🔴 NOVA META: RENDA EXTRA DE ATÉ R$ 2 MIL POR DIA – SAIBA COMO

Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
No Seu Dinheiro você encontra as melhores dicas, notícias e análises de investimentos para a pessoa física. Nossos jornalistas mergulham nos fatos e dizem o que acham que você deve (e não deve) fazer para multiplicar seu patrimônio. E claro, sem nada daquele economês que ninguém mais aguenta.
VAREJISTA FALIDA

Plano de recuperação da Americanas desagrada credores; BTG, Santander e detentores da dívida contestam estratégia da varejista

Dentre as críticas do BTG Pactual, a principal é relacionada à previsão de aumento de capital “apenas na ordem de R$ 10 bilhões”

Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
21 de julho de 2023
15:00 - atualizado às 20:09
Rombo das Americanas - SD | Fundo imobiliário

No último dia do prazo, o BTG Pactual e o Santander Brasil apresentaram objeções ao plano de recuperação judicial da Americanas, na justiça do Rio de Janeiro. As defesas dos dois bancos argumentam que o plano não garante a viabilidade das operações da companhia e questionam o valor do aporte proposto pelos três acionistas de referência.

Assim, elas pedem, ainda, que a justiça determine a instalação de uma Assembleia Geral de Credores (AGC).

Os detentores de títulos de dívida (bonds) da empresa no exterior também se uniram aos bancos credores e demonstraram insatisfação com o tratamento diferenciado dado às instituições financeiras.

Por trás do grupo Americanas, existe o 3G Capital, grupo que inclui Jorge Paulo Lemann, Beto Sicupira e Marcel Telles. A soma das dívidas com bancos, fornecedores e ações trabalhistas é de R$ 43 bilhões.

O famoso trio de acionistas já ofereceu R$ 2 bilhões na forma de linha de crédito, além de um aumento de capital de curto prazo, em dinheiro, no valor de R$ 10 bilhões.

A companhia também estuda a venda de ativos, como a rede Hortifruti Natural da Terra e a participação no grupo Uni.Co.

O que dizem os bancões sobre a Americanas

Os advogados do Santander afirmam que o estudo da Apsis sobre a viabilidade da companhia faz uma descrição geral do contexto de operação do varejo e do comércio eletrônico brasileiros.

De acordo com a peça, o estudo não deixa claro "as razões pelas quais seria numericamente razoável esperar que as soluções propostas no plano de recuperação judicial levariam ao soerguimento das Recuperandas e/ou seriam as menos gravosas ao patrimônio de seus Credores".

Dentre as críticas do BTG Pactual, a principal é relacionada à previsão de aumento de capital "apenas na ordem de R$ 10 bilhões".

Na sequência, os advogados citam discordância em relação ao deságio de 60% previsto para as modalidades de pagamento dos credores quirografários. O documento diz ainda que esse desconto no valor das dívidas chega a 80% na modalidade de pagamento geral.

  • ONDE INVESTIR NO 2º SEMESTRE: o Seu Dinheiro consultou uma série de especialistas do mercado financeiro e preparou um guia completo para te ajudar a montar uma carteira de investimentos estratégica para a segunda “pernada” de 2023. Baixe aqui gratuitamente. 

Críticas ao plano

O BTG reclama ainda do prazo de pagamento de 20 anos dos credores quirografários, das previsões acerca dos créditos retardatários e do "caráter genérico" de diversas previsões do plano. Como exemplo de ponto genérico, o documento cita a "reorganização societária do Grupo Americanas", que consta no plano.

Ainda há objeções sobre a previsão de quitação com relação aos fiadores, avalistas, garantidores, sucessores e cessionários, bem como à "isenção de responsabilidade e renúncia previstas para as denominadas Partes Isentas".

Os detentores de títulos de dívida em dólar (bonds) da Americanas reclamam, por sua vez, da previsão de acesso ao pagamento de parte dos créditos com recursos da Geração de Caixa Excedente (mecanismo conhecido como cash sweep) que implica no tratamento desigual de credores.

Alegações de ilegalidade na Americanas

Os bondholders, que têm US$ 1,1 bilhão em créditos contra a Americanas, afirmam que o plano contém ilegalidades e se trata de um salvo-conduto para responsáveis por fraudes confessadas.

De acordo com eles, as ilegalidades contidas ainda "constituem potenciais violações às normas de ordem pública dos Estados Unidos da América", o que poderá levar ao seu não reconhecimento do plano no exterior.

Entre as ilegalidades, cita o compromisso de credores de não litigar contra empresa, administradores e acionistas a fim de obterem melhores condições de pagamento.

Os demais credores, que não aceitarem não litigar, "terão seus créditos automaticamente alocados em uma opção de pagamento que implica verdadeiro perdão de dívida, ou mover ação contra a empresa", diz o documento.

Blindagem de credores

Os bondholders alegam ainda que o plano foi "cuidadosamente desenhado com o objetivo de eximir aqueles que — seja por dolo, culpa ou violação de seus deveres fiduciários em geral — contribuíram para a defraudação das demonstrações financeiras das recuperandas ao longo de muitos anos".

Os advogados afirmam que com esse objetivo foi criada uma segunda camada de proteção para blindar terceiros que têm influência na apresentação do plano (acionistas e administradores, principalmente) — e que sabem que estão expostos — com a inclusão de tais previsões no Plano".

Objeções contra a Americanas

O sócio do SDS Advogados, Ricardo Del Sole, chama a atenção para o fato de que foram apresentadas objeções não apenas contra o racional econômico e financeiro do plano de recuperação judicial da companhia, tais como prazos de pagamentos muito longos, deságios excessivos, mas também de muitas disposições de cunho jurídico.

"Exemplos das objeções sob o aspecto jurídico são os tratamentos diferenciados dados a instituições financeiras e a credores de mesma classe, a cláusula do compromisso de não litigar contra o Grupo Americanas, e a declaração de concordância com a isenção de responsabilidade por atos realizados antes ou depois da RJ pelo Grupo Americanas", diz Del Sole.

Ele explica que as objeções são utilizadas para provocar a convocação da Assembleia de Credores, mas também podem servir como uma fotografia do momento da negociação e quais são os principais pontos que precisarão ser melhor discutidos entre devedor e principais credores.

O BTG é representado pelo Galdino & Coelho e pelo Ferro, Castro Neves, Daltro & Gomide Advogados. O Santander é representado pelo Gustavo Tepedino Advogados e pelo Fux Advogados. Já os bondholders, são representados pelo escritório Padis-Mattar.

A Americanas responde

Na noite desta sexta-feira (21), a Americanas divulgou comunicado ao mercado em resposta aos questionamentos da Comissão de Valores Mobiliários (CVM) a respeito das objeções apresentadas pelo BTG e Santander ao seu plano de recuperação judicial.

A companhia confirmou o recebimento do protocolo com as objeções e o pedido de convocação de Assembleia Geral de Credores (AGC) pelo BTG e reforça que "tais fatos não causam qualquer reflexo direto no regular andamento da recuperação judicial".

A varejista esclarece ainda que o plano de recuperação judicial citado na imprensa "refletia uma primeira proposta apresentada e espera que seja alterado para refletir a evolução das negociações com os credores".

Compartilhe

PROPAGANDA ENGANOSA

Oi, Vivo e Tim vão ter que pagar milhões: operadoras de celular são enquadradas por crime contra o consumidor

23 de julho de 2024 - 18:01

As empresas foram acusadas pela Senacon de propaganda enganosa sobre 5G, mas ainda podem recorrer

CHEQUE DE QUASE R$ 7 BI

Privatização da Sabesp (SBSP3) é concluída e Equatorial (EQTL3) tem que pagar a conta: presidente da companhia diz ter mais ativos prontos para vender e levantar recursos

23 de julho de 2024 - 16:45

Augusto Miranda destacou que a empresa tem tempo para estruturar uma saída do empréstimo ponte tomado junto a um grupo de bancos

DESTAQUES DA BOLSA

Carrefour Brasil (CRFB3) volta a ter lucro e supera expectativas no 2º trimestre – mas o que explica a queda das ações na B3 hoje?

23 de julho de 2024 - 14:17

Grupo anunciou um lucro líquido de R$ 330 milhões e a abertura de novas lojas da rede de varejo; analistas, contudo, não são unânimes sobre a compra da ação

DESTAQUES DA BOLSA

Embraer arremete e volta a voar na B3; EMBR3 lidera os ganhos do Ibovespa hoje. O que está por trás da alta da ação?

23 de julho de 2024 - 13:59

O desempenho positivo das ações da Embraer hoje vem na esteira do anúncio de mais uma encomenda de aviões militares no exterior; veja os detalhes

SÓ AS PONTINHAS

Após privatização, Sabesp (SBSP3) anuncia corte nas tarifas de água — mas você nem deve perceber

23 de julho de 2024 - 11:43

Também passam a vigorar no novo estatuto social da companhia e novas políticas internas, relacionadas à distribuição de dividendos e governança corporativa

NOVO EXECUTIVO

Com foco na transição energética e no ‘petróleo branco’, Vale (VALE3) anuncia Shaun Usmar como o novo CEO da divisão de metais

23 de julho de 2024 - 10:17

Indicação ocorre em meio a um racha entre os conselheiros para o futuro presidente da mineradora

SOB MEDIDA

Hapvida (HAPV3) mira expansão no Sudeste com investimento de R$ 600 milhões em novos hospitais. É hora de comprar a ação?

23 de julho de 2024 - 9:50

A companhia assinou um memorando de entendimentos com a Riza Gestora de Recursos para o financiamento de duas novas unidades no Rio de Janeiro e em São Paulo

Prévias de balanços

Dos números ‘chatos’ do Itaú às preocupações com Nubank: veja o que esperar dos balanços dos bancos no 2º trimestre

23 de julho de 2024 - 7:00

A temporada de balanços do segundo trimestre de 2024 começa nesta semana e, como de costume, os bancos estão entre as primeiras empresas a divulgar resultados. O primeiro a soltar seus números é o Santander (SANB11), na quarta-feira (24) antes da abertura da bolsa. Depois é a vez do Bradesco (BBDC4), que divulga seus resultados […]

LEVANTANDO VERBA

Com cheque de quase R$ 7 bilhões na privatização da Sabesp (SBSP3), Equatorial (EQTL3) engorda o caixa com aumento de capital

22 de julho de 2024 - 18:47

Considerando todo os papéis subscritos e integralizados, a operação alcançou o montante máximo previsto de R$ 516,19 milhões

Novo negócio

Braskem prepara nova operação fora da área petroquímica. Saiba qual é

22 de julho de 2024 - 16:37

Segundo a companhia, primeira operação de cabotagem será entre a Bahia e o Rio de Janeiro

Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies

Continuar e fechar