidade de 46%, e Eletrobras ON apresenta taxa de 52%.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Quem é a Pi

Uma plataforma de investimentos feita para ajudar a atingir seus objetivos por meio de uma experiência #simples, #segura, #acessível e #transparente.

Interrompendo o casamento

Movida reforça pedido do Cade para barrar união entre Unidas e Localiza

De acordo com a companhia, isso geraria uma concorrência desleal no setor, com a nova empresa tendo 65% do mercado brasileiro de aluguel e 29% do mercado de frotas

vai mexer

Após polêmica com demissão de Castello Branco, governo indica nomes para o conselho da Petrobras

Cinco membros do colegiado pediram para não serem reconduzidos após interferência de Bolsonaro no comando da estatal

MERCADOS HOJE

Ibovespa opera em queda firme com piora da pandemia no país; dólar vai a R$ 5,70

Os mercados internacionais têm mais um dia de cautela, acompanhando uma nova alta do retorno dos títulos públicos americanos. No Brasil, o cenário da pandemia preocupa

Exile on Wall Street

Sem flores por hoje

Interrompemos nossa programação para uma verdade necessária: temos pouco a comemorar neste Dia Internacional da Mulher. Confesso que nunca aceitei bem a ideia de homenagem embutida nesta data. Sinto que temos tanto a conquistar e estamos tão atrasadas nessa agenda que, para mim, o 8 de março é menos sobre flores e mais sobre dar […]

ouça de graça

Tela Azul #22: A vida difícil dos PJs, Startups e o Venture Capital no Brasil

Na edição desta semana do Tela Azul, recebemos o Rodrigo Tognini, CEO do Conta Simples, uma startup brasileira que une serviços bancários para PJ, com ferramentas que facilitam a gestão financeiras das empresas.

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies