Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2018-11-27T10:08:36-02:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
Câmbio

Posições na B3 mostram que pressão de alta no dólar veio do mercado à vista

Pregão atípico levou Banco Central a fazer leilão de linha com compromisso de recompra

27 de novembro de 2018
10:08
dolar nota
Nota de dólar -

O dólar teve um pregão de forte valorização na segunda-feira, subindo 2,6% e voltando para cima dos R$ 3,90, preço que não se via desde o começo de outubro. Encerrado o pregão, o Banco Central (BC) anunciou uma atuação no mercado à vista, um leilão de linha com compromisso de recompra de até US$ 2 bilhões.

A atuação à vista se justifica pelo sazonal aumento de remessas de moeda para fora do país, conforme as empresas fecham seus balanços anuais. Esse tipo de operação no fim de ano já é tradição, por assim dizer, ao menos desde 2011.

E, de fato, a pressão compradora parece mesmo concentrada no mercado à vista, pois uma avaliação das posições no mercado futuro de dólar e cupom cambial (DDI, juro em dólar) não indica movimentação forte o suficiente para tamanha variação na cotação do da moeda americana. A alta de 2,6% vista ontem foi a maior puxada diária desde o começo de junho.

Na ponta de compra, os estrangeiros ampliaram sua posição comprada, que pode ser vista como aposta de alta no dólar, em US$ 634 milhões na segunda-feira. Com isso, o estoque subiu a US$ 40 bilhões, maior do mês. Já vimos pregões em que o não residente comprou mais de US$ 1 bilhão e não foi vista tamanha variação na cotação da moeda americana.

Quem vendeu dólares ao estrangeiro foram os fundos de investimento, que ampliaram a posição vendida em US$ 390 milhões, para US$ 22,4 bilhões, também maior do mês.

Os bancos fizeram uma compra de US$ 129 milhões na segunda-feira. Mas sua posição líquida continua sendo vendida em US$ 19 bilhões.

A formação de preço no mercado cambial brasileiro ocorre no mercado futuro, pois é onde o dinheiro grosso está e não existem limitações operacionais que se observam no mercado à vista. Pregões como o de ontem são bastante atípicos, por isso mesmo da atuação do BC para melhorar a formação de preço.

No lado técnico, no pregão de segunda-feira, o dólar comercial rompeu as médias móveis de 50 períodos (R$ 3,85) e de 100 períodos (R$ 3,88). Em tese, esse movimento abriria espaço para novas puxadas de alta na cotação da moeda americana, que fez máximas acima de R$ 4,20 no começo de setembro. Em meio a redução das tensões eleitorais o dólar teve um firme ajuste de baixa em outubro, chegando a fazer mínimas na linha de R$ 3,65, mas não teve força para confirmar o rompimento para baixo da média móvel de 200 períodos, na linha de R$ 3,63.

Além desses US$ 2 bilhões que serão ofertados entre 12h15 e 12h35, até o fim da semana, o BC deve comunicar ao mercado ser fará a rolagem de US$ 1,25 bilhão em leilões de linha feitos em agosto e que vencem agora em dezembro.

O BC também deverá comunicar se segue com a rolagem integral dos swaps cambial que vencem em janeiro. A operação equivale à venda de dólares no mercado futuro. O estoque vincendo é de US$ 10,3 bilhões. Ao rolar os contratos, o BC se mantém "neutro" no mercado.

Cotação hoje

Por volta das 10 horas, o dólar comercial operava em baixa de 0,70%, negociado na linha de R$ 3,89, reagindo à atuação do BC.

No mercado de FRA de cupom cambial, que serve de termômetro da demanda por moeda à vista, o contrato para janeiro também operava em baixa, na linha de 3,8%.

 

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

App da Pi

Aplique de forma simples, transparente e segura

Novidades da maçã

Apple apresenta novos modelos de MacBook Pro e AirPods; computador vai custar até R$ 45 mil no Brasil

Disponíveis agora em modelos de 14 e 16 polegadas, os dispositivos prometem um processamento ainda mais potente do que os antecessores

Ao Vivo

Apple apresenta novos modelos de MacBook Pro e Airpods; acompanhe o lançamento

Apresentado pelo CEO da companhia, Tim Cook, este é o segundo evento da empresa para lançamento de produtos neste ano

Benefício perto do fim

Sem substituto para o Bolsa Família, Bolsonaro afirma que definição sobre extensão do auxílio emergencial sai nesta semana

O presidente não revelou quantas serão as novas parcelas do benefício, mas afirmou que o valor já foi decidido pelo governo no último sábado

Movimentando o mercado

Fleury (FLRY3) compra Laboratório Marcelo Magalhães; saiba mais sobre aquisição, a segunda maior na história do grupo

O grupo pagará R$ 384,5 milhões pela empresa, que, com 64 anos de história, é referência em medicina diagnóstica no estado de Pernambuco

DIA DE ESTREIA

Getnet (GETT11) ganha vida própria e estreia na B3 com o pé direito; ações ordinárias e preferenciais disparam mais de 100%

As units (GETT11), papéis com maior liquidez, subiam cerca de 59,45%, cotadas a R$ 7,51. Como parte da cisão de SANB11, integrante do Ibovespa, as ações já integram o principal índice da bolsa brasileira

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies