Menu
2019-04-11T18:49:28+00:00
Victor Aguiar
Victor Aguiar
Jornalista formado pela Faculdade Cásper Líbero e com MBA em Informações Econômico-Financeiras e Mercado de Capitais pelo Instituto Educacional BM&FBovespa e UBS Escola de Negócios. Trabalhou nas principais redações de economia do país, como Bloomberg, Agência CMA, Agência Estado/Broadcast e Valor Econômico.
De olho na reforma

Receio com a Previdência derruba Ibovespa pelo 3º dia; dólar sobe a R$ 3,85

O noticiário político continuou trazendo preocupação aos mercados e recolocou o Ibovespa na faixa dos 94 mil pontos

11 de abril de 2019
10:26 - atualizado às 18:49
Selo marca a cobertura de mercados do Seu Dinheiro para o fechamento da Bolsa
Cautela local pressionou Ibovespa; dólar subiu, em linha com movimento no exterior - Imagem: Seu Dinheiro

Uma leve dor de cabeça. Nada muito grave, só um incômodo.

Hoje cedo, quando eu comecei a falar com analistas e operadores, as conversas iam mais ou menos nessa linha: o noticiário referente à reforma da Previdência e à articulação política trazia algum desconforto ao mercado, mas nada muito dramático.

Só que essa leve dor de cabeça foi piorando e piorando ao longo do dia. E o que era apenas um incômodo sem importância acabou virando uma senhora enxaqueca: o Ibovespa fechou o pregão em queda de 1,25%, aos 94.754,70 pontos — a terceira sessão consecutiva no campo negativo —, e o dólar à vista subiu 0,86%, a R$ 3,8564.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter

Um olho em Brasília...

O aborrecimento do início do dia estava relacionado a um novo foco de tensão na articulação política. O mercado repercutia a notícia de que deputados do Centrão estariam manobrando para votar a PEC do Orçamento Impositivo na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara antes da proposta de reforma da Previdência.

Assim, cresceu o temor de que o cronograma de tramitação da reforma na CCJ poderia sofrer atrasos, com a votação do texto da Previdência ficando para depois do feriado da Páscoa. "A bolsa já abriu de mau humor por causa desse movimento do centrão, isso já criou um mal estar", disse um operador.

Mas o impacto dessa notícia era relativizado no início do dia. Analistas e agentes do mercado financeiro ponderavam que o eventual atraso na tramitação da proposta ainda não era concreto — e, após cair na terça e na quarta-feira, o Ibovespa tinha espaço para entrar em rota de recuperação.

...e outro em Nova York

No entanto, a preocupação ganhou corpo depois de o presidente da Câmara, Rodrigo Maia, afirmar que "falta o governo organizar o diálogo com o Parlamento" para a reforma da Previdência continuar avançando — e a fala trouxe nova onda de pessimismo em relação à articulação política. "Precisamos melhorar o encaminhamento", disse Maia, durante evento com investidores em Nova York.

A partir da declaração do presidente da Câmara, o desempenho do Ibovespa piorou ainda mais, chegando a tocar os 94.173,36 pontos na mínima do dia (-1,86%) — a menor pontuação intradiária desde o dia 3.

"A bolsa está mostrando certa fragilidade nos últimos dias. As dúvidas em relação à reforma, as palavras do Maia, a possibilidade de o centrão querer adiar a votação na CCJ... isso tudo deixa o mercado cauteloso", diz um analista que prefere não ser identificado.

Exterior pesado

Como se não bastasse a tensão local, o exterior também não trouxe ventos favoráveis aos ativos brasileiros nesta quinta-feira. No mercado de câmbio, o dólar ganhou força em relação a quase todas as moedas de países emergentes, como o peso colombiano, o peso mexicano, o rand sul-africano e o rublo russo — e o real foi no embalo.

Os mercados acionários globais também mostraram alguma cautela: o Dow Jones caiu 0,05% e o Nasdaq recuou 0,21% — o S&P 500 terminou o dia estável. Na Europa, o Stoxx 600 teve alta de 0,06%.

A indefinição em relação ao Brexit, somada aos dados fracos de inflação na China, divulgados nesta manhã, contribuíram para dar certo tom de cautela às negociações no exterior. "Houve certa precaução antes dos dados da balança comercial chinesa, que devem ser divulgados nesta madrugada", diz Raphael Figueredo, analista da Eleven Financial Research.

As curvas de juros também foram afetadas pela onda de cautela: os DIs para janeiro de 2020 avançaram de 6,465% para 6,48%, e os para janeiro de 2021 subiram de 7,06% para 7,13%. Entre as curvas longas, as com vencimento em janeiro de 2023 tiveram alta de 8,16% para 8,24%.

Petróleo em queda

A Petrobras teve mais um dia de noticiário corporativo agitado, mas o tom negativo do petróleo no exterior pressionou o desempenho dos papéis da empresa nesta quinta-feira.

Segundo fontes ouvidas pelo jornal O Estado de S. Paulo, a estatal prepara uma operação para vender até 30% de sua participação na BR Distribuidora. A petroleira estaria em conversas avançadas com bancos e investidores financeiros para se desfazer de sua fatia por meio de uma emissão de ações (“follow on”), na B3.

Apesar disso, os papéis PN da Petrobras caíram 2,71%, enquanto os ativos ON recuaram 1,3% — lá fora, tanto o petróleo WTI (-1,59%) quanto o Brent (-1,25%) fecharam em queda.

Já as ações ON da BR Distribuidora viraram para o campo negativo no fim da manhã, terminando a sessão com perda de 1,97%.

Gangorra

Os papéis PN da Cemig lideraram os ganhos do Ibovespa na sessão de ontem, com alta de 4,26%. Mas, hoje, as ações da estatal mineira fecharam no campo negativo, recuando 1,43%.

E isso porque a Polícia Federal deflagrou hoje a Operação E o Vento Levou, que tem como objetivo apurar o desvio de dinheiro da Cemig Geração e Transmissão por meio de um aporte de R$ 850 milhões na Renova Energia S.A.

Bancos no vermelho

Sem notícias positivas no cenário doméstico, as ações do setor bancário continuam sendo penalizadas. Itaú Unibanco PN caiu 2,32%, Bradesco PN recuou 1,59% e Banco do Brasil ON teve perda de 1,13%. Vale lembrar que esses papéis possuem participação relevante na composição do Ibovespa e, assim, a queda em bloco desses ativos pressiona o índice como um todo.

Disputas no varejo

Tanto o Magazine Luiza quanto a B2W confirmaram que estão avaliando a compra da Netshoes — rumores a respeito do interesse das varejistas começaram a circular no início da semana.

E em meio às confirmações, as ações das empresas apresentam desempenhos distintos nesta quinta-feira: enquanto Magazine Luiza ON caiu 1,6%, B2W ON subiu 5,32% — a maior alta do Ibovespa hoje.

Comentários
Leia também
UMA OPÇÃO PARA SUA RESERVA DE EMERGÊNCIA

Um ‘Tesouro Direto’ melhor que o Tesouro Direto

Você sabia que existe outro jeito de investir a partir de R$ 30 em títulos públicos e com um retorno maior? Fiz as contas e te mostro o caminho

Bandeira branca no radar?

EUA devem estender licença da chinesa Huawei para atender clientes do país

Movimento dos EUA pode ser visto como positivo para o fim da guerra comercial com a China já que a companhia foi um dos focos de tensões entre os gigantes

Governador de Minas

‘Governo entra em pautas minúsculas’, avalia Romeu Zema

Em entrevista, governador de MG nega que esteja sendo “tutelado” pelo partido Novo e avaliou que o presidente Jair Bolsonaro deveria “focar em coisas maiores, grandiosas”

Corrida contra o tempo

Tarifa de importação do Mercosul pode cair já em 2020

Com receio de que o grupo político da ex-presidente da Argentina Cristina Kirchner volte ao poder, o governo brasileiro tem pressa

Agora vai?

Governo enviará ao Congresso na próxima semana projeto para destravar privatização da Eletrobras

Proposta deve conter os mesmos itens que estavam na Medida Provisória 879, que não foi votada pela Câmara

Olha quem apareceu

Rede de varejo Le Biscuit, da Vinci Partners, estreia no comércio online

Entrada da empresa no mundo online ocorrerá em etapas e segue uma tendência mundial

Olha a oportunidade aí

Movimentos para ofertas de ações no 2º semestre aceleram

Reuniões com os bancos de investimento se intensificam e companhias começam a fechar acordos para levar as ofertas adiante

Eita!

Chefes da Receita Federal ameaçam entrega de cargos por interferência política

De acordo com apuração, seis subsecretários do órgão estão fechados nessa posição

À beira do abismo

Sob pressão financeira, Oi procura bancos para encontrar saída

Operadora precisa levantar R$ 2,5 bilhões, mas ainda não tem ideia de como fará essa captação de recursos

Batalha contra a desaceleração

China divulga reforma de juros para reduzir custo de financiamento de empresas

Movimento anunciado deve reduzir ainda mais as taxas de juros reais para as companhias do país

Entrevista

Criador da CVM diz que mercado brasileiro não precisa de mais regulação

Para Roberto Teixeira da Costa, momento é de libertar a capacidade criativa das pessoas; em entrevista ao Seu Dinheiro, ele fala sobre mercado de capitais, economia brasileira e a figura do analista de investimentos

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements