Menu
2018-11-29T17:57:17-02:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
Juro americano

Fed acena alta do juro em dezembro e discute mudança de linguagem

Ata da reunião do dia 8 de novembro, mostra discussão sobre manter ou não indicações sobre novas elevações graduais

29 de novembro de 2018
17:57
Fed banco central americano
Sede do Federal Reserve (Fed) - Imagem: Federal Reserve

Os membros do comitê do Federal Reserve (Fed), banco central americano, praticamente confirmam uma elevação do juro na reunião de dezembro, mas embora haja entendimento sobre “novas altas graduais”, alguns membros demostram incerteza sobre o timing de tais elevações.

Segundo a ata da reunião terminada dia 8 de novembro e divulgada hoje, alguns participantes notaram que a taxa pode estar próxima do seu patamar neutro (aquele que não estimula nem atrapalha a atividade) e que novas elevações poderiam indevidamente retardar a expansão da atividade econômica e colocar pressão de baixa sobre a inflação e as expectativas.

Na quarta-feira, o presidente do Fed, Jerome Powell, falou que o juro estaria “logo abaixo” ou “just below”, das estimativas para a taxa neutra, provocando forte reação do mercado. Por ora, a reação ainda é tímida ao aparecimento dessa discussão em um documento oficial do Fed. Os principais índices das bolsas americanas tinham leve alta de 0,20%.

De volta à ata, os participantes enfatizaram que a atuação do Fed deve ser guiada pelos dados econômicos e suas implicações para o panorama econômico. O documento transmite a ideia de que não há uma rota predeterminada e que se novas informações resultarem em reavaliação dos riscos, para cima ou para baixo, suas perspectivas também mudariam.

Dentro desse contexto, foi discutida uma possível mudança na comunicação, particularmente no comunicado apresentado após a decisão, onde se fala na expectativa de “novos ajustes graduais”.

Muitos participantes indicaram que pode ser apropriado iniciar uma transição, dando maior ênfase à avaliação dos dados econômicos futuros para as decisões de política monetária. Tal mudança, diz a ata, ajudaria a transmitir a abordagem flexível do Fed em responder às alterações no cenário econômico.

O que é fato é que aconteceu uma mudança não desprezível na percepção dos membros do Fed em comparação com a ata da reunião do fim de setembro, quando alguns membros falaram em deixar a política “modestamente restritiva” ou temporariamente restritiva para reduzir o risco de uma alta da inflação ou de desequilíbrios financeiros significativos.

A ata também mostra que os membros do Fed avaliam que as condições financeiras continuam acomodativas em comparação com seu comportamento histórico, apesar de notarem que elas ficaram mais restritivas entre uma reunião e outra em função da queda no preço dos ativos, aumento dos juros de longo prazo e no custo dos financiamentos.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

App da Pi

Aplique de forma simples, transparente e segura

Eye of the tiger

Ibovespa Balboa: índice leva uma surra no começo do dia, mas vira a luta e crava uma nova máxima

Os temores quanto à disseminação do coronavírus colocaram o Ibovespa nas cordas durante a manhã. Mas, ajudado pelo bom desempenho das ações dos bancos, o índice partiu para cima e fechou em alta, chegando pela primeira vez aos 119 mil pontos

CURSO DO SEU DINHEIRO

Qual é a REAL sobre a aposentadoria aos 40 anos?

O Seu Dinheiro lançou nesta semana um projeto para acelerar a sua aposentadoria. Recebi diversos e-mails de leitores com dúvidas sobre o projeto. Aqui está tudo que você precisa saber.

NOVO IMPOSTO NO RADAR

Paulo Guedes está de olho em criar “imposto do pecado” sobre bebidas, cigarros e açúcar

Tal medida poderia impactar no futuro ações de empresas de bebidas como Ambev, além de sucroenergéticas, como São Martinho, Biosev e Cosan

POLÍTICOS NA MIRA

BC aperta cerco contra políticos e familiares envolvidos em transações suspeitas

Atualmente, políticos como deputados federais, senadores e ministros já são considerados politicamente expostos, assim como seus parentes de primeiro grau

NADA DE VÍRUS POR AQUI

Ministério da Saúde afasta suspeita de casos de coronavírus no Brasil

Segundo o secretário, o Brasil está preparado para lidar com uma eventual epidemia da doença

Olho na Linx

Credit Suisse mantém recomendação de compra para Linx, mas reduz preço-alvo para ações

Em relatório divulgado hoje (23), os analistas Daniel Federle, Felipe Cheng e Juan Pablo Alba disseram que o corte tem a ver com as estimativas mais baixas para o volume de compras (TPV) dentro do Linx Pay e com a taxa que é cobrada pelo uso do sistema de pagamentos, que é conhecida como MDR

DE OLHO NA CORRUPÇÃO

Brasil piora no ranking de corrupção

O índice é calculado com base nos níveis percebidos de corrupção no setor público por especialistas e empresários – quanto menor a nota maior é a percepção de corrupção no país

ficou para depois

Odebrecht adia assembleia de credores para aprovar plano de recuperação judicial

BNDES exige que o grupo abra mão do controle da Atvos, empresa de açúcar e etanol, para aprovar o plano; instituição é a maior credor entre os bancos públicos

conversa vai avançar

União Europeia visita EUA em fevereiro para negociar acordo, diz presidente do BCE

Trump chegou a ameaçar tarifar carros e outros produtos da UE se os dois lados não conseguirem fechar um novo acordo

na agenda americana

EUA começaram a trabalhar no corte de impostos ‘2.0’, diz secretário

Casa Branca planeja implementar um segundo corte de impostos para a classe média e “outros incentivos” para impulsionar o crescimento da economia

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements