🔴 RENDA MÉDIA DE ATÉ R$238,02 POR DIA COM APENAS 4 CLIQUES – SAIBA COMO

Larissa Vitória
Larissa Vitória
É repórter do Seu Dinheiro. Formada em jornalismo na Universidade de São Paulo (ECA-USP), já passou pelo portal SpaceMoney e pelo departamento de imprensa do Instituto de Pesquisas Tecnológicas (IPT).
ENTENDA O CASO

Justiça embarga obras de complexo bilionário da JHSF (JHSF3) no interior de São Paulo

A decisão aconteceu após pedido do Ministério Público, que afirma que a JHSF e outras duas companhias burlaram regras de licenciamento ambiental

Larissa Vitória
Larissa Vitória
11 de abril de 2024
16:01 - atualizado às 10:28
Fotografia do Boa Vista Village, empreendimento lançado pela JHSF em 2019
Lançado em 2019, o Boa Vista Village é uma extensão do complexo Boa Vista, da JHSF - Imagem: Divulgação

A Justiça decidiu embargar todas as obras e atividades do Complexo Boa Vista, um dos principais empreendimentos da JHSF Participações (JHSF3), localizado em Porto Feliz (SP).

A decisão aconteceu após pedido do Ministério Público, que afirma que a JHSF e outras duas companhias — a Canária Administradora de Bens e a Polônia Incorporações — burlaram regras de licenciamento ambiental para as obras.

Os promotores alegam que os licenciamentos foram emitidos tomando indevidamente por base frações menores de áreas e um número mais diminuto e menos complexo de atividades e intervenções do que se fosse considerado o todo do empreendimento.

A decisão inclui o empreendimento Village — de 2,6 milhões de metros quadrados, que abrange o Boa Vista Village, Residências do Village fase 1 e 2 e o Complexo Village —, o empreendimento Canárias, também com mais de 2 milhões de metros quadrados e os loteamentos Novo, Estates e Estâncias Rurais.

A única exceção ao embargo é a entrada de moradores e o uso doméstico dos locais que já são habitados.

Procurada, a JHSF não se manifestou até a publicação deste texto. A matéria será atualizada caso a empresa envie um posicionamento.

JHSF (JHSF3): projeto com VGV de R$ 4,5 bilhões

Quando a JHSF anunciou ao mercado o lançamento da Fazenda Boa Vista, em 2007, a empresa afirmou que a propriedade de 12 milhões de metros quadrados seria um marco no conceito de empreendimentos de campo no Brasil.

Alguns anos depois, em 2019, a companhia expandiu ainda mais o projeto com o Boa Vista Village, um lançamento com Valor Geral de Vendas (VGV) estimado em R$ 4,5 bilhões e que acrescentou mais algumas centenas de milhares de metros quadrados ao que já era chamado na época de “Complexo Boa Vista”.

O MPSP diz que foi adotado um “hábito corrente” das empresas privadas: expandir as atividades antes da obtenção das validações ambientais, que deveriam ser prévias. 

“Regularizando-se apenas a posteriori as situações assim provocadas intencionalmente, quando os danos já estão consumados, consolidados (na área e no tempo) e, assim, possivelmente irreversíveis”, afirma a ação.

Os promotores citam ainda uma série de danos já apurados, entre eles intervenções em áreas de proteção permanente, supressão de vegetação, impacto em cursos d’água e na segurança viária.

Para o Ministério Público, o município de Porto Feliz e o Estado de São Paulo também devem ser responsabilizados por ações e omissões — especialmente a ausência de fiscalização — que possibilitaram que os danos fossem causados.

Os promotores argumentam que o poder público permitiu ativamente as ilegalidades praticadas ao emitirem diversos atos administrativos autorizando as intervenções que não consideravam o todo do projeto.

Justiça interdita área e embarga obras do Complexo Boa Vista

Considerando a apuração, o Ministério Público pediu a interrupção das atividades em todo o perímetro do empreendimento e uma tutela reparatória, para a reparação dos danos aferidos.

O primeiro pedido foi aceito pela Justiça. Em despacho assinado ontem (10), a juíza Raisa Schneider, da 2ª vara do Foro de Porto Feliz, determinou a interdição da área e o embargo judicial de todas as obras e atividades correlatas onde está situado o Complexo Boa Vista.

“Os réus deverão cessar imediatamente qualquer obra ou atividade correlatas no local, com a proibição de quaisquer novas intervenções até a elaboração de licenciamento ambiental único que envolva todo o megaempreendimento, inclusive nas áreas que ainda se pretenda intervir”, escreveu a juíza.

A magistrada estabeleceu ainda uma multa diária de valor inicial de R$ 500 mil, mas que pode chegar aos R$ 20 milhões, em caso de descumprimento das ordens judiciais.

VEJA TAMBÉM - O DADO QUE PODE MUDAR O JOGO PARA A ECONOMIA GLOBAL

Compartilhe

FUSÃO NA LINHA

Não é só rumor: Telefônica Vivo (VIVT3) e Desktop (DESK3) confirmam negociações para possível fusão

29 de maio de 2024 - 10:13

A confirmação ocorre quase uma semana depois do início das especulações sobre o interesse da Telefônica na aquisição da operadora de banda larga

RECONQUISTANDO A COROA

Nubank (ROXO34) fecha pregão como banco mais valioso da América Latina pela primeira vez em dois anos, desbancando Itaú (ITUB4)

28 de maio de 2024 - 19:45

O banco digital é avaliado em US$ 58 bilhões, equivalente a R$ 299,2 bilhões pela cotação atual

Trabalho

Perfumes de luxo de L’Oréal e Estée Lauder estão ligados ao trabalho infantil no Egito, mostra investigação da BBC

28 de maio de 2024 - 17:32

Reportagem descobriu que colheita do jasmim utilizado em fragrâncias das marcas Lancôme e Aerin Beauty tem participação de menores; empresas dizem ter tolerância zero com trabalho infantil

PARCERIAS NA MIRA

CEO da CCR (CCRO3) confirma interesse em leilão das linhas da CPTM, operadora do trem de São Paulo — mas busca um sócio

28 de maio de 2024 - 16:29

Além de buscar um parceiro para a plataforma de mobilidade, a empresa de infraestrutura ainda avalia a possibilidade de desenvolver outras duas sociedades; entenda

AQUISIÇÕES

Banco BMG vende fatia da empresa de pagamentos Granito para o Banco Inter (INBR32) por R$ 110 milhões

28 de maio de 2024 - 10:01

Com isso, o Inter passa a deter 100% do capital da Granito, tendo em vista que o banco digital já possuía outros 50% das ações da companhia de pagamentos

COM A PALAVRA, Magda Chambriard

Nova CEO diz que Petrobras (PETR4) pode pagar dividendos, mas com uma condição; veja qual

27 de maio de 2024 - 19:31

Vale relembrar que Magda assumiu o cargo na última sexta-feira, indicada pelo governo para substituir Jean Paul Prates

CHAMADA PÚBLICA

Com foco em transição energética, Vale (VALE3) e BNDES querem selecionar fundo de investimento; confira detalhes do edital

27 de maio de 2024 - 16:20

O edital busca estimular atividades de pesquisa e exploração mineral no Brasil e a definição do fundo gestor deverá ocorrer até outubro de 2024

NO ENCALÇO DOS RIVAIS

Elon Musk quer ganhar posição na corrida da inteligência artificial e levanta R$ 30 bilhões para a xAI

27 de maio de 2024 - 15:35

O financiamento veio de gigantes do Vale do Silício e aproxima a empresa de Elon Musk dos concorrentes do mercado de Inteligência Artificial

FOGUETE NÃO TEM RÉ

Nubank (ROXO34) já subiu 40% em NY em 2024 — mas o roxinho continua a brilhar aos olhos do Itaú BBA. O que está por trás do otimismo?

27 de maio de 2024 - 14:26

Os analistas mantêm recomendação de compra para as ações da fintech negociadas em Nova York, com preço-alvo de US$ 13 para o fim de 2024

REESTRUTURAÇÃO

Plano financeiro da Gol (GOLL4) envolve aumento de capital de até US$ 1,5 bilhão e refinanciamento de US$ 2 bilhões para deixar a recuperação judicial

27 de maio de 2024 - 11:08

Contudo, a decisão da Gol de prosseguir com o plano exigirá a aprovação do Tribunal de Falências dos EUA

Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies

Continuar e fechar