Menu
2018-11-29T17:57:17-02:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
Juro americano

Fed acena alta do juro em dezembro e discute mudança de linguagem

Ata da reunião do dia 8 de novembro, mostra discussão sobre manter ou não indicações sobre novas elevações graduais

29 de novembro de 2018
17:57
Fed banco central americano
Sede do Federal Reserve (Fed) - Imagem: Federal Reserve

Os membros do comitê do Federal Reserve (Fed), banco central americano, praticamente confirmam uma elevação do juro na reunião de dezembro, mas embora haja entendimento sobre “novas altas graduais”, alguns membros demostram incerteza sobre o timing de tais elevações.

Segundo a ata da reunião terminada dia 8 de novembro e divulgada hoje, alguns participantes notaram que a taxa pode estar próxima do seu patamar neutro (aquele que não estimula nem atrapalha a atividade) e que novas elevações poderiam indevidamente retardar a expansão da atividade econômica e colocar pressão de baixa sobre a inflação e as expectativas.

Na quarta-feira, o presidente do Fed, Jerome Powell, falou que o juro estaria “logo abaixo” ou “just below”, das estimativas para a taxa neutra, provocando forte reação do mercado. Por ora, a reação ainda é tímida ao aparecimento dessa discussão em um documento oficial do Fed. Os principais índices das bolsas americanas tinham leve alta de 0,20%.

De volta à ata, os participantes enfatizaram que a atuação do Fed deve ser guiada pelos dados econômicos e suas implicações para o panorama econômico. O documento transmite a ideia de que não há uma rota predeterminada e que se novas informações resultarem em reavaliação dos riscos, para cima ou para baixo, suas perspectivas também mudariam.

Dentro desse contexto, foi discutida uma possível mudança na comunicação, particularmente no comunicado apresentado após a decisão, onde se fala na expectativa de “novos ajustes graduais”.

Muitos participantes indicaram que pode ser apropriado iniciar uma transição, dando maior ênfase à avaliação dos dados econômicos futuros para as decisões de política monetária. Tal mudança, diz a ata, ajudaria a transmitir a abordagem flexível do Fed em responder às alterações no cenário econômico.

O que é fato é que aconteceu uma mudança não desprezível na percepção dos membros do Fed em comparação com a ata da reunião do fim de setembro, quando alguns membros falaram em deixar a política “modestamente restritiva” ou temporariamente restritiva para reduzir o risco de uma alta da inflação ou de desequilíbrios financeiros significativos.

A ata também mostra que os membros do Fed avaliam que as condições financeiras continuam acomodativas em comparação com seu comportamento histórico, apesar de notarem que elas ficaram mais restritivas entre uma reunião e outra em função da queda no preço dos ativos, aumento dos juros de longo prazo e no custo dos financiamentos.

Comentários
Leia também
UMA OPÇÃO PARA SUA RESERVA DE EMERGÊNCIA

Um ‘Tesouro Direto’ melhor que o Tesouro Direto

Você sabia que existe outro jeito de investir a partir de R$ 30 em títulos públicos e com um retorno maior? Fiz as contas e te mostro o caminho

juros no brasil

BC prevê ‘alta robusta’ da economia no segundo semestre e indica alta da Selic

O Banco Central avalia que o segundo semestre deste ano deve mostrar uma retomada robusta da atividade econômica, segundo ata da última reunião do Comitê de Política Monetária (Copom), divulgada nesta terça-feira (11). Para a autoridade monetária, a economia deve se recuperar na medida em que os efeitos da vacinação sejam sentidos “de forma mais abrangente”. […]

cardápio de balanços

Itaúsa e BTG: os balanços que mexem com o mercado nesta terça

Resultados são do primeiro trimestre de 2021, período ainda marcado pela incerteza por conta da pandemia de covid-19; veja os destaques

AGORA A SEMANA COMEÇA

Ata do Copom, IPCA e expectativa com balanços devem ditar o rumo do pregão

Aversão ao risco no exterior e cena política agitada recomendam cautela

Coronavírus no Brasil

Brasil tem 423,2 mil mortes e 15,2 milhões de casos de covid-19

Ainda há 3.744 óbitos em investigação. Isso ocorre porque há casos em que um paciente morre, mas a causa segue sendo apurada mesmo após a declaração do óbito

na b3

Leilão de aeroportos regionais de SP terá como destaque bloco de Ribeirão Preto

Segundo o governo, dos 22 aeroportos, seis já contam com serviços de aviação comercial regular e 13 têm potencial de desenvolvimento de novas rotas regulares durante a concessão

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies