🔴 AÇÃO QUE JÁ DISPAROU 1.200% E AINDA ESTÁ BARATA – VEJA QUAL

Estadão Conteúdo
SEM DEMISSÕES À VISTA

Futuro incerto da Americanas não impactou (ainda) os funcionários da varejista — mas sindicatos seguem atentos

A companhia afirmou que, neste momento, a companhia está focada na manutenção das operações e não prevê demissões

Estadão Conteúdo
30 de janeiro de 2023
18:05 - atualizado às 15:10
Lojas Americanas Express
Fachada de unidade da rede Lojas Americanas Express, na Avenida Paulista, região central de São Paulo. - Imagem: Estadão Conteúdo/Itaci Batista

Um misto de desconfiança e de negação da realidade predomina entre os funcionários das lojas físicas da Americanas, empresa que entrou em recuperação judicial há menos de duas semanas depois de divulgar "inconsistências" de R$ 20 bilhões em seus balanços.

Com cerca de 1.800 pontos de vendas espalhados pelo País e também com forte presença no comércio online, a companhia tem cerca 45 mil funcionários e é um dos maiores empregadores do País.

Na última sexta-feira (27), o Estadão visitou várias lojas da varejista na cidade de São Paulo e conversou com funcionários, sob a condição de anonimato. Eles disseram que a empresa mantém em dia o pagamento de salários e que, por ora, nada mudou na rotina de trabalho.

Mas o que se percebe é que o clima entre os trabalhadores é dúbio: oscila entre o receio de perder o emprego e a "certeza" de que a crise na empresa não existe.

Uma vendedora, com menos de um ano de empresa e salário de R$ 1.400, disse que nunca passou pela sua cabeça que a Americanas pudesse entrar em crise. Animada com a companhia, ela está sendo treinada para subir de cargo, virar supervisora e ganhar mais.

Ainda assim, ela já começou a mandar currículo para concorrentes da rede. Em outra loja, outros funcionários também confirmaram que, na dúvida, começaram a se movimentar. Na empresa há quase um ano e meio, funcionária disse que não pode correr o risco de ficar sem dinheiro para pagar a faculdade.

Comunicado da Americanas aos funcionários

Logo depois que a Justiça do Rio aceitou o pedido de recuperação judicial, no último dia 19, a Americanas enviou comunicado às lojas.

Na ocasião, a empresa afirmou que a rede não vai falir e que "a recuperação judicial é justamente uma forma de empresas viáveis economicamente seguirem com suas operações, com seu caixa preservado e negociando com seus credores".

O comunicado ainda esclarece que "a lei prevê que os salários sejam pagos normalmente durante o período em que a empresa estiver em recuperação judicial".

Na questão se haverá demissões, a Americanas afirmou que, neste momento, a companhia está focada na manutenção das operações.

Em seguida, acrescentou que "um plano estratégico de otimização dos recursos está em andamento para que decisões que garantam a sustentabilidade da companhia tenham efeitos em curto prazo". No entanto, ponderou que, "em processos como esse, é comum que haja reestruturação".

É exatamente esse o ponto crucial para as lideranças sindicais. Na análise do presidente do Sindicato dos Comerciários de São Paulo e presidente da União Geral dos Trabalhadores (UGT), Ricardo Patah, o que está escrito nas entrelinhas é que poderá haver demissões.

"A empresa não responde claramente a pergunta se as demissões vão ocorrer, mas quem tem experiência sabe que, o que está dito na última frase, que cita a reestruturação, é isso."

Bloqueio de recursos

Na última quarta-feira (25), seis centrais sindicais e duas confederações de trabalhadores ajuizaram uma ação civil pública na 8.ª Vara do Trabalho de Brasília para pedir que a Justiça bloqueie R$ 1,53 bilhão da conta pessoal dos principais acionistas da Americanas — o trio Jorge Paulo Lemann, Carlos Alberto Sicupira e Marcel Telles —, com o argumento de que é necessário garantir que as 17 mil ações trabalhistas em curso contra a varejista sejam pagas.

O pedido de liminar foi assinado, além da UGT, pela Central Única dos Trabalhadores (CUT), Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil (CTB), Força Sindical, Central dos Sindicatos Brasileiros (CSB), Nova Central Sindical de Trabalhadores (NCST), Confederação dos Trabalhadores no Comércio e Serviços (Contracs-CUT) e Confederação Nacional dos Trabalhadores no Comércio (CNTC).

Até a conclusão desta reportagem, a Justiça não havia se pronunciado sobre o pedido.

De acordo com Patah, a ação civil pública é para garantir os processos em curso. "Mas a intenção é conseguir sensibilizar o juiz para que os acionistas injetem os recursos necessários para cobrir a recuperação judicial", afirmou o sindicalista.

Procurada, a Americanas informou, por meio de sua assessoria, que "ainda não foi notificada formalmente da ação e que se manifestará a seu respeito nos autos do processo, dentro dos prazos legais fixados".

Compartilhe

PAPEL FICOU BARATO?

XP quer recomprar até R$ 1 bilhão em ações após papéis despencarem 14% com o balanço do 1T24

23 de maio de 2024 - 13:28

O conselho de administração da companhia aprovou um programa de recompra de ações de papéis classe A no mercado norte-americano

OFERTA DE BONDS

Jack Ma em apuros? Ação da dona do AliExpress cai forte em meio a rumores de que gigante do e-commerce precisaria levantar US$ 5 bilhões

23 de maio de 2024 - 12:19

Segundo a Bloomberg, a varejista estaria cogitando uma emissão bilionária de títulos de dívida (bonds) para levantar capital; entenda

BOM OU MAL?

Oncoclínicas (ONCO3) fará aumento de capital de R$ 1,5 bilhão — CEO e banco garantem operação; ações sobem quase 20%

23 de maio de 2024 - 10:09

A empresa afirma que os recursos levantados com o aumento de capital serão destinados à melhora da posição em caixa e redução da alavancagem financeira da companhia

MAIS DINHEIRO NO BOLSO

Nvidia anuncia alta de 150% nos dividendos e desdobramento de ações após trimestre com recorde de receita e salto no lucro

22 de maio de 2024 - 18:13

Os proventos passarão de US$ 0,04 por ação para R$ 0,10 por papel ordinário. Mas, como a companhia fará um desdobramento de ações, esse valor ainda será ajustado

GIGANTE DA IA

Lucro da Nvidia salta mais de 600%, receita bate recorde e ações disparam; confira os destaques do balanço da empresa

22 de maio de 2024 - 17:36

A gigante da Inteligência Artificial conseguiu ultrapassar as projeções já elevadas dos analistas e entregou números acima do previsto

DEDO GORDO

Citigroup é multado em mais de R$ 400 milhões — e tudo por causa do potencial erro de digitação de um trader de ações 

22 de maio de 2024 - 15:27

Os reguladores do Reino Unido aplicaram uma multa combinada de 62 milhões de libras por falhas nos sistemas de negociação em maio de 2022

PRETENDENTE INSISTENTE

BHP eleva oferta de megafusão com a Anglo American para quase US$ 50 bilhões — mas proposta é rejeitada de novo

22 de maio de 2024 - 14:39

Menos de duas semanas após a segunda tentativa, a BHP aumentou a proposta de aquisição em cerca de 17%, para US$ 49,87 bilhões

NOVOS TERMOS

Petrobras (PETR4) recebe sinal verde do Cade para cancelar vendas e manter cinco refinarias no portfólio

22 de maio de 2024 - 14:16

O acordo põe fim a obrigação de alienação de oito refinarias — incluindo três unidades já vendidas — que havia sido acertada entre o Cade e a Petrobras durante a gestão de Jair Bolsonaro

FABRICANTE DE CHIPS

É hoje! Veja o que analistas esperam do balanço da Nvidia: crescimento da gigante da Inteligência Artificial perdeu vapor?

22 de maio de 2024 - 11:02

Dados consensuais da Bloomberg apontam para uma expectativa de crescimento de 400% do lucros em comparação ao trimestre imediatamente anterior

O boi Subiu no telhado?

Sinal vermelho para a Minerva (BEEF3): autoridade uruguaia barra compra de plantas de abate da Marfrig (MRFG3) no país

21 de maio de 2024 - 18:38

O negócio faz parte de uma transação de R$ 7,5 bilhões anunciada em agosto do ano passado; Minerva deve recorrer da decisão

Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies

Continuar e fechar