Menu
2018-11-29T17:57:17-02:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
Juro americano

Fed acena alta do juro em dezembro e discute mudança de linguagem

Ata da reunião do dia 8 de novembro, mostra discussão sobre manter ou não indicações sobre novas elevações graduais

29 de novembro de 2018
17:57
Fed banco central americano
Sede do Federal Reserve (Fed) - Imagem: Federal Reserve

Os membros do comitê do Federal Reserve (Fed), banco central americano, praticamente confirmam uma elevação do juro na reunião de dezembro, mas embora haja entendimento sobre “novas altas graduais”, alguns membros demostram incerteza sobre o timing de tais elevações.

Segundo a ata da reunião terminada dia 8 de novembro e divulgada hoje, alguns participantes notaram que a taxa pode estar próxima do seu patamar neutro (aquele que não estimula nem atrapalha a atividade) e que novas elevações poderiam indevidamente retardar a expansão da atividade econômica e colocar pressão de baixa sobre a inflação e as expectativas.

Na quarta-feira, o presidente do Fed, Jerome Powell, falou que o juro estaria “logo abaixo” ou “just below”, das estimativas para a taxa neutra, provocando forte reação do mercado. Por ora, a reação ainda é tímida ao aparecimento dessa discussão em um documento oficial do Fed. Os principais índices das bolsas americanas tinham leve alta de 0,20%.

De volta à ata, os participantes enfatizaram que a atuação do Fed deve ser guiada pelos dados econômicos e suas implicações para o panorama econômico. O documento transmite a ideia de que não há uma rota predeterminada e que se novas informações resultarem em reavaliação dos riscos, para cima ou para baixo, suas perspectivas também mudariam.

Dentro desse contexto, foi discutida uma possível mudança na comunicação, particularmente no comunicado apresentado após a decisão, onde se fala na expectativa de “novos ajustes graduais”.

Muitos participantes indicaram que pode ser apropriado iniciar uma transição, dando maior ênfase à avaliação dos dados econômicos futuros para as decisões de política monetária. Tal mudança, diz a ata, ajudaria a transmitir a abordagem flexível do Fed em responder às alterações no cenário econômico.

O que é fato é que aconteceu uma mudança não desprezível na percepção dos membros do Fed em comparação com a ata da reunião do fim de setembro, quando alguns membros falaram em deixar a política “modestamente restritiva” ou temporariamente restritiva para reduzir o risco de uma alta da inflação ou de desequilíbrios financeiros significativos.

A ata também mostra que os membros do Fed avaliam que as condições financeiras continuam acomodativas em comparação com seu comportamento histórico, apesar de notarem que elas ficaram mais restritivas entre uma reunião e outra em função da queda no preço dos ativos, aumento dos juros de longo prazo e no custo dos financiamentos.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

EMPREGOS

Para gerar 1 milhão de empregos, economia tem de crescer 3%, diz secretário

O secretário de Trabalho do Ministério da Economia, Bruno Dalcolmo, evitou nesta sexta-feira, 24, fazer uma previsão oficial para a geração de empregos com carteira assinada em 2020, mas disse acreditar em até 1 milhão de novos postos de trabalho neste ano, caso o Produto Interno Bruto (PIB) tenha uma alta próxima de 3% até […]

SEU DINHEIRO NA SUA NOITE

O que será que será da Selic?

A taxa básica de juros (Selic) vai continuar em queda? Quando fiz essa pergunta recentemente a um gestor de fundos, ele me devolveu com outra pergunta: – Você quer que eu responda o que o Banco Central deveria fazer ou o que ele vai fazer? Pode parecer uma diferença sutil, mas o mercado encontra-se atualmente […]

Dólar teve alta

Tensão com o coronavírus freia os mercados e faz o Ibovespa ficar no zero a zero na semana

O coronavírus trouxe cautela aos mercados, mas não desencadeou uma onda de pessimismo. Como resultado, o Ibovespa ficou praticamente zerado na semana — a nova doença neutralizou o otimismo estrutural visto na bolsa nos últimos dias

OUÇA O QUE BOMBOU NA SEMANA

Podcast Touros e Ursos: Já pensou em conquistar sua independência financeira?

Repórteres do Seu Dinheiro trazem em podcast semanal um panorama sobre tudo o que movimentou os seus investimentos nesta semana

de olho na inflação

BC está confortável com inflação após choque de proteína, diz Campos Neto

“Há um gap de política monetária que a gente tenta comunicar. É importante, porque parte do que foi feito não está totalmente dissipado”, afirmou em seguida

MAIS ESCLARECIMENTOS

BNDES atual pôs R$ 15 milhões a mais em auditoria

O reajuste de 25% aconteceu por meio de um aditivo contratual, publicado no dia 25 de outubro de 2019, e aumentou de US$ 14 milhões para US$ 17,5 milhões o contrato da Cleary Gottlieb Steen & Hamilton, escritório contratado para realizar os serviços de auditoria

CONFIRMADA

Oi confirma venda de participação na angolana Unitel por R$ 1 bilhão

O montante corresponde a venda de 25% da participação que detém na angolana e engloba também os dividendos que a Oi tem o direito de receber, mas que estavam retidos até então

negativas

Bolsonaro nega a ideia de ‘imposto do pecado’

Presidente também descartou a chance de desmembrar o Ministério da Justiça e Segurança Pública em duas pastas

Na bolsa

Itaú reduz participação na Qualicorp para menos de 5%

O banco passou a deter 4,95% do capital da administradora de planos de saúde coletivos após a venda das ações, que acumulam alta de mais de 200% em 12 meses

Títulos públicos

Veja os preços e as taxas do Tesouro Direto nesta sexta-feira

Confira os preços e taxas de todos os títulos públicos disponíveis para compra e resgate

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements