🔴 DÓLAR A R$5,38 E PODE SUBIR MAIS – VEJA COMO PROTEGER O SEU PATRIMÔNIO

Felipe Miranda: No meio está a virtude, sendo os extremos, vícios

Se insistirmos na convergência acelerada da inflação em 3%, possivelmente mergulharemos o país numa recessão, com o risco real de uma grave crise de crédito e quebradeira no meio do caminho

6 de fevereiro de 2023
18:41 - atualizado às 12:57
porcentagem
Imagem: Shutterstock

Ok, se todos querem, eu cedo. Macroeconomia em plena segunda-feira dá até indigestão, mas bora lá. Vamos falar do debate do momento: metas de inflação e potencial interferência do Executivo na política monetária.

Começo com uma pergunta honesta: se Paulo Guedes, Sérgio Werlang, Afonso Bevilaqua, Arminio Fraga ou qualquer outro economista dos “nossos”, quero dizer, alguém tipicamente alinhado ao arcabouço ortodoxo da ciência jovem, propusesse uma revisão para cima nas metas de inflação à frente, acharíamos mesmo um absurdo?

Gostamos de acreditar que o interlocutor não importa. Autoengano ou delírio coletivo. Os argumentos de autoridade são emprestados com frequência. Se uma autoridade em determinado assunto fala alguma coisa, há enorme inclinação ex-ante em julgá-la pertinente. “Quem é você pra criticar o que fulano falou?”.

De algum modo, uma das variações para o brasilianíssimo “você sabe com quem está falando?”, em uma adaptação minha para o clássico de Roberto da Matta, talvez melhor redigida no caso com “você sabe com quem está debatendo?”

Ditadura do argumento

A ideia do “framing" (ou efeito da estruturação) é bastante estudada nas Finanças Comportamentais. A forma com que um problema é apresentado importa. O interlocutor também.

Conforme já nos demonstraram Persio Arida e Deirdre McCloskey ainda nos anos 80, numa ideia que vem se tornando cada vez mais mainstream com as ideias de Robert Shiller (“Narrative economics”) ou mesmo Nassim Taleb (falácia da narrativa), os debates dialéticos na Ciência Econômica não são vencidos por superação positiva, mas, sim, pela corrente com as melhores regras de retórica.

Ou seja, não ganha o melhor argumento, apenas o mais convincente (nem sempre são a mesma coisa). E é por isso que a “ditadura do argumento” deveria ter ficado lá nos anos 80 também, dando lugar à “ditadura do teste” – bom, esse é outro assunto; desviei, desculpe.

Retomo o argumento central.

É legítima a ideia de que precisamos fazer convergir a inflação brasileira à média emergente, por volta de 3% ao ano. Devidamente, o CMN estabeleceu metas nessa direção, o que acho louvável.

Contudo, as circunstâncias importam. Não há estrutura sem uma soma de conjunturas. Não podemos trabalhar com as mesmas premissas e os mesmos parâmetros para o modelo se a realidade objetiva é outra.

“Se o mundo muda, eu mudo.” Isso deveria valer inclusive (ou talvez, principalmente) para os liberais, que, assim como eu, gostam de citar Ayn Rand, seu objetivismo e a defesa implacável do respeito à realidade objetiva, sem platonismos.

As metas de inflação

Quando iniciamos o debate para a convergência das metas de inflação a 3% ao ano, o mundo era outro. Ainda convivíamos com a ideia de que o mundo enfrentava uma estagnação secular, cujas consequências eram crescimento baixo, inflação baixa e juro baixo.

Não se contestava a ideia do Fim da História, pois acreditávamos que a democracia liberal e os valores ocidentais clássicos haviam solapado qualquer hipótese alternativa – até Putin invadir a Ucrânia e Xi Jinping ameaçar Taiwan; agora, não há mais como confiar no coleguinha autocrático e beligerante.

O nearshore e o friendshore reorganizam as cadeias de suplemento globais e causam uma inflação mais alta. Também não tínhamos tantos estímulos monetários e fiscais por conta da covid-19, e as políticas de imigração eram mais frouxas, o que permitia a contratação de mão de obra mais barata.

Mesmo quando entendemos a necessidade de apertar a política monetária brasileira, a ideia original era levar a Selic a 7%, talvez 8%. Não se imaginava o tamanho do choque nem a persistência da inflação.

O mundo inteiro mudou. Estamos diante de um novo equilíbrio macro, de menor produtividade, mais inflação, mais custo do capital e mais juros.

Mesmo o Fed vai levar tempo para alcançar a sua tradicional meta de inflação de 2%, nível com o qual sempre trabalhou historicamente. Imagine para um país emergente, nesse contexto, atingir níveis de inflação jamais alcançados, recorde de baixa num ambiente de tendência a preços subindo acima da média histórica.

Se insistirmos nessa convergência acelerada a 3%, possivelmente mergulharemos o país numa recessão, com o risco real de uma grave crise de crédito e quebradeira no meio do caminho.

Americanas já é um evento de crédito importante, capaz de gerar efeitos sistêmicos – se até o Olimpo do capitalismo está em xeque, o que dizer dos demais prêmios de risco?

Na fila, temos a Light acendendo a luz amarela e a Oi indo para sua segunda recuperação judicial. Haverá alguma outra baleia boiando? E como ficam as empresas que se alavancaram com a Selic a 2% e agora veem o custo de sua dívida próximo a 20%?

Os ciclos econômicos oferecem elementos de histerese; se você estica a corda demais, muita gente morre no meio do caminho.

Não podemos jamais nos apegar a dogmas, ideologias ou discursos demagógicos prontos. Há, sim, espaço para um debate profundo envolvendo a revisão das metas de inflação no Brasil.

O que seria melhor para o Brasil?

Um possível caminho seria o próprio Banco Central, por meio de um de seus competentes PhDs, publicar um Working Paper abrindo o debate acadêmico sobre a hipótese, a que se seguiria um simpósio de política monetária semelhante (guardadas as devidas proporções, claro) àquele de Jackson Hole.

Isso permitiria uma avaliação técnica e científica da viabilidade da ampliação do prazo de convergência para uma meta de inflação de 3% no Brasil, mais distante de ideologias e discursos inflamados. O que seria o melhor para o Brasil? Essa deveria ser a discussão.

Há um contraponto importante. Talvez até mais importante do que o argumento aqui exposto. Essa conversa não pode, em nenhum momento, enveredar para um radicalismo do outro lado.

Nada seria mais desastroso do que uma interferência direta no Banco Central, uma pressão política em prol de uma redução impertinente da Selic ou uma mudança institucional na independência do Banco Central neste momento. Suas consequências seriam a explosão dos juros longos e da taxa de câmbio, alimentando uma dinâmica inflacionária mais perversa e um ciclo vicioso que forçaria a juros mais altos.

Se Lula quer juros mais baixos, a primeira coisa a fazer é parar de falar sobre isso. O dólar cairia, os juros longos também. O Copom poderia iniciar um ciclo de queda da Selic.

Acho que não é novidade para ninguém. Mas, na real, se você se acha original, apenas não leu o suficiente. Tudo já estava lá em Platão e Aristóteles. A virtude está no meio.

Compartilhe

O MELHOR DO SEU DINHEIRO

Mais um dia na bolsa de valores: barulheira fiscal no Brasil, eleições municipais, divulgação do IBC-Br e outros destaques que agitam os mercados

14 de junho de 2024 - 9:07

Contribuição da B3 para a forte queda do Ibovespa em maio, venda da Cetrel pela Braskem (BRKM5) e eleições no Reino Unido também agitam as bolsas nesta sexta-feira (14)

SEXTOU COM O RUY

Em plena semana dos namorados, chegou a hora de dar um “pé na bunda” na bolsa brasileira?

14 de junho de 2024 - 7:01

As notícias não têm sido muito animadoras, mas o Ibovespa negocia hoje com descontos que foram vistos pela última vez apenas na crise financeira de 2008; saiba qual ação ainda vale a pena

O MELHOR DO SEU DINHEIRO

Som e fúria na bolsa: Ibovespa parte do menor nível do ano com ruído sobre meta fiscal no Brasil e juros altos nos EUA

13 de junho de 2024 - 8:48

Disparada das ações do Méliuz, alteração do FGTS, autonomia do Banco Central e contas do governo Lula também ditam o tom do Ibovespa hoje; confira

EXILE ON WALL STREET

Rodolfo Amstalden: O que nos separa, agora, é uma mera questão contratual

12 de junho de 2024 - 20:01

Não tem mais essa de experiências informais em relacionamentos, tudo agora é formalizado por um contrato entre as partes

O MELHOR DO SEU DINHEIRO

Ligando os pontos na bolsa: em dia de dot plot do Fed, inflação e rumo dos juros nos EUA ganham destaque; confira essas e outras notícias que mexem com o seu bolso hoje

12 de junho de 2024 - 8:37

Enquanto investidores também aproveitam o Dia dos Namorados, perda da dominância do dólar, recompra de ações da Rede D’Or e MP do PIS/Cofins entram no rada

O MELHOR DO SEU DINHEIRO

O fundo do poço está próximo? Decisão do Fed sobre juros nos EUA, inflação no Brasil, fusão no setor de saúde e outros destaques do dia que indicam o tom do Ibovespa

11 de junho de 2024 - 8:42

Mercado aguarda posicionamento do Fed sobre inflação nos EUA nesta quarta-feira; nova marca de gestora de FII e compra milionária da Ultragaz também entram no radar dos investidores

INSIGHTS ASSIMÉTRICOS

Semana de decisão: Postura do Fed sobre juros e inflação nos EUA vão definir rumo dos mercados no curto prazo

11 de junho de 2024 - 6:51

A quarta-feira será crucial para a narrativa macroeconômica global — e países emergentes como o Brasil podem estar prestes a receber uma má notícia

EXILE ON WALL STREET

Tony Volpon: Samba de uma nota só

10 de junho de 2024 - 20:01

A bolsa americana vem dançando junto com a Inteligência Artificial há um tempo, mas agora ela está focada em uma única empresa: a Nvidia

O MELHOR DO SEU DINHEIRO

Ibovespa tenta preservar os dedos em meio ao tom negativo das bolsas internacionais, juros nos EUA, IPCA no Brasil e outras notícias que agitam os mercados

10 de junho de 2024 - 8:27

FIIs favoritos para junho, parceria do Brasil com a dona do AliExpress e ajuda ao RS também ganham destaque no radar dos investidores nesta segunda-feira

Mande sua pergunta!

Quero o divórcio, mas moro nos EUA com visto de acompanhante e nossos bens estão em nome de terceiros; e agora?

8 de junho de 2024 - 8:00

Ela ainda não obteve o green card, e ainda teme ficar sem nada após o divórcio, pois os bens da família não estão no nome do marido

Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies

Continuar e fechar