Menu
Luciana Seabra
Advogada do Investidor
Luciana Seabra
É CFP®, especialista em fundos de investimento e sócia da Empiricus
2019-07-04T08:44:12+00:00
Advogada do investidor

Meu ETF de Ibovespa favorito

Mercado que andava adormecido, de um mês para cá virou um agito só. Para que você não se perca em meio à concorrência, fizemos uma varredura da oferta

4 de julho de 2019
5:58 - atualizado às 8:44
b3-bovespa-bolsa
Imagem: Shutterstock

Se uma única estátua fosse erguida para homenagear o americano que mais fez pelos investidores, de quem ela deveria ser? Você respondeu Warren Buffett? Pois o megainvestidor mesmo disse que ela deveria representar outra pessoa: Jack Bogle.

Bogle, falecido em janeiro deste ano, deixou de legado os estudos que fundamentaram os fundos passivos, produtos baratos que reproduzem os índices de mercado. E viveu para vê-los acumular cerca de 7 trilhões de dólares em ativos no mundo todo.

Se você acompanha esta newsletter há tempos, sabe que eu ainda prefiro, pelo menos para a Bolsa brasileira, a gestão ativa à passiva. Ou seja, prefiro delegar a um gestor disciplinado e dedicado a seleção de 10 a 20 ações para investir a comprar a cesta inteira do Ibovespa.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter

E já mostrei aqui mais de uma vez que, historicamente, os gestores brasileiros ativos superam o Ibovespa na média, mesmo se considerado o viés de sobrevivência. Pode ser porque o índice era pior no passado, pode ser por um motivo que não estou vendo, mas os dados ainda me mostram a vantagem da gestão ativa.

Difícil pra mim preferir um ETF, fundo indexado listado em Bolsa, quando vejo uma gestora como a Brasil Capital entregar mais de 1.000 por cento de retorno na última década, enquanto o Ibovespa mostrava apenas 147 por cento (apenas para citar um fundo que segue aberto).

Dito isso, não tenho como fechar os olhos para autoridades como Buffett e Bogle. Para um investidor que não tem qualquer acesso à informação de qualidade para selecionar fundos, concordo que a melhor ferramenta para acessar a Bolsa é o ETF.

Pois bem, você deve ter visto que esse mercado, que andava adormecido, de um mês para cá virou um agito só. Para que você não se perca em meio à concorrência dos gigantes, fizemos uma varredura da oferta.

O mais importante, para começar, é você saber que não basta observar a taxa de administração. Sim, os mais baratos saem na vantagem: como o objetivo desses fundos é replicar o Ibovespa, não faz sentido cobrarem caro.

Olhar para a taxa, entretanto, não basta – e aí é que está o segredo da avaliação de um ETF.

Um fundo passivo pode ser mais barato do que os demais e render menos. Como é, por definição, um investidor de longo prazo em muitos papéis, o ETF pode auferir uma boa receita alugando uma parte deles a investidores que desejam montar posições vendidas.

Então, você deveria esperar que o ETF rendesse menos do que o índice, já que ele compra todas as ações e desconta a taxa, certo? É o aluguel que permite ao BOVV11, o ETF de Ibovespa do Itaú, entregar 14,89 por cento neste ano, um pouco acima dos 14,88 por cento do Ibovespa, mesmo depois de descontada a taxa de administração de 0,3 por cento ao ano.

Até aqui, o BOVV11 é o melhor instrumento para ficar indexado ao principal índice da Bolsa brasileira. Você pode conferir com seus próprios olhos: o BOVA11, ETF da BlackRock, com 0,54 por cento de taxa, rende 14,70 por cento no ano. E o da Caixa, com seu 0,5 por cento de custo, ganha 14,57 por cento.

A disputa estava óbvia até poucos dias atrás, quando a BlackRock empatou sua taxa com a do Itaú, em 0,3 por cento ao ano. E o Bradesco lançou o BOVB11, com seus 0,2 por cento ao ano, mais barato do que os dois já existentes. Somente o produto da Caixa ficou para trás, comendo poeira.

E agora? Com taxas tão próximas, o jeito é observar a capacidade de geração de receita com aluguel. Os gestores definem o máximo do patrimônio do fundo que podem dispor dessa forma no regulamento do fundo e esse já é um bom parâmetro. O mais importante, entretanto, é ver o quanto eles alugam na prática.

Itaú e Bradesco podem alugar até 70 por cento do patrimônio. Mas, na prática, no BOVV11, o Itaú doa historicamente cerca de 25 por cento da carteira. O produto do Bradesco é jovem demais para que saibamos qual será a prática. A BlackRock aumentou, na semana passada, o quanto pode doar de 30 para 40 por cento, mas historicamente fica entre 10 e 15 por cento.

Então, mais importante do que saber os limites permitidos é acompanhar o quanto os gestores têm de receita com aluguel na prática.

Para completar a brincadeira, o BTG lançou em março um fundo indexado ao Ibovespa com taxa 0,15 por cento ao ano – e, portanto, mais barato do que os ETFs, até mesmo o do Bradesco – e possibilidade de doar até 100 por cento da carteira.

O retorno, até aqui, do produto do BTG, seja por custos fixos, seja por aluguel na prática, tem ficado um pouco aquém do BOVV11. Mas a gestora baixou nesta semana a taxa a 0,14 por cento ao ano e já anunciou que pretende fazer novos cortes à medida que o patrimônio do fundo aumentar (nos moldes do que fez com o Tesouro Selic Simples).

Por enquanto, fico com o que meus olhos podem ver: o meu indexado ao Ibovespa favorito segue o BOVV11, até que me provem o contrário.

Mas estou preparada para mudar de opinião a qualquer momento. Nos próximos meses, vamos acompanhar de perto como os gestores se diferenciam em termos de capacidade de aluguel de ações. Surpreendam-nos!

Cota cheia

Um brinde ao aquecimento do mercado de ETFs! Os maiores beneficiados com a disputa por preço somos nós, investidores.

Se você conhece o mercado global, talvez siga insatisfeito com o patamar de taxas cobradas por esses produtos no Brasil, entre 0,15 e 0,3 por cento. Nos EUA, a disputa já corre na segunda casa decimal. BlackRock, Fidelity, Schwab e Vanguard oferecem fundos indexados com taxa zero ou perto disso.

Bom dizer, entretanto, que não estamos tão atrasados quanto parece. Isso porque, no mercado americano, os gestores de ETFs podem se apropriar de parte da receita do aluguel. E, segundo um levantamento da Morningstar, a receita retida chega a 30 por cento em alguns produtos.

Ou seja, um ETF de taxa zero lá fora não implica que a gestora esteja fazendo caridade. Ela, na verdade, pode ser remunerada com uma parte da receita obtida com a doação de ações – o que é até interessante, porque o gestor precisa trabalhar para ser remunerado.

Aqui no Brasil, porém, como se apropriar de uma parte da receita com aluguel é proibido (pelo menos até o momento), tudo precisa ser repassado ao cotista. Apesar de ser mais visível, pagar taxa de administração pode até sair mais barato do que rachar a receita com aluguel.

Cota murcha

Enquanto a disputa nos ETFs acontece em torno do 0,15 a 0,3 por cento ao ano, os bancos ainda têm fundos indexados absurdamente caros.

Dentre os classificados como indexados na Anbima, o campeão às avessas é o Caixa Ibovespa, com taxa de 4 por cento ao ano! Ele vem acompanhado do Bradesco Indexado, com 3,5 por cento, e do Santander Índice Bovespa, com 3 por cento. Só para falar dos piores.

Se você é cotista de um deles, passou da hora de trocar. Vá de BOVV11, BOVA11, BOVB11, BTG Indexado, do que quiser... De todo jeito, você estará muito melhor do que nesse fundo caro aí, fazendo exatamente a mesma coisa: perseguindo o Ibovespa.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

App da Pi

Aplique de forma simples, transparente e segura

Aquecendo o mercado imobiliário

Novo programa habitacional pode ter verba de R$ 450 milhões em 2020

Governo quer substituir o atual programa habitacional por um sistema de “voucher”, um vale que assegurará um crédito às famílias para a casa própria

Destinos no Brasil e América do Sul

Latam Brasil amplia acordo de codeshare com a Qatar Airways

Agora bilateral, a parceria proporcionará aos clientes da Qatar Airways conexões para destinos em todo o Brasil e América do Sul

Seu Dinheiro na sua noite

Não é só a Previdência

Quando Paulo Guedes assumiu o comando da economia no governo Bolsonaro, formou-se no mercado um misto de grande expectativa e curiosidade. Afinal, era a primeira vez que o Brasil teria uma diretriz liberal “puro sangue”. Parte dos investidores esperava que as primeiras medidas de abertura comercial fossem tomadas logo em janeiro, já que não dependiam […]

Mercado paralelo

Unick Forex é alvo de operação da PF por esquema de pirâmide financeira

A empresa vinha sendo investigada por atuar no mercado financeiro paralelo com a captação ilegal de recursos de cerca de um milhão de clientes

Caged saindo do forno

Saldo líquido de emprego formal foi positivo em 157.213 vagas em setembro

Saldo de setembro do Caged decorre de 1,341 milhão de admissões e 1,184 milhão de demissões

Não está sendo fácil

Campos Neto destaca nos EUA choques internacionais que afetaram PIB em 2019

Apresentação do presidente do BC mostra que a projeção do mercado financeiro para o crescimento do Produto Interno Bruto em 2019 é de 0,87%

Crise profunda no PSL

Bolsonaro tenta derrubar líder na Câmara, sofre derrota e destitui Joice Hasselmann da liderança no Congresso

Presidente atuou pessoalmente para tentar derrubar Delegado Waldir, mas movimento foi falho e apenas aprofundou a crise no partido

falam os analistas

UBS eleva preço-alvo da Via Varejo, mas diz que ainda não é hora de comprar a ação da companhia

Analistas do banco suíço avaliam que mudanças promovidas na varejista após a retomada do controle acionário pelo bloco da família Klein ainda não são suficientes para recomendar a compra dos papeis, que ontem fecharam cotados a R$ 7,82

Tá bem na fita

Santander recomenda compra das ações do Banco Pan, chama ativo de “melhor dos dois mundos” e papéis disparam na bolsa

Setor de investimentos do banco espanhol iniciou sua cobertura das ações com um preço-alvo de R$ 14

Balanço SPE

Queda do juro no Brasil é estrutural, diz Ministério da Economia

Entre 2011 e 2013, queda de juros foi feita “na marra” e se tornou insustentável. Agora, Selic menor é vista como sustentável

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements