🔴 [TESTE GRÁTIS] 30 DIAS DE ACESSO A SÉRIE RENDA IMOBILIÁRIA – LIBERE AQUI

O mercado financeiro é ‘anti-Lula’ e a favor da miséria? Saiba o que tirar das primeiras brigas entre a bolsa e o novo governo

Se o mercado vende, é porque acha que o preço vai cair. Se compra, é porque crê que vai subir. São conclusões baseadas em hipóteses e fatos

24 de janeiro de 2023
8:18 - atualizado às 8:20
Lula com bandeira do Brasil e gráfico ao fundo vermelho
O presidente Luiz Inácio Lula da Silva - Imagem: Shutterstock / Luisa Dörr/TIME / Montagem Brenda Silva

Quando foi eleito pela terceira vez para a Presidência, Luiz Inácio Lula da Silva nomeou o mercado financeiro como espantalho-geral da república.

A ruidosa “cerimônia de posse” aconteceu ainda em novembro, no dia seguinte à entrega da PEC dos gastos de transição ao Congresso. Começou, como de costume, com um discurso do mandatário eleito.

“Não adianta ficar pensando só em responsabilidade fiscal”, disse Lula. “O mercado fica nervoso à toa. É engraçado que não ficou nervoso com quatro anos do Bolsonaro”, completou.

Os movimentos do mercado

Quando a bolsa caiu e o dólar subiu, o mercado assinou seu termo de posse como espantalho-geral.

Agora, quando o mercado financeiro questiona o governo do seu jeito, comprando e vendendo o que quer que seja, desinformados úteis entendem como querem.

O dólar subiu? O mercado é a favor da fome. A bolsa caiu? O mercado gosta de ver pobres recolhendo ossos no lixo para sobreviver.

Opiniões assim são como espantalhos: podem até parecer reais de longe, mas de perto são apenas versões falsas, distorcidas e mais feias do que o que imitam.

O que o mercado vê

Se o mercado vende, é porque acha que o preço vai cair. Se compra, é porque crê que vai subir. São conclusões baseadas em hipóteses e fatos — como a hipótese de que Lula conduza uma política econômica desenvolvimentista parecida com a de Dilma, que de fato resultou em duas quedas consecutivas do PIB e desemprego.

O mandato de espantalho colou tanto que estamos sendo obrigados e lidar com coisas assim:

Algumas respostas são possíveis para comentários como esse. Em 13 anos cobrindo o mercado financeiro — dos quais quatro entrevistando os maiores operadores dele — jamais ouvi que fome seja bom para a economia, ou que uma vergonhosa tragédia humanitária se abatendo sobre um povo originário não seja exatamente isso: uma vergonhosa tragédia.

Outra resposta possível seria este link, com a cobertura do Valor Econômico sobre o que está acontecendo com o povo yanomami. Se está no Valor, o mercado vê.

Responsabilidade fiscal e social

Mas talvez a melhor resposta seja em forma de pergunta: antes de o espantalho ser empossado, você acompanhava o mercado financeiro? Você notou esteeste e este momento no qual Jair Bolsonaro e seu governo foram criticados?

E mais importante: sabia que as consequências de uma política fiscal errada são a inflação, que diminui o poder de compra dos mais pobres? E que a solução para esse problema é aumentar juros, que afeta diretamente a quantidade de empregos?

É claro que não se trata aqui de tentar convencer ninguém que o mercado é petista. Tenho a convicção de que, se apenas seus membros votassem, Jair Bolsonaro estaria tocando hoje seu segundo mandato.

Nem é o caso de ignorar que o mercado ponha o dinheiro em primeiro lugar, afinal esse é seu dever legal e fiduciário com os donos do capital que ele gere (eu e você).

Mas acreditar que o mercado financeiro gosta de miséria é ignorar que a bolsa depende de pessoas que consigam poupar para investir, comprar ações ou mesmo consumir. É acreditar que responsabilidade fiscal e social são antagônicas. É acreditar que espantalhos são pessoas.

Um abraço,
Renato Santiago

Compartilhe

INSIGHTS ASSIMÉTRICOS

Ataque do Irã poderia ter sido muito pior: não estamos diante da Terceira Guerra Mundial — mas saiba como você pode proteger seu dinheiro

16 de abril de 2024 - 6:17

Em outubro, após o ataque do Hamas, apontei para um “Kit Geopolítico” para auxiliar investidores a navegar por esse ambiente incerto

EXILE ON WALL STREET

Felipe Miranda: Cinco coisas que deveriam acabar no mercado financeiro

15 de abril de 2024 - 20:01

O sócio-fundador da Empiricus lista práticas do universo dos investimentos que gostaria de ver eliminadas

DE REPENTE NO MERCADO

O que Elon Musk, Javier Milei, Alexandre de Moraes, o halving do bitcoin e a China têm em comum? 

14 de abril de 2024 - 12:00

Acredite: tudo isso movimentou o mercado financeiro esta semana; veja os destaques

Especial IR 2024

Meu dependente paga pensão alimentícia; posso abatê-la no imposto de renda?

13 de abril de 2024 - 8:00

Titular da declaração de imposto de renda declara o pai como dependente, e ele paga pensão alimentícia à mãe dela. E agora?

SEXTOU COM O RUY

Enquanto você se preocupa com a Oi (OIBR3), esta empresa da B3 virou a campeã de qualidade no serviço de internet – e ainda está barata na bolsa

12 de abril de 2024 - 6:07

Para se diferenciar, essa companhia construiu uma infraestrutura de qualidade, que tem proporcionado prêmios de internet fixa mais rápida do Estado de São Paulo, à frente das gigantes de telecom

EXILE ON WALL STREET

Rodolfo Amstalden: Quintal da China, quintal do mundo

10 de abril de 2024 - 19:15

Se a economia chinesa sofre, nós necessariamente compartilhamos dessa desgraça?

INSIGHTS ASSIMÉTRICOS

Juro real de volta aos 6%: com bolsa na pior e dólar nas alturas, essa é uma nova oportunidade?

9 de abril de 2024 - 6:40

Uma regra prática comum para investimentos em renda fixa no Brasil sugere vender títulos quando os juros reais atingem 3% e comprá-los a 6%

EXILE ON WALL STREET

Além do bitcoin (BTC): esta carteira já rendeu 447% acima da maior criptomoeda do mercado

8 de abril de 2024 - 20:01

Acredito que exista uma forma melhor de pensar sobre a ciclicidade do preço do bitcoin (BTC), que historicamente nos ajudou a gerar alfa neste mercado

BOMBOU NO SD

Argentina entra na rota de ‘paraíso fiscal’, China encara mesma crise do Japão e inteligência artificial “sugando” o Ibovespa — veja tudo o que foi destaque na semana

6 de abril de 2024 - 13:36

A crise e os seus reflexos no país vizinho no Brasil despertaram o interesse dos leitores do Seu Dinheiro nos últimos dias

IR 2024

Pago escola e plano de saúde de um filho ilegítimo; posso abater esses gastos no imposto de renda?

6 de abril de 2024 - 8:00

Filho não assumido rende deduções no imposto de renda? A Dinheirista responde dúvidas de leitores sobre o IR 2024

Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies