Menu
2019-04-04T12:16:11+00:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
Juro Americano

Ata do Fed confirma discursos mais brandos de Powell

Documento referente à reunião de dezembro mostrou que alguns membros se mostraram favoráveis à estabilidade do juro americano

9 de janeiro de 2019
18:10 - atualizado às 12:16
Presidente do Fed, Jerome Powell, em entrevista nesta quarta-feira.
Presidente do Fed, Jerome Powell. - Imagem: Federal Reserve

Havia certo ceticismo com a divulgação da ata do Federal Reserve (Fed), banco central americano, pois o documento é referente à reunião de dezembro e muita coisa mudou deste então, inclusive o discurso do presidente Jerome Powell. Mas o documento mostrou que alguns membros já tinham expressado preferência por manutenção do juro americano, mesmo com a decisão final tendo sido unânime por alta de 0,25% para 2,25% a 2,5% ao ano.

A reação do mercado foi, primeiro uma breve puxada de alta, mas depois os índices voltaram a oscilar pouco baixo dos 0,5% (S&P e Dow Jones) e 1% Nasdaq, vistos antes da divulgação.

Uma interpretação possível é que ata, de fato, não representa novidade, mas seja apenas uma confirmação da mudança de discurso vista depois do encontro, que gerou fortes críticas por parte do presidente Donald Trump e algumas vozes de peso no mercado. Podemos falar que os discursos e ata representam um “distensionamento” no discurso da autoridade monetária americana.

A ata aborda outro ponto, a possibilidade de “paciência” do Fed antes de promover novas altas, que também esteve em discurso recente de membro do colegiado.

A grande mudança de aceno já tinha ocorrido na sexta-feira, quando Powell falou que poderia adotar uma postura mais flexível com relação à redução do balanço do Fed. O BC americano comprou trilhões de dólares em títulos do Tesouro e ativos privados depois da crise de 2008 e vinha deixando de atuar nesse mercado. Em dezembro, Powell tinha falado que não pretendia rever a redução de balanço e que o instrumento de política monetária seria apenas a taxa de juros.

A ata também mostra uma discussão sobre a comunicação do Fed, com os membros defendo uma mudança explícita do “forward guidance” (quando o BC sinaliza os próximos passos, como novas altas) para algo mais “data dependent”, ou seja, o Fed vai acompanhar os dados e decidir sem compromisso com acenos anteriores.

Essa discussão está em linha com as afirmações feitas por Powell desde a reunião de dezembro, de que não há uma rota predeterminada para os juros americanos.

A ata também mostra que embora as condições financeiras tenham ficado mais apertadas e que o crescimento mundial apresentou moderação, o crescimento da economia americana continua acima de sua tendência de longo prazo, com mercado de trabalho forte.

Por isso da manutenção da mensagem, em dezembro, de que alguns apertos adicionais seriam consistentes com uma expansão sustentada da economia, mercado de trabalho forte e inflação ao redor da meta de 2% ao ano.

A queda no preço das ações, a redução das taxas dos papéis do Tesouro e o aumento dos spreads do crédito corporativo também estiveram nas discussões do colegiado e explicam a redução nas projeções de três para duas elevações do juro ao longo de 2019.

Para alguns membros do Fed essa movimentação dos ativos financeiros estaria relacionada a um aumento de preocupação com “riscos de cauda”, como um agravamento das tensões comerciais, ou um aceno de significativa redução no ritmo de crescimento da economia mundial.

Alguns membros ponderaram que esse aperto das condições financeiras ainda não se manifestava no lado real da economia, mas que se tal quadro persistisse, certamente haveria reflexo nos gastos de consumidores e empresas. A conclusão foi acenar que o Fed continua monitorando os movimentos de mercado.

A primeira reunião de 2019 do Fed acontecerá nos dias 29 e 30 de janeiro. Neste ano, Powell dará entrevistas após todas as reuniões.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

Você lembra do Windows Phone?

Bill Gates admite erro que poderia ter mudado a história dos smartphones

Em 2008, em uma reunião de emergência, a Microsoft decidiu remodelar os planos do seu sistema operacional para se adequar. E embora Gates tenha deixado o cargo de CEO em 2000, é provável que o seu conselho tenha sido levando em consideração

sem consenso

Líder do governo elogia projeto de agências reguladoras criticado por Bolsonaro

Para o senador Fernando Bezerra Coelho, o texto, já aprovado pela Câmara, aperfeiçoou o processo de escolha para o comando das agências

resenha com rodrigo

Maia lança podcast e diz que relatório deve ser votado até dia 27

Publicação será semanal e a previsão é de que seja publicado às segundas-feiras nas redes sociais do deputado

por mais impostos

George Soros e outros bilionários assinam carta pedindo imposto sobre grandes fortunas

Os herdeiros Regan Pritzker e Abigail Disney, além do cofundador do Facebook, Chris Hughes, e outras 15 pessoas assinam o documento pedindo o compromisso dos candidatos a Presidência dos EUA

de olho na reforma tributária

‘Claro que a proposta de reforma não é anti-Guedes’

Baleia Rossi, líder do MDB na Câmara, acredita que é um cenário positivo para a aprovação da mudança do sistema tributário brasileiro

foco na agenda econômica

Congresso quer protagonismo e promete votar a reforma tributária ainda este ano

PEC proposta acaba com três tributos federais – IPI, PIS e Cofins. Extingue o ICMS, que é estadual, e o ISS, municipal. Todos eles incidem sobre o consumo

Valor menor que as estimativas

Investimento direto no país soma US$ 7,070 bi em maio, diz BC

No acumulado do ano até maio, o ingresso de investimentos estrangeiros destinados ao setor produtivo somou US$ 35,137 bilhões

Títulos públicos

Veja os preços e as taxas do Tesouro Direto nesta segunda-feira

Confira os preços e taxas de todos os títulos públicos disponíveis para compra e resgate

fala bc

Setor externo tem superávit de US$ 662 milhões em maio, revela BC

Estimativa para a dívida externa brasileira em maio é de US$ 322,476 bilhões, segundo a instituição; ano de 2018 terminou com uma dívida de US$ 320,612 bilhões

Seu mentor de investimentos

A pirâmide do Rei do Gado

Para quem investiu nos bois de papel, que não eram tão gordos assim, o desfecho foi trágico: cerca de 30 mil investidores perderam 3,9 bilhões de reais, uma média de 130 mil reais per capita

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements