🔴 NOVA META: ATÉ R$ 3.000 POR DIA COM DUAS OPERAÇÕES – CONHEÇA O INDICADOR X

Camille Lima
Camille Lima
Repórter no Seu Dinheiro. Estudante de Jornalismo na Universidade Municipal de São Caetano do Sul (USCS). Já passou pela redação do TradeMap.
RELAÇÕES COMERCIAIS

Brasil anuncia parceria com dona do AliExpress para exportar produtos brasileiros para a China — dias após aprovação da “taxação das blusinhas”

O ministro Márcio França disse que assinará um convênio para a exportação de produtos de empresas brasileiras por meio da plataforma de e-commerce asiática

Camille Lima
Camille Lima
9 de junho de 2024
16:09 - atualizado às 14:28
AliExpress
AliExpress - Imagem: Divulgação

Enquanto os consumidores brasileiros acompanham com tensão a polêmica “taxação das blusinhas” por aqui, o Brasil decidiu anunciar um acordo com a gigante chinesa do varejo digital Alibaba, dona do AliExpress.

O ministro do Empreendedorismo, da Microempresa e da Empresa de Pequeno Porte, Márcio França, disse que vai assinar um convênio para a exportação de produtos de empresas brasileiras por meio da plataforma de e-commerce asiática. 

O movimento acontece dias após a aprovação do fim da isenção do imposto de importação para compras internacionais de até US$ 50 em sites como Shein, Shopee e o próprio AliExpress. 

A matéria foi aprovada pelo Senado na última quarta-feira (5) e agora voltará para a Câmara.

As relações entre Brasil e China

Em visita à sede do Alibaba ontem, o ministro afirmou que o convênio deve mostrar como os comerciantes brasileiros poderão vender pequenos produtos, em pequenas quantidades, na China, com o incentivo do governo brasileiro.

Em vídeo compartilhado no X (antigo Twitter), França cita que o braço de logística do Alibaba entrega 5 milhões de pacotes por dia para todos os lugares do mundo. 

"Estamos buscando fortalecer as relações Brasil-China, encontrando ferramentas de cooperação para impulsionar o empreendedorismo no Brasil", escreveu o ministro.

O Alibaba, dono do AliExpress, em meio à “taxação das blusinhas”

O AliExpress se posicionou de maneira contrária ao fim da isenção de importações de até US$ 50 no Brasil e afirmou que a medida impactará principalmente a população brasileira de classes mais baixas.

Segundo a varejista, esse público deixará de “ter acesso a uma ampla variedade de produtos internacionais, que em sua maioria não são encontrados no país, a preços acessíveis”.

A plataforma também disse que a decisão desestimula o investimento internacional no país e deixa o Brasil como um dos países com a maior alíquota para compras de itens internacionais do mundo.

“A mudança, por outro lado, não altera a isenção para viagens internacionais, que permite que quem viaje para fora do país compre uma variedade de produtos isentos de qualquer imposto no valor total de R$ 5 mil a cada 30 dias”, diz o AliExpress em nota à imprensa.

No fim de maio, em entrevista ao Broadcast, a diretora-geral da companhia no Brasil, Briza Bueno, afirmou que, com o fim da isenção do imposto, a carga tributária estimada sobre os produtos deveria ficar em cerca de 44,5%.

"Claro que vamos continuar comprometidos com o país. Continuamos fazendo os investimentos que temos no país, mas fomos bem surpreendidos com essa decisão. Esse tipo de decisão tem que ser tomada com cuidado, no sentido de ouvir o consumidor, que é o mais afetado neste momento", afirmou a executiva.

Bueno disse que a companhia estudava quais seriam os movimentos dali em diante, caso a taxação fosse aprovada nas demais instâncias do Poder Legislativo. 

"Temos feito vários investimentos olhando para os sellers (vendedores) locais. Seguimos. Somos a plataforma que mais incentiva o seller com a comissão mais baixa do mercado: de 5% a 8%", disse Briza, em maio.

*Com informações de Estadão Conteúdo.

Compartilhe

NOVO NEGÓCIO

Braskem (BRKM5) vende controle da Cetrel para GRI de olho no setor de resíduos industriais

13 de junho de 2024 - 19:47

Petroquímica passa a deter 49,9% da empresa de gestão de resíduos

Socorro governamental

Com medida provisória, governo tenta salvar a combalida Amazonas Energia

13 de junho de 2024 - 18:53

Ministério de Minas e Energia avalia que a saúde econômico-financeira da companhia está deteriorada

RECOMENDAÇÃO

Goldman Sachs: Após 1º trimestre fraco, desafio da Arezzo&Co (ARZZ3) é crescer em meio à fusão com o Grupo Soma; é hora de comprar a ação?

13 de junho de 2024 - 15:00

Queda de 22% nas ações da varejista de calçados no ano levantou preocupações dos investidores sobre a criação da nova holding

VÃO DIZER SIM?

Elon Musk afirma que conselho aprovou bônus de US$ 56 bilhões e ações da Tesla saltam na bolsa

13 de junho de 2024 - 12:24

O bônus multibilionário já havia sido aprovado em 2018, mas foi barrado pela Justiça de Delaware. A votação para a reavaliação do pacote salarial de Elon Musk ocorre nesta quinta-feira (13)

Aquisições

Allos desiste de comprar parte do Shopping Rio Sul; mas avisa que ainda está de olho no negócio

13 de junho de 2024 - 10:33

Companhia informou que a Combrascan tem intenção de exercer seu direito de preferência na operação

MUDANÇAS EM FOCO

Americanas contrata ex-Casas Bahia e outros dois executivos; veja quem é o trio que vai compor a equipe da varejista — AMER3 dispara 22% na B3

13 de junho de 2024 - 10:06

Ex-diretor de soluções financeiras da Casas Bahia, Tiago Abate entrará como vice-presidente de clientes e parceiros da companhia

MEIOS DE PAGAMENTO

Cielo se prepara para sair da bolsa e uma dupla de empresas de maquininhas pode surfar essa onda, mas o Santander tem uma favorita

12 de junho de 2024 - 17:33

Os analistas avaliam que existe uma boa janela de curto prazo para a Stone e a PagSeguro em meio à queda das ações e à OPA da Cielo; veja quem é a preferida

Rali das “meme stocks”

‘Efeito Roaring Kitty’ faz GameStop levantar mais de US$ 2 bilhões com venda de ações

12 de junho de 2024 - 16:04

Varejista de videogames vendeu 75 milhões de ações após volta de trader que inspirou o épico ‘short squeeze’ em 2021

Mercado acionário

Bank of America corta preço-alvo para ações de bancões brasileiros, mas mantém recomendação

12 de junho de 2024 - 15:10

Combinação de receitas diversificadas, funding, controle de custos e balanços fortes são os fatores positivos apontados pelos analistas

DINHEIRO NO BOLSO

Dividendos milionários: Grupo Mateus (GMAT3) vai pagar mais de R$ 134 milhões para acionistas; confira os prazos e como receber

12 de junho de 2024 - 12:50

O anúncio da distribuição do JCP ocorre em um momento positivo para a companhia, que vem contrariando a crise no varejo

Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies

Continuar e fechar