Menu
2019-04-30T11:57:22+00:00
Complicou

Setor público tem déficit primário de R$ 18,629 bilhões em março, revela BC

Resultado primário consolidado de março ficou dentro do intervalo das estimativas de analistas do mercado financeiro, que iam de déficit de R$ 29,550 bilhões a déficit de R$ 17,300 bilhões

30 de abril de 2019
11:57
Dinheiro; notas e moedas de real
Imagem: Shutterstock

O setor público consolidado (Governo Central, Estados, municípios e estatais, com exceção de Petrobras e Eletrobras) apresentou déficit primário de R$ 18,629 bilhões em março, informou nesta terça-feira, 30, o Banco Central. O resultado representa o menor déficit para o mês desde março de 2017, quando houve déficit de R$ 11,047 bilhões. Em fevereiro, havia sido registrado déficit de R$ 14,931 bilhões.

O resultado primário consolidado do mês passado ficou dentro do intervalo das estimativas de analistas do mercado financeiro ouvidos pelo Projeções Broadcast, que iam de déficit de R$ 29,550 bilhões a déficit de R$ 17,300 bilhões. A mediana estava negativa em R$ 22 bilhões.

O resultado fiscal de março foi composto por um déficit de R$ 20,400 bilhões do Governo Central (Tesouro, Banco Central e INSS). Já os governos regionais (Estados e municípios) influenciaram o resultado positivamente com R$ 1,531 bilhão no mês. Enquanto os Estados registraram um superávit de R$ 1,517 bilhão, os municípios tiveram resultado positivo de R$ 14 milhões. As empresas estatais registraram superávit primário de R$ 239 milhões.

Trimestre

As contas do setor público acumularam um superávit primário de R$ 13,337 bilhões no primeiro trimestre de 2019, o equivalente a 0,76% do Produto Interno Bruto (PIB), informou o Banco Central. No caso do Governo Central, a meta é um déficit de R$ 139,0 bilhões.

A meta de déficit primário do setor público consolidado considerada pelo governo é de R$ 132,0 bilhões para 2019.

O superávit fiscal no primeiro trimestre ocorreu apesar do déficit de R$ 5,405 bilhões do Governo Central (0,31% do PIB). Os governos regionais apresentaram um superávit de R$ 17,164 bilhões (0,98% do PIB) no período.

Enquanto os Estados registraram um superávit de R$ 15,382 bilhões, os municípios tiveram um saldo positivo de R$ 1,782 bilhão. As empresas estatais registraram um resultado positivo de R$ 1,579 bilhão no período.

12 meses

Segundo o BC, as contas do setor público acumulam um déficit primário de R$ 99,312 bilhões em 12 meses até março, o equivalente a 1,43% do PIB, informou o Banco Central. Este é o menor déficit primário mensal ante o PIB desde outubro do ano passado (1,25%).

O déficit fiscal nos 12 meses encerrados em março pode ser atribuído ao rombo de R$ 113,567 bilhões do Governo Central (1,64% do PIB). Os governos regionais apresentaram um superávit de R$ 7,538 bilhões (0,11% do PIB) em 12 meses até março.

Enquanto os Estados registraram um superávit de R$ 10,063 bilhões, os municípios tiveram um saldo negativo de R$ 2,525 bilhões. As empresas estatais registraram um resultado positivo de R$ 6,717 bilhões no período.

Déficit nominal

O setor público consolidado registrou um déficit nominal de R$ 62,175 bilhões em março. Em fevereiro, o resultado nominal havia sido deficitário em R$ 45,013 bilhões e, em março de 2018, deficitário em R$ 57,631 bilhões.

No mês passado, o Governo Central registrou déficit nominal de R$ 57,707 bilhões. Os governos regionais tiveram saldo negativo de R$ 4,179 bilhões, enquanto as empresas estatais registraram déficit nominal de R$ 289 milhões.

No primeiro trimestre, o déficit nominal somou R$ 81,144 bilhões, o que equivale a 4,64% do PIB. Em 12 meses até março, há déficit nominal de R$ 483,775 bilhões, ou 6,98% do PIB.

Gasto com juros

O setor público consolidado teve gasto de R$ 43,546 bilhões com juros em março, após esta despesa ter atingido R$ 30,082 bilhões em fevereiro, informou o Banco Central.

O Governo Central teve no mês passado despesas na conta de juros de R$ 37,307 bilhões. Os governos regionais registraram gasto de R$ 5,710 bilhões e as empresas estatais, de R$ 528 milhões.

No primeiro trimestre, o gasto com juros somou R$ 94,481 bilhões, o que representa 5,41% do PIB. Em 12 meses até março, as despesas com juros atingiram R$ 384,463 bilhões (5,55% do PIB).

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Quem é a Pi

Uma plataforma de investimentos feita para ajudar a atingir seus objetivos por meio de uma experiência #simples, #segura, #acessível e #transparente.

Bandeira branca no radar?

EUA devem estender licença da chinesa Huawei para atender clientes do país

Movimento dos EUA pode ser visto como positivo para o fim da guerra comercial com a China já que a companhia foi um dos focos de tensões entre os gigantes

Governador de Minas

‘Governo entra em pautas minúsculas’, avalia Romeu Zema

Em entrevista, governador de MG nega que esteja sendo “tutelado” pelo partido Novo e avaliou que o presidente Jair Bolsonaro deveria “focar em coisas maiores, grandiosas”

Corrida contra o tempo

Tarifa de importação do Mercosul pode cair já em 2020

Com receio de que o grupo político da ex-presidente da Argentina Cristina Kirchner volte ao poder, o governo brasileiro tem pressa

Agora vai?

Governo enviará ao Congresso na próxima semana projeto para destravar privatização da Eletrobras

Proposta deve conter os mesmos itens que estavam na Medida Provisória 879, que não foi votada pela Câmara

Olha quem apareceu

Rede de varejo Le Biscuit, da Vinci Partners, estreia no comércio online

Entrada da empresa no mundo online ocorrerá em etapas e segue uma tendência mundial

Olha a oportunidade aí

Movimentos para ofertas de ações no 2º semestre aceleram

Reuniões com os bancos de investimento se intensificam e companhias começam a fechar acordos para levar as ofertas adiante

Eita!

Chefes da Receita Federal ameaçam entrega de cargos por interferência política

De acordo com apuração, seis subsecretários do órgão estão fechados nessa posição

À beira do abismo

Sob pressão financeira, Oi procura bancos para encontrar saída

Operadora precisa levantar R$ 2,5 bilhões, mas ainda não tem ideia de como fará essa captação de recursos

Batalha contra a desaceleração

China divulga reforma de juros para reduzir custo de financiamento de empresas

Movimento anunciado deve reduzir ainda mais as taxas de juros reais para as companhias do país

Entrevista

Criador da CVM diz que mercado brasileiro não precisa de mais regulação

Para Roberto Teixeira da Costa, momento é de libertar a capacidade criativa das pessoas; em entrevista ao Seu Dinheiro, ele fala sobre mercado de capitais, economia brasileira e a figura do analista de investimentos

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements