Menu
2018-09-25T06:32:38+00:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
Programas Eleitorais 2018

Como os candidatos ao Planalto encaram o Banco Central?

Seu Dinheiro apresenta série sobre as principais propostas econômicas dos candidatos

25 de setembro de 2018
6:00 - atualizado às 6:32
Ilustração sobre as Eleições 2018
Imagem: Pomb

Depois de inaugurar a série com as propostas sobre Previdência, vamos dar uma olhada no que dizem os principais candidatos (Alckmin, Bolsonaro, Ciro, Haddad e Marina) sobre outro tema relevante, mas pouco prioritário para a população em geral: autonomia e funcionamento do Banco Central (BC). Na campanha de 2014, os marqueteiros de Dilma Rousseff fizeram uma campanha virulenta contra a proposta de Marina Silva sobre o tema. No filme de campanha, enquanto engravatados discutiam, a comida sumia do prato de uma família. E o narrador dizia que os banqueiros teriam poder sobre a vida das pessoas. Mesmo que mentirosa, a sacada foi inteligente, pois defender autonomia não agrega votos, mas bater em banqueiro é esporte nacional e dá retorno. É uma proposta de ganho difuso e custo concentrado, algo que não agrada a maior parcela da população flutuante de Brasília que compõe o Congresso Nacional.

Alckmin - Plano de governo não tem menção direta sobre o tema. Historicamente os tucanos são contrários à autonomia em lei. Mas economistas ligados ao candidato já afirmaram que ele deve fazer essa proposta garantindo mandato fixo e alternado ao presidente do BC.

Bolsonaro - Diretoria teria mandatos fixos, com metas de inflação e métricas claras de atuação. Além disso, plano fala em maior flexibilidade cambial e mais ortodoxia fiscal. Inflação baixa e previsível será uma das prioridades inegociáveis.

Ciro - Regime de metas será mantido, mas com modificações. Banco Central com duplo mantado – buscando menor taxa de inflação possível associada a uma taxa de desemprego que não sacrifique a população. Adoção de medidas de núcleo dos índices de preços como meta de inflação. Mudança do prazo de convergência da inflação à meta em caso de choques inflacionários. Divulgação da transcrição das gravações das reuniões do Copom após seis meses, visando maior transparência.

Haddad - O Banco Central reforçará o controle da inflação e assumirá também o compromisso com o emprego (mandato dual). Será construído de forma transparente um novo indicador para a meta de inflação, que oriente a definição da taxa básica de juros (Selic).

Marina - Programa reafirma compromisso com a autonomia operacional do Banco Central em seu objetivo institucional de manter a estabilidade da moeda e conter a inflação. Texto não fala se autonomia deve ser colocada em lei.

Como repórter voltado à cobertura de Banco Central (BC) aqui em Brasília sempre acompanhei as inúmeras idas e vindas sobre tema. Depois de abrir mão da reforma da Previdência, o governo Michel Temer colocou a autonomia do BC em uma lista de medidas prioritárias. O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), também colocou o tema na sua lista e desenhou um projeto de lei. Câmara e Casa Civil, que coordena a proposta de Temer, batem cabeça sobre o grau de autonomia que se pretende dar. Se apenas operacional ou também ampliar para autonomia financeira e orçamentária. Os pontos comuns são a instituição de mandato fixo para presidente e diretores não coincidente com o de Presidente da República.

A ideia de dar autonomia a uma agência ou autarquia como o BC parte do pressuposto de blindar a instituição de interferência política e das diferenças temporais entre benesses eleitorais e sacrifícios necessários à estabilidade de longo prazo.

Não precisa nem existir interferência política de fato, como um presidente mandando o BC cortar ou subir juro, basta existir a desconfiança de que isso aconteça para que as expectativas de inflação e juros futuros apontem para cima. (Lembrou do governo Dilma e da Turquia? Eu também.)

Na defesa da proposta, o BC de Ilan Goldfajn já apresentou uma série de estudos mostrando redução nas expectativas de inflação e nos prêmios de risco em países que adotaram autonomia em lei. O presidente Ilan também já explicou e tem clara a diferença entre a visão técnica e o custo político de tal medida. Para o Congresso o BC já é autônomo e não caberia o custo político de aprovar esse tipo de lei.

O guardião da moeda sou eu

Há um fato histórico sobre o tema que merece ser relembrado. A lei de criação do BC, a 4.595 de 1964, previa autuação independente e mandato para presidente e diretores. Mas com uma frase, o então presidente Costa e Silva colocou fim ao modelo. “O guardião da moeda sou eu”, disse ao ser questionado sobre mudanças no BC da época. A formalização “de jure” do fim dos mandatos veio apenas em 1974, e desde então o tema retorna periodicamente à pauta. Mas mais como ferramenta política (caso de Temer para ganhar pontos com o mercado) ou de campanha eleitoral.

No Congresso, o senador Renan Calheiros (PMDB-AL), em 2013, resumiu bem a questão, quando tirou o tema de pauta mais uma vez. “Os governos são contra a autonomia do Banco Central, historicamente, todos os governos. E a oposição também. Então, em outras palavras, em português claro, significa dizer que o assunto não está amadurecido para ser apreciado pelo Senado Federal”, disse na época. Esse é um tema que pode apodrecer antes mesmo de ficar maduro.

Mandato simples ou duplo?

Outro ponto que aparece nas propostas de Ciro Gomes e do PT é o duplo mandato. Além de defender o poder de compra da moeda, o BC também teria uma meta de emprego ou algo parecido. Apesar de estar no programa do partido, já saíram notícias de que Haddad manteria o mandato único do BC. Desde que assumiu a candidatura e subiu nas pesquisas, há uma mudança de discurso do candidato.

A instituição de duplo mandato para uma agência é tema complexo e alvo de debates internacionais. O modelo sempre citado é o do Federal Reserve (Fed), o banco central americano, que além de olhar a inflação tem de promover o máximo emprego. Mas é sabida a preferência pela inflação.

A questão, de forma simplificada, é como compatibilizar duas missões que podem ser temporalmente incompatíveis e como medir o desempenho do BC para algo menos objetivo, como “compromisso com o emprego” ou com uma “taxa de desemprego que não sacrifique a população”. Com uma meta (inflação) é fácil medir e acompanhar o trabalho do BC. A meta é X e o BC entregou inflação em X mais ou menos alguma coisa. O BC já leva em consideração o emprego ou o crescimento na sua forma de atuação e é praticamente consensual que a manutenção de níveis baixos e estáveis de inflação promovem o crescimento econômico.

Outro temor trazido pela meta dupla é a possibilidade de o BC ser acusado legalmente de não cumprir com uma de suas atribuições. Fora que o poder do BC sobre a variável emprego é infinitamente mais limitado, pois diversos fatores que influem no emprego, notadamente a política fiscal, estão fora de sua alçada. Esse é um risco que um presidente de BC com autonomia não gostaria de correr.

A Comissão de Assuntos Econômicos (CAE) do Senado já aprovou projeto de Lindbergh Farias (PT-RJ) atribuindo mandato duplo ao BC. O projeto, no entanto, parece distante de ser pautado para alguma discussão mais séria em plenário.

Os mesmos problemas de comunicação e “accountability” são ponderados quando Ciro propõe usar núcleo de inflação para o cumprimento da meta. É mais claro para a população acompanhar e mensurar o trabalho do BC sabendo que a meta é o índice X, no caso o IPCA, do que um núcleo, que poderia ser IPCA menos alimentos e energia (modelo mais comum de núcleo usado por outros BCs). Fica mais difícil a compreensão de que a inflação está na meta e o BC está cumprindo sua missão, quando o trabalhador vê o preço da comida e do combustível explodindo em função de algum choque de oferta.

As bandas do regime de metas para a inflação existem e são usadas justamente para acomodar esses choques. O mesmo tipo de raciocínio pode ser utilizado nas discussões sobre o prazo de atingimento da meta. O ano calendário deixa mais claro o que o BC tem ou não de fazer para cumprir a meta e se ele atingiu seu objetivo. O risco de janelas móveis a cada choque é ter uma meta que nunca se cumpre, comprometendo a coisa mais importante para um BC, sua credibilidade.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Comentários
Leia também
DINHEIRO QUE PINGA NA SUA CONTA

Uma renda fixa pra chamar de sua

Dá para ter acesso a produtos melhores do que encontro no meu banco? (Spoiler: sim).

Nada de aumento

“Há zero possibilidade de aumentar a carga de impostos”, diz Waldery

Waldery explicou que a meta de déficit primário de 2019 está mantida em R$ 139 bilhões, mas lembrou que o saldo negativo deve ficar abaixo dos R$ 80 bilhões

Contas públicas

Governo central deve fechar 2019 com déficit abaixo de R$ 80 bi, diz Guedes

Guedes voltou a dizer que o sucesso do leilão da cessão onerosa também ajudou a fazer um resultado fiscal melhor, além de permitir um maior repasse de recursos para Estados e municípios. “O ano de 2019 foi interessante, porque conseguimos muita colaboração com Congresso nas reformas econômicas. Também houve muita colaboração do Judiciário”, completou

Novidades na cervejaria

Ambev anuncia Jean Jereissati como presidente da companhia em 2020

A partir de 1º janeiro de 2020, Jereissati Neto acumulará as funções de diretor-presidente e diretor de vendas e de marketing

SEU DINHEIRO NA SUA NOITE

Game over? A vida com o dólar acima de R$ 4,20

A primeira vez que o dólar atingiu o patamar de R$ 4,20 foi em setembro de 2015. Eu me lembro de receber a notícia de uma forma bem inusitada, no meio da plateia de um evento voltado a grandes investidores. Enquanto o palestrante da vez tentava injetar alguma esperança sobre as perspectivas da economia brasileira em […]

Olho nos números

BMG não agrada mercado em primeiro balanço após IPO e ações caem

Apesar da queda acentuada dos papéis, ao comentar o balanço do BMG, os analistas do BTG Eduardo Rosman e Thomas Peredo se mostraram mais tranquilos com o resultado e destacaram que os números vieram dentro do esperado pela maioria dos investidores com quem conversaram

Gestoras

JGP segue comprada em bolsa enquanto acompanha guerra de narrativas

Gestora discute tese de que a manufatura e o comércio global estão próximos ao fundo do poço e prestes a se recuperar

Mudança de coleção

Dona da Le Lis Blanc e Dudalina, a Restoque tenta pôr ordem na casa. O mercado está cético

Em meio a um processo de mudança de estratégia, a Restoque reportou mais um conjunto de resultados trimestrais desanimadores, o que fez suas ações chegarem às mínimas em mais de três anos

Mudanças à vista

Desoneração da cesta básica vai acabar, diz Tostes Neto

Para compensar o gasto com tributo, o governo deve devolver dinheiro aos mais pobres como adicional aos programas sociais

Briga de gigantes

Softbank planeja criar rival japonesa para competir com gigantes como Google e Amazon

O grupo anunciou acordo para a fusão de uma de suas subsidiárias conhecida como Yahoo Japan com a empresa Line Corp. Com isso, as duas companhias podem criar mais um “super app”

olho na reforma tributária

Governo confirma que quer tributar dividendos

Plano faz parte do projeto de reduzir imposto de empresas e elevar sobre as Pessoas Físicas; deve entrar em fases posteriores da reforma tributária

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements