Menu
2019-04-26T15:36:26+00:00
Vinícius Pinheiro
Vinícius Pinheiro
Formado em jornalismo, com MBA em Derivativos e Informações Econômico-Financeiras pela FIA. Trabalhou por 18 anos nas principais redações do país, como Agência Estado/Broadcast, Gazeta Mercantil e Valor Econômico. É coautor do ensaio “Plínio Marcos, a crônica dos que não têm voz" (Boitempo) e escreveu os romances “O Roteirista” (Rocco), “Abandonado” (Geração) e "Os Jogadores" (Planeta).
De onde virá o dinheiro

A boa e a má notícia do BNDES no investimento em infraestrutura

Governo não tem nem terá dinheiro para investir, mas há capital privado de sobra, incluindo o seu, que pode ser aplicado em projetos no país, segundo o presidente do banco de desenvolvimento, Joaquim Levy

26 de abril de 2019
15:32 - atualizado às 15:36
Joaquim Levy, presidente do BNDES
Joaquim Levy, presidente do BNDES - Imagem: Dida Sampaio/Estadão Conteúdo

Joaquim Levy tem uma boa e uma má notícia para você sobre as perspectivas para o investimento em infraestrutura no país. Para o presidente do BNDES, mesmo com a economia prevista para os cofres públicos com a reforma da Previdência, o governo não terá dinheiro para investir em infraestrutura nos próximos anos. Essa é a má notícia, que fique claro.

A boa é que dinheiro não é problema entre os investidores no setor privado, tanto lá fora como aqui no Brasil. "O capital está procurando destino, e nada melhor para absorver capital do que infraestrutura", disse Levy, que participou nesta sexta-feira de um seminário na Fundação Escola de Sociologia e Política de São Paulo (FESPSP).

Ou seja, Levy acredita que uma parte dos seus investimentos, diretamente ou via fundos, pode ser destinada a financiar os projetos de energia, logística e outras áreas no país. "Se a gente se organizar, a infraestrutura é um destino muito bom", afirmou o presidente do BNDES a uma plateia formada principalmente por alunos do curso de MBA da fundação.

Embora não tenha dinheiro, o governo tem o papel fundamental de coordenar os projetos, segundo Levy, que elogiou a criação do Programa de Parcerias de Investimento (PPI). O órgão vinculado à Presidência da República que centraliza as ações do governo em Infraestrutura foi criado na gestão Temer e foi mantido por Jair Bolsonaro.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter

História de sucesso

Com uma longa história no serviço público, o presidente do BNDES disse que, apesar dos percalços, o Brasil tem uma história de sucesso em concessões ao setor privado e que pode se aproveitar disso para atrair o dinheiro de investidores.

"Dinheiro tem às pilhas. O que falta são bons projetos", afirmou

A maior parte do capital disponível hoje está em busca de investimentos de baixo risco. O que pode ser um oportunidade de atrair dinheiro barato para financiar a infraestrutura, desde que o país consiga criar regras simples e padronizadas para os investidores.

Levy disse que o BNDES também poderá atuar para diminuir o risco das operações, oferecendo por exemplo algum tipo de proteção cambial para o investidor estrangeiro. "É claro que vamos cobrar por isso", afirmou.

O banco de desenvolvimento também pretende continuar atuando como "investidor-âncora" nas captações de recursos pelos projetos no mercado de capitais. Em outras palavras, o banco garante a compra de um determinado percentual em uma emissão de debêntures, por exemplo.

O investimento em debêntures cujos recursos são destinados a financiar obras de infraestrutura possuem isenção de imposto de renda para pessoas físicas. Mas Levy considera que o pequeno investidor não deve entrar em emissões de projetos que ainda não foram concluídos e defendeu uma maior participação dos bancos comerciais, que têm melhores condições de avaliar os riscos.

O que não vai mais acontecer é o uso das taxas de juros subsidiadas, como ocorreu no passado recente. "Não tem mais BNDES com dinheiro barato para garantir projetos que não se sustentam", afirmou Levy, que deixou o evento sem falar com a imprensa.

Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

A FONTE DO PROBLEMA

“Desigualdade tem de ser combatida no imposto de renda”, diz Orair

No primeiro trimestre deste ano, a desigualdade de renda dos trabalhadores brasileiros atingiu seu maior nível em pelo menos sete anos

5º MAIS RICO DO MUNDO

Carlos Slim, o bilionário que lucrou com um monopólio e virou o ‘dono do México’

Com conglomerado de mais de 200 empresas, empresário acumulou fortuna de US$ 60 bilhões, que equivale a 6% do PIB do país, e se tornou o quinto homem mais rico do mundo.

MAIS UMA

Bolsonaro afirma que governadores do Nordeste tentam manipular eleitor

O uso de um termo pejorativo para se referir aos nordestinos provocou a reação de governadores da região, que manifestaram “espanto e profunda indignação”

BNDES

Com BNDES menor, pode faltar crédito para investimento

O patamar de desembolsos em torno de R$ 70 bilhões por ano, sinalizado pelo novo presidente, equivale a 1% do Produto Interno Bruto, menor nível em 20 anos.

Boa notícia

Risco volta ao nível de quando país tinha selo de bom pagador

Além do avanço na reforma previdenciária, contribuiu para a redução do risco país o cenário de um mercado internacional mais calmo

Bandeira eleitoral

Tema “corrupção” perde espaço no Twitter de Bolsonaro

Depois de assumir o poder, o assunto perdeu espaço em sua timeline e, segundo levantamento no perfil do presidente, apareceu em apenas 1,4% das postagens.

Uma dose de realismo

Bilionários garantem: este é o melhor momento para se estar vivo

Bill Gates, Warren Buffett, Elon Musk e Barack Obama são categóricos: se você pudesse escolher qualquer momento na história para nascer, seria este.

Promessa é dívida

MAIS LIDAS: Oi e FGTS foram as grandes promessas da semana

São elas: a liberação do saque do FGTS pelo governo Bolsonaro e o plano da diretoria da Oi de tirar a empresa do buraco. Confira

Dá para se arrepender?

Opção do saque do FGTS será reversível

A ideia é que a nova opção de saque permita ao trabalhador resgatar uma parcela em troca de abrir mão da retirada de todo o fundo caso seja demitido sem justa causa

o novo sempre vem

Novo Mercado, nível 1 ou 2: Diga-me a governança da ação e eu te digo quais são os direitos do investidor

Segmento da B3 estabeleceu maior nível de governança entre as empresas e amenizou conflitos entre minoritários e controladores; são hoje 142 empresas no Novo Mercado

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements