🔴 CHANCE DE MULTIPLICAR O SEU CAPITAL POR 7,5X COM 1 CLIQUE – CONHEÇA A FERRAMENTA

Carolina Gama
Formada em jornalismo pela Cásper Líbero, já trabalhou em redações de economia de jornais como DCI e em agências de tempo real como a CMA. Já passou por rádios populares e ganhou prêmio em Portugal.
A RESPOSTA VEIO AÍ

Entre a cruz e a espada, Fed sobe juros apesar da crise bancária — entenda uma das decisões mais importantes do BC dos EUA

O dot plot, como é conhecido o famoso gráfico de pontos com as projeções do Fomc sobre os juros, mostra mais uma elevação ainda este ano

Carolina Gama
22 de março de 2023
15:03 - atualizado às 20:06
O presidente do Federal Reserve, Jerome Powell, com as sedes de dois bancos dos EUA como pano de fundo
Com a inflação sendo controlada, Powell passou de ‘falcão’ para ‘pombo’, diz analista Enzo Pacheco; veja quais ações americanas comprar. - Imagem: Montagem Seu Dinheiro/Brenda Silva

A recente turbulência no sistema bancário desencadeada pelo colapso do Silicon Valley Bank (SVB) colocou o Federal Reserve (Fed) entre a cruz e a espada: combater a inflação ou prevenir mais falências de bancos? Nesta quarta-feira (22), o banco central norte-americano deu uma resposta e elevou a taxa de juros em 0,25 ponto percentual (pp), colocando-a na faixa entre 4,75% e 5,00% ao ano. 

A decisão veio em linha com as expectativas do mercado. Os traders esperavam que o Fed mantivesse o foco na inflação, com 86% das apostas na elevação que o BC dos EUA entregou hoje, de acordo com dados compilados pelo CME Group.

Agora, 56,5% dos traders enxergam a chance de mais uma elevação de 0,25 pp na reunião de maio, enquanto 43,4% acreditam em uma alta de 0,50 pp no próximo encontro.

Talvez por isso a reação inicial do mercado tenha sido positiva. Em Wall Street, o Dow Jones, o S&P 500 e o Nasdaq, que operavam de lado, passaram a subir. Por aqui, o Ibovespa operou em baixa logo depois da decisão.  

Na visão dos especialistas, uma pausa na escalada dos juros poderia não apenas fazer os preços dispararem novamente, mas também enviar sinais errados ao mercado sobre a fraqueza do Fed no combate à inflação — mas nem por isso a decisão de hoje está livre de riscos, já que a taxa mais alta foi um dos gatilhos para o colapso do SVB.

O que diz o comunicado

Os investidores em todo o mundo estavam em busca do posicionamento do Fed sobre a situação dos bancos do país.

No comunicado com a decisão, a autoridade monetária reafirma que o sistema bancário dos EUA é sólido e resiliente, mas alerta sobre os problemas que derivam do colapso recente dos bancos regionais.

"Acontecimentos recentes devem resultar em condições de crédito mais restritivas para famílias e empresas e pesar na atividade econômica, nas contratações e na inflação. A extensão desses efeitos é incerta. O Comitê permanece altamente atento aos riscos de inflação", diz a comunicado.

Sobre a decisão em si, o Fed reconhece que a inflação continua elevada e que o mercado de trabalho segue aquecido, com baixa taxa de desemprego — deixando a porta aberta para o ciclo de aperto monetário continuar.

"O Comitê antecipa que algum endurecimento adicional da política pode ser apropriado para atingir uma postura de política monetária que seja suficientemente restritiva para retornar a inflação para 2% ao longo do tempo", diz o comunicado.

Ainda assim, o BC dos EUA reforça que os futuros aumentos de juros levarão em conta o aperto cumulativo da política monetária, as defasagens com que a política monetária afeta a atividade econômica e a inflação e os desenvolvimentos econômico-financeiros.

Powell entra em cena

Meia hora após a decisão ser anunciada, o presidente do Fed, Jerome Powell, entrou em cena na também aguardada coletiva para explicar melhor o aumento dos juros.

Como é tradição, ele iniciou a coletiva lendo um comunicado que reforçou que o sistema bancário norte-americano segue resiliente e que o Fed está pronto para agir para apoiar o sistema financeiro caso seja necessário.

"O sistema bancário está seguro, os depósitos foram estabilizados na última semana", disse ele, reconhecendo, no entanto, que os recentes casos de falência devem ter algum efeito — ainda que limitado — sobre a economia norte-americana e também na restrição do crédito.

Powell reconheceu ainda que dias antes desta reunião acontecer, os membros do comitê de política monetária cogitaram uma pausa no aumento dos juros para avaliar os efeitos dos problemas nos bancos regionais dos EUA. Ele, no entanto, disse que a decisão unânime de hoje teve como foco a inflação.

"A política monetária está focada nas questões macroeconômicas. O Fed tem instrumentos para ajudar os bancos e manter a liquidez no sistema", afirmou. "A inflação ainda tem um longo caminho a percorrer para que se alinhe com a meta de longo prazo de 2%", acrescentou.

Questionado sobre a possibilidade de corte de juros, já que as projeções de hoje indicaram uma taxa terminal em 5,1%, Powell foi enfático: "O corte de juros não é nosso cenário-base".

Uma reunião incomum

A reunião de dois dias do comitê de política monetária (Fomc, na sigla em inglês) aconteceu em um ambiente tomado pela incerteza — algo incomum tão perto de uma decisão, já que os membros do Fomc normalmente telegrafam suas intenções com antecedência.

Para se ter uma ideia, na semana anterior ao colapso do SVB, Powell chegou a dizer aos congressistas que esperassem que o aumento dos juros fosse rápido e furioso por causa da inflação e dos dados econômicos mais quentes do que o esperado.

Naquele momento, as declarações de Powell consolidaram as expectativas dos traders de que um aperto monetário de 0,50 pp era inevitável na reunião de hoje. A falência do Silicon Valley Bank — que ocorreu, em parte, por causa da elevação dos juros do Fed — mudou essas expectativas.

  • Já sabe como declarar seus investimentos no Imposto de Renda 2023? O Seu Dinheiro elaborou um guia exclusivo onde você confere as particularidades de cada ativo para não errar em nada na hora de se acertar com a Receita. Clique aqui para baixar o material gratuito.

A falência no caminho do Fed

O Fed poderia decidir interromper o ciclo de aperto monetário em nome de evitar mais estresse no sistema bancário — imediatamente após a implosão do Silicon Valley Bank, o governo agiu para socorrer os clientes do banco e assegurar aos norte-americanos que o dinheiro estava seguro nos bancos do país.

Depois do colapso do SVB e do Signature Bank, outras corridas e falências bancárias ainda não se concretizaram. O First Republic Bank precisou de ajuda, mas segue com as portas abertas.

Ainda assim, alguns economistas apontam para consequências contínuas — como a venda do Credit Suisse para o UBS — como um sinal de quanto estresse a alta de juros do Fed já causou ao sistema financeiro.

Juros: o que vem por aí

O Fed vem subindo o juro desde março do ano passado. Tudo começou com um aperto de 0,25 pp, tirando a taxa de praticamente zero para o intervalo de 0,25% a 0,50% ao ano. 

Depois, o banco central norte-americano subiu em 0,50 pp e, a partir de junho de 2022, resolveu fazer uma marcação mais agressiva à inflação: subiu a taxa básica em 0,75 pp por quatro vezes seguidas. 

O BC dos EUA colocou o pé no freio das elevações mais bruscas em dezembro do ano passado, mas se manteve acelerando e entrou em 2023 com um aumento de 0,25 pp e se manteve assim agora. 

A cada três meses o Fed divulga, junto com a decisão de política monetária, projeções para os juros e para a economia. A última vez que essas previsões foram apresentadas foi em dezembro

De acordo com o dot plot — o gráfico de pontos que traz as expectativas individuais dos membros do comitê —, a taxa terminará 2023 em 5,1% — a mesma previsão feita em dezembro. Isso significa que os juros estarão na faixa entre 5,00% e 5,25%, o que implica em mais um aumento neste ano.

Confira abaixo o gráfico de pontos do Fed de março:

Fonte: Federal Reserve - março de 2023

O Fed entre a cruz e a espada

Ao escolher o combate à inflação com uma alta de 0,25 pp do juros, o Fed não só colocou o estresse sobre o sistema bancário em segundo plano como potencializou as chances de colocar a economia dos EUA em recessão. 

Alguns especialistas acham que ainda há uma chance de os EUA conseguirem estabilizar sua economia sem entrar em recessão, enquanto outros argumentam que uma recessão é inevitável se o Fed quiser atingir sua meta de inflação de 2% no longo prazo. 

Diante de tantos impasses, a reunião de hoje ganhou importância ainda maior, já que veio acompanhada das projeções econômicas. 

Confira abaixo a atualização da mediana das previsões feitas pelo Federal Reserve:

PIB dos EUA

  • 2023: 0,4% de 0,5% previstos em dezembro
  • 2024: 1,2% de 1,6% previstos em dezembro
  • 2025: 1,9% de 1,8% previstos em dezembro
  • Longo prazo: mantido em 1,8%

Inflação medida pelo PCE

  • 2023: 3,3% de 3,1% previstos em dezembro
  • 2024: mantido em 2,5%
  • 2025: mantido em 2,1%
  • Longo prazo: mantido em 2,0%

Taxa de desemprego

  • 2023: 4,5% de 4,6% previstos em dezembro
  • 2024: mantido em 4,6%
  • 2025: 4,6% de 4,5% previstos em dezembro
  • Longo prazo: mantido em 4,0%

O que os especialistas acharam da decisão

Para James Orlando, diretor e economista sênior da TD Economics, a decisão de hoje foi uma das mais controversas que o Fed teve que tomar, já que quando a inflação era o único foco no ano passado, aumentar os juros era a única opção. Agora que a estabilidade do sistema financeiro foi trazida à tona, o BC dos EUA teve que seguir uma linha tênue.

"Ao aumentar os juros ao mesmo tempo em que concentra a declaração nos riscos que isso pode trazer é uma forma de reconhecer o fluxo do estresse do mercado financeiro na economia em geral", disse Orlando.

André Fernandes, head de renda variável e sócio da A7 Capital, ressalta o tom mais favorável ao afrouxamento monetário (dovish) do comunicado do Fed e aposta em uma alta de 0,25 pp na reunião de maio.

"O Fomc deve vir com mais uma alta de 0,25 pp na reunião de maio, já que revisou suas projeções em relação ao PCE de 2023 para 3,3%. Com isso, deve continuar combatendo a inflação, deixando claro que esse trabalho ainda não acabou, mesmo com os possíveis impactos no custo de crédito para as famílias e empresas norte-americanas — o que pode começar a enfraquecer a atividade econômica nos EUA", afirmou Fernandes.

Compartilhe

MAIS POLÊMICA

CEO de empresa ligada à rede social de Trump é alvo de investigação por fraude nos Estados Unidos

18 de julho de 2024 - 14:00

Patrick Orlando é acusado pela SEC americana de mentir sobre os planos de sua “companhia do cheque em branco” de se fundir com a startup por trás da Truth Social

Restrição monetária

Lagarde mantém juros restritivos na Europa e diz o que é preciso para as taxas baixarem

18 de julho de 2024 - 13:07

Banco Central Europeu procura trazer a inflação da zona do euro para a meta de 2%

ELEIÇÕES NOS EUA

Biden revela o que o faria desistir de disputar presidência contra Trump em entrevista divulgada horas após diagnóstico de covid

18 de julho de 2024 - 10:59

Biden recebeu diagnóstico de infecção por covid-19 na quarta-feira e precisou interromper sua campanha à reeleição

MILES GUO

Ex-magnata chinês aliado de Steve Bannon é condenado por fraude bilionária nos EUA

17 de julho de 2024 - 15:00

Miles Guo vivia exilado nos Estados Unidos e é crítico do Partido Comunista chinês

CABO DE GUERRA

A disputa pelo fundo do mar: a próxima fronteira da briga tecnológica entre EUA e China

16 de julho de 2024 - 20:00

Projetados para transportar conexões de dados e telecomunicações entre continentes, os cabos submarinos se tornaram uma nova fonte para conflitos geopolíticos

ELEIÇÕES NOS EUA

Lula sobre Trump: “Vai tentar tirar proveito”. A declaração do petista sobre a campanha nos EUA após o tiro em comício

16 de julho de 2024 - 19:57

Nas primeiras entrevistas após o atentado, o agora candidato republicano à presidência disse que foi salvo “por sorte ou por Deus”

Grandes demais para quebrar

Bancões americanos ganham mais com área de investimento e gestão de ativos do que com juros

16 de julho de 2024 - 15:04

BofA teve queda na receita com juros de 3%, enquanto o Morgan Stanley amargou redução de 17% nesse item

TÁ CHEGANDO A HORA

Toda unanimidade é burra? Mercado passa a ver 100% de chance de corte de juros nos EUA em setembro

16 de julho de 2024 - 14:38

Há um mês, as probabilidades de que os juros fossem reduzidos em setembro eram de cerca de 70%; entenda o que mudou de lá para cá e entenda se a redução ds juros está mesmo garantida

ELEIÇÕES NOS EUA

Depois do tiro: Trump leva os votos do Partido Republicano e é o candidato oficial — ele também escolhe o vice. Saiba quem é J.D. Vance

15 de julho de 2024 - 18:42

A escolha de Trump representa um salto na carreira de Vance, de 39 anos, que ingressou no Senado como um político recém-chegado há menos de dois anos; saiba o que ele pensa e defende

Eleições nos EUA

Trump (quase) eleito nos EUA após atentado? Como fica o mercado caso o republicano volte ao poder

15 de julho de 2024 - 18:07

Trump leva a Presidência e os republicanos levarão o Congresso e o Senado. Será a Red Wave. Nunca é favorável quando um dos partidos vence as 3 casas pela falta de negociação de acordos

Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies

Continuar e fechar