Menu
Julia Wiltgen
Julia Wiltgen
Jornalista formada pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) com pós-graduação em Finanças Corporativas e Investment Banking pela Fundação Instituto de Administração (FIA). Trabalhou com produção de reportagem na TV Globo e foi editora de finanças pessoais de Exame.com, na Editora Abril.
Além da poupança, claro

Onde os brasileiros investiram em 2018

Quem tem renda mais alta buscou um pouco mais de risco, mas varejão continuou com os pés fincados na poupança (sem necessidade)

11 de fevereiro de 2019
18:16 - atualizado às 18:56
Fundos multimercados, renda variável, debêntures e previdência privada devem continuar se destacando neste ano - Imagem: Ilustração: Pomb

Apesar dos juros baixos, os investidores brasileiros de varejo permaneceram com os pés fincados na caderneta de poupança em 2018. O volume depositado na mais popular das aplicações inclusive aumentou um pouquinho.

Felizmente, ao menos nos segmentos de renda mais elevada - varejo alta renda e private - os investidores deram continuidade ao movimento de diversificação e busca por aplicações de maior risco.

A Associação Brasileira das Entidades dos Mercados Financeiro e de Capitais (Anbima) divulgou, nesta segunda-feira (11) os resultados dos investimentos das pessoas físicas em 2018.

Segundo a entidade, o volume investido pelos brasileiros cresceu 9,0% no ano passado, em relação ao período anterior, superando a Selic média de 6,4% no ano em 2,6 pontos percentuais (tanto captação quanto o rendimento das aplicações são levados em conta).

Em 2017, o crescimento no volume dos investimentos, de 11,4%, superou a Selic média, que foi de 9,9%, em 1,5 ponto percentual. O resultado foi diferente dos dois anos anteriores, quando o aumento no volume foi inferior à taxa básica de juros.

No varejo, investidores continuam na poupança

Apesar dos juros mais baixos da história e do bom desempenho das aplicações de risco nos últimos dois anos, o volume aplicado na caderneta de poupança pelos investidores de varejo cresceu 10,0% em 2018, mais do que os 8,8% de 2017.

A caderneta ainda representa 40% dos recursos investidos pelo varejo, principalmente entre as pessoas físicas de menor renda (varejo tradicional), onde chega a quase 65% do total dos investimentos.

No segmento de varejo alta renda, entretanto, os fundos de renda fixa detêm a maior participação, de quase 36% do volume de investimentos. Quando cobram baixas taxas de administração, esses fundos têm a capacidade de render mais que a poupança “nova”.

O destaque no varejo alta renda em 2018 foi o aumento da participação dos multimercados no volume total investido, de 7,8% para 9,6%. Poupança, ações e CDB também ganharam participação no segmento.

(Passe o mouse ou clique sobre as barras dos gráficos para ver os números)

É de se esperar que quem tem menos dinheiro para investir seja conservador, mas não há a menor necessidade de ficar na poupança.

Hoje em dia temos fundos ultraconservadores e baratíssimos em diversas corretoras, fora o Tesouro Direto, no qual já é possível investir sem taxa mesmo nos grandes bancos. Ambos podem render mais do que a poupança, podendo substituí-la tranquilamente.

A baixa rentabilidade da poupança foi, por sinal, um dos motivos para que o crescimento do volume investido pelo varejo tradicional tenha ficado abaixo da Selic em 2018.

Enquanto no varejo de alta renda e no private o crescimento foi de 12,1% e 10,7%, respectivamente, no varejo tradicional foi de apenas 4,7%.

Além disso, um aumento de consumo no primeiro semestre do ano passado contribuiu para que esses investidores de menor renda poupassem menos.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter

Em todo o varejo (tradicional + alta renda), os investimentos que viram maior crescimento no volume investido em 2018 foram os fundos de ações, os fundos cambiais, as ações e os multimercados, nesta ordem. Destes, apenas as ações e os fundos cambiais cresceram mais que em 2017.

Claro que, em se tratando de varejo, a base de comparação é pequena, pois há relativamente poucos recursos alocados nesses tipos de ativos.

Mas outros dois fatores podem explicar esse aumento no ano passado: a valorização dos ativos de risco, sobretudo a partir da campanha eleitoral, e a maior procura dos investidores por ativos mais arriscados, em função dos juros baixos.

Em todo o varejo, a indústria de fundos como um todo cresceu 10,8%, à frente do crescimento de 10,0% da poupança.

Onde investem os mais ricos

Já os recursos dos mais ricos, do segmento private, estão mais concentrados nos fundos multimercados. Estes e os fundos de ações, por sinal, foram os únicos cuja participação cresceu no segmento no ano passado.

Os maiores crescimentos em volume no ano passado se deram nos fundos cambiais, fundos de ações, debêntures e previdência aberta, nesta ordem.

Destes, apenas as debêntures cresceram mais que no ano anterior. Elas vêm se destacando cada vez mais entre os investidores mais abastados. Já a previdência aberta é muito usada para planejamento tributário e sucessório, e pode ganhar fôlego, segundo os representantes da Anbima, caso os fundos exclusivos passem realmente a ser tributados.

A Anbima considera, no segmento de private banking, os investidores que têm, no mínimo, R$ 3 milhões em ativos financeiros.

Uma observação sobre as compromissadas, as LCI e LCA

Você deve ter percebido, pelos gráficos, que o crescimento nas operações compromissadas, LCI e LCA nos últimos dois anos em todos os segmentos foi de baixo a negativo.

No caso das compromissadas, isso se deu, segundo representantes da Anbima, porque desde 2017 os bancos pararam de distribuí-las, por questões normativas.

Já no caso das LCI, LCA e demais ativos com lastro nos mercados imobiliário e agrícola, o problema não foi a redução de demanda pelos investidores, mas sim de oferta pelos emissores.

Esses investimentos só são ofertados quando há operações de crédito nos mercados que eles financiam, pois estas operações lastreiam os títulos.

Caso a economia brasileira de fato passe por uma retomada em 2019, é bem possível que as emissões desses ativos voltem a crescer.

Tendências

Para Cláudio Sanches, vice-presidente do Comitê de Varejo da Anbima, a tendência no varejo é uma maior disseminação de fundos multimercados, que funcionam como porta de entrada da pessoa física nos investimentos com um pouco mais de risco.

Com a Selic baixa e as perspectivas de retomada no crescimento econômico, esses fundos devem se destacar sobretudo no segmento de alta renda, dando continuidade à tendência dos fundos de baixar suas aplicações mínimas iniciais.

Deve haver ainda uma tendência maior de migração para a renda variável e para as debêntures, que devem se popularizar cada vez mais.

Entre os investidores do varejo tradicional, o Tesouro Direto deve continuar ganhando espaço. Apesar do crescimento da poupança em 2018 e da sua enorme participação neste segmento, o volume aplicado em títulos públicos pelo programa do governo federal cresceu 17,2% no ano passado, percentual superior aos 14,5% de 2017.

Já para João Albino, presidente do Comitê de Private Banking da Anbima, no private as debêntures e a previdência privada devem continuar ganhando espaço.

“Muitas empresas médias e grandes estão financiando suas dívidas em prazos entre sete e 15 anos, sobretudo com debêntures incentivadas. E há um grande apetite do público private por esse produto”, disse, em teleconferência para jornalistas.

“Para previdência privada, a tendência é que esse produto chegue em 14% o 15% de participação no segmento, salvo se os fundos exclusivos passarem a ser tributados. Nesse caso, poderia crescer até mais”, completou.

Comentários
Leia também
Berkshire Hathaway

Até ele perde! Empresa de Warren Buffett tem prejuízo no 4º tri, e tombo da Kraft Heinz deu uma bela mãozinha

Prejuízo da empresa de alimentos, controlada por Buffett junto com a turma de Jorge Paulo Lemann, pesou nos resultados da Berkshire Hathaway

Novidades

O que mudou na declaração de imposto de renda em 2019

Principal novidade é a obrigação de informar CPF de dependentes e alimentandos, independentemente de idade; confira todas as mudanças e a atualização dos valores

Reforma da Previdência

Proposta de reforma para militares deve chegar ao Congresso antes de 20 de março

Segundo Rogério Marinho, secretário especial de Previdência e Trabalho, mudanças devem ser apresentadas ao Congresso antes do término do prazo de 30 dias estabelecido inicialmente

Em busca de um novo líder

Oi ainda sonda Amos Genish, ex-presidente da Vivo, para comandá-la

Em busca de novo líder para a sua reestruturação, operadora quer ex-presidente da Vivo e da Telecom Itália no comando, mas executivo recusou convite, por ora

Siga o dinheiro

Receita Federal entra na dança e passa a investigar miliciano ligado a Flávio Bolsonaro

Fisco vai ampliar a cooperação com o MP do Rio e investigar alvos da Operação Os Intocáveis; entre eles, está o ex-PM Adriano Magalhães da Nóbrega, cujas mãe e esposa trabalharam para o filho do presidente

Bon Vivant

Noronhe-se como os famosos! Fernando de Noronha tem luau de chefs, ‘sea coach’ e, claro, praias paradisíacas

Roteiros exclusivos e experiências customizadas são os ingredientes para incrementar a visita um dos lugares mais lindos do planeta onde dá praia o ano todo. Você também merece pisar no paraíso e curtir uns dias de folga.

É cilada, Bino

Mais de 930 moedas digitais deixaram de existir em 2018. Saiba quais são as apostas alternativas mais seguras para este ano

As informações são do site Deadcoins. Diante de tantos projetos mal-sucedidos no ano passado, criptomoedas como o Ethereum, Ripple e Iota permaneceram e são algumas das opções interessantes para 2019

Reforma da Previdência

À BBC, Mourão diz que Congresso aprova “qualquer coisa” para militar

Mourão justificou que a tramitação é muito mais rápida no caso dos militares porque, para isso, é necessário apenas um projeto de lei, que requer maioria simples dos votos

Mais um empecilho?

Tipo novela mexicana… Justiça concede liminar para suspender assembleia da Embraer que decidirá sobre acordo com Boieng

O juiz destacou que “não se visualiza nesta decisão qualquer ameaça ou comprometimento da economia do País ou situação provocadora de crise na medida que busca conservar uma situação que se encontra consolidada no tempo e eventual oscilação em preços de ações da Boeing ou da Embraer são considerados efeitos metajurídicos normais de qualquer decisão judicial sem a tônica de representar repercussão nos interesses do País”

O melhor do Seu Dinheiro

O Ministério da Economia adverte

Tem uma piada antiga sobre o fulano que vai comprar um maço de cigarros na padaria e, ao ler na embalagem que fumar causa impotência sexual, pede para o balconista trocar por um que causa câncer. Eu me lembrei da anedota ao me deparar com uma espécie de advertência do Ministério da Economia: o atual […]

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu