Menu
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
Reformas

Reforma da Previdência: O presidente tem de se convencer antes de qualquer coisa

Fabio Giambiagi e Paulo Tafner destacam a importância de Jair Bolsonaro assumir essa bandeira para convencer a população da importância da medida

22 de novembro de 2018
11:03 - atualizado às 14:15
Imagem: Raul Junior

Dois dos maiores especialistas em Previdência do Brasil, Fabio Giambiagi e Paulo Tafner, destacaram em evento do BTG Pactual que mais importante que o modelo de reforma que se pretende é a postura do presidente eleito, Jair Bolsonaro, com relação ao tema.

“Se ele [Bolsonaro] assumir essa bandeira e com o caminhão de votos que teve, acho que ele aprova a reforma que ele quiser”, disse Giambiagi.

“A reforma da Previdência não pode ser a reforma do João, do Pedro, do Tafner. Tem que ser a reforma do presidente. Ele tem de estar convencido da mudança”, afirmou Tafner.

Giambiagi fez um discurso mostrando que a reforma da Previdência é uma batalha cultural. Deu como exemplos experiências que teve no governo Lula, que soube ouvir a opinião majoritária nos levando ao “descalabro” fiscal que nos encontramos, e da Venezuela, onde trabalhou como economista de organismo internacional.

Para Giambiagi, o cidadão médio tem a visão de que o INSS é um provedor paternalista e citou exemplo de um idoso que se casou pouco antes de morrer, com uma moça de 27 anos, para deixar uma pensão para ela.

“Isso é uma aula de Brasil. Síntese de como chegamos até aqui”, disse.

Paulo Tafner lembrou que foi um dos primeiros pesquisadores a notar o aumento nos casamentos intergeracionais.

“O cara é pobre, mas não é burro. Ele faz conta. A regra está errada, não as pessoas”, disse.

Segundo Giambiagi, o verdadeiro estadista é que aquele que fala à população que estamos indo par ao lado errado, que se seguirmos nesse caminho, o futuro será desastroso.

Assim, disse Giambiagi, há alguns atributos que um governo precisa ter para levar uma reforma da previdência adiante. O primeiro é ter o diagnóstico, o segundo é a convicção, pois a pessoa “precisa estar convencida” da importância do tema. Também é preciso energia, pois o processo é desgastante. Persuasão é a palavra-chave, seguida pela capacidade de articulação. Neste ponto o presidente “precisa arregaçar as mangas” para convencer a população, indo a programas de TV e afins. “Essa é uma reforma que pode ser defendida olhando nos olhos dos eleitores”, disse.

Tafner coordenou um grupo que apresentou um modelo de reforma para o presidente eleito, que pode resultar em impacto de R$ 1,3 trilhão em uma década. O projeto ataca o regime geral, dos Estados, dos militares e dos policiais. Não há previsão de novo imposto e há a instituição de um regime de capitalização para os nascidos a partir de 2014.

Também está contemplada a desvinculação dos benefícios do salário mínimo e a instituição de um benefício universal a partir dos 65 anos, para as pessoas que contribuíram ou não. Mas essa renda universal seria de 70% do salário mínimo.

Tafner chamou atenção para o fato de que o modelo atual transfere 11 mais renda para os idosos do que para as crianças. O Brasil, assim, investe no seu passado e isso foi uma escolha da sociedade.

Sobre as críticas com relação a direitos adquiridos e medidas constitucionais, Tafner disse que “diretos” não são respeitados pela demografia e pela base material.

“A demografia atropelou a Constituição”, disse Tafner.

Para Tafner, se o governo “comprar” a proposta desenhada por ele e sua equipe, é possível que até o terceiro trimestre de 2019 esteja tudo votado. A proposta pode ser encaminhada em fases. Primeiro as medidas que tratam de regime próprios, militares e policiais, que precisam de 257 votos, algo que certamente Bolsonaro terá. Depois, ou em paralelo, se discute a proposta de emenda constitucional que que atinge a maioria dos trabalhadores.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Comentários
Leia também
Conteúdo patrocinado por Startse

Milionária sem sair da cama

O caso da inglesa que ficou milionária trabalhando de pijama no quarto – e o número de brasileiros que querem enriquecer da mesma forma.

Novidades à vista?

Em estratégia de “fatiamento” da Abril, Exame deve ficar com o BTG

Segundo uma fonte, o empresário deve buscar compradores não só para a “Exame”, mas também para outras unidades de negócio, como a Casa Cor e o Guia do Estudante

Novidades nos EUA

Não há evidências suficientes para provar o conluio entre a campanha de Donald Trump e a Rússia, destaca carta

O procurador-geral dos Estados Unidos, William Barr, informou agora à tarde (24) às autoridades americanas uma parte do conteúdo do relatório do conselheiro especial do DoJ, Robert Mueller

Investigações

Caixa 2 é o crime eleitoral mais investigado pela Polícia Federal

Entre 2006 e 2016, a maioria dos procedimentos eleitorais abertos pela PF estava relacionada à acusação de compra de voto

Articulação política

Major Vitor Hugo visita Bolsonaro e tenta aproximar Planalto e demais poderes

Ao sair da residência oficial da Presidência da República, Vitor Hugo disse que conversou com Bolsonaro sobre a aprovação da reforma da Previdência e a tramitação da Proposta de Emenda Constitucional (PEC) na Comissão de Constituição, Cidadania e Justiça (CCJ)

OBRIGADA, LEITOR!

Seis meses com o Seu Dinheiro

Projeto foi lançado em 24 de setembro e já tem mais de 800 mil leitores por mês no site e 65 mil cadastrados para as newsletters diárias. Conheça a linha editorial, saiba quem não somos e como ganhamos dinheiro.

Entrevista com o cientista político

“Presidente não demonstra capacidade de articulação”, afirma Sérgio Abranches

Autor do termo “presidencialismo de coalizão” nos anos 1980, Abranches afirma que “não faz sentido” o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), ser articulador político de qualquer agenda do governo

Todo mundo se estranhando...

Bolsonaro rebate Maia e cita “velha política”

O presidente também alegou não saber por que Maia anda tão “agressivo” com ele

Bon vivant

Mergulhe no maravilhoso mundo dos cafés especiais

Além de apreciar safras de pequenos produtores, amantes da bebida podem tomar um banho terapêutico ou sobrevoar plantações a bordo de um balão

Fintech

Fundo do BNDES investe em ‘bolsa’ de cotas de consórcio

Com sede na Bahia, o Bom Consórcio funciona como uma plataforma de compra e venda de cotas de pessoas que desistiram ou deixaram de pagar as prestações

IR 2019

Guia: como declarar os seus investimentos no imposto de renda 2019

Você também precisa prestar contas das suas aplicações financeiras ao Leão! Confira nosso guia completo sobre como declarar investimentos no IR 2019

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu