🔴 +30 RECOMENDAÇÕES DE ONDE INVESTIR EM MARÇO – ACESSE GRATUITAMENTE

Cotações por TradingView

Intel: o Império da tecnologia (e dos dividendos) que não consegue contra-atacar

Hoje uma das maiores pagadoras de dividendos do Nasdaq, a Intel pode, muito em breve, ter que cortar drasticamente essa remuneração

16 de fevereiro de 2023
6:16 - atualizado às 10:24
intel core chip circuitos estrela da morte star wars espaço
Montagem com logo da Intel e Star Wars - Imagem: Montagem Andrei Morais, Reprodução, Star Wars, Intel

Olá, seja bem-vindo à Estrada do Futuro, onde conversamos semanalmente sobre a intersecção entre investimentos e tecnologia. Nas últimas semanas, com algumas das maiores empresas de semicondutores do mundo divulgando seus resultados, voltei a visitar os números da Intel depois de alguns trimestres.

Minhas expectativas eram baixas, mas confesso ter ficado assustado com o que vi. 

O passado glorioso da Intel contrasta com o crescente abismo tecnológico entre ela e suas duas maiores concorrentes e é agravado por resultados preocupantes de curto prazo.

Hoje uma das maiores pagadoras de dividendos do Nasdaq, eu acredito que a Intel possa, muito em breve, ter que cortar drasticamente essa remuneração.

Na coluna de hoje, eu te conto detalhes dessa história.

Intel: uma aristocrata em ascensão

A Intel é conhecida de todos nós, especialmente pela presença no mercado de computadores pessoais.

Entre as décadas de 80 e 90, a dominância da companhia foi consolidada tanto pela estratégia inovadora de ser a primeira marca de semicondutores fazendo marketing direto para o consumidor final como pela sua dominância tecnológica.

Mesmo sem nenhum conhecimento técnico, a maioria dos consumidores sabe que um processador i5 é mais potente que um i3, e que um i7 é o "top" de linha.

Ao tornar sua arquitetura x86 presente em todo o mercado de computadores pessoais, a Intel garantiu um lugar no coração dos desenvolvedores. Por dominar o mercado, qualquer aplicação desenvolvida por um terceiro iria priorizar a performance em computadores Intel.

Com o mercado trabalhando em prol dela, a Intel se manteve por muitos anos com os processadores mais rápidos e eficientes do mercado.

Durante mais de 20 anos, esse círculo virtuoso transformou a Intel na maior empresa de semicondutores do mundo, líder absoluta nos mercados de PCs e data centers.

Seus investidores foram recompensados com dividendos crescentes em praticamente todos os anos, nos últimos 30 anos.

Essa história começou a mudar quando Steve Jobs apresentou o iPhone para o mundo.

  • Por que estamos no momento ideal para poder ganhar dinheiro com dividendos? O Seu Dinheiro preparou 3 aulas exclusivas para te ensinar como buscar renda extra com as melhores ações pagadoras da Bolsa. [ACESSE AQUI GRATUITAMENTE]

Com o sucesso, veio a soberba

Hoje, com o benefício da retrospectiva, vemos como a Intel perdeu feio a guerra do mercado de smartphones.

Mais de 95% dos aparelhos em circulação atualmente utilizam a arquitetura ARM, que nos últimos anos vem ganhando espaço também no segmento de PCs e, principalmente, data centers.

Todas as notícias que vemos na mídia sobre chips desenvolvidos por Apple, Amazon, Google e Meta são trabalhos construídos na arquitetura ARM, portanto distantes do ecossistema da Intel.

Mesmo tendo perdido completamente o mercado de smartphones (dominado pela Qualcomm e pela Samsung), a Intel aproveitou uma de suas derivadas.

Na medida em que os smartphones fizeram crescer o mercado de computação em nuvem, a Intel preservou sua incumbência no segmento de data centers.

Essa incumbência, porém, foi diminuindo na última década.

O perigo vem de Taiwan

Primeiro, a Intel perdeu a chance de vender volumes massivos de chips de smartphones que ajudariam a bancar novas e cada vez mais caras fábricas de semicondutores de alta performance.

Então, sem esses recursos, a empresa precisou equilibrar a necessidade de crescer seu dividendo todos os anos para agradar os acionistas e manter investimentos cada vez mais elevados para competir com as empresas asiáticas.

Foi assim que a Intel começou a perder sua liderança para a taiwanesa TSMC.

No gráfico abaixo, compilo o volume de investimentos anuais, em dólares, realizados por ambas as empresas.

Elaboração: Autor  | Fonte: Koyfin

Agora, veja a diferença entre os dividendos e recompras de ação realizados por ambas empresas, também nos últimos 5 anos.

A receita da TSMC

Enquanto a Intel pagava dividendos, a TSMC, impulsionada pelo influxo de receita massivo que veio do segmento de chips mobile, passou a receber pedidos dos maiores concorrentes da Intel, que abandonaram suas próprias fábricas, terceirizando para a TSMC sua produção em diversos outros seus segmentos e passaram a focar 100% de seus esforços no design.

Com isso, concorrentes como AMD e Nvidia passaram a superar a Intel no design de semicondutores, e sua concorrente na produção, a TSMC, está hoje muitos anos à frente da Intel em termos de tecnologia.

Neste momento, a TSMC tem 92% de market share nos segmentos de semicondutores mais avançados, a Samsung tem 8% e a Intel tem zero.

Hoje é a AMD, o segundo maior player do mercado de PCs, quem fabrica os melhores chips para data centers, graças, em parte, à vantagem de produzir seus chips nas fábricas da TSMC.

Trimestre após trimestre, a Intel tem perdido participação para a AMD em seus dois principais mercados.

Hoje, mesmo com um terço das receitas da Intel, a AMD possui o mesmo valor de mercado que a concorrente.

Sinais preocupantes na Intel

Há algumas semanas, a Intel divulgou seus resultados do 4T22 e um guidance (estimativa) desanimador para o início de 2023.

A receita consolidada foi de US$ 14 bilhões, uma queda de 31% na comparação anual. O lucro operacional ajustado, de US$ 602 milhões, foi 89% abaixo do 4T21.

Por fim, em termos de guidance, a Intel não quis se comprometer com 2023, e disse aos investidores que espera receitas de US$ 11 bilhões neste trimestre, 20% abaixo do que o mercado esperava.

Em meio a esse péssimo resultado, me chamou atenção a perda de apenas 1 ponto percentual de margem bruta no trimestre.

A Intel é um business de alto custo fixo.

Em negócios como esse, uma desaceleração grande nas receitas é naturalmente refletida numa margem bruta menor.

Ao me aprofundar nos demonstrativos, notei que a empresa alterou a regra aplicada a depreciação de seus ativos fabris.

Até então, a Intel adotava um período de cinco anos para depreciação desses equipamentos, em linha com os concorrentes. Com a mudança, eles estenderam o período de depreciação para oito anos.

A Intel está dizendo aos investidores que uma máquina que durava cinco anos até 2022, passará a durar oito anos a partir de 2023.

Não há qualquer irregularidade na mudança da regra. Inclusive há bons argumentos para justificar uma extensão da vida útil dos equipamentos das fábricas de semicondutores, que costumam seguir operando por muitos anos após a sua completa depreciação.

Ainda assim, no curto prazo, essa mudança contábil tem o efeito de distorcer as margens da empresa (para cima), justamente num momento em que essa rentabilidade está sendo questionada pelos investidores.

Dividendo garantido. Até quando?

Além disso, a empresa aproveitou a teleconferência para reforçar ao mercado o compromisso com seu dividendo.

Mesmo com uma geração de caixa livre negativa de US$ 9,4 bilhões em 2022, a Intel pagou US$ 6 bilhões em dividendos aos acionistas.

Nos anos que antecederam a pandemia, a geração de caixa operacional da companhia oscilou num patamar próximo de US$ 20 bilhões anuais. Aliás, o melhor ano foi 2021, quando alcançou os US$ 35 bilhões.

Hoje, vê-se claramente que o patamar alcançado em 2021 não deve voltar a se repetir tão cedo.

Neste ano, sua maior concorrente investirá mais de US$ 30 bilhões em novas fábricas e tecnologias. Então os executivos da Intel já anunciaram a intenção de acompanhá-los no ritmo de tais investimentos.

Com endividamento de 0,8x sobre Ebitda, é possível que a Intel mantenha a política de dividendos nos próximos dois anos com a emissão de dívidas. Especialmente considerando seu baixo custo de financiamento (cerca de 4,5% ao ano), torcendo para uma melhora radical do mercado.

Se essa melhora não vier, ou mesmo se vier e a Intel seguir sendo devorada por seus maiores concorrentes, é possível que os executivos tenham que cortar o dividendo numa situação muito diferente da atual, onde os resultados estarão ruins, mas o endividamento estará potencialmente elevado.

Em resumo, fique distante dessa ação.

Powered by Seu Dinheiro Select.

Não precisa se preocupar: enquanto o "rio" de proventos da Intel parece próximo de secar, existem outras empresas com perspectivas de continuarem enchendo o bolso de seus acionistas de dinheiro por um bom tempo.

Clique aqui para entender como identificar essas ações que são verdadeiras "vacas leiteiras" e, assim, buscar uma renda extra mensal com dividendos.

Compartilhe

EXILE ON WALL STREET

Rodolfo Amstalden: Solução de quatro estados

29 de fevereiro de 2024 - 20:02

Como faremos para balancear extremos opostos por meio de um único instrumento mediano nos mercados financeiros?

Diário de Bordo

O que eu penso sobre o bitcoin?

28 de fevereiro de 2024 - 10:29

Diário de Bordo de 28 de fevereiro de 2024

INSIGHTS ASSIMÉTRICOS

Campos Neto e Powell navegam em águas incertas: o que esperar dos próximos passos dos banqueiros centrais para os juros

27 de fevereiro de 2024 - 6:29

A trajetória das taxas de juros no Brasil e nos EUA será decisiva para as expectativas dos investidores e a direção dos ativos de risco

EXILE ON WALL STREET

Felipe Miranda: Qual o caminho mais rápido e efetivo para o sucesso no mercado?

26 de fevereiro de 2024 - 20:03

Seja lá qual for o caminho do sucesso, ele começa por uma boa educação. Nada é mais estruturante e transformacional.

LINHA D'ÁGUA

Por que FoFs de previdência privada serão os grandes vencedores das mudanças recentes na tributação

26 de fevereiro de 2024 - 18:46

Esse tipo de fundo mantem a mesma característica tributária de um exclusivo de previdência, mas, por ser um fundo coletivo, de varejo, não tem o limite de R$ 5 milhões de patrimônio

DE REPENTE NO MERCADO

Fênix à solta: Weg (WEGE3) ressurge como ‘fábrica de bilionários’; Oi (OIBR3) deixa de ser penny stock e Nvidia ‘fura’ a bolha da inteligência artificial

25 de fevereiro de 2024 - 12:00

E mais: estrategista-chefe recomenda 3 ações que estão em ‘raríssimo momento na bolsa’ e por que você deveria correr para comprar um imóvel logo

Mande sua pergunta!

Vi que posso perder minha casa para pagar dívidas de donos anteriores; e no caso de imóvel comprado em leilão, que já vem com dívidas?

24 de fevereiro de 2024 - 8:00

Quem compra imóvel em leilão também pode acabar tendo o bem penhorado para pagar dívidas não pagas atreladas a ele?

SEXTOU COM O RUY

Um Big Mac depois da academia: A ação da Petrobras (PETR4) continua subindo, mas é por causa do governo ou apesar dele?

23 de fevereiro de 2024 - 6:31

Petrobras estabeleceu recentemente um novo recorde de valor de mercado, mas a razão para isso é diferente daquela que a direção da empresa acredita ser

EXILE ON WALL STREET

Rodolfo Amstalden: Falácia da troca de narrativa

21 de fevereiro de 2024 - 20:01

Os movimentos de precificação de mercado estão cada vez mais sujeitos ao “arco narrativo”

Diário de Bordo

Bolha da internet: Nvidia rima com a história de Cisco?

21 de fevereiro de 2024 - 9:05

Qual será o próximo “choque de realidade” nas Bolsas americanas? Desde a pandemia, o mercado tenta prever o próximo. O mercado traz à tona inúmeros exemplos do passado tentando comparar o momento atual e justificar as razões pelas quais a história deveria se repetir. Porém, até agora todos eles caíram por terra. Próximo da divulgação […]

Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies