Menu
2019-10-02T09:40:03+00:00
Olivia Bulla
Olivia Bulla
Olívia Bulla é jornalista, formada pela PUC Minas, e especialista em mercado financeiro e Economia, com mais de 10 anos de experiência e longa passagem pela Agência Estado/Broadcast. É mestre em Comunicação pela ECA-USP e tem conhecimento avançado em mandarim (chinês simplificado).
A Bula do Mercado

Desidratação da reforma da Previdência impõe apreensão no mercado financeiro

Texto no Senado sofre modificação, derrubando trecho que alterava regras do abono salarial, e votação em segundo turno pode sofrer atrasos

2 de outubro de 2019
5:38 - atualizado às 9:40
expectativareforma
Derrota do Governo deve pesar nos ativos locais, com exterior negativo potencializando as perdas

A reforma da Previdência foi aprovada em primeiro turno no Senado, por 56 votos a favor e 19 contra. A votação impôs uma derrota ao governo, ao derrubar o artigo que criava regras mais duras para o abono salarial. Ou seja, não houve base aliada suficiente para manter o texto aprovado na Câmara e o mercado financeiro deve reagir hoje à derrota do Executivo no Congresso, por falta de articulação.

Os investidores devem acompanhar o andamento da votação com maior apreensão, uma vez que a aprovação de uma reforma da Previdência robusta, com uma economia próxima a R$ 900 bilhões em dez anos aos cofres públicos, já está embutida no preço dos ativos. Qualquer frustração adicional, ou demora extra na conclusão do texto, pode provocar uma correção no mercado doméstico, pressionando o dólar para cima e a Bolsa para baixo.

  • LEIA HOJE: Estão oficialmente abertas (por tempo limitado ou enquanto durarem as vagas) as inscrições para o melhor curso de análise gráfica para enriquecer em qualquer mercado. Entre aqui e aproveite!

Os senadores pressionam para votar a proposta em segundo turno e condicionam a conclusão das novas regras para aposentadoria à liberação de emendas parlamentares e ao pacto federativo, que destina mais recursos para estados e municípios. No centro da discussão, está a medida provisória (MP) sobre a cessão onerosa, que se refere à divisão da venda excedente de petróleo do pré-sal, no montante de R$ 106 bilhões.

Com isso, a aprovação da proposta em segundo turno pode sofrer atrasos ou mesmo ser interrompida, se o governo não cumprir os compromissos. A previsão atual é de que a reforma da Previdência seja aprovada até 15 de outubro. Hoje, o Senado volta a analisar os demais destaques, já que ontem o processo foi interrompido após o resultado sobre o abono salarial. Com a derrubada do trecho, o benefício se mantém para quem recebe até dois salários mínimos e o impacto fiscal é de quase R$ 80 bilhões em dez anos.

À tarde, a partir das 13h, é esperada uma sessão conjunta no Congresso. Deputados e senadores devem se reunir para debater alguns vetos presidenciais, além de discutir créditos suplementares e o Orçamento de 2020 (LDO). Assim, são pequenas as chances de os parlamentares avançarem na discussão de outros grandes temas, como a reforma tributária, ainda neste ano.

Recessão à vista?

Os riscos parecem vir do exterior e ainda é difícil saber se o cenário local mais otimista será capaz de suplantar o contexto internacional desafiador, com a atividade perdendo força nas principais economias. A guerra comercial entre Estados Unidos e China e, mais recentemente, o drama político na Casa Branca, permeiam o cenário dos mercados lá fora, que ainda buscam amparo nos estímulos lançados pelos bancos centrais.

Ontem, a queda do índice ISM sobre a atividade manufatureira nos EUA para o nível mais baixo desde junho de 2009, aprofundando-se no território contracionista, acendeu o sinal de alerta em Wall Street e no mercado de títulos norte-americanos (Treasuries). Parece que a recessão - ou, no mínimo, uma desaceleração mais forte - está chegando à maior economia do mundo, à medida que a guerra comercial de Trump com a China se arrasta.

Trata-se de algo que merece mais atenção do mercado financeiro e do Federal Reserve. A ver, então, como se comportam outros indicadores de atividade nos EUA. Em contrapartida, um número robusto sobre o emprego no país, com geração de vagas e rendimento real sem acúmulo de pressão inflacionária, pode afastar esse receio. Por outro lado, qualquer dificuldade na criação de emprego nos EUA tende a elevar o temor de recessão.

Com isso, merece atenção a pesquisa ADP hoje, às 9h15, sobre a abertura de postos de trabalho no setor privado norte-americano em setembro. Os dados são tidos como uma proxy do relatório oficial sobre o mercado de trabalho nos EUA (payroll), que sai na sexta-feira. A previsão é de abertura de 165 mil vagas.

Trata-se do grande destaque da agenda econômica desta quarta-feira, que está mais fraca no Brasil e no exterior. Ainda no calendário dos EUA, saem os estoques semanais de petróleo bruto e derivados no país (11h30). Por aqui, a agenda perde força e traz apenas os dados de setembro sobre a entrada e saída de dólares do país (14h30), que devem mostrar um fluxo cambial aquém do esperado nas duas contas (financeira e comercial).

Exterior negativo

Enquanto isso, o sinal negativo prevalece entre os índices futuros das bolsas de Nova York e nas principais bolsas europeias, após uma sessão novamente esvaziada na Ásia. Hong Kong voltou do feriado chinês em ligeira baixa (-0,2%), enquanto Tóquio cedeu um pouco mais (-0,5%), em meio ao volume financeiro mais fraco.

Os investidores aguardam novas pistas sobre a saúde da maior economia do mundo, após os números fracos sobre a manufatura nos EUA atingirem os ativos ontem. Nos demais mercados, as Treasuries estão estáveis, enquanto o dólar volta a ganhar força, com destaque para a libra esterlina, que aguarda um ultimato para o Brexit. Já o petróleo ensaia uma recuperação, após seis dias de queda, ao passo que o ouro segue mais fraco.

E esse sinal negativo vindo do exterior tende a potencializar as perdas esperadas para os ativos locais hoje, após o revés do governo no Senado. A conferir.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Quem é a Pi

Uma plataforma de investimentos feita para ajudar a atingir seus objetivos por meio de uma experiência #simples, #segura, #acessível e #transparente.

Débito e crédito

Luiz Frias: o empresário da mídia que virou bilionário com as maquininhas

Conheça o herdeiro da Folha de S.Paulo e entusiasta da internet que revolucionou mercado de meios de pagamentos no Brasil com a PagSeguro

Ações para uma vida

Conheça os 5 maiores investimentos da carteira do bilionário Warren Buffett

Em junho deste ano, a holding de Warren Buffett detinha na carteira ações de 47 companhias. Mas cinco delas representavam 69% do total em valor de mercado. Confira quais são as queridinhas do “oráculo de Omaha”

QUER GANHAR DINHEIRO?

5 estratégias para lucrar na bolsa olhando apenas os gráficos

Quem souber interpretar esses movimentos pode ter insights valiosos sobre a tendência de preços.

Impasse sem fim

Hoje não? Hoje sim. Parlamento britânico volta a adiar votação sobre acordo do Brexit

Foi um duro golpe para primeiro-ministro Boris Johnson, que poderá se ver obrigado a pedir à União Europeia o adiamento da saída do Reino Unido

Sócios na bolsa

Banco do Brasil atrai mais de R$ 7 bilhões em recursos de pessoas físicas em oferta de ações

Uma parcela de 30% da emissão do Banco do Brasil foi destinada ao varejo, embora a demanda fosse suficiente para cobrir o total da oferta, de R$ 5,8 bilhões

O melhor do Seu Dinheiro

MAIS LIDAS: Um novo modelo para o concurso público

Durante um bom tempo, se você digitasse “Banco do Brasil” no Google, a primeira palavra sugerida para a busca seria “concurso”. Ainda hoje o termo aparece bem à frente nas pesquisas do site do que “investimentos”, por exemplo. A estabilidade de uma carreira no serviço público continua sendo a aspiração de muita gente, ainda mais […]

Governança corporativa

Após vender Via Varejo, GPA dá novo passo para migrar ações ao Novo Mercado da B3

Pão de Açúcar publicou o primeiro aviso da oferta pública de aquisição (OPA) da Almacenes Éxito, que possui ações listadas na Colômbia, dentro da reestruturação das operações do grupo francês Casino na América Latina

Maquininhas de cartão

Luz verde! UBS inicia cobertura de ações da Stone com recomendação de compra

O preço-alvo para as ações da Stone, que são negociadas na Nasdaq, foi definido em US$ 42, o que representa um potencial de alta da ordem de 23%

Briga política

Bolsonaro quer processar deputado que o chamou de ‘vagabundo’

Em áudio vazado de uma reunião interna da legenda, o líder do PSL na Câmara, Delegado Waldir, também disse que vai “implodir” o presidente Jair Bolsonaro

Smartphone

Com iPhone 11 mais barato, Apple volta a atrair fila de lançamento

Preços do iPhone 11 ainda são salgados e variam entre R$ 5 mil e R$ 9,6 mil, mas estão um pouco abaixo de 2018, quando a Apple lançou o modelo XR por pelo menos R$ 5,2 mil

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements