Menu
2019-10-14T14:11:08-03:00
vamos falar de selic

Só o crédito imobiliário acompanha o ritmo de queda da taxa de juros Selic

Em teoria, os gráficos apontam que está mais barato pegar dinheiro emprestado; na prática, pouca gente percebe essa nova realidade

23 de setembro de 2019
8:20 - atualizado às 14:11
Prédios em São Paulo
Prédios em São Paulo - Imagem: Shutterstock

Com a decisão do Comitê de Política Monetária Nacional (Copom) da semana passada, a taxa de juros Selic caiu 61,40% em um espaço de 24 meses - saindo de 14,25% para os atuais 5,50% ao ano. O novo patamar muda a vida do investidor, que tem visto seu dinheiro render menos na renda fixa, e em tese deixa mais fácil a vida do tomador de empréstimo, que conta com linhas mais acessíveis no mercado. Será?

Em teoria, sim, os gráficos apontam que está mais barato pegar dinheiro emprestado. Na prática, pouca gente percebe essa nova realidade. Isso porque o crédito no Brasil caiu de um patamar que os economistas classificam de "extremamente alto" para "muito alto". Das linhas de financiamento pessoal, só a de aquisição da casa própria e, em menor escala, a de compra de automóveis novos seguem o ritmo de queda da taxa Selic.

Desconsiderando essa duas modalidades de financiamento - o imobiliário e automotivo - o crédito para pessoa física ficou 25,18% mais barato no Brasil desde o início do atual ciclo de corte da Selic, iniciado em setembro de 2017, segundo a Associação Nacional dos Executivos de Finanças (Anefac). Miguel de Oliveira, que dirige a entidade, diz que é natural que os bancos operem bem acima da Selic para o consumidor. Segundo ele, o crédito imobiliário cai mais rápido porque o tomador dá o imóvel como garantia - "se não pagou, o banco toma". Nos demais, outras variáveis importam até mais que a taxa básica de juros.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter

De forma geral, diz, as pessoas superestimam a Selic na formação dos preços no mercado financeiro. "A Selic é importante, mas é só um fator que impacta na hora de definir o preço do crédito", aponta. "É como se eu fosse comprar uma camiseta. Eu pago pelo tecido, pela costureira, pelo transporte. No crédito, além da Selic, tem o risco de inadimplência, tem o depósito compulsório do banco, tem muitas outras coisas."

Para a economista e professora do Insper, Juliana Inhasz, falta também concorrência no mercado. "A gente não está vendo essa redução da Selic chegar para o consumidor final. Mas o mercado é muito concentrado", afirma. O Banco Central aponta que os cinco principais bancos do País (Itaú, Bradesco, Santander, Banco do Brasil e Caixa) respondem por 85% do volume de crédito.

Os especialistas não esperam grandes mudanças nesse cenário, mesmo que a Selic volte a cair daqui a um mês e meio, e o mercado já fala em 5% ao ano no fim de 2019. Segundo eles, uma queda mais acentuada nas modalidades de crédito pessoal depende da retomada econômica. "Aumento do PIB e melhora do emprego são os fatores que afetam o crédito", afirma o superintende executivo de negócios imobiliários do Banco Santander.

Por falar em imóveis, o crédito para habitação saiu de uma taxa de quase 11% ao ano em setembro de 2017 para 8,4% agora, de acordo com a média dos contratos dos cinco principais bancos capturada pela fintech Melhor Taxa. Antes da reunião do Copom da semana passada, a diferença entre essa taxa média dos financiamentos e a Selic era de 2,4 pontos porcentuais, considerada a menor da história. Agora, é de 2,9 pontos porcentuais.

Rafael Sasso, da Melhor Taxa, já vê nisso pressão para um novo corte por parte dos bancos. "Provavelmente vai ter mais queda de taxa rápido", diz ele, que espera um movimento nos próximos dois ou três meses.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Comentários
Leia também
CUIDADO COM OS ATRAVESSADORES

Onde está o seu iate?

Está na hora de tirar os intermediários do processo de investimento para deixar o dinheiro com os investidores

DE OLHO NA CARNE

Ministério da Agricultura diz que preço da carne caiu 9% desde início do mês

A ministra Tereza Cristina ressaltou que o preço da proteína está se ajustando e que deve se estabilizar

SEU DINHEIRO NA SUA NOITE

A segunda vida da bolsa

Entre as muitas histórias geniais de Machado de Assis, uma das minhas favoritas é um conto chamado “A Segunda Vida”, sobre um homem que diz ter morrido e voltado para uma nova existência aqui na Terra. O escritor se vale de uma premissa que parece sobrenatural para tratar de um tema bem próximo de todos […]

MARCO DO SANEAMENTO

Para BNDES, não faltam recursos para o Brasil investir no setor de saneamento

Montezano afirmou que o novo marco regulatório do saneamento, que está tramitando no Congresso, vai abrir uma nova fase no banco

Nadando no dinheiro

Ibovespa nas máximas e dólar a R$ 4,14: o retrato de uma semana quase perfeita para os mercados

O Ibovespa cravou a quinta alta consecutiva nesta sexta-feira e chegou a mais um recorde de fechamento, aso 111.125,75 pontos. O dólar à vista acumulou perdas de mais de 2% na semana, voltando a R$ 4,14

Ouça o que bombou na semana

Podcast Touros e Ursos: Sinais de força da economia brasileira

Repórteres do Seu Dinheiro trazem em podcast semanal um panorama sobre tudo o que movimentou os seus investimentos nesta semana

SAQUES DO FGTS

Caixa libera saque do FGTS para não correntistas nascidos em setembro e outubro

Serão pagos R$ 3,3 bilhões para aproximadamente 9,1 milhões de pessoas

CAPITALIZAÇÃO DA ELETROBRAS

Eletrobras está condenada à morte, diz Paulo Guedes

O ministro da Economia, Paulo Guedes, afirmou que a falta de recursos para investimentos está condenando a Eletrobras à morte. Ele destacou que a estatal tem feito somente um terço do necessário para manter sua posição o mercado. “A Eletrobras precisava investir R$ 16,5 bilhões todo ano para manter a fatia de mercado, Hoje ela […]

Altas e baixas

Via Varejo, Cyrela e MRV: os destaques do Ibovespa nesta sexta-feira

A perspectiva de manutenção dos juros em níveis baixos deu forças às ações de varejistas, como a Via Varejo, e de construtoras, como MRV e Cyrela

novo unicórnio na área

Estúdio de games brasileiro recebe aporte do Benchmark e é avaliado em US$ 1 bi

Wildlife Studios anunciou um aporte de US$ 60 milhões; empresa foi criada em 2011 com o investimento inicial de US$ 100

mercado de trabalho

EUA criam 266 mil postos de trabalho em novembro, acima do esperado

Os Estados Unidos criaram 266 mil empregos em novembro, segundo dados com ajustes sazonais publicados hoje pelo Departamento do Trabalho. O resultado veio bem acima das previsões de analistas consultados pelo Projeções Broadcast, que variavam de 128 mil a 215 mil vagas, com mediana de 183 mil. Já a taxa de desemprego caiu de 3,6% […]

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements