Menu
2019-07-14T19:56:03+00:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
olha ela aí

Amazon, de Jeff Bezos, é eleita a marca mais valiosa do mundo

Varejista desbanca Apple e Google, com valor de marca de US$ 315 bilhões; levantamento é feito anualmente pela empresa de pesquisas Kantar e reúne as 100 marcas mais valiosas do mercado global

12 de junho de 2019
15:13 - atualizado às 19:56
Jeff Bezos
Jeff Bezos - Imagem: Shutterstock

A Amazon, comandado pelo bilionário Jeff Bezos, foi eleita marca mais valiosa do mundo em um levantamento feito pela empresa de pesquisa Kantar, o BrandZ de 2019

Segundo o levantamento, a empresa fundada pelo homem mais rico do mundo tem entre os motivos de sua valorização a expansão no ramo da computação em nuvem, tecnologia de consumo e produção de filmes.

Nos últimos cinco anos, a varejista online viu o valor da sua marca quintuplicar, chegando a US$ 315,5 bilhões, ainda de acordo com as classificações da BrandZ.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter

O ranking é promovido anualmente pela holding de publicidade WPP e sua empresa de pesquisa de mercado Kantar, e analisa os dados financeiros das empresas. Entre as companhias da lista, não há brasileiras. Entre as dez primeiras, oito são norte-americanas e duas são chinesas.

Para o CEO da BrandZ, David Roth, que se pronunciou no documento de apresentação do levantamento, a marca de Bezos ter assumido o posto de mais valiosa do mundo não é uma surpresa. Para ele, a Amazon vem provando sua capacidade de se expandir para diversos segmentos.

“Tenho certeza que nenhum de nós imaginava que o fundador da empresa criaria outros negócios, incluindo um foguete para promover o turismo espacial”, disse. O plano de Bezos não inclui só viagens, o biolionário quer colonizar a Lua.

Amazon e os chineses

Há 15 marcas chinesas no ranking, entre elas a Alibaba e a JD.com — gigantes do varejo online que a Amazon não conseguiu desbancar na China, conforme lembra reportagem do Financial Times.

Em abril, diante da forte concorrência, a empresa de Bezos anunciou que fecharia a operação do e-commerce no país e passaria a oferecer somente produtos importados dos Estados Unidos, Grã-Bretanha, Japão e Alemanha.

Outro destaque do ranking é a Huawei, que tem passado por turbulências desde que os EUA iniciaram uma campanha para convencer seus aliados de que a fabricante de equipamentos de rede de telecomunicações e de smartphones apresenta riscos de espionagem. O valor da marca ganhou 8%, chegando a US$ 26,9 bilhões.

Enquanto isso, a regulamentação doméstica parece ter pesado sobre o valor da marca do portal de serviços na internet Tencent, caindo 27%, para US$ 130,9 bilhões, segundo o ranking.

Maiores valorizações

Entre as marcas que sofreram maior valorização, ainda estão Instagram (95%), Lululemon (77%) e SalesForce (58%). Amazon também está nesta lista, com 52%. O setor mais representativo é do tecnologia.

Outra marca de destaque nesse ranking é a Netflix, em 65%, — hoje avaliada em US$ 34,3 bilhões. Ela tipifica outra tendência deste ano, ainda conforme lembra o jornal de Londres: marcas que oferecem experiências às pessoas em vez de simplesmente vender os produtos. 

Comentários
Leia também
OS MELHORES INVESTIMENTOS NA PRATELEIRA

Garimpei a Pi toda e encontrei ouro

Escolhi dois produtos de renda fixa para aplicar em curto prazo e dois para investimentos mais duradouros. Você vai ver na prática – e com a translucidez da matemática – como seu dinheiro pode render mais do que nas aplicações similares dos bancos tradicionais.

Seu Dinheiro no domingo

Liberais não fazem pacotes

Dentro de mais alguns dias conheceremos o Produto Interno Bruto (PIB) do segundo trimestre. O resultado será magro e há quem fale em recessão técnica. Na sequência veremos uma nova onda de críticas e demandas na linha: “o governo tem quem fazer alguma coisa! Tem que impulsionar a demanda! Esse BC está errado!”. Sinto desapontar […]

Trilhando caminhos

Jovens precisam ter resiliência e iniciativa, dizem executivos sobre ser um novo empresário

Executivos falam sobre os comportamentos que um jovem ingressante numa grande empresa deve ter para trilhar um caminho profissional de sucesso

Crise partidária

Pedro Simon, ex-governador do RS: ‘existe o risco de o MDB desaparecer’

Em entrevista ao Estadão, o filiado ao MDB desde 1965 diz que seu partido precisa fazer uma “profunda reflexão”

Barrado na embaixada?

Consultoria do Senado diz que indicação de Eduardo Bolsonaro configura nepotismo e senadores se articulam para rejeitar seu nome

Parecer foi embasado no entendimento da Súmula Vinculante nº 13, do Supremo Tribunal Federal, que trata sobre nepotismo

Analisando a situação dos hermanos

Crise Argentina, feitiço do tempo

Os grandes desafios econômicos de Maurício Macri também parecem reimpressões de velhos e bem conhecidos problemas argentinos

O HOMEM MAIS RICO

Jeff Bezos: paciência para esperar o lucro da Amazon fez o maior bilionário do mundo

Como o empresário transformou uma pequena livraria online em uma das maiores varejistas do mundo e desbancou Bill Gates da lista da Forbes com uma fortuna estimada em US$ 148 bilhões.

Demissão anunciada

Ministro da Fazenda da Argentina renuncia ao cargo e traz novas turbulências ao mercado internacional

Anúncio foi feito por meio de uma carta enviada a Mauricio Macri em que Nicolás Dujóvne justifica a necessidade de uma renovação na área econômica

Bandeira branca no radar?

EUA devem estender licença da chinesa Huawei para atender clientes do país

Movimento dos EUA pode ser visto como positivo para o fim da guerra comercial com a China já que a companhia foi um dos focos de tensões entre os gigantes

Governador de Minas

‘Governo entra em pautas minúsculas’, avalia Romeu Zema

Em entrevista, governador de MG nega que esteja sendo “tutelado” pelo partido Novo e avaliou que o presidente Jair Bolsonaro deveria “focar em coisas maiores, grandiosas”

Corrida contra o tempo

Tarifa de importação do Mercosul pode cair já em 2020

Com receio de que o grupo político da ex-presidente da Argentina Cristina Kirchner volte ao poder, o governo brasileiro tem pressa

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements