Menu
2018-10-22T16:46:25-03:00
Fernando Pivetti
Fernando Pivetti
Jornalista formado pela Universidade de São Paulo (USP). Foi repórter setorista de Banco Central no Poder360, em Brasília, redator no site EXAME e colaborou com o blog de investimentos Arena do Pavini.
Banco de fomento

Dyogo fica ou não fica no BNDES a partir do ano que vem?

Mercado especula que presidente do BNDES possa seguir no cargo em um eventual governo Bolsonaro; Dyogo evita o assunto

22 de outubro de 2018
15:18 - atualizado às 16:46
dyogo-oliveira
Dyogo Oliveira: "tenho certeza de que fico no banco até o dia 31 de dezembro. Daí para frente, não tenho nenhum comentário a fazer" - Imagem: Marcelo Camargo/Agência Brasil

O mercado financeiro começou a especular nos últimos dias a possibilidade de que Dyogo Oliveira possa ficar no cargo de presidente do BNDES depois da posse do novo presidente, que será eleito neste domingo, 28.

A ideia de que Oliveira tenha espaço em um eventual governo Bolsonaro, hoje favorito para levar a eleição (segundo as pesquisas), dá um gás para a expectativa de que banco de fomento mantenha sua política atual de diminuir de tamanho e focar em pequenos e médios negócios. Esse plano teve início no governo de Michel Temer.

Mas o próprio Dyogo evita falar sobre o assunto. Ele disse nesta segunda-feira, 22, ao Broadcast/Estadão que ficará no comando do BNDES até 31 de dezembro e evitou dizer se poderá continuar depois disso.

Ao ser questionado sobre a possibilidade de continuar no banco a partir de 2019, Dyogo disse que é "funcionário público, você sabe... sou do governo. Eu fico sempre no governo e, no caso, tenho certeza de que fico no banco até o dia 31 de dezembro. Daí para frente, não tenho nenhum comentário a fazer".

O silêncio do Dyogo não é novidade. Desde que era ministro do Planejamento de Michel Temer, ele evita dar declarações que vão além do planejado. Foi assim no Planejamento, e segue assim no BNDES. Vale lembrar que, durante os governos do PT, Dyogo também teve participação ativa no Ministério da Fazenda, chegando a ser secretário-executivo do ministério.

A fala de hoje me fez lembrar a entrevista exclusiva que fiz com o Dyogo em Brasília, em maio deste ano. Os personagens eram quase opostos: de um lado, eu naquela correria tradicional dos jornalistas da capital federal. Do ouro, ele com toda a tranquilidade que conseguia transmitir pelo tom de voz. Naquela ocasião, saí com a curiosidade aflorada: não tinha pergunta que me fizesse arrancar dele qualquer pista sobre os próximos passos do banco.

Mesmo não batendo o martelo sobre 2019, o presidente do BNDES trouxe pistas sobre a transição da atual administração para a nova. Segundo ele, o processo começará no dia 29 de outubro, logo após a eleição. "As equipes do banco estão levantando dados, documentos, para começar a discutir com a equipe que vai entrar. Mas não há nenhum trabalho de transição ainda".

*Com Estadão Conteúdo.

Comentários
Leia também
OS MELHORES INVESTIMENTOS NA PRATELEIRA

Garimpei a Pi toda e encontrei ouro

Escolhi dois produtos de renda fixa para aplicar em curto prazo e dois para investimentos mais duradouros. Você vai ver na prática – e com a translucidez da matemática – como seu dinheiro pode render mais do que nas aplicações similares dos bancos tradicionais.

PANDEMIA NO PAÍS

Covid-19: Brasil tem 142 mil óbitos e 4,74 milhões de casos acumulados

Do total de contaminados, 86% se recuperaram da doença

seu dinheiro na sua noite

Cheiro de pedalada e de drible no teto de gastos

Caro leitor, O governo bem que tentou se safar manejando o cobertor curto, mas pelo menos para o mercado financeiro, não colou. O anúncio do programa social Renda Cidadã nesta segunda-feira lançou um combo de preocupações nos investidores e atirou o Ibovespa na lama, totalmente na contramão do resto do mundo. O dólar, por sua vez, voltou […]

dinheiro à vista

CCR paga R$ 373,2 milhões em dividendos em 30 de outubro

Empresa pagará o correspondente a R$ 0,18477410142 por ação ordinária

Na contramão

Bolsa cai e dólar dispara depois de governo revelar como pretende financiar Renda Cidadã

Ibovespa abriu em alta, mas virou em meio à frustração dos investidores com o financiamento do programa que sucederá o Bolsa Família

em anúncio do renda cidadã

Guedes: Política dá o timing e desoneração está sendo estudada

No anúncio do novo programa social do presidente Jair Bolsonaro, o Renda Cidadã, o ministro da Economia, Paulo Guedes, disse que a proposta do governo foi feita com a busca da “verdade orçamentária”

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements