Menu
2018-10-22T16:46:25-03:00
Fernando Pivetti
Fernando Pivetti
Jornalista formado pela Universidade de São Paulo (USP). Foi repórter setorista de Banco Central no Poder360, em Brasília, redator no site EXAME e colaborou com o blog de investimentos Arena do Pavini.
Banco de fomento

Dyogo fica ou não fica no BNDES a partir do ano que vem?

Mercado especula que presidente do BNDES possa seguir no cargo em um eventual governo Bolsonaro; Dyogo evita o assunto

22 de outubro de 2018
15:18 - atualizado às 16:46
dyogo-oliveira
Dyogo Oliveira: "tenho certeza de que fico no banco até o dia 31 de dezembro. Daí para frente, não tenho nenhum comentário a fazer" - Imagem: Marcelo Camargo/Agência Brasil

O mercado financeiro começou a especular nos últimos dias a possibilidade de que Dyogo Oliveira possa ficar no cargo de presidente do BNDES depois da posse do novo presidente, que será eleito neste domingo, 28.

A ideia de que Oliveira tenha espaço em um eventual governo Bolsonaro, hoje favorito para levar a eleição (segundo as pesquisas), dá um gás para a expectativa de que banco de fomento mantenha sua política atual de diminuir de tamanho e focar em pequenos e médios negócios. Esse plano teve início no governo de Michel Temer.

Mas o próprio Dyogo evita falar sobre o assunto. Ele disse nesta segunda-feira, 22, ao Broadcast/Estadão que ficará no comando do BNDES até 31 de dezembro e evitou dizer se poderá continuar depois disso.

Ao ser questionado sobre a possibilidade de continuar no banco a partir de 2019, Dyogo disse que é "funcionário público, você sabe... sou do governo. Eu fico sempre no governo e, no caso, tenho certeza de que fico no banco até o dia 31 de dezembro. Daí para frente, não tenho nenhum comentário a fazer".

O silêncio do Dyogo não é novidade. Desde que era ministro do Planejamento de Michel Temer, ele evita dar declarações que vão além do planejado. Foi assim no Planejamento, e segue assim no BNDES. Vale lembrar que, durante os governos do PT, Dyogo também teve participação ativa no Ministério da Fazenda, chegando a ser secretário-executivo do ministério.

A fala de hoje me fez lembrar a entrevista exclusiva que fiz com o Dyogo em Brasília, em maio deste ano. Os personagens eram quase opostos: de um lado, eu naquela correria tradicional dos jornalistas da capital federal. Do ouro, ele com toda a tranquilidade que conseguia transmitir pelo tom de voz. Naquela ocasião, saí com a curiosidade aflorada: não tinha pergunta que me fizesse arrancar dele qualquer pista sobre os próximos passos do banco.

Mesmo não batendo o martelo sobre 2019, o presidente do BNDES trouxe pistas sobre a transição da atual administração para a nova. Segundo ele, o processo começará no dia 29 de outubro, logo após a eleição. "As equipes do banco estão levantando dados, documentos, para começar a discutir com a equipe que vai entrar. Mas não há nenhum trabalho de transição ainda".

*Com Estadão Conteúdo.

Comentários
Leia também
INVISTA COMO UM MILIONÁRIO

Sirva-se no banquete de investimentos dos ricaços

Você sabe como ter acesso aos craques que montam as carteiras dos ricaços com aplicações mínimas de R$ 30? A Pi nasceu para colocar esses bons investimentos ao seu alcance

Bilionário imunizado

Adivinha quem já foi vacinado? Bill Gates compartilha foto e diz como se sente após tomar 1ª dose

Fundador da Microsoft compartilhou foto do momento em que era vacinado e enalteceu o trabalho dos cientistas, voluntários e profissionais da saúde que trabalham no combate à pandemia

Início de cobertura

Após queda de 56%, XP revela o que espera das ações da dona da rede de restaurantes Frango Assado e Pizza Hut no Brasil

Os analistas da corretora iniciaram a cobertura das ações da IMC com recomendação neutra e preço-alvo de R$ 4,00, o que indica um potencial de alta de 8%

Private equity

Ações da gestora brasileira Pátria sobem 17% na estreia na Nasdaq após IPO de R$ 3,2 bilhões

A gestora brasileira estreou com um valor de mercado de mais de R$ 15 bilhões e mira mais crescimento, o que poderá envolver aquisições

Uma nova chance?

O que esperar da nova Lei de Falências, que entra em vigor hoje

A reforma na Lei de Falências deve facilitar a recuperação das empresas que ainda são viáveis e tornar mais célere e eficiente a liquidação daquelas que estão condenadas a desaparecer

Aposta na retomada

Goldman Sachs eleva o preço-alvo de ação de locadora de veículos e recomenda compra

Os analistas elevam o preço-alvo para as ações da Localiza (RENT3) de R$ 69,30 para R$ 73,20 e projetam lucro acima do consenso do mercado

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements
Advertisements

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies