🔴 CHANCE DE MULTIPLICAR O SEU CAPITAL POR 7,5X COM 1 CLIQUE – CONHEÇA A FERRAMENTA

Camille Lima
Camille Lima
Repórter no Seu Dinheiro. Estudante de Jornalismo na Universidade Municipal de São Caetano do Sul (USCS). Já passou pela redação do TradeMap.
CAPITAL PRIVADO

Como a seca dos IPOs na B3 vem atrapalhando a indústria de private equity — e o que esperar daqui pra frente, segundo a presidente da ABVCAP

Em entrevista ao Seu Dinheiro, Priscila Rodrigues detalhou as oportunidades que existem no mercado de capitais privado atualmente; confira

Camille Lima
Camille Lima
12 de junho de 2024
9:31 - atualizado às 15:33
Priscila Rodrigues, sócia da Crescera Capital e presidente da ABVCAP, fala sobre a indústria de private equity e venture capital.
Priscila Rodrigues, sócia da Crescera Capital e presidente da ABVCAP, fala sobre a indústria de private equity e venture capital. - Imagem: Estúdio Tramma

Sem novos IPOs desde 2022 e em meio a condições macroeconômicas globais conturbadas, o mercado de capitais privado brasileiro vivencia um verdadeiro cenário de “batalha” em 2024, na avaliação de Priscila Rodrigues, sócia da Crescera Capital e presidente da Associação Brasileira de Private Equity e Venture Capital (ABVCAP).

Os investimentos em private equity — isto é, que compram participações em empresas — somaram R$ 5,4 bilhões entre janeiro e maio no Brasil, uma queda de 19,4% em relação ao mesmo período de 2023, de acordo com relatório produzido pela TRT Data em parceria com a ABVCAP.

Quando comparadas com igual intervalo de 2021, quando a cifra chegou a R$ 11 bilhões antes do início da seca dos IPOs na bolsa brasileira, as aplicações nesta indústria caíram pela metade.

Vale lembrar que as aberturas de capital são uma das principais formas de saída para os fundos de private equity — que têm como objetivo vender suas participações no futuro, geralmente através de um IPO ou da venda da fatia para outra empresa.

Desde 2022 sem novas ofertas públicas iniciais, a escassez de IPOs na B3 torna essa estratégia mais difícil e pode resultar em retornos mais baixos para os investidores de capital privado.

Fonte: TTR Data.

“Hoje nós temos poucas empresas na B3. Tem espaço bastante grande, mas essas empresas precisam ter possibilidade de ir à bolsa, mas o mercado está bem fechado”, disse Rodrigues, em entrevista ao Seu Dinheiro.

Segundo a presidente da ABVCAP, a dinâmica de mercado não está pressionada apenas pela falta de apetite dos investidores, mas também pelas condições de mercado atuais para os ativos brasileiros.

“O pós-pandemia fez uma reprecificação importante de mercado, inclusive de valuation. Hoje tem muita companhia que estaria pronta para entrar na bolsa, mas elas decidem não abrir capital devido ao preço atual dos ativos na B3, e aí todo mundo se prejudica. Porque essas empresas não recebem capital novo para continuar a expansão, que geraria emprego para o país. É quase uma roda d'água, quanto mais água cai, mas rápido ela gira. Então a bolsa fechada há bastante tempo atrapalha.”

Leia também:

Além do private equity

Para além do private equity, a indústria do venture capital — que aloca em startups, empresas em estágio inicial — também teve um árduo início de ano em 2024.

Os investimentos em VC totalizaram R$ 4,81 bilhões entre janeiro e maio deste ano, considerando tanto alocações em projetos empresariais em estágio inicial quanto em startups mais avançadas.

O montante representa um leve recuo de 4% em relação aos cinco primeiros meses de 2023.

Apesar da cifra ter se mantido praticamente estável em comparativo anual, a quantidade de operações em venture capital despencou 30% de um ano para o outro, passando de 239 transações para 166 negócios — o que indica cheques maiores nesta indústria ao longo de 2024.

Os principais setores que receberam investimentos neste ano foram o de tecnologia e de serviços financeiros, de acordo com pesquisa da TTR Data.

O que esperar pela frente, segundo a presidente da ABVCAP

Na avaliação de Priscila Rodrigues, presidente da ABVCAP, ainda que o mercado de capitais privado tenha sido penalizado nos últimos anos, as perspectivas são positivas daqui para frente — especialmente diante das perspectivas de alívio de juros nos Estados Unidos.

“Existem oportunidades enormes no mercado, tanto de private equity quanto de venture capital”, disse Rodrigues.

“Hoje os múltiplos estão mais atrativos e comprimidos do que estavam anos atrás, e o capital também está mais escasso, então quem tem capital para alocar tem uma oportunidade para comprar teses em empresas bem focadas em operação e que precisam de capital para parar de queimar a caixa”, acrescentou.

Na avaliação da executiva, o mercado de desinvestimentos “um pouco mais tímido” criou uma oportunidade “muito grande” para o mundo na indústria de capital alternativo secundário — como o crédito privado e os investimentos em special situations.

“Minha visão é sempre de longo prazo e eu continuo cautelosamente otimista”, releva Rodrigues. “A gente tem papel fundamental no desenvolvimento econômico brasileiro. Tem players se movimentando, mas é um trabalho de formiguinha de construção, não vejo nenhum risco para essa indústria deixar de desistir.”

Compartilhe

MERCADO FINANCEIRO

Renda fixa brilha no 1º semestre e impulsiona captação de fundos. Veja as 10 gestoras que mais levantaram dinheiro no período

18 de julho de 2024 - 18:38

No “Top 10” das empresas que mais levantaram dinheiro no período, a cifra chega a R$ 202,2 bilhões, de acordo com a Quantum Finance

DISPARADA DO CÂMBIO

Dólar bate os R$ 5,58 e fecha no maior patamar em duas semanas; confira o gatilho da alta de quase 2%

18 de julho de 2024 - 17:47

Mais cedo, o ministro da Fazenda disse ter recebido o sinal verde de Lula para avançar em estudos de corte no Orçamento, mas falas da ministra do Planejamento impulsionaram a moeda

OFERTA NA BOLSA

Fundo imobiliário VGIR11 anuncia emissão de até R$ 500 milhões e vai oferecer um ‘desconto’ nas cotas; confira os detalhes

18 de julho de 2024 - 14:59

O preço de emissão pago por quem decidir participar da operação, que é voltada a investidores no geral, será de R$ 9,85 por cada nova cota

RECOMENDAÇÃO DE COMPRA

As ações desta empresa já saltam mais de 57% em 2024, mas Itaú BBA diz que ‘o navio ainda não zarpou’ e papéis podem entrar para o Ibovespa ainda neste ano

18 de julho de 2024 - 12:37

O banco de investimentos publicou um novo relatório nesta quinta-feira (18) para reforçar ainda mais a sua visão positiva para a companhia

DESTAQUES DA BOLSA

Ação da BRF (BRFS3) desaba quase 7% na B3, e frigoríficos lideram as perdas do Ibovespa hoje. O que está por trás da queda?

18 de julho de 2024 - 12:16

O movimento acompanha a confirmação do Ministério da Agricultura de detecção de um foco da doença Newcastle no Rio Grande do Sul. Mas por que isso afeta o setor de proteínas?

PELA 3ª VEZ CONSECUTIVA

Fundo imobiliário BTAL11 volta a pagar os maiores dividendos de sua história e gestão diz como quer manter proventos no patamar recorde nos próximos meses

18 de julho de 2024 - 12:13

O FII pagará R$ 0,84 por cota neste mês, cifra que representa um dividend yield anualizado de cerca de 13,4%.

MAIS UM DIA DE TOMBO

Ações da Oi (OIBR3) já derretem 20% na semana com leilão que frustrou expectativas e adiamento de etapa da recuperação judicial

18 de julho de 2024 - 11:18

Parte do tombo é explicada pelo resultado do leilão da ClientCo, a antiga Oi Fibra, realizado na tarde de ontem.

COMPRADOS X VENDIDOS

Sabesp (SBSP3): investidor paga até 13% de aluguel para ficar vendido nas ações antes da oferta; entenda a estratégia

18 de julho de 2024 - 10:32

Mercado decidiu aproveitar a enorme diferença entre as cotações da Sabesp (SBSP3) na bolsa e o preço da oferta de ações

MUDANÇA NO MERCADO DE CÂMBIO

Banco Central eleva o limite de operações de câmbio feitas em instituições não bancárias

17 de julho de 2024 - 19:20

Segundo a autoridade monetária, a medida tem por objetivo aumentar a eficiência e a competitividade

AMORTIZAÇÃO DE CAPITAL

Fundo imobiliário confirma que vai depositar mais de R$ 30 por cota na conta dos investidores após retorno alto com CRI

17 de julho de 2024 - 17:07

O resgate antecipado de um CRI rendeu R$ 23 milhões para o FII RBLG11 e dividendos fartos e uma amortização de capital para os cotistas

Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies

Continuar e fechar