🔴 NOVA META: ATÉ R$ 3.000 POR DIA COM DUAS OPERAÇÕES – CONHEÇA O INDICADOR X

Micaela Santos
Micaela Santos
É repórter do Seu Dinheiro. Formada pela Universidade São Judas Tadeu (USJT), já passou pela Época Negócios e Canal Meio.
ESTREIAS NA BOLSA

Fim da seca? Sem IPOs há dois anos, Brasil tem perspectiva de retomada para o segundo semestre, segundo EY

De acordo com estudo da consultoria, expectativa é de que as empresas estreantes na Bolsa em 2024 sejam lucrativas e de setores tradicionais

Imagem: Shutterstock

Depois de um período de seca nos últimos dois anos, o mercado de oferta pública inicial de ações (IPO) no Brasil mostrará sinais de retomada já no segundo semestre deste ano. 

Segundo o novo estudo da EY, o Global IPO Trends Q1 2024, a perspectiva é de que as empresas estreantes na Bolsa em 2024 sejam lucrativas e de setores tradicionais. 

Por aqui, o mercado de IPOs segue sem listagem há dois anos, sendo o maior “apagão” em mais de duas décadas. O cenário é bem diferente de 2021, quando só a B3 registrou 46 IPOs.

Segundo a EY, “o mercado de IPO no Brasil está mostrando sinais de otimismo” e “crescendo em vários setores”: “Espera-se que as empresas que estrearão em 2024 sejam lucrativas e em escala de setores tradicionais”, diz o relatório. 

No entanto, esse otimismo depende da melhora no cenário econômico no país, incluindo taxas de juros mais baixas — razão pela qual muitas empresas acabaram adiando os planos de IPO. 

Nas Américas, (EUA, Canadá, México, Brasil, Chile, Colômbia, Peru, Argentina, Porto Rico, Bermudas, Equador e Jamaica) os EUA lideram as estreias neste primeiro trimestre, com 49 IPOs. O Canadá aparece em segundo lugar, com 3. 

Com isso, foram 52 ofertas públicas na região e uma movimentação de US$ 8,4 bilhões. O número representa 18% dos IPOs globais e 36% das receitas arrecadadas. 

Número de IPOs caem, mas receita cresce

Globalmente, a quantidade de ofertas de ações caiu 7% no primeiro trimestre. Foram 287 IPOs em todo o mundo, abaixo dos 307 registrados no mesmo período do ano passado. Por outro lado, a receita com IPOs cresceu 7%, de US$ 22,1 bilhões para US$ 23,7 bilhões. 

Os setores industrial (80%), de consumo (63% e de tecnologia (70%) foram os destaques. 

Parte dessa queda é motivada principalmente pela baixa na Ásia-Pacífico, segundo a consultoria. A região teve uma redução de 34% na quantidade de ofertas públicas e de 56% em receita. 

Por lá, houve uma “condição desfavorável do mercado por causa da baixa liquidez, do aumento da saída de capitais, de uma parada temporária de IPOs na China Continental e de um ambiente de taxa de juros elevada em Hong Kong”, afirma o estudo da EY. 

Ainda assim, a região da Ásia-Pacífico representa 42% dos IPOs globalmente e 24% das receitas arrecadadas. A Índia teve o maior número, com 79 ofertas só no primeiro trimestre. 

Já na Europa, Oriente Médio e África, o crescimento foi de 40% na quantidade de ofertas públicas e de 58% em volume arrecadado, totalizando 116 IPOs e US$ 9,5 bilhões no primeiro trimestre de 2024. 

Desafios

George Chan, líder global de IPOs da EY, afirma no estudo que as empresas no mercado de IPO estão entrando em um “território desconhecido”. 

Segundo ele, as candidatas a estreantes na Bolsa são influenciadas pela recente mudança na preferência dos investidores por lucratividade em um cenário alterado de taxas de juros. 

Além disso, diversos setores são impactados no mundo pelas tensões geopolíticas e a crescente demanda e corrida pela inteligência artificial. 

“Para ter sucesso neste ambiente em mudança, as perspectivas de IPO devem permanecer flexíveis e preparadas para aproveitar o momento certo para sua estreia pública”, afirma.

Compartilhe

NOVO NEGÓCIO

Braskem (BRKM5) vende controle da Cetrel para GRI de olho no setor de resíduos industriais

13 de junho de 2024 - 19:47

Petroquímica passa a deter 49,9% da empresa de gestão de resíduos

Socorro governamental

Com medida provisória, governo tenta salvar a combalida Amazonas Energia

13 de junho de 2024 - 18:53

Ministério de Minas e Energia avalia que a saúde econômico-financeira da companhia está deteriorada

RECOMENDAÇÃO

Goldman Sachs: Após 1º trimestre fraco, desafio da Arezzo&Co (ARZZ3) é crescer em meio à fusão com o Grupo Soma; é hora de comprar a ação?

13 de junho de 2024 - 15:00

Queda de 22% nas ações da varejista de calçados no ano levantou preocupações dos investidores sobre a criação da nova holding

VÃO DIZER SIM?

Elon Musk afirma que conselho aprovou bônus de US$ 56 bilhões e ações da Tesla saltam na bolsa

13 de junho de 2024 - 12:24

O bônus multibilionário já havia sido aprovado em 2018, mas foi barrado pela Justiça de Delaware. A votação para a reavaliação do pacote salarial de Elon Musk ocorre nesta quinta-feira (13)

Aquisições

Allos desiste de comprar parte do Shopping Rio Sul; mas avisa que ainda está de olho no negócio

13 de junho de 2024 - 10:33

Companhia informou que a Combrascan tem intenção de exercer seu direito de preferência na operação

MUDANÇAS EM FOCO

Americanas contrata ex-Casas Bahia e outros dois executivos; veja quem é o trio que vai compor a equipe da varejista — AMER3 dispara 22% na B3

13 de junho de 2024 - 10:06

Ex-diretor de soluções financeiras da Casas Bahia, Tiago Abate entrará como vice-presidente de clientes e parceiros da companhia

MEIOS DE PAGAMENTO

Cielo se prepara para sair da bolsa e uma dupla de empresas de maquininhas pode surfar essa onda, mas o Santander tem uma favorita

12 de junho de 2024 - 17:33

Os analistas avaliam que existe uma boa janela de curto prazo para a Stone e a PagSeguro em meio à queda das ações e à OPA da Cielo; veja quem é a preferida

Rali das “meme stocks”

‘Efeito Roaring Kitty’ faz GameStop levantar mais de US$ 2 bilhões com venda de ações

12 de junho de 2024 - 16:04

Varejista de videogames vendeu 75 milhões de ações após volta de trader que inspirou o épico ‘short squeeze’ em 2021

Mercado acionário

Bank of America corta preço-alvo para ações de bancões brasileiros, mas mantém recomendação

12 de junho de 2024 - 15:10

Combinação de receitas diversificadas, funding, controle de custos e balanços fortes são os fatores positivos apontados pelos analistas

DINHEIRO NO BOLSO

Dividendos milionários: Grupo Mateus (GMAT3) vai pagar mais de R$ 134 milhões para acionistas; confira os prazos e como receber

12 de junho de 2024 - 12:50

O anúncio da distribuição do JCP ocorre em um momento positivo para a companhia, que vem contrariando a crise no varejo

Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies

Continuar e fechar