Menu
2019-04-21T17:53:03+00:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
Piora nas contas

Déficit estrutural do setor público chega a 0,7% do PIB em 2018

Devido à deterioração das contas dos Estados e municípios, movimento de melhora das contas públicas pelo resultado oficial não aconteceu no estrutural, que apresentou piora no ano passado

20 de abril de 2019
11:42 - atualizado às 17:53
brasil-crise
Crescimento da atividade econômica não seria suficiente para equacionar a questão fiscal, diz técnico do governo. - Imagem: Shutterstock

A piora nas contas de Estados e municípios levou à piora do déficit estrutural do setor público brasileiro em 2018, que subiu de 0,5% em 2017 para 0,7% do Produto Interno Bruto (PIB) no ano passado.

Já o déficit primário caiu de 1,7% em 2017 para 1,6% do PIB em 2018, apresentando ligeira melhora.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter

O resultado fiscal estrutural mede o desempenho das contas livre das influências transitórias, como as receitas extraordinárias e os efeitos dos ciclos econômicos.

Ou seja, é o resultado fiscal que seria observado se o PIB não tivesse os efeitos do baixo crescimento, o preço do petróleo estivesse em valor de equilíbrio de longo prazo e se não houvesse receitas e gastos não recorrentes.

Na prática, o indicador é um importante instrumento de monitoramento da qualidade da política fiscal, pois mede o real esforço do governo para alcançar a sustentabilidade da dívida pública no longo prazo.

A melhora nas contas públicas observada no resultado oficial não aconteceu no resultado estrutural em razão da grave situação fiscal em que se encontram Estados e municípios.

O quadro pode ser considerado ainda mais grave do que o que foi medido, porque a metodologia de cálculo não consegue incluir todos os atrasos de pagamentos dos governadores e prefeitos a seus fornecedores. E estes atrasos cresceram no ano passado.

Segundo o coordenador-geral de Política Fiscal do Ministério da Economia, Bernardo Patta Schettini, apenas o crescimento da atividade econômica não seria suficiente para equacionar a questão fiscal. O setor público terá de fazer um esforço maior para cortar despesas.

*Com Estadão Conteúdo

Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

Novidade no pedaço

Azul e Unidas anunciam parceria para acúmulo de pontos

A partir de sexta-feira, os clientes passam a acumular dois pontos por real gasto e continuarão a ter o desconto de 10% na diária do aluguel dos carros da empresa parceira

Novos dados

Monitor do PIB aponta alta de 0,5% em maio ante abril, diz FGV

Em relação a maio de 2018, o PIB cresceu 4,3%, mas o resultado foi contaminado pela fraca base de comparação, já que a atividade econômica de maio do ano passado foi atingida em cheio pela greve de caminhoneiros

ficou mais pobre

Bill Gates perde 2º lugar em ranking dos mais ricos da Bloomberg

Com US$ 107 bilhões, empresário perdeu o posto para o CEO da empresa de artigos de luxo LVMH – dona da marca Louis Vuitton

Saldo negativo

Indústria paulista fecha 13 mil postos de trabalho em junho, diz Fiesp

Mesmo com o fechamento das 13 mil postos no mês passado, a indústria contabilizou saldo positivo no primeiro semestre, com a abertura de 2,5 mil vagas, um aumento de 0,11% sobre o semestre anterior

Títulos públicos

Veja os preços e as taxas do Tesouro Direto nesta quarta-feira

Confira os preços e taxas de todos os títulos públicos disponíveis para compra e resgate

Alternativas para a Previdência

Guedes elogia ideia de PEC paralela para incluir Estados e municípios na reforma

Paulo Guedes, ministro da Economia, afirmou que a inclusão de Estados e municípios geraria economia de R$ 350 bilhões

Blog da Angela

Os dilemas de Paulo Guedes para liberar o saque de FGTS e PIS/Pasep

Mais complexa, liberação de contas ativas do FGTS tem impacto positivo que poderá ser potencializado pelo corte da taxa Selic no próximo Copom

Privatização

Governo muda de tática para vender Eletrobras

Com o dinheiro que captar com a venda das ações na B3, a bolsa paulista, a Eletrobras vai pagar à União pelo direito de operar usinas hidrelétricas a preços de mercado

sem perturbação

Plataforma para não receber ligações de telemarketing tem 620 mil inscrições

Número se refere apenas até as 17 horas desta terça-feira, 16. No mesmo dia, o sindicato que representa as operadoras, divulgou que nas primeiras 12 horas de funcionamento o site nãomeperturbe teve 328 mil cadastros

Tudo acaba em shopping

Liberação de FGTS é boa notícia para setor de varejo na bolsa

Em 2017, quando Temer liberou saques de contas inativas do FGTS, shoppings e varejistas observaram elevação de vendas

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements