Menu
2018-09-22T15:53:03-03:00
Mais tarifas

Trump joga nova bomba no comércio chinês

Presidente americano impôs tarifas de 10% sobre US$ 200 bilhões em produtos da China e ainda anunciou um possível novo aumento em 2019

17 de setembro de 2018
20:34 - atualizado às 15:53
Xadrez com Estados Unidos e China
Presidente americano impôs tarifas de 10% sobre US$ 200 bilhões em produtos chinesesImagem: Shutterstock

O presidente dos EUA, Donald Trump, anunciou nesta segunda-feira, 17, tarifas de 10% sobre o valor de US$ 200 bilhões em importações chinesas, que aumentarão para 25% no início de 2019.

De acordo com comunicado do presidente, as tarifas de 10% terão início a partir do dia 24 de setembro. No dia 1º de janeiro, as tarifas subirão para 25%. Além disso, "se a China tomar medidas de retaliação contra nossos agricultores ou outras indústrias, imediatamente buscaremos a fase três, que são tarifas adicionais sobre aproximadamente US$ 267 bilhões de importações".

Segundo Trump, a China está envolvida em inúmeras políticas e práticas injustas relacionadas à tecnologia e à propriedade intelectual dos EUA, como forçar as empresas americanas a transferir tecnologia para as contrapartes chinesas e o país não está disposto a mudar suas práticas.

Mesmo após tarifas, "a China se recusa a mudar suas práticas e, de fato, recentemente impôs novas tarifas em um esforço para prejudicar a economia dos Estados Unidos", apontou Trump.

"Peço aos líderes da China que tomem medidas rápidas para pôr fim às práticas comerciais injustas do país. Espero que esta situação comercial seja resolvida, no final, por mim e pelo Presidente Xi da China, pelos quais tenho grande respeito e carinho", destacou o presidente americano.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Que pi… é essa?

Eu decidi sair do banco, mas não queria entrar em uma enrascada. Bem, acredito que eu tenha encontrado um portal para fugir dessa Caverna do Dragão das finanças. E cá estou para explicar essa descoberta.

olho no datafolha

Governo Bolsonaro tem 42% de avaliação ‘ruim’ ou ‘péssima’ em abril, diz pesquisa

É o maior nível de avaliações ruins ou péssimas desde o início do mandato, mas ainda estável no limite da margem de erro

Virada de mão

“Vai faltar real para comprar dólar no preço atual”, diz Márcio Appel, da Adam Capital

Depois de ganhar dinheiro com a desvalorização cambial, gestor deixou de apostar na alta do dólar contra o real e avalia comprar a moeda brasileira

medida anticrise

Senado aprova texto-base de projeto que suspende prazos contratuais até outubro

Medida coloca no papel flexibilizações durante a pandemia do novo coronavírus no País e dependerá agora de chancela da Câmara

Em busca de soluções

Governo Federal é o único que pode emitir dívida e moeda, diz Maia

Sobre o trabalho do Parlamento, Maia disse que as Medidas Provisórias começarão a ser votadas “uma a uma” na próxima semana

A mesa virou?

Sistema bancário dos EUA pode ter problema por excesso de liquidez

Com acesso ao dinheiro, empresas estão guardando os recursos em poupanças, o que, juntamente com a liquidação de ativos de risco, inunda os bancos com liquidez

Reflexos da crise

Empresas alegam ‘força maior’ e já pedem revisão de contratos na Justiça

Com a alegação de “força maior” ou “evento fortuito” – por conta do coronavírus -, o meio jurídico teme que os contratos sejam suspensos em um efeito dominó, com distorções em toda economia

covid-19 no radar

‘Esse é o momento de sobreviver à crise’, diz presidente do Itaú Unibanco

Segundo Candido Bracher, o mundo tem dificuldades para lidar com a crise por sua origem em um fator de saúde pública – e não no mercado financeiro, como ocorreu em 2008

diante do coronavírus

Opep+ vislumbra corte de produção de 10 milhões bpd, incluindo EUA e Brasil

Mais cedo, fontes afirmaram que a Opep+ planeja uma teleconferência na segunda-feira (06) para debater um eventual corte

efeitos da crise

PMI composto cai a 37,6 pontos em março, menor nível da série histórica

Quando acima dos cinquenta pontos, o indicador mostra melhora nas perspectivas de empresas na comparação com o mês anterior

novos ataques

‘Miséria, fome e violência’, diz Bolsonaro sobre eventual desemprego na crise

Presidente disse que “a sociedade não aguenta ficar dois, três meses parada” e que “vai quebrar tudo”

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements