🔴 CHANCE DE MULTIPLICAR O INVESTIMENTO EM ATÉ 14,5X EM 8 DIAS? ENTENDA A PROPOSTA

Ana Carolina Neira
Ana Carolina Neira
Jornalista formada pela Faculdade Cásper Líbero com especialização em Macroeconomia e Finanças (FGV) e pós-graduação em Mercado Financeiro e de Capitais (PUC-Minas). Com passagens pelo portal R7, revista IstoÉ e os jornais DCI, Agora SP (Grupo Folha), Estadão e Valor Econômico, também trabalhou na comunicação estratégica de gestoras do mercado financeiro.
QUEM DÁ MAIS?

Corrida pelo “petróleo branco” envolve a Tesla de Elon Musk e disputa por reservas

Elon Musk estaria interessado em ser mais independente de empresas fornecedoras de lítio, como a Vale (VALE3), que hoje vende para a Tesla

Ana Carolina Neira
Ana Carolina Neira
23 de fevereiro de 2023
11:37 - atualizado às 18:06
O bilionário Elon Musk
O bilionário Elon Musk - Imagem: Shutterstock

A busca de grandes empresas por reservas de lítio envolve nomes cada vez mais poderosos do mundo dos negócios — como Sigma Lithium (SGML), Vale (VALE3), Rio Tinto (RIO) e, desta vez, Elon Musk.

Isso mesmo: o bilionário dono do Twitter e da Space X agora está de olho no chamado "petróleo branco", afinal, não quer ficar para trás nessa corrida. Segundo informações da Bloomberg, o executivo deseja utilizar a Tesla para fazer uma oferta pela Sigma, mineradora que produz metais que permitem a fabricação de baterias de carros elétricos.

Segundo fontes ouvidas pelo veículo, as negociações estão em estágio inicial, enquanto Elon Musk também avalia outras empresas capazes de fornecer lítio para sua companhia de carros elétricos.

Hoje, a maior parte da Sigma pertence ao A10 Investimentos, um fundo brasileiro de private equity.

Os planos da Sigma Lithium e a busca da Rio Tinto

No fim do ano passado, a Sigma Lithium foi capaz de captar US$ 100 milhões, além de anunciar que pretende triplicar sua produção de lítio para baterias elétricas no ano que vem. A ideia é chegar a 768 mil toneladas — pelo que vimos até aqui, a demanda existe.

Caso os planos se tornem realidade, ela pode figurar entre as maiores produtoras de lítio do mundo em 2025, segundo analistas do mercado.

Ainda de acordo com a reportagem da Bloomberg, outra empresa interessada nessa produção crescente é a Rio Tinto, que não teria feito uma oferta pela Sigma por causa do preço alto exigido e da competição acirrada.

No ano passado, ela já comprou uma mina de lítio na Argentina por US$ 825 milhões, além de ter buscado uma outra reserva na Sérvia. A proposta não vingou por questões políticas do próprio país e após manifestações populares contra o negócio, mas a Rio Tinto segue na briga por reservas — o principal problema é o preço aparentemente alto demais em todos os casos.

Por que Elon Musk quer entrar nessa briga?

Basicamente, Elon Musk deseja ser mais independente de empresas fornecedoras de lítio, como a Vale (VALE3), que hoje vende para a Tesla. Em um mercado cada vez mais competitivo, a melhor saída parece ser não depender de terceiros para ter o metal a um custo melhor, além de grandes quantidades.

O lítio é fundamental para a fabricação de carros elétricos e ganhou mais relevância nos últimos meses, conforme o esforço global por meios de transportes mais ecológicos só cresce.

A própria Vale, de olho nessa demanda, está tentando vender parte de sua área de metais básicos. Com a divisão entre essa unidade e a parte de minério de ferro, a mineradora busca precificar melhor cada um de seus negócios.

E, com tanta procura, a área de metais básicos pode valer bem mais caso seja separada dos demais negócios.

Na semana passada, o CEO da Vale, Eduardo Bartolomeo, afirmou durante teleconferência com analistas que a companhia teve "progresso na venda minoritária nos metais básicos".

As últimas notícias sobre o tema relatam que a GM pode pagar até US$ 2 bilhões por parte dessa divisão da Vale. A montadora já estaria na segunda fase de um processo de licitação; seu interesse, claro, é na obtenção de uma fonte de cobre e níquel que sirva para sua produção de veículos elétricos.

Hoje, a Vale já fornece esses materiais para a própria Tesla. A japonesa Mitsui & Co — que também compra da Sigma — e um fundo de investimentos da Arábia Saudita, entre outros, também estão interessados no negócio.

Mas, se os compradores reclamam dos preços, a Vale tem um outro olhar sobre tais valores.

Na mesma teleconferência, o vice-presidente executivo de finanças e relações com investidores da Vale, Gustavo Pimenta, afirmou que a divisão de metais básicos está "subdimensionada", ao mesmo tempo em que a demanda por esses produtos e a indústria como um todo também não estariam precificadas adequadamente.

Compartilhe

ELES VOLTARAM

O plano dos irmãos Wesley e Joesley Batista para ficar com a Amazonas Energia

13 de julho de 2024 - 15:49

Proposta da empresa de energia do grupo J&F, dos irmãos Wesley e Joesley Batista, foi apresentada à Aneel 16 dias após o governo editar medida provisória salvando o caixa da distribuidora

FUTURA POTÊNCIA?

Para o Santander, expansão da IA e demanda por data centers são oportunidades para o Brasil. Veja quais empresas e setores na Bolsa podem se beneficiar

12 de julho de 2024 - 20:00

Segundo o banco, país possui “excesso de oferta” de energia e diversas fontes renováveis

FUSÕES E AQUISIÇÕES

Indo às compras: Suzano adquire fábricas de empresa de embalagens nos EUA por US$ 110 milhões

12 de julho de 2024 - 19:12

Acordo ocorre semanas após a companhia desistir de tratativas para comprar a International Paper por US$ 15 bilhões

A GRANDE APOSTA

Não aposte contra a Nvidia: Para investidor do ‘Big Short’, seria insano apostar na queda da ação da gigante dos chips de inteligência artificial

12 de julho de 2024 - 18:31

Conhecido por fazer fortuna na crise de 2008 com apostas short, Steve Eisman afirma que investidores que operam vendidos nas big techs como a Nvidia têm um “desejo de morte”

ARROZ EM ALTA

Camil (CAML3) sobe 8% após balanço, mas recomendação de compra não é unanimidade entre os bancos

12 de julho de 2024 - 13:45

Resultados do primeiro trimestre divulgados pela companhia animaram o mercado. No entanto, o impulso motivado pela alta no preço do arroz tem data para acabar

DIVIDINDO A RESPONSABILIDADE

Por que a Vale (VALE3) fechou acordo com a BHP em processos no exterior por rompimento de barragem em Mariana 

12 de julho de 2024 - 12:12

O contrato assinado com a BHP tem relação com os processos de ações coletivas no Reino Unido e Holanda ligados ao rompimento da barragem de Fundão

Reforço de caixa

Eletrobras pode levantar até R$ 3,3 bi com oferta secundária de ações da CTEEP (TRLP4); mercado reage e papel tem a maior queda do Ibovespa

12 de julho de 2024 - 11:28

Companhia anuncia venda de 60 milhões de papéis da subsidiária, que pode ser acrescida de mais 70 milhões caso haja demanda

AINDA UMA PENNY STOCK

Em meio a aumento bilionário de capital, Americanas (AMER3) adia grupamento de ações

11 de julho de 2024 - 19:57

Grupamento de ações ordinárias e aquisição do controle da varejista pelos acionistas de referência com aumento de capital foram aprovados nesta semana pelo Cade

CÉU AZUL

Itaú BBA iniciou cobertura da Latam com recomendação de compra e chances de ação decolar 41%; os motivos você confere aqui

11 de julho de 2024 - 19:01

São três pilares que sustentam uma visão positiva sobre a empresa, e quase todos têm a ver com ajustes após a saída do chapter 11

CONSELHO APROVOU

Por que a Santos Brasil (STBP3) quer devolver R$ 1,6 bilhão aos acionistas? Confira a proposta de redução de capital da companhia

11 de julho de 2024 - 18:57

A operação deve ser realizada sem o cancelamento de ações e com restituição em dinheiro aos investidores, mas ainda precisa ser aprovada pelos acionistas

Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies

Continuar e fechar