🔴 CHANCE DE MULTIPLICAR O INVESTIMENTO EM ATÉ 14,5X EM 8 DIAS? ENTENDA A PROPOSTA

Ana Carolina Neira
Ana Carolina Neira
Jornalista formada pela Faculdade Cásper Líbero com especialização em Macroeconomia e Finanças (FGV) e pós-graduação em Mercado Financeiro e de Capitais (PUC-Minas). Com passagens pelo portal R7, revista IstoÉ e os jornais DCI, Agora SP (Grupo Folha), Estadão e Valor Econômico, também trabalhou na comunicação estratégica de gestoras do mercado financeiro.
RESULTADOS 4T22

Vale (VALE3) deve mostrar balanço forte em vendas no 4T22; reabertura da China e preço do minério em 2023 são os temas cruciais para a empresa

A divisão de metais básicos também está entre os temas mais monitorados pelo mercado ao analisar as operações da Vale (VALE3) neste início de ano

Ana Carolina Neira
Ana Carolina Neira
16 de fevereiro de 2023
6:45 - atualizado às 7:08
Imagem mostrando o logo da Vale (VALE3) numa parede branca; estágio
Vale (VALE3) - Imagem: Divulgação

Seguindo o calendário da temporada de balanços do quarto trimestre de 2022, a Vale (VALE3) apresenta seus números nesta quinta-feira (16), atraindo os olhares do mercado para aquela que é a empresa com maior peso dentro do Ibovespa (15,72%). Mas o foco dos investidores estará mesmo é no futuro da mineradora.

Mais do que os números já mais ou menos antecipados com a divulgação de sua prévia operacional, os investidores devem acompanhar com mais atenção o comportamento do preço do minério de ferro e como se encaminha a reabertura chinesa, maior mercado da companhia brasileira.

De maneira geral, o quarto trimestre é sazonalmente mais forte para as mineradoras, o que deve trazer números melhores para a Vale em termos de vendas. Isso traz também equilíbrio para a empresa, que teve uma produção elevada nos três meses anteriores, além de implicar na diluição dos custos.

  • Por que estamos no momento ideal para poder ganhar dinheiro com dividendos? O Seu Dinheiro preparou 3 aulas exclusivas para te ensinar como buscar renda extra com as melhores ações pagadoras da Bolsa. [ACESSE AQUI GRATUITAMENTE]

Espera-se também que a empresa tenha conseguido praticar preços melhores na reta final de 2022, impulsionada pelo prêmio do minério de ferro.

Vale (VALE3): o que o mercado espera

Segundo as projeções do BTG Pactual, a Vale deve anunciar um lucro líquido de US$ 3,2 bilhões no quarto trimestre de 2022, além de uma receita de US$ 11,6 bilhões.

Isso representa uma queda de 39,5% e de 11,2% na comparação com o mesmo período de 2021, respectivamente.

Já o consenso da Bloomberg aponta um lucro líquido de US$ 2,9 bilhões, enquanto a receita líquida seria de US$ 11,1 bilhões.

Para Pedro Acioli, analista de commodities da gestora Mantaro Capital, outros pontos que também devem ser observados com cuidado na divulgação do balanço do Vale são as questões operacionais, como o andamento de licenciamentos ambientais e a recuperação das perdas provocadas pelo desastre de Brumadinho, em Minas Gerais, que completa 4 anos.

"O mercado esperava que a Vale fosse se recuperar mais rápido após esse episódio, mas é um objetivo sempre postergado", diz.

Neste ano, a empresa deve desembolsar R$ 7,8 bilhões com reparações pelo rompimento da barragem. O valor inclui provisões para os acordos feitos com a Justiça e projetos da Vale na região, como monitoramento de barragens e manejo de rejeitos.

O futuro da Vale (VALE3)

Uma vez que os números que a Vale (VALE3) apresentará em seu balanço não devem trazer grandes surpresas e estão bem precificados, analistas e gestores estão monitorando mesmo é o processo de reabertura da China, o principal mercado da mineradora.

É ele que ditará como serão os próximos balanços da companhia, a depender do ritmo da retomada e, claro, da demanda por minério.

"O mercado vai buscar analisar quais setores vão se beneficiar mais desse processo de reabertura, como está o apetite. Mas, num primeiro momento, os setores de serviços e alimentos devem se beneficiar mais por conta da demanda reprimida, como aconteceu nas demais economias. A indústria e o setor de construção civil ainda estão em crise", diz Gabriela Joubert, analista-chefe do Inter Research.

Na semana passada, o JP Morgan cortou a recomendação das ações da Vale, de compra para neutro, fixando um preço-alvo de R$ 93,00 para a mineradora ao fim deste ano — um potencial de valorização de 6,7%, se considerado o fechamento de terça-feira (14).

As mudanças foram feitas de olho no que pode ser classificado como um excesso de otimismo com o setor de mineração e siderurgia após a reabertura da China. A Vale ainda vai se beneficiar deste evento, não há dúvidas, mas a leitura é de que o rali recente visto nos papéis já foi longe demais e não justifica compra neste momento.

Na avaliação dos analistas do banco americano, haverá outras oportunidades de entrada no ativo ao longo deste ano, conforme a reabertura da China comece a ter efeitos de fato.

Já o minério de ferro, essencial para dar alguma visibilidade ao investidor, deve atingir um preço médio de US$100 por tonelada em 2023, nas projeções do Santander. No primeiro semestre deste ano, o preço por tonelada deve ficar acima desta marca, diz o banco, em relatório.

Pedro Acioli, da gestora Mantaro Capital, diz que hoje não está tão animado com a tese da Vale justamente pelo impacto do preço do minério na companhia. Segundo ele, o nível já está alto demais.

A divisão de metais básicos

Outro ponto que está no radar do mercado é: o que a Vale pretende fazer com sua área de metais básicos, já que há meses são discutidas uma possível abertura de capital para essa divisão — ou, até mesmo, uma venda parcial?

Agentes do mercado apontam, inclusive, que somente uma solução definitiva para esta área da empresa seria capaz de destravar valor de fato para a mineradora, com a consequente valorização de suas ações na bolsa.

As últimas notícias sobre o tema relatam que a GM pode pagar até US$ 2 bilhões por parte da divisão de metais básicos da Vale. A montadora já estaria na segunda fase de um processo de licitação; seu interesse, claro, é na obtenção de uma fonte de cobre e níquel que sirva para sua produção de veículos elétricos.

Hoje, a Vale já fornece esses materiais para a Tesla; a japonesa Mitsui & Co e um fundo de investimentos da Arábia Saudita, entre outros, também estão interessados nessa divisão.

A necessidade de separar os negócios de minério de ferro e de metais básicos surgiu a partir das projeções de que a demanda por cobre e níquel aumentarão consideravelmente nos próximos anos.

"A monetização dessa área vem ganhando força e vai destravar valor da companhia, então os investidores devem olhar bem esta parte na divulgação do balanço", afirma Fernando Ferrer, analista da Empiricus Research.

Outro ponto importante, segundo ele, e que deve ser analisado com cuidado, é a geração de caixa da Vale, que está bem alta. Isso pode provocar uma distribuição interessante de dividendos ou até mesmo um programa de recompra de ações.

O relatório de produção da Vale (VALE3)

No fim de janeiro, a Vale (VALE3) divulgou seu relatório de produção e vendas dos últimos três meses do ano passado. O documento mostra que a extração de minério de ferro chegou a 80,8 toneladas métricas (Mt), uma leve queda de 1% na comparação com o quarto trimestre de 2021. No ano, o indicador recuou 2%, para 307,8 Mt.

Segundo a Vale, o desempenho negativo, mas muito próximo à estabilidade, deve-se a dois fatores: atrasos de licenciamentos na Serra Norte e o processamento de estéril jaspilito e performance operacional no S11D.

Os efeitos foram parcialmente compensados pelo crescimento contínuo da operação em Vargem Grande e alta na produção via processamento a seco em Brucutu. Além disso, a maior compra de terceiros também ajudou a segurar o indicador.

Já as vendas de finos da matéria prima do aço também registraram um tímido recuo de 0,7% na base trimestral e ficaram em 81,2 Mt. O acumulado anual foi de 260,6 Mt, recuo de 3,8% ante o ano anterior.

Compartilhe

FUSÕES E AQUISIÇÕES

Indo às compras: Suzano adquire fábricas de empresa de embalagens nos EUA por US$ 110 milhões

12 de julho de 2024 - 19:12

Acordo ocorre semanas após a companhia desistir de tratativas para comprar a International Paper por US$ 15 bilhões

A GRANDE APOSTA

Não aposte contra a Nvidia: Para investidor do ‘Big Short’, seria insano apostar na queda da ação da gigante dos chips de inteligência artificial

12 de julho de 2024 - 18:31

Conhecido por fazer fortuna na crise de 2008 com apostas short, Steve Eisman afirma que investidores que operam vendidos nas big techs como a Nvidia têm um “desejo de morte”

ARROZ EM ALTA

Camil (CAML3) sobe 8% após balanço, mas recomendação de compra não é unanimidade entre os bancos

12 de julho de 2024 - 13:45

Resultados do primeiro trimestre divulgados pela companhia animaram o mercado. No entanto, o impulso motivado pela alta no preço do arroz tem data para acabar

DIVIDINDO A RESPONSABILIDADE

Por que a Vale (VALE3) fechou acordo com a BHP em processos no exterior por rompimento de barragem em Mariana 

12 de julho de 2024 - 12:12

O contrato assinado com a BHP tem relação com os processos de ações coletivas no Reino Unido e Holanda ligados ao rompimento da barragem de Fundão

Reforço de caixa

Eletrobras pode levantar até R$ 3,3 bi com oferta secundária de ações da CTEEP (TRLP4); mercado reage e papel tem a maior queda do Ibovespa

12 de julho de 2024 - 11:28

Companhia anuncia venda de 60 milhões de papéis da subsidiária, que pode ser acrescida de mais 70 milhões caso haja demanda

AINDA UMA PENNY STOCK

Em meio a aumento bilionário de capital, Americanas (AMER3) adia grupamento de ações

11 de julho de 2024 - 19:57

Grupamento de ações ordinárias e aquisição do controle da varejista pelos acionistas de referência com aumento de capital foram aprovados nesta semana pelo Cade

CÉU AZUL

Itaú BBA iniciou cobertura da Latam com recomendação de compra e chances de ação decolar 41%; os motivos você confere aqui

11 de julho de 2024 - 19:01

São três pilares que sustentam uma visão positiva sobre a empresa, e quase todos têm a ver com ajustes após a saída do chapter 11

CONSELHO APROVOU

Por que a Santos Brasil (STBP3) quer devolver R$ 1,6 bilhão aos acionistas? Confira a proposta de redução de capital da companhia

11 de julho de 2024 - 18:57

A operação deve ser realizada sem o cancelamento de ações e com restituição em dinheiro aos investidores, mas ainda precisa ser aprovada pelos acionistas

OPERAÇÃO DISCLOSURE

A fraude bilionária na Americanas (AMER3): procurador do MPF pede a extradição do ex-CEO Miguel Gutierrez na Espanha

11 de julho de 2024 - 18:41

Investigado pela operação Disclosure, o executivo teve a prisão decretada pela Justiça, mas permanece solto por ter cidadania brasileira e espanhola

PARCERIA ENTRE GIGANTES

Um passo rumo à fusão? Azul (AZUL4) e Gol (GOLL4) iniciam venda de rotas compartilhadas pelo Brasil

11 de julho de 2024 - 15:29

Em meio à expectativa de fusão entre duas gigantes da aviação comercial no Brasil, a Azul  (AZUL4) e a Gol (GOLL4) iniciaram nesta quinta-feira (11) a venda de rotas compartilhadas. A parceria conecta as malhas de ambas as empresas por meio de um acordo de compartilhamento de rotas, também conhecido como codeshare, anunciado pela primeira […]

Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies

Continuar e fechar