Menu
2019-04-20T17:18:03-03:00
Estadão Conteúdo
O PLANO É TER MENOS ESTATAIS

Decreto vai agilizar liquidação de estatal federal

Atualmente, apenas duas estatais estão nesse processo: a Companhia de Armazéns e Silos do Estado de Minas Gerais e a Companhias Docas do Maranhão.

1 de dezembro de 2018
10:38 - atualizado às 17:18
Paulo Guedes
Ministro da economia, Paulo Guedes - Imagem: WILTON JUNIOR/ESTADÃO CONTEÚDO

O futuro ministro da Economia, Paulo Guedes, já vai assumir o cargo com regras mais rígidas para acelerar o fechamento de empresas estatais federais. Decreto publicado na sexta-feira dá mais poder ao Ministério do Planejamento, que no governo Jair Bolsonaro será fundido com os Ministérios da Fazenda e da Indústria sob o guarda-chuva da Economia, para facilitar a liquidação das empresas e impedir que ela se arraste por anos.

A privatização das empresas estatais é prioridade no plano econômico de Guedes, que criou uma secretaria especial para implementar a política sob o comando do empresário Salim Mattar. Segundo Guedes, se todas as 138 empresas estatais federais fossem vendidas, o governo federal conseguiria arrecadar R$ 802 bilhões, valor que pagaria 17% da dívida pública federal. Guedes quer vender pelo menos um terço dessas empresas.

Em entrevista ao Estadão/Broadcast, o secretário de Coordenação e Governança das Empresas Estatais do Planejamento, Fernando Antônio Ribeiro Soares, disse que o decreto cria regras para o procedimento de liquidação das empresas controladas pela União. Atualmente, apenas duas estatais estão nesse processo: a Companhia de Armazéns e Silos do Estado de Minas Gerais e a Companhias Docas do Maranhão. “Percebemos que esse processo de liquidação não estava claro. Era uma fragilidade da legislação”, explicou Soares. Ele lembra uma liquidação histórica da Rede Ferroviária Federal (RFFSA), que durou mais de 20 anos.

Pelo decreto, 30% da remuneração do liquidante estarão atreladas ao cumprimento de metas. Se elas não forem cumpridas, ele não receberá essa parcela. O decreto também transfere para Advocacia-Geral da União (AGU) a tutela de todas as ações judiciais contra as liquidações. “Isso vai dar mais celeridade”, disse o secretário.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Comentários
Leia também
INVISTA COMO UM MILIONÁRIO

Sirva-se no banquete de investimentos dos ricaços

Você sabe como ter acesso aos craques que montam as carteiras dos ricaços com aplicações mínimas de R$ 30? A Pi nasceu para colocar esses bons investimentos ao seu alcance

TECNOLOGIA

Xiaomi supera Apple em venda de celulares

O levantamento também mostra que a Samsung voltou ser a líder global de vendas de smartphones, após perder a liderança do mercado para a também chinesa Huawei, que ficou no topo por um único trimestre.

BOMBOU NO SEU DINHEIRO

Melhores da Semana: O Halloween dos mercados

A segunda onda de coronavírus é um ‘fantasma’ que ronda os mercados desde o início do ano. Muita gente não acreditou. Nesta semana, ele mostrou as caras.

POLÍTICA

Bolsonaro grava para campanhas e aposta em 2º turno em RJ e SP

Presidente busca apoiar aliados para tentar formar base nos grandes colégios eleitorais para sua campanha de reeleição em 2022

responsabilização

JBS aprova em assembleia ação contra irmãos Batista

Processo diz respeito a prejuízos causados por crimes revelados nos acordos de colaboração e leniência firmados pela JBS com a Procuradoria Geral da República

em live

Se necessário, voltaremos a fazer transferência do BC para o Tesouro, diz secretário

Em agosto, CMN já havia autorizado o Banco Central a repassar R$ 325 bilhões para o Tesouro Nacional

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies