Menu
2018-09-28T12:52:46-03:00
Vinícius Pinheiro
Vinícius Pinheiro
Formado em jornalismo, com MBA em Derivativos e Informações Econômico-Financeiras pela FIA. Trabalhou por 18 anos nas principais redações do país, como Agência Estado/Broadcast, Gazeta Mercantil e Valor Econômico. É coautor do ensaio “Plínio Marcos, a crônica dos que não têm voz" (Boitempo) e escreveu os romances “O Roteirista” (Rocco), “Abandonado” (Geração) e "Os Jogadores" (Planeta).
Fundos

É pirâmide? Por que o fundo imobiliário Mérito foi suspenso, e agora liberado

A decisão da CVM provocou um rebuliço e afetou diretamente os 8 mil investidores que ficaram com o dinheiro bloqueado

28 de setembro de 2018
12:52
Montagem mostra pirâmide em meio a prédios
Desde 2013, fundo imobiliário Mérito entregou um retorno equivalente a 177% do CDI - Imagem: Montagem Victor Matheus

As notícias não tiram férias. E eu ainda curtia os últimos dias do direito (privilégio para alguns...) de funcionário com carteira assinada quando recebi a ligação de um velho conhecido do mercado financeiro. Ele queria saber se eu sabia da última. Eu não sabia.

A Comissão de Valores Mobiliários (CVM) havia tomado uma decisão inédita e radical: suspendeu a negociação das cotas de fundo imobiliário na bolsa. O motivo: suspeita de que o Mérito Desenvolvimento Imobiliário operava em um esquema semelhante a uma pirâmide financeira. Ou seja, que distribuía rendimentos com o dinheiro que entrava de novos investidores.

A decisão provocou um rebuliço e afetou diretamente os 8 mil investidores do fundo imobiliário, que ficaram com o dinheiro bloqueado. Passaram-se mais de dois meses até que, nesta quinta-feira, eles finalmente puderam negociar novamente suas cotas na B3. Período em que não só voltei das férias como mudei de emprego.

Como era esperado, a cotação despencou na reabertura dos negócios e encerrou o dia em queda de 23%. No fim da manhã de hoje, recuava mais 7%. De todo modo, a retomada dos negócios não eliminou as dúvidas. Afinal, era ou não uma pirâmide? Se havia irregularidades, por que aparentemente só os investidores foram penalizados com a suspensão das operações?

A CVM, responsável por regular o mercado de capitais, não comenta casos específicos e em andamento. Na deliberação mais recente, a autarquia não usou mais o termo “pirâmide”, e disse que a suspensão ocorreu após constatação de que o fundo atuava "de forma irregular no mercado de capitais".

Mas uma pessoa que conhece o caso, e que conversou comigo sob a condição de não ser identificada nesta reportagem, disse que o tratamento dado continua sendo o de uma possível fraude. Mesmo com a liberação da negociação, a investigação sobre a Planner, administradora do fundo, e a gestora Mérito continua.

A única certeza é que, da forma como está hoje, o fundo terá de provar seu valor exclusivamente de suas atividades imobiliárias. E apenas quando o dinheiro efetivamente entrar na conta.

Ganhos gordos

Foi a rentabilidade gorda que atraiu os investidores para o fundo Mérito. Desde 2013, quando foi criado, até maio deste ano ele entregou um retorno equivalente a 177% do CDI com a distribuição de resultados. E ainda isento de imposto de renda, já que os fundos imobiliários não são tributados.

Um primeiro olhar não indica nada de errado com o Mérito. O fundo imobiliário possui de fato uma carteira com 20 empreendimentos, a maioria projetos em desenvolvimento. Muito diferente de uma pirâmide clássica, em que não existem investimentos de fato, apenas o fluxo de entrada e saída de dinheiro de investidores.

Para angariar recursos para investir nos projetos, o Mérito fez ofertas públicas de cotas. Foram quatro emissões ao todo, que somaram R$ 226 milhões e tiveram aval da CVM. Os problemas começaram durante o processo para a realização de uma quinta oferta, de R$ 225 milhões.

A partir da denúncia de um investidor, a autarquia foi olhar o fundo mais de perto. E considerou algumas coisas estranhas. A primeira foi a cobrança de uma taxa de ingresso, que podia chegar a 30% aos novos investidores.

A segunda foi ao examinar como o fundo imobiliário havia distribuído rendimentos tão generosos aos cotistas. Na análise da CVM, o retorno veio não do ganho com a venda dos imóveis a um preço maior que o de custo. Mas com os recursos das taxas de ingresso e da reavaliação dos empreendimentos da carteira do fundo. Essa reavaliação gerou um lucro contábil que foi distribuído aos investidores, ainda que nenhum real tivesse entrado no caixa.

Ou seja, a CVM entendeu que o pagamento de rendimento com base nesse tipo de receita faz com que o fundo tenha características de uma pirâmide.

A Planner, administradora do Mérito, contestou as afirmações e apresentou dados que comprovariam que o fundo teve uma distribuição compatível com a operação. No período em que as cotas estavam suspensas para negociação, o fundo inclusive anunciou o pagamento de amortização aos investidores.

Tá liberado

Na queda de braço, a administradora só conseguiu liberar a negociação das cotas depois de atender às exigências da CVM. A partir de agora, o Mérito só poderá pagar rendimentos somente com base nos resultados operacionais. E a carteira terá de ser avaliada pelo preço de custo de aquisição dos imóveis até que haja uma venda efetiva.

Ao fazer os ajustes, o patrimônio líquido do fundo foi reduzido em cerca de 10%. A oferta de novas cotas foi cancelada e a Planner informou que pretende assumir a gestão dos ativos. O teste efetivo do valor do Mérito, tanto nos resultados como na percepção dos investidores, começará agora.

Comentários
Leia também
DINHEIRO QUE PINGA NA SUA CONTA

Uma renda fixa pra chamar de sua

Dá para ter acesso a produtos melhores do que encontro no meu banco? (Spoiler: sim).

Agenda BC#

BC estende regras para débito automático a contas de pagamento pré-pagas

A diretoria do Banco Central decidiu estender para as contas de pagamento pré-pagas (aquelas cujos recursos devem ser depositados previamente) as regras sobre autorização e cancelamento de débitos em conta que já estavam previstas para contas de depósitos e para contas-salário

Aprovação concedida

Tim e Vivo recebem aprovação da Anatel e do Cade para compartilhamento de rede

Serão compartilhadas infraestrutura de redes móveis para as tecnologias 2G, 3G e 4G

Empresa diz que não comenta

MPT-RS pede interdição de planta da JBS no Estado por surto de coronavírus

A JBS respondeu, sobre a ação civil pública movida nesta quarta, que não comenta processos judiciais em andamento

seu dinheiro na sua noite

Despiorou

Acabou a crise? Nesta quarta-feira, os mercados mantiveram o otimismo dos últimos dias. As bolsas subiram aqui e lá fora, ao mesmo tempo em que o dólar assistiu a mais um dia de alívio, chegando perto dos R$ 5 novamente. Está até difícil entender de onde sai tanto apetite por risco, dado que a pandemia […]

ANÁLISE

Quarentena de pijama? Não, no mundo cripto tem muita coisa rolando

Nas próximas linhas, Helena Margarido vai mostrar a você um mercado que caminha na contramão de todo establishment e permanece com alta demanda em meio à crise atual: a revolução está somente começando.

Ninguém segura

A corrida dos touros: Ibovespa sobe pelo quarto dia e volta aos 93 mil pontos; dólar cai a R$ 5,09

O Ibovespa teve mais um dia de ganhos e chegou ao maior nível desde 6 de março, sustentado pelo otimismo global. O dólar à vista caiu forte, chegando a R$ 5,01 na mínima da sessão

tombo histórico

Abinee reporta queda de 30,3% na produção do setor eletroeletrônico em abril

Essa foi a maior queda verificada na série histórica iniciada no início de 2002, segundo o presidente da entidade, Humberto Barbato

Empresários de comércio e serviços

76% de 400 micro e pequenos empresários esperam queda de faturamento

A pesquisa ouviu empresários dos setores de comércio e serviços. Parcela de 26% dos entrevistados espera recuo de 31% a 50%, enquanto 22% têm expectativa de queda até 30%

Compartilhamento de serviços

Cade nega recurso da Claro e mantém aprovação de operação entre Tim e Telefônica

O Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) negou recurso apresentado pela Claro contra o aval do órgão a operação de compartilhamento de redes entre a TIM e a Telefônica Brasil

Ajuda financeira

Maia diz ter informação que socorro a Estados e municípios será pago até dia 9

Presidente da Câmara, Rodrigo Maia afirmou que a primeira parcela do socorro a Estados e municípios deve ser entregue aos entes até a próxima terça-feira, 9

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements