🔴 SAVE THE DATE: 22/07 – FERRAMENTA PARA GERAR RENDA COM 1 CLIQUE SERÁ LIBERADA – CONHEÇA

Felipe Miranda: Se está assim pra ele, imagina pra…

Até mesmo os maiores gênios vão tropeçar e simplesmente não há motivo racional para isso. Por mera aleatoriedade ou por alguma surpresa no meio do caminho, podemos acabar num cenário diferente daquele originalmente admitido pelo gestor.

24 de julho de 2023
18:39 - atualizado às 18:01
Rogério Xavier, sócio-fundador da SPX Capital | Fed | meta de inflação
Rogério Xavier, sócio-fundador da SPX Capital - Imagem: Divulgação/Santander

Acho que esta é a primeira vez em que dedico um Day One inteiro a comentar a carta de uma gestora a seus cotistas. Faço isso por duas razões: i) a relevância que a tal mea culpa da SPX ganhou, com ao menos duas matérias em veículos de imprensa importantes (Brazil Journal e BloombergLinea) a seu respeito; ii) os ensinamentos ali constantes transbordam as circunstâncias estritas da carta.

Para você que ainda não leu o documento e não terá disposição para fazê-lo, ofereço um brevíssimo (e grosseiro) resumo. Basicamente, Rogério Xavier investiga a recente performance negativa de seus fundos, abordando diferentes hipóteses para o comportamento atípico das cotas. A culpa viria de uma eventual desmotivação da equipe? O crescimento cobrou seu preço? A internacionalização tem sido custosa?

A carta, com muita proficiência, ataca cada uma das alternativas e chega à conclusão de que, na verdade, o desempenho fora de seu padrão se deve a uma leitura equivocada de Brasil, mais especificamente de quanto nosso Congresso foi capaz de conservar pautas importantes e avançar em reformas favoráveis ao País, a despeito de incursões eventualmente mais extremadas do executivo.

A carta é formidável e demonstra a honestidade intelectual e a seriedade da gestora, além de um compromisso profundo com seus cotistas. Estou mais interessado, porém, nas múltiplas interpretações e nas valiosas lições dali extraídas.

  • ‘A ação mais importante que você nunca ouviu falar: parceira da Apple cresce 20% ao ano e pode surfar o “boom” da inteligência artificial. Conheça essa + 4 ações que são as melhores opções de BDRs para investir agora, segundo analistas da Empiricus Research. [LISTA GRATUITA AQUI]

A virtude é silenciosa

Muitos viram ali um exercício de humildade, de um gestor capaz de falar de maneira aberta dos erros cometidos. De fato, é uma leitura possível.

Com toda a transparência de nossa relação e que se exige de qualquer Research independente (e essa é uma exigência que precisa ser total, irrestrita e inegociável para que o trabalho possa funcionar), confesso, porém, alguma divergência com essa perspectiva. 

Embora seja louvável a autoavaliação pública e a investigação de possíveis hipóteses para os equívocos, a visível perplexidade com os próprios erros me pareceu um pouco algo como “o que aconteceu conosco, que somos tão espetaculares e erramos?”

Eu me lembrei daquele jogo entre São Paulo e Cruzeiro, em que Rogério Ceni faltou fazer chover. Ao final da partida, falou na entrevista mais ou menos assim: “não é porque eu peguei dois pênaltis, fiz três milagres com a bola rolando e marquei um golaço de falta que fui o melhor em campo. O importante mesmo é o coletivo.” A virtude é necessariamente silenciosa.

SPX no hall of game

Isso, no entanto, é bastante irrelevante diante dos méritos do documento e da magnanimidade da SPX. A gestora é simplesmente formidável. Goza de um dos melhores track records da indústria, nível hall of game global. Suspeito que poucos cotistas foram tão felizes e ganharam tanto dinheiro quanto aqueles da SPX.

Além de minha total admiração e meu respeito por esse desempenho estelar, carrego um encantamento particular por Rogério Xavier por ele ter sido um dos poucos gestores capazes não apenas de enriquecer seus clientes (o que ele também fez!), mas por ter conseguido fazer uma empresa, diferentemente daquele modelo típico das assets no Brasil, de um gênio rockstar ajudado por uma equipe de sete pessoas no time de gestão e duas secretárias. 

Como ele mesmo gosta de dizer, há dois nomes brasileiros realmente conhecidos na comunidade financeira global: Armínio Fraga e André Esteves.

Dada a muito bem-sucedida caminhada da SPX na direção da internacionalização, tenho convicção de que, com os devidos méritos, muito brevemente o pódio também será ocupado por Rogério Xavier. Se Rogério usualmente cita a necessidade de construirmos uma estátua para Luis Stuhlberger, a verdade é que uma outra de si mesmo precisaria ser construída ao lado do outro mito.

Talvez justamente por isso a tal mea culpa não faça tanto sentido. O que talvez escape à carta é que, em ambientes de alta complexidade e muito suscetíveis à aleatoriedade, erros (no sentido de desempenhos ruins) vão acontecer, em especial em janelas temporais mais curtas (sim, seis meses é curto prazo).

Até mesmo os maiores gênios vão tropeçar e simplesmente não há motivo racional para isso. Por mera aleatoriedade ou por alguma surpresa no meio do caminho, podemos acabar num cenário diferente daquele originalmente admitido pelo gestor, o que lhe fará perder dinheiro circunstancialmente.

Em sendo o caso, isso nada tem a ver com problemas estruturais da companhia ou uma necessidade de reavaliação de cenário. Perdemos um determinado jogo porque… perdemos. Simples assim. 

Vale ainda uma menção específica ao fato de que a performance dos fundos da SPX em 2022 foi simplesmente estratosférica. Então, se você combina um horizonte de 18 meses, o histórico recente ainda é espetacular.

Erros versus distribuição de probabilidades

Existe outro ponto muito importante nessa história, talvez até de epistemologia ou, no mínimo, de filosofia de investimentos. Os erros, em qualquer esfera da vida, não deveriam ser medidos pelos resultados colhidos a posteriori.

As decisões (de investimento ou qualquer outra) precisam ser avaliadas com as informações disponíveis à época da tomada de decisão. Não pode haver o benefício da retrospectiva, porque, de fato, essa retrospectiva não existia quando a decisão aconteceu.

Tudo o que um gestor pode vislumbrar é, na melhor das hipóteses, uma distribuição de probabilidades dos possíveis cenários à frente. Ninguém sabe exatamente o que vai acontecer, porque o futuro está… no futuro, opaco, impenetrável, impermeável.

Então, filosófica e inexoravelmente, de tempos em tempos, contratamos um problema, porque, em caminhadas longevas (como são aqueles das gestoras bem-sucedidas), eventos de baixa probabilidade vão acontecer. E isso levará até o bom gestor (que tende a se posicionar para cenários de maior probabilidade) perder dinheiro, ainda que todos seus processos estejam devidamente calibrados.

A História oferece certos requintes de crueldade, porque ela nunca vai nos contar tudo o que poderia ter sido, mas apenas o que foi, de fato, dentro de uma infinidade de cenários possíveis, jamais revelados.

Eis aqui um negócio danado sobre o risco: ele é não observável, nem mesmo a posteriori. Podemos ter percepção de risco, mas risco mesmo, de fato, nunca saberemos em que nível esteve, está ou estará. 

O próprio evento a que Rogério Xavier se refere na carta dispunha de um nível de risco que nós jamais seremos capazes de mensurar. Diante de toda aquela cacofonia do início do ano, será mesmo que não havia uma probabilidade razoável de um governo mais radical? Se havia, de quanto ela era? 

Desculpem-me os PhDs, seus modelos e todo MBA Talking, mas só há uma resposta possível: jamais saberemos. E é terrível convivermos com a terrível sensação de “eu não sei”. As coisas, por melhores que sejamos, podem dar errado. Mas… bem-vindo à vida adulta. O valor de um homem deve ser medido pelo tanto de verdade que ele pode tolerar. É do Nietzsche.

SPX: uma lição de humildade

Para aqueles que gostam de um pouco mais de pragmatismo, algumas conclusões objetivas:

  • A SPX sempre foi, é e será tremendamente acertadora. Intervalos de tempo curtíssimos de resultados negativos trazem pouca (nenhuma) informação, desprovidos de significância estatística. 
  • Se o gênio Rogério Xavier está vindo a público para tratar de seus erros, podemos inferir que seu influenciador favorito e, claro, você mesmo também vai errar, com frequência alta. O mercado não admite super-heróis. A arrogância costuma ser penalizada cruelmente. O ato de investir não está em não errar. Admita que vamos bater o carro, mas lembre-se que não podemos cair de avião. Acerte mais do que erre ou acerte grande e erre pequeno.
  • Eu sei que o Brasil é apaixonante e todos nós gostamos de demonstrar nossa ideologia em conversas com amigos, nas redes sociais e até em velório. Tudo isso, embora de mau gosto, é legítimo. Levar a ideologia para as decisões de investimento cobra caro. Se um dos maiores gestores de investimento do Brasil e do mundo está com dificuldade de entender o país, pense duas vezes antes de ser tão incisivo em suas convicções. A chance de você estar errado e acabar passando vergonha é alta. Há um outro ponto aqui: talvez o Brasil tenha avançado mais institucionalmente do que até mesmo o smart money foi capaz de entender.
  • Apesar de sua internacionalização, a maior parte do time da SPX segue no Brasil. As origens da gestora são daqui. O Brasil ainda pertence ao seu círculo de competências, em seu núcleo duro. Imagine a complexidade de todos nós de nos aventurarmos em mercados, regiões, tecnologias que não dominamos. 

De uma forma ou de outra, a carta é uma lição de humildade.

VEJA TAMBÉM — Vale, Itaú, Petrobras e outras: o que esperar da temporada de resultados das gigantes da bolsa

Compartilhe

O MELHOR DO SEU DINHEIRO

Ibovespa repercute Orçamento congelado, privatização da Sabesp e pane em sistemas da Microsoft

19 de julho de 2024 - 8:17

Governo anuncia congelamento de R$ 15 milhões no Orçamento de 2024 em tentativa de cumprir meta fiscal

SEXTOU COM O RUY

Aumento de capital bilionário e aquisição de 4 usinas: o que isso significa para os acionistas da Eneva (ENEV3) e por que você deveria comprar as ações agora

19 de julho de 2024 - 6:07

Por 9x Valor da Firma/Ebitda, novos ativos entrando em operação e um cenário hidrológico que começou a ficar mais favorável, o papel é uma opção para a carteira

O MELHOR DO SEU DINHEIRO

Com Biden e Trump tão diferentes e tão iguais, Ibovespa começa o dia a reboque do exterior em dia de decisão do BCE

18 de julho de 2024 - 8:10

Ibovespa retomou caminho das altas ontem e hoje flerta com os 130 mil pontos; suspeitas de intervenção no iene pressionam moedas emergentes, inclusive o real

EXILE ON WALL STREET

Rodolfo Amstalden: Qual o real significado das séries invictas?

17 de julho de 2024 - 20:00

No futebol, ficamos tentados a avaliar o potencial preditivo das séries invictas, bem como de suas quebras

O MELHOR DO SEU DINHEIRO

Nada sobe para sempre: Depois de cair pela primeira vez em julho, Ibovespa busca retomar caminho das altas com Vale, Livro Bege e guerra tecnológica no radar

17 de julho de 2024 - 8:12

Embora tenha caído pela primeira vez no mês na sessão de ontem, o Ibovespa ainda acumula alta de mais de 4% no que vai de julho

CRYPTO INSIGHTS

Trump, eleições americanas — e a salvação do bull market das criptomoedas

16 de julho de 2024 - 19:28

A rotação de alguns centímetros da cabeça, em uma fração de segundos foi o bastante para impedir uma catástrofe; há quem diga que foi também a diferença entre o BTC a US$ 30 mil e o BTC acima de US$ 60 mil

EXILE ON WALL STREET

Felipe Miranda: Francis ou Francisco: dançando à beira do vulcão

16 de julho de 2024 - 9:08

Não há como subestimar o atentado contra Donald Trump. Quando Francisco Ferdinando foi assassinado, ninguém imaginou que caminharíamos para a Primeira Guerra Mundial

O MELHOR DO SEU DINHEIRO

Ibovespa flerta com os 130 mil pontos em dia de agenda fraca e mercado engajado no Trump trade

16 de julho de 2024 - 8:05

O Ibovespa continua protagonizando sua melhor sequência positiva desde a passagem de 2017 para 2018 e já acumula alta de 4,4% em julho

INSIGHTS ASSIMÉTRICOS

Enquanto atentado impulsiona o ‘Trump trade’, democratas ainda precisam decidir quem vai perder a eleição

16 de julho de 2024 - 6:44

Atentado do último fim de semana fez aumentarem substancialmente as chances de vitória de Donald Trump em novembro

MARKET MAKERS

Governo Lula não tem dinheiro para 2027

15 de julho de 2024 - 16:52

Questões fiscais estão sendo empurrados pela barriga e o mercado financeiro está precificando em meio aos discursos do presidente

Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies

Continuar e fechar