🔴 FONTE DE RENDA EXTRA COM APENAS 1 CLIQUE – CONHEÇA AQUI

Camille Lima
Camille Lima
Repórter no Seu Dinheiro. Estudante de Jornalismo na Universidade Municipal de São Caetano do Sul (USCS). Já passou pela redação do TradeMap.
MERCADO DE CAPITAIS

Os IPOs vão voltar? O que o Brasil precisa para atingir R$ 100 bilhões em ofertas de ações na B3

Executivos do Bank of America, Bradesco Asset, Goldman Sachs e do Santander Brasil revelaram as perspectivas para o cenário financeiro do Brasil no próximo ano. Confira

Camille Lima
Camille Lima
23 de outubro de 2023
15:06 - atualizado às 15:08
Sede B3 búfalos africanos
Montagem com búfalos na sede da B3 - Imagem: Shutterstock / Montagem Brenda Silva

Há 18 meses sem nenhum IPO na B3, o mercado brasileiro vivencia uma verdadeira seca de aberturas de capitais desde 2022. O motivo? Para os chefes de alguns dos maiores bancos do mundo, há uma razão central: o dinheiro está caro. Afinal, os juros no mundo inteiro passaram por uma escalada para tentar controlar a alta da inflação global.

Para não dizer que a bolsa brasileira esteve parada, as empresas aproveitaram o período para realizar ofertas secundárias de ações (follow-ons). Mas uma nova oportunidade parece se abrir na B3.

Durante o evento Bloomberg Línea Summit, que aconteceu nesta segunda-feira (23), executivos do Bank of America (BofA), Bradesco Asset, Goldman Sachs e do Santander Brasil revelaram as perspectivas para o cenário financeiro do Brasil no próximo ano.

A projeção de Bruno Saraiva, co-head do banco de investimentos do Bank of America (BofA), é que o mercado brasileiro pode ultrapassar a marca dos R$ 100 bilhões em ofertas de ações na B3, incluindo IPOs e follow-ons.

Uma nova janela de IPOs na B3?

Na visão de Cristina Estrada, co-head do banco de investimento Goldman Sachs para o Brasil, o mercado de IPOs é composto por janelas. “As companhias têm que se preparar à medida que os juros baixarem para aproveitar as oportunidades”, afirma.

Para se ter ideia, há dois anos — quando muitas nações contavam com taxas de juros negativas ou de apenas um dígito — o mercado de ofertas neste ano movimentou R$ 126,9 bilhões, com 45 IPOs e 26 ofertas subsequentes de ações (follow-ons). 

Essa janela se fechou junto ao fim do ano de 2021, quando os bancos centrais deram início a um aperto monetário que encareceu o dinheiro e elevou a aversão ao risco entre os investidores. Até agora em 2023, a B3 registrou 17 follow-ons, com captação total de R$ 29,3 bilhões.

“Estamos vivendo um cenário de volatilidade, então a barra é mais alta para as próximas ofertas. O prêmio de risco deve ser maior para que o investidor seja remunerado pelo risco de apoiar uma operação nova”, afirma Bruno Saraiva, do Bank of America (BofA).

O que o Brasil precisa fazer para reabrir a janela de IPOs

Para Leonardo Cabral, head de banco de investimentos do Santander Brasil, o ano de 2023 foi uma verdadeira montanha-russa para o mercado de capitais brasileiro.

“Esse ano começou com muita volatilidade e o mercado de capitais praticamente parado. A situação melhorou no segundo trimestre e a gente esperava que continuaria até o fim do ano, mas as guerras e o aumento dos juros nos Estados Unidos impactaram o mercado local.”

Do lado do Brasil, os economistas acreditam que o país está no caminho correto para reconquistar a credibilidade e a confiança dos investidores, mas há mais a realizar. “Se o Brasil não fizer o que precisa ser feito, o ambiente externo não vai salvar”, destacou Cabral.

“Para ter um ambiente mais atrativo para negócios e investimentos, é preciso ter credibilidade, e a discussão de metas é fundamental”, disse Bruno Funchal, CEO da Bradesco Asset. “Quanto menores os juros, maior o apetite dos investidores.”

Na análise de Funchal, o patamar de juros ideal para atrair novos investimentos para o Brasil é de um dígito, em cerca de 9% ao ano. Atualmente, a taxa básica de juros brasileira, a Selic, está em 12,75% a.a.

Para o executivo, o país já está em um ambiente muito positivo e precisa continuar nesse processo. “O ambiente fiscal e a discussão da reforma tributária podem deixar o país muito bem para receber novos investimentos.”

Mas o mercado de capitais brasileiro depende ainda de um cenário externo sólido para novos IPOs por aqui. Então, não é como se duas guerras e projeções de continuidade do aperto monetário nos Estados Unidos fossem lá tranquilizadoras para o mercado financeiro.

“Com um ambiente internacional mais favorável, o Brasil precisa estar pronto para subir nesse cavalo selado”, disse o CEO da Bradesco Asset.

Quais empresas podem abrir capital na B3 em 2024?

Para Bruno Saraiva, do Bank of America (BofA), o mercado de capitais brasileiro verá grandes ofertas em 2024.

“Existe um pipeline [rol, em tradução livre] enorme de companhias que estão à espera de um mercado de capitais mais funcional, com um juro de um dígito e juro real estável. Quando tem estabilidade e menos volatilidade, o custo de capital se ajusta e as companhias vêm ao mercado.”

Na visão de Saraiva, as empresas que estão prontas para ir a mercado e realizar um IPO são companhias com bom histórico de números financeiros, boas projeções futuras e, antes de tudo, com um bom tamanho de mercado.

“Se a empresa tem tudo o necessário, mas não o tamanho preciso, a oferta não teria um desempenho tão bom e atrairia tanto. Há necessidade de fluxo de caixa maior, mas principalmente de tamanho.”

Compartilhe

DESTAQUES DA BOLSA

Não foi dessa vez: Após negar venda de fatia do Casino, Pão de Açúcar (PCAR3) cai forte na B3 e lidera as perdas do Ibovespa hoje

16 de julho de 2024 - 12:49

No início da tarde desta terça-feira (16), os papéis do GPA caíam mais de 6%, cotados a R$ 3,19

AUMENTANDO O PORTFÓLIO

Smart Fit (SMFT3) corre em direção à mais uma aquisição e fecha compra de academias Velocity por R$ 183 milhões

16 de julho de 2024 - 10:13

Empresa afirma que o negócio “aumenta a complementaridade do portfólio de modalidades do segmento de Studios” da Smart Fit

ENERGIA NO CRESCIMENTO

Follow-on na área! Eneva (ENEV3) pretende levantar até R$ 4,2 bilhões em oferta primária garantida pelo BTG

16 de julho de 2024 - 8:34

Também foram assinados memorandos de entendimentos para aquisição de usinas termelétricas de geração de energia

ALERTA DE PROVENTOS

Dividendos e JCP: Telefônica Brasil (VIVT3) aprova nova bolada e pagará  R$ 650 milhões aos acionistas; veja quanto cada um vai receber

15 de julho de 2024 - 18:58

Juros sobre capital próprio (JCP) serão depositados aos investidores que estiveram na base acionária da companhia de telecomunicações neste mês

TUTELA CAUTELAR

Na mira da CSN (CSNA3), InterCement pede proteção contra credores; vem recuperação judicial aí?

15 de julho de 2024 - 18:47

Segundo informações da imprensa, a companhia não tem como pagar uma dívida de R$ 3 bilhões que vence nesta semana

PAPEL EM ALTA

Suzano (SUZB3) lidera as altas no Ibovespa após aquisição milionária de fábrica nos EUA – mas é hora de comprar a ação? 

15 de julho de 2024 - 14:55

Na semana passada, a companhia anunciou a compra, por meio de uma subsidiária, dos ativos da Pactiv Evergreen, por US$ 110 milhões

FORA DO HYPE

A Burberry está fora de moda? Por que as ações da marca de luxo queridinha das celebridades despencaram — e os dividendos já eram

15 de julho de 2024 - 14:51

Os papéis recuaram 16% nesta segunda-feira (15) em Londres. Na tentativa de conter a hemorragia, a marca anunciou um novo CEO.

FUSÕES & AQUISIÇÕES

Google entra de cabeça no ramo da cibersegurança com inteligência artificial e deve adquirir Wiz por US$ 23 bilhões

15 de julho de 2024 - 10:33

Se concretizada, essa seria a maior aquisição da gigante da tecnologia até o momento, superando os US$ 12,5 bilhões pagos pela Motorola em 2012

ELES VOLTARAM

O plano dos irmãos Wesley e Joesley Batista para ficar com a Amazonas Energia

13 de julho de 2024 - 15:49

Proposta da empresa de energia do grupo J&F, dos irmãos Wesley e Joesley Batista, foi apresentada à Aneel 16 dias após o governo editar medida provisória salvando o caixa da distribuidora

FUTURA POTÊNCIA?

Para o Santander, expansão da IA e demanda por data centers são oportunidades para o Brasil. Veja quais empresas e setores na Bolsa podem se beneficiar

12 de julho de 2024 - 20:00

Segundo o banco, país possui “excesso de oferta” de energia e diversas fontes renováveis

Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies

Continuar e fechar