Menu
2019-07-06T21:17:40+00:00
Natalia Gómez
Natalia Gómez
O SÉTIMO MAIS RICO DO MUNDO

Larry Ellison montou a Oracle para trabalhar com os amigos. Com a CIA como 1º cliente, ficou bilionário e até deu pinta em filme de super-herói

De origem humilde, Larry Ellison adotou estilo extravagante após ficar rico e disse que não consegue gastar todo o seu dinheiro, por mais que tente: ‘É impossível!’; conheça a história do programador que virou o sétimo homem mais rico do mundo, com fortuna de US$ 62,5 bilhões

7 de julho de 2019
5:05 - atualizado às 21:17
Larry Ellison, fundador da Oracle
Larry Ellison, fundador da Oracle - Imagem: Shutterstock

Quem vê o empresário Larry Ellison na lista dos homens mais ricos do mundo pode até saber que ele fez fortuna ao fundar a gigante Oracle, mas é difícil imaginar que o famoso playboy de 74 anos tenha começado a sua vida de empreendedor com tão pouca pretensão. Quando jovem, o seu objetivo era iniciar uma startup onde ele pudesse “criar” um bom emprego para si mesmo, como programador, junto com poucos colegas de profissão. A ideia era ter uma empresa com 50 pessoas. “Queria estar com pessoas que eu respeitava e gostava de trabalhar, mas acabou sendo ‘um pouco’ maior do que isso”, conta o empresário em uma entrevista concedida à Fox em 2018.

  • Seu Dinheiro lançou no dia 16 uma série com a história dos 10 homens mais ricos do mundo. Quem são? Como vivem? Como ficaram bilionários? E que lições você pode aprender com eles? Clique aqui para receber todas elas no seu e-mail. Conheça a trajetória de Larry Ellison:

Atualmente, a Oracle conta com 138 mil funcionários em todo o mundo e uma receita anual de US$ 40 bilhões. Seu fundador ocupa a sétima posição na lista de homens mais ricos do mundo, com uma fortuna de US$ 62,5 bilhões. O que explica esta grande virada foi uma aposta do jovem Ellison em um produto que ainda não existia e não despertava otimismo no mercado. Na época, um funcionário da IBM estava estudando bancos de dados relacionais e havia publicado alguns artigos a respeito, mas a empresa não via potencial comercial no produto.

Este tipo de banco de dado, atualmente tido como “arroz e feijão”, seria uma revolução nos anos 1970, porque permitia que usuários sem conhecimento técnico armazenassem, extraíssem e analisassem grandes quantidades de informações de um banco de dados. “Naqueles tempos, os especialistas em computadores achavam que bancos de dados relacionais poderiam ser construídos, mas nunca seriam rápidos o suficiente para serem úteis”, conta Ellison em um famoso discurso dado na Universidade do Sul da Califórnia (USC), em 2016. “Eu achava que todos aqueles especialistas estavam errados.”

Estreia em grande estilo

O primeiro cliente desta solução foi ninguém menos que a CIA, Agência Central de Inteligência dos Estados Unidos, e o nome dado ao projeto foi Oracle. Alguns anos depois – por ironia do destino -, a própria IBM se tornou cliente da Oracle. O produto foi lançado no mercado com o nome Oracle 2, embora não houvesse Oracle 1. A intenção do empresário era dar a entender que todos os bugs haviam sido resolvidos e que se tratava de um produto melhorado.

A ousadia do empresário deu origem a um negócio tão próspero, que pouco restou daquele jovem com sonhos modestos. A empresa duplicava as vendas a cada ano, e decidiu realizar uma oferta inicial de ações em 1986.

Crise após balanço inflado

Tempos desafiadores começaram na década de 1990, quando a Oracle entrou em crise e teve que demitir toda a sua diretoria. Na ocasião, a equipe de vendas contabilizou receitas futuras no trimestre corrente, inflando os resultados, o que causou processos judiciais e muita dor de cabeça. Em entrevistas à televisão, o empresário confessou que este foi o maior desafio da sua carreira.

Desde então, a empresa passou a ter clientes no setor bancário, aéreo, automotivo, varejista, se beneficiando também da escalada do comércio eletrônico. Foram realizadas dezenas de aquisições ao longo do caminho. Um dos destaques foi a compra da Sun Microsystems, em 2010. A Sun é a responsável pela criação da linguagem de programação Java, usada no desenvolvimento de aplicativos para sites e celulares.

Da periferia para a ilha particular

A imagem de playboy do empresário é conhecida por todo o mundo, mas no começo ele era apenas um garoto sem muita certeza do que fazer da vida. Trabalhava como programador para se sustentar, mas tinha mais interesse em liderar passeios de barco e estar próximo da natureza.

Nascido em Nova York em 17 de agosto de 1944, quando sua mãe tinha apenas 19 anos, nunca contou com a presença do pai. Aos nove meses de idade, foi morar com um casal de tios em Chicago, e adotado por eles mais de uma década depois. Foi criado como judeu, mas nunca se identificou com os dogmas da religião. Como ele mesmo disse em entrevistas, teve no início da vida “todas as desvantagens necessárias para o sucesso”, como morar na periferia de Chicago e almejar viver em um lugar melhor.

Pensou em estudar medicina, convencido pelos pais e pela namorada, mas acabou mudando de ideia. Chegou a estudar em duas universidades, mas não concluiu nenhuma graduação. Em 1966, aos 22 anos, decidiu se mudar para Berkeley, Califórnia, perto do Vale do Silício, que ainda dava seus primeiros passos.

Trabalhou como programador em várias empresas de tecnologia por uma década, mas não se sentia completamente satisfeito. Foi então que decidiu criar a própria empresa em 1977, com um investimento inicial de 1,2 mil dólares. A semente do que um dia seria a Oracle se chamava Software Development Laboratories e contava com dois sócios – Robert Miner e Ed Oates. O nome atual passou a ser usado apenas em 1982, depois do bem-sucedido projeto feito para a CIA.

Ilha de Lanai, no Hawaii, vista a partir de imagem de drone
Ilha de Lanai, no Hawaii, foi comprada por Larry Ellison - Imagem: Shutterstock

Conforme os dividendos da Oracle começaram a entrar no bolso, Ellison adotou um estilo de vida extravagante. Fã de esportes como surf, tênis, navegação e ciclismo, gosta de comprar iates e imóveis, e chamou atenção ao comprar a ilha de Lanai no Havaí, em 2012, por US$ 300 milhões. Em 1999, construiu em Woodside, na Califórnia, uma reprodução exata de uma fazenda do século XVI japonês. Além disso, ele é piloto e tem seus próprios aviões.

Como ele mesmo disse no discurso da USC: “depois de um certo ponto… você não consegue gastar tudo, não importa o quanto tente. Eu sei, eu tentei muito, mas é impossível.” Nesta tentativa, até um time de basquete ele tentou comprar. Mas nem só de consumismo vive o titã da tecnologia. Em 2016, ele doou 200 milhões de dólares para um centro de tratamento de câncer da USC.

Quatro divórcios, dois filhos

Na vida pessoal, o fundador da Oracle parece não ter o mesmo sucesso do mundo do trabalho. Foi casado e se divorciou quatro vezes, e teve dois filhos no seu terceiro casamento. Atualmente namora Nikita Kahn, modelo e atriz ucraniana de 28 anos. Foi amigo do lendário Steve Jobs durante muitos anos, e chegou a participar da diretoria da Apple no final dos anos 1980.

Larry Ellison, fundador da Oracle, com a namorada Nikita Kahn - Imagem: Shutterstock

Ellison deixou o cargo de CEO da Oracle em 2014, mas mantém os cargos de presidente do conselho de administração e diretor de tecnologia, além de ser o seu principal acionista. Participa atualmente do conselho da fabricante de automóveis Tesla, do seu amigo Elon Musk. Em 2018, fundou a Sensei, startup focada em agricultura hidropônica que atua na ilha de Lanai.

Recentemente, o extravagante Ellison fez uma aparição no filme Homem de Ferro 2, fazendo jus às comparações feitas entre o executivo e o personagem na época do lançamento do primeiro filme da trilogia, em 2008. Como gastos nunca são demais para o empresário, a Oracle também patrocinou o filme.

Veja abaixo a cena em que Larry Ellison aparece:

 

Biografia de Larry Ellison
Biografia de Larry Ellison - Imagem: Seu Dinheiro
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Que pi… é essa?

Eu decidi sair do banco, mas não queria entrar em uma enrascada. Bem, acredito que eu tenha encontrado um portal para fugir dessa Caverna do Dragão das finanças. E cá estou para explicar essa descoberta.

EXCLUSIVO PREMIUM

O rei das emergências: os melhores fundos para a sua reserva de curto prazo

Conheça os três fundos DI que não possuem taxa de administração e saiba até quando é mais interessante investir nesses tipos de fundo ou no Tesouro Selic

Quando o dinheiro morre

O novo paradigma de Ray Dalio e um apelo para a compra de ouro

Gestor da Bridgewater compartilha sua avaliação sobre como a atuação dos BCs, juros negativos e endividamento crescente vão mudar a cara do mercado

Entrevista

Fuja da bolsa americana e compre ouro, diz analista da Crescat

Otavio Costa é um brasileiro que trabalha no mercado americano e se soma à corrente que acredita em recessão nos EUA e problemas de crédito na China. Cenário que faz do ouro a melhor opção no momento

Roupa nova

Banco Inter dará início às negociações com units na bolsa na sexta-feira

Os certificados de ações terão o código BIDI11 e representam duas ações preferenciais (PN) e uma ordinária (ON) do Banco Inter, que também vai aderir ao Nível 2 de governança da bolsa e estuda captar R$ 1 bilhão em uma oferta de ações

Vai uma carona aí?

Uber completa cinco anos de Brasil com 2,6 bilhões de viagens

Se você acha que anda muito de Uber, olha só isso: o usuário que mais usou o Uber no Brasil nesses últimos cinco anos fez mais de 5 mil viagens pelo app, o que corresponde a cerca de 3 viagens de Uber por dia. Haja boleto!

De olho na Venezuela

Bolsonaro: “É importante buscar solução para Venezuela, até Evo se posicionou

Segundo o presidente, não ficou surpreso com o posicionamento de Morales, uma vez que o chefe de Estado boliviano já havia dados sinais positivos quando decidiu prender o italiano Cesare Battisti

Ainda sobre Eduardo

Para Mourão, indicação de Eduardo para embaixada nos EUA está dentro do padrão

“Dentro das regras da escolha para quem não é da carreira diplomática, ele está dentro do padrão. É uma decisão do presidente. Decisão a gente não discute”, disse.

Fracasso de crítica

A base de assinantes da Netflix cresceu menos que o esperado — e o mercado reagiu mal

Os resultados trimestrais da Netflix decepcionaram o mercado, em especial os números de expansão de novos usuários. Como resultado, as ações despencaram no after market de Nova York

Seu Dinheiro na sua noite

Posto Ipiranga entre o FGTS e a reforma

As histórias que mexeram com o Seu Dinheiro hoje

Há limite para o Magalu?

Ações do Magazine Luiza já subiram mais de 30% neste ano. Para o Bradesco BBI, há espaço para mais

Apesar dos ganhos expressivos dos papéis do Magazine Luiza nos últimos anos, o Bradesco BBI acredita que os papéis ainda podem subir mais, uma vez que a empresa possui boas perspectivas para surfar a nova onda do e-commerce

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements