🔴 SÉRIE EMPIRICUS IN$IGTS: +100 RELATÓRIOS CORTESIA – LIBERE GRATUITAMENTE

Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
No Seu Dinheiro você encontra as melhores dicas, notícias e análises de investimentos para a pessoa física. Nossos jornalistas mergulham nos fatos e dizem o que acham que você deve (e não deve) fazer para multiplicar seu patrimônio. E claro, sem nada daquele economês que ninguém mais aguenta.
FUSÃO DE SUÍÇOS

Das cinzas, nasce um gigante: UBS eleva oferta e fecha acordo para compra do Credit Suisse por US$ 3,25 bilhões

O acordo foi costurado pelo BC da Suíça e deve resultar na maior combinação bancária da Europa desde a crise de 2008

Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
19 de março de 2023
16:03 - atualizado às 18:15
Fachada do Credit Suisse, que gere fortunas e fundos imobiliários, como o HGLG11, no Brasil
Fachada do Credit Suisse - Imagem: Shutterstock

O UBS foi obrigado a colocar mais dinheiro na mesa, mas, conforme confirmado pelos dois bancos, enfim fechou a compra do Credit Suisse. A transação supera os US$ 3,2 bilhões e será feita por meio de troca de ações.

Segundo informações do Financial Times, a primeira oferta havia sido de US$ 1 bilhão e foi rejeitada pelo Credit Suisse. A proposta aceita posteriormente contempla a troca de uma ação do UBS para cada 22,48 papel do Credit Suisse, elevando a soma total do negócio para US$ 3 bilhões de francos suíços (cerca de US$ 3,25 bilhões).

Vale destacar que as ações do Credit Suisse fecharam em 1,86 francos suíços na última sexta-feira (17), com o valor de mercado do banco em aproximadamente US$ 8 bilhões.

Nasce um gigante de US$ 5 trilhões em ativos

De acordo com o presidente do conselho de administração do UBS, Colm Kelleher, o negócio foi "atraente para os acionistas do UBS". "Mas, sejamos claros, no que diz respeito ao Credit Suisse, trata-se de um resgate de emergência", declarou em nota enviada à imprensa.

Já para o presidente do conselho de diretores do Credit Suisse, Axel P. Lehmann, a fusão anunciada representa o melhor resultado possível para o banco.

"Este tem sido um momento extremamente desafiador para o Credit Suisse e, embora a equipe tenha trabalhado incansavelmente para resolver muitos problemas significativos e executar sua nova estratégia, somos forçados a chegar a uma solução hoje que forneça um resultado duradouro", explicou Lehmann.

A combinação resultará em uma instituição financeira unificada com US$ 5 trilhões em ativos. Além disso, o UBS destaca que permanecerá "bem capitalizado" e espera uma taxa anual de redução de custos de mais de US$ 8 bilhões até 2027.

"A aquisição das capacidades do Credit Suisse em gestão de patrimônio, gestão de ativos e serviços bancários universais suíços fortalecerá a estratégia do UBS de expandir seus negócios de capital leve. A transação trará benefícios aos clientes e criará valor sustentável de longo prazo para nossos investidores", prevê Kelleher.

Para Ralph Hammers, atual CEO do UBS e futuro comandante do novo banco, a combinação "apoia as ambições [do UBS] de crescimento nas Américas e na Ásia" e acrescenta escala aos negócios na Europa.

BC do país costurou acordo

A transação foi costurada pelo próprio Banco Central da Suíça (SNB) e pela Autoridade Supervisora do Mercado Financeiro Suíço (FINMA).

O objetivo com a união das duas maiores instituições financeiras do país — no que seria a maior combinação bancária da Europa desde a crise de 2008 — é evitar que as dificuldades enfrentadas pelo Credit contaminem todo o setor.

Para isso, as autoridades monetárias alteraram as leis suíças que exigem a aprovação dos acionistas em transações do tipo. UBS e Credit confirmaram que a compra não passará por votações.

  • Já sabe como declarar seus investimentos no Imposto de Renda 2023? O Seu Dinheiro elaborou um guia exclusivo onde você confere as particularidades de cada ativo para não errar em nada na hora de se acertar com a ReceitaClique aqui para baixar o material gratuito.

Qual é a situação atual do Credit Suisse?

Vale relembrar que, recentemente, o Credit Suisse havia obtido uma fôlego adicional com o anúncio de que o Banco Central do país havia fornecido uma linha de crédito de US$ 54 bilhões (R$ 285 bilhões).

Em comunicado conjunto, o BC e o órgão regulador do país afirmavam que o Credit possuía capital e liquidez para honrar o empréstimo.

O “PIX” emergencial veio depois que o principal acionista do Credit Suisse, o Saudi National Bank (SNB), se negou a ampliar a ajuda ao banco. O grupo saudita alega que não pode aumentar a participação na instituição, que já beira o limite de 10% estabelecido pelo regulador.

A notícia fez as ações do banco suíço recuperarem parte das perdas registradas nos últimos dias. Porém, a alegria do Credit Suisse poderia não durar muito sem a compra.

Isso porque o Banco Central Europeu (BCE) elevou os juros em 0,50 ponto percentual na última quinta-feira (16), frustrando as expectativas de que BCs pelo mundo poderiam reduzir o ritmo do aperto monetário com a quebra do Silicon Valley Bank (SVB), no final de semana.

Além disso, há temores de que o Federal Reserve (Fed, o Banco Central norte-americano) também suba os juros em meio ponto percentual na reunião da semana que vem.

Compartilhe

GUERRA QUENTE

Por essa nem Putin esperava: a previsão que coloca a Rússia à frente da maior economia do mundo

17 de abril de 2024 - 18:41

O Fundo Monetário Internacional (FMI) atualizou as projeções para a economia russa e os números revelam o segredo de Putin para manter o país em expansão

COM OU SEM CHAMPANHE?

O maior bilionário do planeta ficou quase R$ 30 bilhões mais rico hoje. O que fez a fortuna do dono da Dior e da Louis Vuitton disparar?

17 de abril de 2024 - 17:55

O patrimônio do magnata de luxo francês acompanha a valorização das ações da LVMH; conheça os números do conglomerado que animaram o mercado hoje

DECRETO CONTINUA

Milei tem vitória no “STF” da Argentina e mantém decreto em vigor, mas batalha ainda não terminou  

17 de abril de 2024 - 10:31

Mesmo que a Corte resolvesse barrar o DNU, Milei ainda tem uma carta na manga: ele poderá indicar até dois novos juízes para o tribunal

MAGNATA INDONÉSIO

Como este bilionário que você provavelmente não conhece transformou uma fortuna de US$ 5 bilhões em US$ 51 bilhões de em um ano

16 de abril de 2024 - 19:33

O magnata asiático da indústria de energia conseguiu multiplicar a sua fortuna em dez vezes em um ano; entenda o que aconteceu

ELON MUSK TINHA RAZÃO?

Invasão da China: como Biden e Trump querem frear os elétricos chineses liderados pela BYD nos EUA

16 de abril de 2024 - 18:58

Os veículos elétricos ainda não são vendidos no país, mas despertam cada vez mais preocupação de políticos e empresários do segmento, que colocam planos para barrar a maré vermelha à prova

A VIDA VAI MELHORAR (?)

Segura, Javier Milei: Argentina terá inflação de “apenas” 150% em 2024, mas contração econômica será maior, diz FMI

16 de abril de 2024 - 16:47

As projeções para 2025 melhoram, com a expectativa de que a inflação fique em 45% no ano e a atividade econômica cresça 5% em relação a 2024

ÁGUA NO CHOPE DO MERCADO

Juros em alta? Presidente do Fed fala pela primeira vez após dado de inflação e dá sinal claro do que vai acontecer nos EUA — bolsas sentem

16 de abril de 2024 - 15:35

A declaração de Powell voltou a sacudir os mercados: Wall Street devolveu ganhos, com o S&P 500 no vermelho, e os yields (rendimentos) dos títulos do Tesouro norte-americano voltaram a disparar

SEM BANHO-MARIA

Fogo alto: o revide de Israel contra o Irã coloca Netanyahu em uma panela de pressão — mas há uma saída possível

16 de abril de 2024 - 14:34

O mundo se pergunta quando Israel vai revidar à ofensiva iraniana e uma autoridade do país dá uma pista do que pode acontecer daqui para frente

OS ALVOS DO BILIONÁRIO

‘Petróleo branco’, níquel e satélites: conheça interesses de Elon Musk no Brasil

15 de abril de 2024 - 19:06

Entre seus principais alvos está a mineração, que abastece suas indústrias com materiais necessários para produção

O PRATO QUE SE COME FRIO

A resposta de Israel ao Irã ainda não veio: por que você deveria estar preocupado mesmo assim

15 de abril de 2024 - 16:59

Os preços do petróleo ainda rondam patamares elevados e algumas das principais bolsas do mundo operaram em queda nesta segunda-feira (15)

Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies

Continuar e fechar