🔴 É HOJE! COMO COMPRAR CARROS COM ATÉ 50% DE DESCONTO NA TABELA FIPE – CONHEÇA A ESTRATÉGIA

Flavia Alemi
Flavia Alemi
Jornalista formada pela Universidade Presbiteriana Mackenzie e com MBA em Informações Econômico-Financeiras e Mercado de Capitais pela FIA. Trabalhou na Agência Estado/Broadcast e na S&P Global Platts.
Balanço 1T23

Prejuízo do Nubank virou passado, mas inadimplência deve ter repique no 1T23; veja o que esperar dos resultados

Carteira de crédito do Nubank é formada pelos produtos que lideram os calotes de consumidores: cartão de crédito e empréstimo pessoal

Flavia Alemi
Flavia Alemi
15 de maio de 2023
6:21 - atualizado às 19:02
Sede do Nubank
Sede do Nubank - Imagem: Divulgação

O Nubank deve apresentar resultados mistos na operação do primeiro trimestre de 2023. Ao mesmo tempo que os analistas esperam que a era dos prejuízos fique para trás, a inadimplência dos seus mais de 75 milhões de clientes no Brasil continua sendo fonte de preocupação em meio à piora do endividamento das famílias.

“No geral, não vemos o trimestre como um gatilho direcional. Haverá pontos positivos e negativos, com a discussão sobre o teto do rotativo do cartão de crédito ganhando relevância para as ações”, afirmaram analistas do Itaú BBA.

O Nubank deve registrar lucro líquido recorrente de US$ 87 milhões entre janeiro e março deste ano, de acordo com as previsões dos analistas compiladas pela Bloomberg. Se confirmado, o resultado representaria um aumento de mais de oito vezes o valor informado no primeiro trimestre de 2022.

Vale destacar que essa linha é um cálculo ajustado que não segue normas contábeis geralmente aceitas e desconsidera as despesas e efeitos tributários relacionados à remuneração baseada em ações do Nubank. 

No final do ano passado, o CEO do Nubank, David Vélez, decidiu encerrar o “Contingent Share Award 2021” (CSA 2021), principal acordo de compensação pelo qual ele era potencialmente elegível para receber ações do Nubank, condicionado a metas agressivas de preço.

O fim do programa gerou um reconhecimento único e não monetário de despesa de US$ 356 milhões no balanço do 4T22, portanto, os resultados ajustados do 1T23 virão limpos desse efeito.

O Nubank divulga seus resultados nesta segunda-feira (15), após o fechamento do mercado.

Rentabilidade do Nubank em xeque

Os investidores também devem ficar atentos à rentabilidade medida pelo índice de retorno sobre o patrimônio (ROE), que recentemente gerou polêmica entre os analistas que cobrem o Nubank.

Isto porque o roxinho reportou no quarto trimestre de 2022 um ROE de 40% no Brasil, índice muito superior ao de bancos tradicionais. Enquanto alguns se empolgaram com o número, o Santander colocou uma lupa sobre os cálculos e julgou que o Nubank inflou o resultado.

A explicação é que não faria sentido o Nubank alocar apenas um terço do seu patrimônio líquido na operação brasileira, que é responsável por mais de 90% das receitas da fintech.

Considerando que o cálculo do ROE é feito pela divisão do lucro líquido pelo patrimônio líquido, isso deixaria o denominador baixo demais - e o resultado, superestimado.

“Nós acreditamos que seria justo que a operação brasileira representasse, pelo menos, 80% do capital alocado”, afirmou o Santander. Nas contas do banco, o ROE normalizado do Nubank seria de apenas 5% no nível da holding e de 11% na operação brasileira.

Inadimplência galopante

Se o cálculo do ROE pode ser subjetivo, o que dizer, então, da inadimplência no Nubank? Os analistas esperam nova deterioração das dívidas vencidas há mais de 90 dias, com o índice se aproximando de 6%.

A título de comparação, vale notar que, dos grandes bancos, o Bradesco apresentou o pior índice no 1T23, que chegou em 5,1%.

Não há consenso sobre o quanto a inadimplência do Nubank deve aumentar no 1T23, apenas a certeza de que há espaço para piorar.

Isto se deve a dois fatores principais: à carteira composta por cartão de crédito e empréstimo pessoal, modalidades que lideram os calotes no País, e à sazonalidade dos primeiros meses do ano, quando há aumento de gastos essenciais.

É importante ressaltar que, no meio do ano passado, quando as condições financeiras das famílias brasileiras começaram a ficar mais críticas, o roxinho mudou a forma de calcular o índice de inadimplência, resultando numa redução dos números.

Outros efeitos no Nubank

No rol de novidades que devem ser exploradas na divulgação de resultados está o crédito consignado, que começou a ser oferecido a clientes que são servidores públicos federais no final de março.

Provavelmente, o efeito desse novo produto não será relevante nos resultados do 1T23, mas pistas sobre sua evolução subsequente serão bem-vindas.

Reflexo nas ações

Dependendo do resultado que o Nubank apresentar, poderá haver reação das ações listadas na bolsa americana.

Desde o IPO, em dezembro de 2021, os papéis derreteram mais de 40% na Nyse. Vale lembrar que a companhia está em processo de fechamento de capital no Brasil. Ou seja, o Nubank vai deixar de ser uma companhia listada com BDRs Nível III na B3.

No lugar, a fintech passará a negociar apenas BDRs Nível I, o que torna o banco digital comparável a empresas estrangeiras na mesma situação. Assim, o Nubank não precisará mais se submeter às normas da CVM.

Seja como for, bancos de investimento que coordenaram o IPO do Nubank, como o Goldman Sachs, continuam recomendando comprar os papéis. Confira os que o Seu Dinheiro teve acesso:

ANALISTARECOMENDAÇÃOPREÇO-ALVO
SANTANDERVENDAUS$ 3,00
ITAÚ BBANEUTROUS$ 5,50
BTG PACTUALNEUTROUS$ 5
BANK OF AMERICANEUTROUS$ 5,5
XPNEUTROR$ 4 (BDR)
GOLDMAN SACHSCOMPRAUS$ 8

Compartilhe

REPORTAGEM ESPECIAL

Pão de Açúcar (PCAR3) volta às origens e tenta se reinventar após “desmanche” no fim da era Casino

21 de maio de 2024 - 6:19

Situação do Pão de Açúcar pode mudar à medida que a atual administração consiga trazer a operação de volta à rentabilidade; saiba o que esperar das ações da rede de supermercados

AVAL DOS MUNICÍPIOS

Sinal verde para privatização: Municípios de SP aprovam “último passo” para desestatizar a Sabesp (SBSP3)

20 de maio de 2024 - 18:47

No passo final do processo de desestatização, centenas de prefeitos de São Paulo assinaram um contrato unificado com a companhia de saneamento

DE OLHO NAS REDES

Interferência na Petrobras ainda vai longe? Os planos de Lula para a empresa não agradam nem um pouco o mercado — e agora? 

20 de maio de 2024 - 18:11

Os ruídos dentro na Petrobras (PETR4) não são de agora e a principal preocupação do investidor de PETR4 é a influência do presidente Luiz Inácio Lula da Silva na estatal.  Enquanto o governo quer que a estatal faça cada vez mais investimentos, o mercado enxerga que isso pode ser um perigo, dado o risco de […]

ENTENDA O IMBRÓGLIO

Vibra (VBBR3) compra seu edifício-sede no Rio, mas transação causa impasse para investidores de CRI e fundos imobiliários

20 de maio de 2024 - 17:02

Não se trata de um calote como os vistos no mercado de CRI no ano passado, mas sim de uma situação muito mais complexa do ponto de vista jurídico

MAIOR CAUTELA

Fusão entre Petz (PETZ3) e Cobasi anima analistas — mas esse bancão ainda vê potencial de alta limitado para ações

20 de maio de 2024 - 16:02

Bank of America elevou o preço-alvo dos papéis da Petz nesta segunda-feira (20), mas manteve recomendação neutra; entenda

DE OLHO NO AGRO

Como ficam as ações das empresas do agronegócio na B3 que atuam no RS após a tragédia climática no Estado?

20 de maio de 2024 - 6:22

Para analistas, empresas como Camil (CAML3) e 3tentos (TTEN3) podem compensar eventuais perdas com a alta dos preços em razão da restrição da oferta

UNIÃO DA MODA

Fusão da moda: Arezzo (ARZZ3) e Grupo Soma (SOMA3) acertam termos e condições para incorporação que criará gigante do varejo

19 de maio de 2024 - 9:03

De acordo com as informações mais recentes dos respectivos balanços, as empresas, juntas, faturam algo em torno de R$ 12,765 bilhões

CRISE NA ESTATAL

Justiça nega pedido por assembleia na Petrobras (PETR4) que atrasaria posse de Magda Chambriard

18 de maio de 2024 - 17:02

Em sua reclamação na Justiça, o deputado do Novo alega que, eventualmente reconhecida a queda do CA em efeito dominó após a saída de Prates

QUASE 10 ANOS DEPOIS

Vale (VALE3), BHP e Samarco fazem nova proposta de R$ 127 bilhões para compensar tragédia em Mariana, mas acordo não deve evoluir agora

18 de maio de 2024 - 14:44

Valor de R$ 127 bilhões oferecido na última proposta, do final de abril, foi mantido, mas as empresas retomariam agora obrigações que tinham ficado de fora

SUBIU, DESCEU

Volta da febre das “meme stocks”: GameStop cai quase 20% em um único pregão, mas fecha semana com ganhos de 23%

18 de maio de 2024 - 13:26

Também pressionaram os papéis da mais famosa “ação meme” a divulgação de dados trimestrais preliminares da empresa

Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies

Continuar e fechar