Menu
2018-10-22T16:46:25-03:00
Fernando Pivetti
Fernando Pivetti
Jornalista formado pela Universidade de São Paulo (USP). Foi repórter setorista de Banco Central no Poder360, em Brasília, redator no site EXAME e colaborou com o blog de investimentos Arena do Pavini.
Banco de fomento

Dyogo fica ou não fica no BNDES a partir do ano que vem?

Mercado especula que presidente do BNDES possa seguir no cargo em um eventual governo Bolsonaro; Dyogo evita o assunto

22 de outubro de 2018
15:18 - atualizado às 16:46
dyogo-oliveira
Dyogo Oliveira: "tenho certeza de que fico no banco até o dia 31 de dezembro. Daí para frente, não tenho nenhum comentário a fazer" - Imagem: Marcelo Camargo/Agência Brasil

O mercado financeiro começou a especular nos últimos dias a possibilidade de que Dyogo Oliveira possa ficar no cargo de presidente do BNDES depois da posse do novo presidente, que será eleito neste domingo, 28.

A ideia de que Oliveira tenha espaço em um eventual governo Bolsonaro, hoje favorito para levar a eleição (segundo as pesquisas), dá um gás para a expectativa de que banco de fomento mantenha sua política atual de diminuir de tamanho e focar em pequenos e médios negócios. Esse plano teve início no governo de Michel Temer.

Mas o próprio Dyogo evita falar sobre o assunto. Ele disse nesta segunda-feira, 22, ao Broadcast/Estadão que ficará no comando do BNDES até 31 de dezembro e evitou dizer se poderá continuar depois disso.

Ao ser questionado sobre a possibilidade de continuar no banco a partir de 2019, Dyogo disse que é "funcionário público, você sabe... sou do governo. Eu fico sempre no governo e, no caso, tenho certeza de que fico no banco até o dia 31 de dezembro. Daí para frente, não tenho nenhum comentário a fazer".

O silêncio do Dyogo não é novidade. Desde que era ministro do Planejamento de Michel Temer, ele evita dar declarações que vão além do planejado. Foi assim no Planejamento, e segue assim no BNDES. Vale lembrar que, durante os governos do PT, Dyogo também teve participação ativa no Ministério da Fazenda, chegando a ser secretário-executivo do ministério.

A fala de hoje me fez lembrar a entrevista exclusiva que fiz com o Dyogo em Brasília, em maio deste ano. Os personagens eram quase opostos: de um lado, eu naquela correria tradicional dos jornalistas da capital federal. Do ouro, ele com toda a tranquilidade que conseguia transmitir pelo tom de voz. Naquela ocasião, saí com a curiosidade aflorada: não tinha pergunta que me fizesse arrancar dele qualquer pista sobre os próximos passos do banco.

Mesmo não batendo o martelo sobre 2019, o presidente do BNDES trouxe pistas sobre a transição da atual administração para a nova. Segundo ele, o processo começará no dia 29 de outubro, logo após a eleição. "As equipes do banco estão levantando dados, documentos, para começar a discutir com a equipe que vai entrar. Mas não há nenhum trabalho de transição ainda".

*Com Estadão Conteúdo.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Que pi… é essa?

Eu decidi sair do banco, mas não queria entrar em uma enrascada. Bem, acredito que eu tenha encontrado um portal para fugir dessa Caverna do Dragão das finanças. E cá estou para explicar essa descoberta.

Fechamento

Mercado modera reação à inflação americana e bolsa consegue recuperação parcial; dólar sobe a R$ 5,31

Os investidores respiraram fundo, pegaram um copo d’água e digeriram melhor o choque da pressão inflacionária nos Estados Unidos

Caça às pendências

BNDES quer viabilizar privatização da Eletrobras e refazer leilão de bloco da CEDAE ainda este ano

Além disso, o banco de fomento trabalha em outros 120 projetos de desestatização que podem chegar a um investimento total de R$ 243 bilhões em obras

Oferta secundária à vista?

BNDES vai esperar o ‘melhor momento’ para vender ações da Copel

A BNDESPar, empresa de participações do banco, pretende se desfazer da fatia de 24% que possui das ações Copel

Mais uma para a lista

Mesmo com apoio de grandes investidores, Dotz interrompe processo de IPO

A empresa, que pretendia movimentar R$ 1,1 bilhão com a oferta, citou a atual condição do mercado de capitais brasileiro como o motivo por trás da desistência

Assunto do momento

5 pontos para entender a inflação americana – e o que isso tem a ver com o seu bolso

Só se fala em inflação em disparada nos Estados Unidos. Mas você sabe o que isso realmente significa?

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies