Menu
2019-05-08T16:42:04+00:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
Pesquisa

Para 59% da população reforma da Previdência é necessária, mas conhecimento da proposta atual ainda é baixo

CNI Ibope mostra que 72% dos brasileiros concordam com o estabelecimento de uma idade mínima para a aposentadoria, mas ninguém quer trabalhar muito além dos 60 anos, mesmo que viva cada vez mais

8 de maio de 2019
11:26 - atualizado às 16:42
Previdência Social,Reforma da Previdência
previdencia -

Tanto o ministro da Economia, Paulo Guedes, quanto o secretário especial da Previdência, Rogério Marinho, vinham falando que a percepção da população com relação ao tema reforma da Previdência vinha amadurecendo em comparação com o governo Michel Temer e mais uma pesquisa reforça essa avaliação.

Sondagem feito pelo Ibope, a pedido da Confederação Nacional da Indústria (CNI), mostra que a reforma do sistema previdenciário é considerada necessária para 59% da população. Desse total 31% concordam totalmente com a sua necessidade e 28% concordam em parte.

Pesquisa feita pelo Datafolha e divulgada em abril, mostrava que a reforma era rejeitada por 51% da população, 41% eram favoráveis.

Os dados apresentados agora pela manhã devem ajudar a engrossar o debate na Comissão Especial da reforma que se reúne hoje à tarde e recebe o ministro Paulo Guedes.

O apoio cresce de acordo com a renda e a escolaridade do entrevistado. No grupo com renda familiar de até um salário mínimo, 51% acreditam que a reforma é necessária. Esse percentual sobe para 73%, no grupo com renda familiar superior a cinco salários mínimos.

Entre aqueles que completaram até a 4ª série do ensino fundamental, 52% entendem ser necessária uma reforma. Já entre as pessoas com ensino superior completo, 68% concordam.

Entre os entrevistados que já são aposentados, 65% concordam com a necessidade de reforma da previdência, enquanto 27% discordam.

Entre os não aposentados, o percentual de concordância com a reforma é de 58% e de discordância igual a 37%.

Idade mínima

A pesquisa nos mostra que 72% dos brasileiros concordam com o estabelecimento de uma idade mínima para a aposentadoria. A proposta atual institui 62 anos para as mulheres e 65 anos para os homens.

Embora a maioria da população defenda a adoção de uma idade mínima, ainda há grande concentração de pessoas, 80%, que entendem que a aposentadoria deve ocorrer até os 60 anos.

Mas vale destacar o aumento do percentual da população que acredita que a aposentadoria deve ocorrer com 61 anos ou mais.

Em pesquisa feita pela CNI em 2007, 8% afirmaram que as pessoas deveriam se aposentar com 61 anos ou mais. Esse percentual aumentou para 19% em 2019.

Parece haver um entendimento de que como as pessoas vivem mais faz sentido ter uma idade mínima. No entanto, quando interrogados se as pessoas deveriam se aposentar cada vez mais tarde, já que estão vivendo até idades cada vez mais avançadas, a maioria dos entrevistados se mostrou contrária.

Agora em 2019, 73% dos entrevistados discordaram da afirmação. Em 2015, esse percentual representou 75% da população, ou seja, não apresentou variação significativa, ficou dentro da margem de erro.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter

Desconhecimento

O nível de conhecimento da atual proposta do governo Jair Bolsonaro ainda é baixo. Apenas 36% dos brasileiros afirmam conhecer o conteúdo da proposta e entre eles, 51% afirmam ser contrários à proposta e 39% afirmam ser favoráveis. Tal resultado sugere que o governo tem de intensificar as ações de propaganda com relação à reforma.

Outro dado que chama atenção é que 79% dos brasileiros sabem que há regras de aposentadoria diferentes para alguns grupos de pessoas e a maioria entende que devem ser mantidas regras previdenciárias diferentes para trabalhadores rurais (62%), mulheres (62%), professores (61%), policiais civis (56%) e militares e Forças Armadas (56%). Isso ocorre mesmo com 57% da amostra dizendo que  não é justo que alguns grupos se aposentem com regras diferentes.

Aqui parece haver um desconhecimento sobre quem paga essa conta. Se alguém se aposenta antes de você ou ganhando mais, certamente é você quem paga. O mais interessante é que 68% concordam que quando alguns grupos se aposentam com regras diferentes, o restante da população é prejudicado.

Por outro lado, a população entende que os políticos (74%) e os servidores públicos (57%) devem estar sujeitos às mesmas regras que os demais trabalhadores. Esses dois pontos são abordados na proposta atual e poderiam ser melhor explorados pelo governo.

Como pagar a conta?

Ainda sobre quem arca com as aposentadorias, quando perguntados se estariam dispostos a pagar mais impostos para manter as regras previdenciárias atuais, 83% dos brasileiros dizem que não estão dispostos a pagar mais impostos.

Quando questionada sobre como resolver o problema da falta de dinheiro da Previdência, 59% da população entende que as regras para aposentadorias e pensões deveriam ser alteradas.

Para 33% dos brasileiros, as regras deveriam mudar apenas para quem ainda não contribui, enquanto 26% dos brasileiros entendem que as regras para aposentadorias e pensões deveriam mudar para quem já contribui para a
previdência, mas ainda não se aposentou.

Para 21% dos entrevistados, o sistema deveria ser mantido do jeito que é hoje, sendo que o dinheiro necessário para compensar a falta de dinheiro da Previdência deveria ser obtido por meio do aumento de impostos.

Quando confrontados com a possibilidade de o governo não conseguir aumentar impostos e precisar reduzir gastos, apenas 9% dos brasileiros apontam aposentadorias e pensões como objeto de corte de despesas.

Para 76% dos brasileiros, as reduções deveriam ser realizadas em áreas que não aposentadorias e pensões. Já 14% dos entrevistados não souberam ou não quiseram responder.

Onde cortar então? Aqui, novamente, a resposta chama atenção. As prioridades em redução de gastos deveriam ser investimentos em infraestrutura, citados por 32% dos entrevistados, e programas sociais, citados por 30% dos entrevistados. Ainda houve uma parcela de 24% dos respondentes que apontaram que o foco do corte de despesas deveria ser em “outras áreas”. O brasileiro concorda em dar assistência ao idoso pobre, mas se tiver faltando para o dele, que cortem dos demais necessitados, ou que piorem ainda mais os serviços de água, luz, transportes e energia.

Pensão e assistência

A maioria dos brasileiros, 60%, defende que o valor da pensão das(os) viúvas(os) cresça conforme aumente o número de filhos menores de idade.

Além disso, nos casos em que há acúmulo de aposentadoria e pensão, 65% dos entrevistados acredita que o valor recebido deve ser menor para quem tem renda familiar mais elevada e maior para quem tem renda familiar mais baixa. Dois pontos também contemplados pela reforma.

No que diz respeito aos mecanismos de assistência, a grande maioria dos brasileiros, 77%, acredita que é dever da sociedade garantir um salário mínimo a todos os idosos de baixa renda, inclusive aqueles que nunca contribuíram para a Previdência. Aqui transparece a natural confusão entre medidas de assistência e de Previdência.

A população se mostra dividida quando questionada se a garantia de um salário mínimo a todos os idosos de baixa renda, inclusive para aqueles que nunca contribuíram, incentiva as pessoas a não contribuírem para a Previdência.

Pouco menos da metade das pessoas, 46%, concorda, totalmente ou parcialmente, com a afirmação, enquanto quase metade da população, 49%, discorda. Esses valores não apresentaram variação significativa na comparação com 2015, quando corresponderam a 43% e 49%, respectivamente.

A pesquisa desta edição foi a campo nos dias 12 a 15 de abril de 2019 e entrevistou 2.000 eleitores com 16 anos ou mais, em 126 municípios. A margem de erro da pesquisa é de 2 pontos percentuais, para cima e para baixo, com 95% de confiança.

Comentários
Leia também
INVISTA COMO UM MILIONÁRIO

Sirva-se no banquete de investimentos dos ricaços

Você sabe como ter acesso aos craques que montam as carteiras dos ricaços com aplicações mínimas de R$ 30? A Pi nasceu para colocar esses bons investimentos ao seu alcance

tendência

Marfrig vai exportar carne vegetal para ao menos quatro países

Companhia brasileira anunciou no início de agosto a produção e comercialização de produtos à base de proteína vegetal, numa parceria com a americana ADM

preço da violência

Ataque à Aramco, na Arábia Saudita, pode afetar 5% da produção mundial de petróleo

Ataques à Aramco ocorrem em meio à escalada das tensões entre os rebeldes houthis, aliados do Irã, com a Arábia Saudita, apoiada pelos EUA

Proteção para a sua carteira

Ao escalar sua seleção de ações, pense duas vezes antes de colocar Vale e Suzano na defesa

As ações das exportadoras Vale e Suzano, clássicas opções defensivas para um cenário de dólar forte, acumulam desempenho negativo no ano, pressionadas pelos preços do minério e da celulose em baixa. Se esses papéis já não têm mais o mesmo apelo defensivo de antes, quais ativos da bolsa podem ocupar o miolo da zaga do seu portfólio?

quem disse que tá ruim?

Novatas de tecnologia na bolsa americana têm desempenho acima do S&P 500 – mesmo levando em conta Uber e Lyft

Levantamento feito por publicação americana leva em conta 13 IPOs de tecnologia deste ano nas bolsas e mostram que os papéis, juntos, valorizaram mais que o S&P 500

tensão

Drones atacam instalações de petroleira na Arábia Saudita

Reivindicado pelos rebeldes houthis que combatem a intervenção saudita no vizinho Iêmen, ataque atingiu duas refinarias da Aramco

oportunidades à vista

Brasil consegue abertura do mercado egípcio para lácteos e Bolsonaro comemora

Produtores brasileiros poderão exportar, já a partir de outubro, produtos como leite em pó e queijos para o mercado egípcio

unicórnio vai à bolsa

Startup de escritórios compartilhados WeWork reduz poderes do CEO

Prestes a estrear na bolsa, a WeWork enfrenta a preocupações de investidores por conta de seu modelo de negócio.

olha a dupla aí

Com IPO da C&A e avanço da Amazon, mercado espera aceleração de investimentos no varejo

Especialistas avaliam a oferta pública inicial de ações da rede de lojas de vestuário e a escalada da varejista fundada por Jeff Bezos

novela com o bilionário

Executivo das criptomoedas pagou US$ 4,6 milhões por almoço com Warren Buffett – mas encontro pode não acontecer

CEO da Tron, Justin Sun, venceu leilão beneficente que promove um encontro com o lendário investidor, mas história teve desdobramentos inesperados

olhos lá na frente

Mineradora tem projeto de R$ 9,1 bi com megabarragem no Norte de MG

Projeto prevê uma das maiores barragens de rejeitos do País, mas é condenado por entidades como o Movimento dos Atingidos por Barragens; empresa afirma que o modelo é seguro

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements