🔴 RENDA MÉDIA DE R$ 21 MIL POR MÊS COM 3 CLIQUES – SAIBA COMO

Cotações por TradingView
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
No Seu Dinheiro você encontra as melhores dicas, notícias e análises de investimentos para a pessoa física. Nossos jornalistas mergulham nos fatos e dizem o que acham que você deve (e não deve) fazer para multiplicar seu patrimônio. E claro, sem nada daquele economês que ninguém mais aguenta.
TRAGÉDIA EM MARIANA

Vale (VALE3) nos tribunais: Justiça britânica nega recurso sobre o caso Samarco e mantém mineradora em processo

A companhia deve apresentar sua defesa na corte do Reino Unido até o início de dezembro

Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
25 de novembro de 2023
13:57 - atualizado às 11:47
Bento Rodrigues Mariana Samarco Vale
Distrito de Bento Rodrigues, em Mariana (MG), após rompimento da barragem da Samarco, empresa da Vale e BHP. - Imagem: Rogério Alves/TV Senado

A Vale deverá apresentar, até 1º de dezembro, sua defesa em processo que tramita na Justiça do Reino Unido relacionado à tragédia ocorrida no município de Mariana (MG) em novembro de 2015.

Nesta sexta-feira (24), foi publicada nova decisão negando pedido formulado pela mineradora para apresentar recurso.

A Vale vinha questionando, sem sucesso, a competência das cortes britânicas para analisar o caso. Com a negativa, no entanto, o mérito da ação será julgado.

Trata-se de um processo secundário relacionado com a ação movida por milhares de atingidos contra a mineradora anglo-australiana BHP Billiton, que tem sede em Londres. Eles são representados pelo escritório Pogust Goodhead e cobram indenização por danos morais e materiais.

A BHP Billiton e a Vale são as acionistas da mineradora Samarco, responsável pela barragem que se rompeu e gerou a tragédia.

No episódio, 19 pessoas morreram e populações de dezenas de cidades ao longo da bacia do Rio Doce sofreram impactos.

Culpa é só da Vale?

A ação secundária foi movida pela BHP Billiton contra a Vale. A mineradora anglo-australiana passou a sustentar que, em caso de condenação, a Vale deve arcar com pelo menos 50% do valor fixado pelo tribunal.

Após a publicação da nova decisão pelo tribunal britânico, a BHP Billiton divulgou nota reiterando esse entendimento.

Ao mesmo tempo, afirmou que continua trabalhando em colaboração com a Samarco e a Vale para apoiar o processo de reparação no Brasil.

A mineradora anglo-australiana também refutou as alegações dos atingidos que moveram a ação e questionou a tramitação do caso no Reino Unido.

"É desnecessário por duplicar questões já cobertas pelo trabalho contínuo da Fundação Renova, sob a supervisão dos tribunais brasileiros, e objeto de processos judiciais em curso no Brasil", diz o texto.

Vale lembrar que a Fundação Renova foi criada em 2016 conforme Termo de Transação e Ajustamento de Conduta (TTAC) firmado entre as três mineradoras, a União e os governos de Minas Gerais e do Espírito Santo. Cabe a ela a gestão de mais de 40 programas.

Sendo assim, a BHP Billiton afirma que mais de 200 mil atingidos que integram o processo que tramita no Reino Unido já receberam pagamentos no Brasil.

A Vale também publicou comunicado ao mercado informando a decisão da Justiça britânica. O texto destaca que o mérito da ação ainda não foi apreciado e julgado.

"A Vale, como acionista da Samarco, entende que as soluções criadas pelos acordos no Brasil, em especial o TTAC, estão aptas a endereçar os pleitos do processo estrangeiro", afirma o texto.

Em nota divulgada, Tom Goodhead, CEO do escritório Pogust Goodhead, disse que as mineradoras não conseguem chegar a um acordo em relação ao processo.

"Vemos as duas maiores empresas de mineração do mundo brigando nos tribunais, em vez de enfrentarem suas responsabilidades como proprietárias da barragem que causou o pior desastre ambiental de todos os tempos no Brasil. Nenhuma quantia de dinheiro será suficiente, mas contratar os advogados mais caros do mundo para lutarem entre si em tribunal é um grande tapa na cara de todos aqueles que continuam sofrendo diariamente por causa desse crime”.

Nuances do processo contra a Vale no Brasil — e no exterior

Além de milhares de atingidos, figuram como autores no processo principal municípios, empresas e instituições religiosas.

Em março deste ano, houve 500 mil novas adesões à ação. Dessa forma, agora são mais de 700 mil pessoas e entidades representadas pelo escritório Pogust Goodhead.

A defesa dos atingidos sustenta que o Brasil não tem sido capaz de assegurar uma justa reparação. As audiências que avaliarão as responsabilidades pela tragédia estão marcadas para outubro de 2024.

Inicialmente, a BHP Billiton alegou haver duplicação de julgamentos e defendeu que a reparação dos danos deveria se dar unicamente sob a supervisão dos tribunais brasileiros. A ação chegou a ser suspensa na etapa inicial, quando ainda se discutia se o caso poderia ser analisado no país.

Sem entrar no mérito da questão, o juiz inglês Mark Turner acatou os argumentos da BHP Billiton e considerou em 2020 que havia abuso, entre outras coisas, porque poderia haver sentenças inconciliáveis com julgamentos simultâneos no Brasil e no Reino Unido.

Para o magistrado, não havia evidências suficientes de que a Justiça brasileira fosse incapaz de assegurar a justa reparação.

No entanto, em julho de 2022, a Corte de Apelação aceitou recurso dos atingidos e determinou que o mérito do processo deveria ser analisado. A partir de então, a mineradora anglo-australiana passou a defender a inclusão da Vale no processo.

De acordo com relatório divulgado no início do mês pelo escritório Pogust Goodhead, o valor da causa é estimado em 66 bilhões de libras, o que equivale a aproximadamente R$ 230 bilhões.

Os advogados também pedem que sejam fixados juros calculados em 12% ao ano desde a data da tragédia.

Em caso de decisão favorável, a divisão dos recursos deve se dar considerando a participação percentual nos danos totais estimados: 66% dos indivíduos, 23% dos municípios, 10% das empresas.

O 1% restante diz respeito às instituições religiosas, que alegam prejuízos patrimoniais e abalos nos laços com as comunidades devastadas.

Na ação, são listadas perdas de propriedades e de renda, aumento de despesas, impactos psicológicos, impactos decorrentes de deslocamento, falta de acesso à água e energia elétrica, entre outros danos.

No caso de indígenas e quilombolas, também são mencionados os efeitos para as práticas culturais e os impactos decorrente da relação com o meio ambiente.

*Com informações de Agência Brasil

Compartilhe

Warren Buffett

Berkshire Hathaway vê lucro operacional saltar 28% no 4T23 e bate recorde de caixa; veja os principais números da empresa em 2023

24 de fevereiro de 2024 - 15:36

Empresa do megainvestidor Warren Buffett está sentada sobre uma pilha de dinheiro de US$ 167,6 bilhões

Desceu quadrado

Para grandes credores da Light (LIGT3), não é possível aprovar novo plano de recuperação judicial da empresa

24 de fevereiro de 2024 - 14:54

Só os pequenos credores teriam apoiado novo plano de RJ da empresa, diz fonte; Light tem muitas debêntures na mão de pessoas físicas

Parem as maquin...inhas

OPA da Cielo (CIEL3): CVM suspende registro de oferta para fechar o capital da empresa após questionamento de acionistas minoritários

24 de fevereiro de 2024 - 13:04

Um grupo de gestoras convocou assembleia de acionistas nesta semana para propor outros preços para a oferta da empresa de maquininhas

Ajuste na proposta

Light (LIGT3) apresenta novo plano de recuperação judicial, que prevê aporte de R$ 1,5 bilhão e pagamento a pequenos credores

24 de fevereiro de 2024 - 11:03

Nova proposta prevê pagamento de pequenos investidores detentores de debêntures em até 90 dias; acionistas de referência se comprometem com aporte de R$ 1 bilhão

DINHEIRO NO BOLSO

Banco do Brasil (BBAS3) anuncia mais R$ 1,1 bi em dividendos extras; veja como receber

23 de fevereiro de 2024 - 19:08

Pagamento vem em linha com anúncio de aumento do payout (porcentagem que a empresa distribui de seus lucros) no último dia 8

PAPEL DA MODA?

A Lojas Renner (LREN3) está barata demais? Esse bancão gringo diz se é hora de encher a sacola com ações da varejista

23 de fevereiro de 2024 - 17:23

O JP Morgan estabeleceu um preço-alvo para dezembro de 2024 de R$17,00 para Lojas Renner (LREN3); entenda o racional aqui.

REAÇÃO AO BALANÇO

Apesar de queda das ações em 2024, CEO da Vale (VALE3) está otimista e projeta novas aquisições e resolução de Mariana nos próximos meses

23 de fevereiro de 2024 - 16:01

Para o CEO Eduardo Bartolomeo, a mineradora encontra-se em um “momento singular” e deve chegar a uma resolução definitiva sobre Mariana já no primeiro semestre de 2024

PASSA-SE O POSTO

Grupo Pão de Açúcar (GPA) quer vender redes de postos de gasolina e pode levantar até R$ 450 milhões com operação

23 de fevereiro de 2024 - 11:08

Em comunicado enviado à CVM, a companhia busca reduzir essa alavancagem por meio da venda de ativos “non core” — isto é, que não fazem parte do negócio principal do GPA

BALANÇO

Vale (VALE3) vê lucro cair 35% no quarto trimestre, mas anuncia dividendos de mais de R$ 11 bilhões; confira os números da mineradora

22 de fevereiro de 2024 - 20:15

Junto com os resultados trimestrais, a companhia anunciou a distribuição de proventos aos acionistas; confira os prazos de condições

RDDT VEM AÍ?

Rede social favorita dos investidores por trás do “efeito GameStop” vai listar ações em NY; saiba mais sobre o IPO do Reddit

22 de fevereiro de 2024 - 19:33

A companhia protocolou hoje um pedido para listar ações na NYSE, a bolsa de valores de Nova York, sob o ticker RDDT

Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies