Menu
2019-04-03T18:19:09-03:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
Em negociação

Relação comercial entre UE e Reino Unido pós-Brexit não deve ser “livre de atritos”

Documento obtido por jornal britânico indica o tom da negociação do Brexit e quais devem ser os caminhos que o país seguirá após abandonar o bloco

22 de novembro de 2018
11:09 - atualizado às 18:19
Bandeiras do Reino Unido e da União Europeia
Imagem: shutterstock

A relação comercial entre a União Europeia e o Reino Unido após o Brexit não deve ser "livre de atritos".

Ao menos é isso que mostra um documento vazado nesta quinta-feira, 22, que deve ser aprovado pelo bloco até o próximo domingo, segundo o jornal britânico "The Guardian".

A primeira-ministra britânica, Theresa May, deve falar sobre o documento ainda hoje.

As delegações de negociadores de Bruxelas e Londres consentiram em torno do respeito à "integridade" tanto do mercado comum e da união aduaneira da UE quanto do mercado interno do Reino Unido, ao mesmo tempo em que as duas partes perseguem a criação de uma área de livre comércio com competição "aberta e justa". Além disso, o respeito ao desenvolvimento de uma política comercial britânica "independente" também foi incluído no texto.

"Com a visão de facilitar o movimento de bens através de fronteiras, as partes vislumbram arranjos abrangentes que criarão uma área de livre comércio, combinando uma profunda cooperação regulatória e aduaneira, sustentada por provisões assegurando um campo de jogo nivelado para a competição aberta e justa", diz o esboço.

Também se destaca na declaração que a futura parceria econômica deve garantir que não haja tarifas, taxas ou encargos em vigor no comércio bilateral.

Sobre serviços financeiros, o documento aponta que Londres e Bruxelas "devem começar a avaliar a equivalência [regulatória e de supervisão] com respeito um ao outro [...] tão logo quanto possível após a retirada do Reino Unido da União, esforçando-se para concluir essas avaliações antes do fim de junho de 2020".

Uma cooperação estreita nas áreas de distribuição e fornecimento eletricidade e gás também é pleiteada na minuta escrita pelos negociadores. Quando ao período a partir de 1º de janeiro de 2021, quando se prevê que a retirada britânica esteja consumada, a declaração estipula conferências de alto escalão a cada seis meses para discutir o "progresso e consentir, tanto quanto possível, em torno de ações para seguir adiante".

*Com Estadão Conteúdo 

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

App da Pi

Aplique de forma simples, transparente e segura

seu dinheiro na sua noite

Vitória do Ibovespa (no segundo tempo)

“O time no segundo tempo ganhou de 2 a 1.” Foi assim que Fernando Diniz, o técnico do São Paulo, reagiu depois da derrota por 4 a 2 para a LDU no meio da semana e que praticamente eliminou a equipe da Libertadores. Diniz preferiu ignorar os 3 a 0 que o time levou na […]

Que modorra!

Bolsa passa por correção, mas zera perdas na reta final do pregão; dólar retoma alta

Principal índice de ações da B3 passou por correção e ignorou durante a maior parte do dia o impulso do setor de tecnologia à bolsa de Nova York

setor público

Reforma administrativa economiza R$ 400 bi até 2034, aponta estudo

Mesmo restringido a reforma apenas a novos servidores, o setor público poderia economizar pelo menos R$ 24,1 bilhões em 2024 com a aprovação das mudanças no seu RH, liberando o governo para investir mais em saúde, educação e segurança pública, segundo centro de estudos

retomada em pauta

Recuperação está longe de concluída, diz presidente do Fed do Kansas

Esther George fez a declaração durante discurso sobre os bancos comunitários, no qual enfatizou o papel destes para dar estabilidade na crise e apoiar a recuperação

EXILE ON WALL STREET

Bife ancho on sale!

Um país com a trajetória fiscal em xeque mais todas as idiossincrasias tupiniquins deveria ser motivo mais do que suficiente para que todo investidor buscasse diversificação no exterior

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements