Menu
2019-08-30T11:34:57+00:00
Natalia Gómez
Natalia Gómez
O SÉTIMO MAIS RICO DO MUNDO

Larry Ellison montou a Oracle para trabalhar com os amigos. Com a CIA como 1º cliente, ficou bilionário e até deu pinta em filme de super-herói

Uma série do Seu Dinheiro com a história dos 10 homens mais ricos do mundo. Quem são? Como vivem? Como ficaram bilionários? E que lições você pode aprender com eles?

7 de julho de 2019
5:05 - atualizado às 11:34
Larry Ellison, fundador da Oracle
Imagem: Shutterstock

Quem vê o empresário Larry Ellison na lista dos homens mais ricos do mundo pode até saber que ele fez fortuna ao fundar a gigante Oracle, mas é difícil imaginar que o famoso playboy de 74 anos tenha começado a sua vida de empreendedor com tão pouca pretensão. Quando jovem, o seu objetivo era iniciar uma startup onde ele pudesse “criar” um bom emprego para si mesmo, como programador, junto com poucos colegas de profissão. A ideia era ter uma empresa com 50 pessoas. “Queria estar com pessoas que eu respeitava e gostava de trabalhar, mas acabou sendo ‘um pouco’ maior do que isso”, conta o empresário em uma entrevista concedida à Fox em 2018.

  • Esta reportagem faz parte da série especial Rota do Bilhão, que conta a trajetória dos 10 homens mais ricos do mundo. Quem são? Como vivem? Como ficaram bilionários? E que lições você pode aprender com eles? Veja todas as histórias neste link.

Atualmente, a Oracle conta com 138 mil funcionários em todo o mundo e uma receita anual de US$ 40 bilhões. Seu fundador ocupa a sétima posição na lista de homens mais ricos do mundo, com uma fortuna de US$ 62,5 bilhões. O que explica esta grande virada foi uma aposta do jovem Ellison em um produto que ainda não existia e não despertava otimismo no mercado. Na época, um funcionário da IBM estava estudando bancos de dados relacionais e havia publicado alguns artigos a respeito, mas a empresa não via potencial comercial no produto.

Este tipo de banco de dado, atualmente tido como “arroz e feijão”, seria uma revolução nos anos 1970, porque permitia que usuários sem conhecimento técnico armazenassem, extraíssem e analisassem grandes quantidades de informações de um banco de dados. “Naqueles tempos, os especialistas em computadores achavam que bancos de dados relacionais poderiam ser construídos, mas nunca seriam rápidos o suficiente para serem úteis”, conta Ellison em um famoso discurso dado na Universidade do Sul da Califórnia (USC), em 2016. “Eu achava que todos aqueles especialistas estavam errados.”

Estreia em grande estilo

O primeiro cliente desta solução foi ninguém menos que a CIA, Agência Central de Inteligência dos Estados Unidos, e o nome dado ao projeto foi Oracle. Alguns anos depois – por ironia do destino -, a própria IBM se tornou cliente da Oracle. O produto foi lançado no mercado com o nome Oracle 2, embora não houvesse Oracle 1. A intenção do empresário era dar a entender que todos os bugs haviam sido resolvidos e que se tratava de um produto melhorado.

A ousadia do empresário deu origem a um negócio tão próspero, que pouco restou daquele jovem com sonhos modestos. A empresa duplicava as vendas a cada ano, e decidiu realizar uma oferta inicial de ações em 1986.

Crise após balanço inflado

Tempos desafiadores começaram na década de 1990, quando a Oracle entrou em crise e teve que demitir toda a sua diretoria. Na ocasião, a equipe de vendas contabilizou receitas futuras no trimestre corrente, inflando os resultados, o que causou processos judiciais e muita dor de cabeça. Em entrevistas à televisão, o empresário confessou que este foi o maior desafio da sua carreira.

Desde então, a empresa passou a ter clientes no setor bancário, aéreo, automotivo, varejista, se beneficiando também da escalada do comércio eletrônico. Foram realizadas dezenas de aquisições ao longo do caminho. Um dos destaques foi a compra da Sun Microsystems, em 2010. A Sun é a responsável pela criação da linguagem de programação Java, usada no desenvolvimento de aplicativos para sites e celulares.

Da periferia para a ilha particular

A imagem de playboy do empresário é conhecida por todo o mundo, mas no começo ele era apenas um garoto sem muita certeza do que fazer da vida. Trabalhava como programador para se sustentar, mas tinha mais interesse em liderar passeios de barco e estar próximo da natureza.

Nascido em Nova York em 17 de agosto de 1944, quando sua mãe tinha apenas 19 anos, nunca contou com a presença do pai. Aos nove meses de idade, foi morar com um casal de tios em Chicago, e adotado por eles mais de uma década depois. Foi criado como judeu, mas nunca se identificou com os dogmas da religião. Como ele mesmo disse em entrevistas, teve no início da vida “todas as desvantagens necessárias para o sucesso”, como morar na periferia de Chicago e almejar viver em um lugar melhor.

Pensou em estudar medicina, convencido pelos pais e pela namorada, mas acabou mudando de ideia. Chegou a estudar em duas universidades, mas não concluiu nenhuma graduação. Em 1966, aos 22 anos, decidiu se mudar para Berkeley, Califórnia, perto do Vale do Silício, que ainda dava seus primeiros passos.

Trabalhou como programador em várias empresas de tecnologia por uma década, mas não se sentia completamente satisfeito. Foi então que decidiu criar a própria empresa em 1977, com um investimento inicial de 1,2 mil dólares. A semente do que um dia seria a Oracle se chamava Software Development Laboratories e contava com dois sócios – Robert Miner e Ed Oates. O nome atual passou a ser usado apenas em 1982, depois do bem-sucedido projeto feito para a CIA.

Ilha de Lanai, no Hawaii, vista a partir de imagem de drone
Ilha de Lanai, no Hawaii, foi comprada por Larry Ellison - Imagem: Shutterstock

Conforme os dividendos da Oracle começaram a entrar no bolso, Ellison adotou um estilo de vida extravagante. Fã de esportes como surf, tênis, navegação e ciclismo, gosta de comprar iates e imóveis, e chamou atenção ao comprar a ilha de Lanai no Havaí, em 2012, por US$ 300 milhões. Em 1999, construiu em Woodside, na Califórnia, uma reprodução exata de uma fazenda do século XVI japonês. Além disso, ele é piloto e tem seus próprios aviões.

Como ele mesmo disse no discurso da USC: “depois de um certo ponto… você não consegue gastar tudo, não importa o quanto tente. Eu sei, eu tentei muito, mas é impossível.” Nesta tentativa, até um time de basquete ele tentou comprar. Mas nem só de consumismo vive o titã da tecnologia. Em 2016, ele doou 200 milhões de dólares para um centro de tratamento de câncer da USC.

Quatro divórcios, dois filhos

Na vida pessoal, o fundador da Oracle parece não ter o mesmo sucesso do mundo do trabalho. Foi casado e se divorciou quatro vezes, e teve dois filhos no seu terceiro casamento. Atualmente namora Nikita Kahn, modelo e atriz ucraniana de 28 anos. Foi amigo do lendário Steve Jobs durante muitos anos, e chegou a participar da diretoria da Apple no final dos anos 1980.

Larry Ellison, fundador da Oracle, com a namorada Nikita Kahn - Imagem: Shutterstock

Ellison deixou o cargo de CEO da Oracle em 2014, mas mantém os cargos de presidente do conselho de administração e diretor de tecnologia, além de ser o seu principal acionista. Participa atualmente do conselho da fabricante de automóveis Tesla, do seu amigo Elon Musk. Em 2018, fundou a Sensei, startup focada em agricultura hidropônica que atua na ilha de Lanai.

Recentemente, o extravagante Ellison fez uma aparição no filme Homem de Ferro 2, fazendo jus às comparações feitas entre o executivo e o personagem na época do lançamento do primeiro filme da trilogia, em 2008. Como gastos nunca são demais para o empresário, a Oracle também patrocinou o filme.

Veja abaixo a cena em que Larry Ellison aparece:

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Comentários
Leia também
UMA OPÇÃO PARA SUA RESERVA DE EMERGÊNCIA

Um ‘Tesouro Direto’ melhor que o Tesouro Direto

Você sabia que existe outro jeito de investir a partir de R$ 30 em títulos públicos e com um retorno maior? Fiz as contas e te mostro o caminho

Dúvidas atrás de dúvidas

Bolsas da Europa fecham em queda, com incertezas sobre acordo entre EUA e China

Apesar de resultados econômicos positivos da Alemanha, a cautela no mercado também foi alimentada por dados fracos no Reino Unido e na China

Joia reluzente

A Vivara cresceu no trimestre e já começa a entregar uma das promessas do IPO

A Vivara mostrou crescimento da receita líquida e um aumento importante nas vendas do e-commerce — resultados que dão força às ações da empresa

Bolsa

Via Varejo tem prejuízo maior e queda nas vendas. Então por que a ação sobe?

Como ninguém esperava mesmo um balanço bonito, os investidores se debruçaram em encontrar algum sinal de avanço na ampla reestruturação implementada desde que Michael Klein reassumiu o comando da varejista

atento ao balanço

Ação da Sinqia sobe com resultado do terceiro trimestre — analistas veem espaço para valorização de mais de 20% da ação

Após quatro aquisições, provedora de tecnologia para o sistema financeiro bateu recorde de receita; para analistas, ação pode chegar a R$ 23

hora do tchau?

Presidente do BNDES vê redução de carteira de ações da instituição em até três anos

Gustavo Montezano ressaltou que as alienações podem ser pela “mesa de operações” do banco, em bloco ou em ofertas

Tem que melhorar

Fitch mantém nota de crédito do Brasil em grau especulativo

Ainda falta um bocado de consolidação fiscal e crescimento econômico para o país retomar o almejado grau de investimento

em brasília

Presidente do STF exige do BC e obtém acesso a dados sigilosos de 600 mil pessoas

Segundo fontes, Toffoli ainda não acessou os relatórios, que lhe foram disponibilizados eletronicamente; PGR avalia recorrer da decisão

Economia

“Se o Brasil continuar com as reformas, as agências podem voltar com o grau de investimento em até um ano”, destaca Mario Mesquita

Mesquita disse que, se olhar o Credit Default Swap (CDS) brasileiro, “é possível perceber que ele já é compatível com país com grau de investimentos”

DEPOIS DE DOIS ANOS...

Pão de Açúcar planeja abrir novas unidades em 2020

A marca Pão de Açúcar sempre foi a “queridinha” do setor de supermercados e sinônimo de loja com produtos diferenciados. “Mas, nos últimos anos, a marca empalideceu”, afirma o consultor da Mixxer Desenvolvimento Empresarial, Eugênio Foganholo

Cúpula no Brasil

Bolsonaro diz que Brics trabalhou para alimentar competitividade e produtividade

Bolsonaro disse que a relevância econômica do Brics é inquestionável e que o grupo de países seguirá crescendo. Segundo Bolsonaro, esses resultados garantem legitimidade para governança internacional “mais inclusiva”.

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements