Menu
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
Próximo governo

O futuro do BC está mais nas maõs de Ilan Goldfajn do que de Paulo Guedes?

Equipe de transição aguarda uma decisão pessoal do presidente do BC sobre sua permanência ou não no cargo

8 de novembro de 2018
16:01 - atualizado às 17:01
Novo governo aguarda um sinal de Ilan sobre o futuro do BC - Imagem: Antonio Cruz/Agência Brasil

Parece que a decisão sobre a permanência de Ilan Goldfajn no Banco Central a partir de 2019 depende mais dele do que do time de Bolsonaro. Segundo informações do Broadcast/Estadão, a equipe de transição para o novo governo espera por um posicionamento de Ilan a respeito de seu futuro ainda não descartaram seu nome de vez.

A notícia vai na contramão do que circula atualmente em Brasília, de que o presidente do banco estaria fora da jogada. Há uma expectativa de que a questão da autonomia do BC possa abrir espaço para Goldfajn ficar no cargo até março de 2020.

Vale lembrar que o projeto de autonomia que tramita hoje na Câmara prevê mandatos fixos de quatro anos para o presidente e os diretores da autarquia. Cada dirigente poderá ser reconduzido ao cargo uma única vez, por mais quatro anos, e a nova dinâmica de mandatos fixos começaria em 1º de março de 2020 - portanto, já no segundo ano do governo de Jair Bolsonaro. Goldfajn seria, portanto, o presidente da transição até o início dos mandatos fixos.

Os substitutos

Segundo do Broadcast/Estadão, são cinco os nomes cotados para substituir Ilan caso ele de fato escolha deixar o BC: o ex-diretor de Política Econômica do BC Afonso Bevilaqua; o atual diretor de Política Econômica, Carlos Viana de Carvalho; o também ex-diretor do BC e atual economista chefe do Itaú Unibanco, Mário Mesquita; o ex-diretor do BC e sócio da gestora SPX Capital, Benny Parnes; e Roberto Campos Neto, diretor do Santander.

Entre estes nomes, Viana é o mais alinhado com a política atual do BC. Além de fazer parte do atual comando, ele foi indicado por Ilan e boa parte das mudanças que o BC teve nos últimos anos tem a sua participação. Já Bevilaqua, Mesquita e Parnes atuaram no BC em outros momentos.

*Com Estadão Conteúdo.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Comentários
Leia também
Conteúdo patrocinado por Startse

Bitcoin é furada? O que “eles” viram que você ainda não viu?

Enquanto cresce o número de pessoas com medo das criptomoedas, cresce também o número de pessoas e empresas que aprenderam “um novo jeito” de ficar rico com elas.

Clima está tenso

“O governo é um deserto de ideias”, afirma Maia

Na avaliação do presidente da Câmara, o ministro da Economia, Paulo Guedes, é “uma ilha” dentro do Executivo

Um toma lá da cá

Em discurso, Bolsonaro diz que responsabilidade sobre a previdência está com o Parlamento

“Não é uma questão de governo, e sim de estado, para que nós do Brasil não experimentemos situações que outros países enfrentaram, como na Europa”, disse o presidente

Aliados

Partidos saem em defesa de Maia após crise com governo

Em um gesto de apoio a Maia, o PPS recebeu o presidente da Câmara em sua convenção nacional realizada hoje em Brasília

Águas passadas?

Maia diz que atrito com governo em relação à Previdência é “página virada”

Ele falou com jornalistas antes de uma breve participação em congresso do PPS, em Brasília

Bon Vivant

Saiba quais são as maratonas preferidas de quem trabalha no mercado financeiro

Boston, Chicago, Nova York e Berlim estão entre as competições preferidas, mas a lista inclui também provas exóticas

Tempos ruins para a empresa

Dívida da Avianca dá “salto” e agora é de R$ 2,7 bilhões

A alteração no valor da dívida ocorreu em dois momentos. Em janeiro, a companhia atualizou a primeira lista para R$ 1,3 bilhão por conta própria. Protocolada ontem na Justiça, a segunda modificação, para R$ 2,7 bilhões, veio depois de pedido dos credores

Será que vem chumbo quente por aí?

Caminhoneiros se mobilizam para nova paralisação

Os monitoramentos são feitos pelo Gabinete de Segurança Institucional (GSI), que tem por missão se antecipar aos fatos para evitar problemas para o governo

Clima pesado no governo

“Não dei motivo”, diz Bolsonaro sobre a saída de Maia da articulação

O presidente disse que a declaração de seu filho, o vereador Carlos Bolsonaro (PSC-RJ), com críticas a Maia por adiar a tramitação do projeto anticrime, não é motivo para ele ameaçar sair da articulação política

Polêmica

Bretas usou proposta rejeitada no Congresso para prender Temer, diz jurista

Thiago Bottino afirmou que tanto os procuradores do Ministério Público Federal quanto Bretas se fundamentaram no item número 9 do pacote das “Dez medidas contra a corrupção”, apresentado em 2016 por integrantes da Lava Jato, para prender Temer

BOMBOU NA SEMANA

MAIS LIDAS: do país das maravilhas à dura realidade

 A segunda-feira começou com o Ibovespa aos 100 mil pontos, um marco histórico na bolsa de valores brasileira. O clima azedou e o índice fechou na sexta abaixo de 94 mil

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu