🔴 SAVE THE DATE: 22/07 – FERRAMENTA PARA GERAR RENDA COM 1 CLIQUE SERÁ LIBERADA – CONHEÇA

Bruno Mérola: Como ter máximo retorno e evitar grandes perdas

Confiamos exageradamente em nossa versão futura, nossa atenção de curto prazo é capturada por estímulos infinitos e somos, na maioria, imperfeitos em adequar a execução cotidiana à estratégia bem definida de longo prazo

1 de julho de 2024
20:00 - atualizado às 18:17
Imagem: Adobe Firefly

“Um resfriado adequadamente tratado dura sete dias, mas deixado a si mesmo, cura-se em uma semana.”

Henry Felsen, escritor americano

Desculpa, não dá.

E isso não é um clickbait, apenas uma conversa sobre o inevitável e a ilusão de controle.

Em 2016, Wesley Gray, da gestora Alpha Architect, argumentou que até Deus teria sido demitido se fosse um investidor ativo – inúmeras vezes, aliás.

Já falamos sobre isso aqui, mas a mesma mensagem tem sabores diferentes entre um bull e um bear market.

O “portfólio de Deus” do paper levou esse nome pela sua clarividência. Desde 1927, ele investiu numa carteira formada pelas 50 ações que mais ganharam dinheiro pelos próximos cinco anos, rebalanceada a cada período.

Como essa informação só pode ser obtida “a posteriori”, trata-se de uma premissa absurda, que considera 100% de acerto na seleção de ativos, impossível de ser replicada na vida real.

É claro que o retorno acumulado impressiona: 29% ao ano versus 10% do S&P 500.

Então por que esse gestor impecável, que nunca teve um ato ridículo, nunca sofreu um enxovalho, levaria enormes resgates de investidores e, provavelmente, nem fosse lembrado após 90 anos?

Maquiavel tinha razão?

“O Príncipe”, de Maquiavel, é famoso pelos fins que justificariam os meios, mas o italiano se esquecera de abordar o que fazer quando se está no olho do furacão.

Explico. Na crise global dos anos 30, possuir as melhores ações não teria evitado que a carteira atravessasse um drawdown de 76%. Em 1940, quase 40% de perda antes de se recuperar. Para cada década seguinte, pelos próximos 80 anos, pelo menos uma perda acima de 20%.

Sejamos sinceros: quem tem a coragem de permanecer investido após uma queda de 76%?

A verdade é que não teriam faltado oportunidades ao investidor do portfólio divino para “demitir” seu gestor onipotente, resgatar seu dinheiro e partir para outra.

As três razões para esse comportamento

A primeira é uma dificuldade humana nata de lidar com horizontes de investimento conflitantes.

Confiamos exageradamente em nossa versão futura, nossa atenção de curto prazo é capturada por estímulos infinitos e somos, na maioria, imperfeitos em adequar a execução cotidiana à estratégia bem definida de longo prazo.

A segunda é o oposto, o apego ao passado. Como já existe, é mais fácil dar um peso maior ao passado, concreto, do que ao futuro, ainda abstrato.

“O fundo A caiu x % desde que investi, devo resgatar?” é uma das mensagens que mais recebo de investidores. A preocupação é justa e genuína, mas, para dar minha melhor opinião, preciso quebrar a estrutura original com “apenas por esse motivo, não”.

Raramente, uma queda é motivo suficiente para resgate. Para isso se tornar verdade, ela deve indicar algo mais grave, como:

  • gestão de risco inadequada
  • alteração no processo de gestão
  • mudança de paradigma no mercado

E a terceira é a solidão do contrarian. Se todos resgatam na queda de 75%, por que você não o faria? O que os outros, tão inteligentes quanto, sabem que você não sabe? Ou vice-versa?

É solitário apostar sozinho. Se erra, mereceu; se acerta, pura sorte, ninguém podia prever.

A conclusão da Alpha Architect não apenas lembra o óbvio – só temos um passado para analisar e o que teria sido é frequentemente atropelado pelo que foi –, mas provoca um conflito inesperado entre clarividência e um tipo específico de resiliência.

  • Empiricus Educação libera curso gratuito de investimentos em ouro e dólar; acesse as aulas aqui

Não falo do clichê corporativo, bordado em palavras vazias no LinkedIn, e distorcido da sua origem física para servir a intenções tortas de discursos motivacionais.

Mas da qualidade rara do investidor que, dobrado pelo acaso, não apenas não se quebra, mas desafia a física e reforça ainda mais sua convicção inicial. Talvez isso explique porque preferimos gestores “cascudos”, que atravessaram várias crises.

Dê o nome que quiser, mas “antifragilidade” já foi escolhido.

Compartilhe

Mande sua dúvida!

Meus pais fizeram dívidas no meu CPF e fiquei com o nome sujo; terei que processá-los?

20 de julho de 2024 - 8:00

Muitos pais usam o CPF dos filhos menores de idade indevidamente, mas isso pode configurar fraude! Veja o que a vítima deve fazer

O MELHOR DO SEU DINHEIRO

Ibovespa repercute Orçamento congelado, privatização da Sabesp e pane em sistemas da Microsoft

19 de julho de 2024 - 8:17

Governo anuncia congelamento de R$ 15 milhões no Orçamento de 2024 em tentativa de cumprir meta fiscal

SEXTOU COM O RUY

Aumento de capital bilionário e aquisição de 4 usinas: o que isso significa para os acionistas da Eneva (ENEV3) e por que você deveria comprar as ações agora

19 de julho de 2024 - 6:07

Por 9x Valor da Firma/Ebitda, novos ativos entrando em operação e um cenário hidrológico que começou a ficar mais favorável, o papel é uma opção para a carteira

O MELHOR DO SEU DINHEIRO

Com Biden e Trump tão diferentes e tão iguais, Ibovespa começa o dia a reboque do exterior em dia de decisão do BCE

18 de julho de 2024 - 8:10

Ibovespa retomou caminho das altas ontem e hoje flerta com os 130 mil pontos; suspeitas de intervenção no iene pressionam moedas emergentes, inclusive o real

EXILE ON WALL STREET

Rodolfo Amstalden: Qual o real significado das séries invictas?

17 de julho de 2024 - 20:00

No futebol, ficamos tentados a avaliar o potencial preditivo das séries invictas, bem como de suas quebras

O MELHOR DO SEU DINHEIRO

Nada sobe para sempre: Depois de cair pela primeira vez em julho, Ibovespa busca retomar caminho das altas com Vale, Livro Bege e guerra tecnológica no radar

17 de julho de 2024 - 8:12

Embora tenha caído pela primeira vez no mês na sessão de ontem, o Ibovespa ainda acumula alta de mais de 4% no que vai de julho

CRYPTO INSIGHTS

Trump, eleições americanas — e a salvação do bull market das criptomoedas

16 de julho de 2024 - 19:28

A rotação de alguns centímetros da cabeça, em uma fração de segundos foi o bastante para impedir uma catástrofe; há quem diga que foi também a diferença entre o BTC a US$ 30 mil e o BTC acima de US$ 60 mil

EXILE ON WALL STREET

Felipe Miranda: Francis ou Francisco: dançando à beira do vulcão

16 de julho de 2024 - 9:08

Não há como subestimar o atentado contra Donald Trump. Quando Francisco Ferdinando foi assassinado, ninguém imaginou que caminharíamos para a Primeira Guerra Mundial

O MELHOR DO SEU DINHEIRO

Ibovespa flerta com os 130 mil pontos em dia de agenda fraca e mercado engajado no Trump trade

16 de julho de 2024 - 8:05

O Ibovespa continua protagonizando sua melhor sequência positiva desde a passagem de 2017 para 2018 e já acumula alta de 4,4% em julho

INSIGHTS ASSIMÉTRICOS

Enquanto atentado impulsiona o ‘Trump trade’, democratas ainda precisam decidir quem vai perder a eleição

16 de julho de 2024 - 6:44

Atentado do último fim de semana fez aumentarem substancialmente as chances de vitória de Donald Trump em novembro

Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies

Continuar e fechar