🔴 CHANCE DE MULTIPLICAR O INVESTIMENTO EM ATÉ 14,5X EM 8 DIAS? ENTENDA A PROPOSTA

Credit Suisse, alavancagem e confiança: Entenda os dois pilares mais importantes de um banco

O Credit Suisse é um exemplo clássico de um banco que perdeu sua principal vantagem competitiva: a confiança

21 de março de 2023
11:18 - atualizado às 11:21
Fachada do Credit Suisse, que gere fortunas e fundos imobiliários, como o HGLG11, no Brasil
Fachada do Credit Suisse - Imagem: Shutterstock

Conforme o Thiago Salomão bem colocou na newsletter que ele escreveu ontem, o “bom jogador” no mercado financeiro é aquele que tem a curiosidade intelectual o tempo todo ativadaEu não poderia concordar mais: o analista de ações que não é curioso perde o grande privilégio do seu trabalho que é aprender coisas novas todos os dias.

E por falar em aprendizado, nunca houve um momento tão propício quanto o atual para compreender o funcionamento do setor bancário.

O texto de hoje é uma continuação da newsletter que eu escrevi semana passada sobre a falência do Sillicon Valley Bank – a mais elogiada que já fiz. Abordarei hoje, os dois pilares que sustentam o setor e que todo acionista de bancos deveria saber: alavancagem e confiança.

Bancos e a alavancagem

Uma característica que nem todo mundo se atenta é que poucos negócios são tão alavancados quanto um banco. Eu explico.

A função principal de um banco é captar recursos daqueles que têm dinheiro disponível (os depositantes) e emprestá-los para aqueles que precisam do dinheiro (pessoas físicas, empresas e governos). O banco também investe parte do depósito dos clientes comprando títulos de dívida pública ou privada.

Não à toa, o crescimento do banco depende da sua captação, pois quanto mais ele captar, mais poderá investir em novos empréstimos e títulos de dívida.

O pilar da confiança

Como o banco é uma máquina que transforma depósitos seguros em investimentos de risco, o pilar que sustenta essa transformação é a confiança. O depositante não pode perder o dinheiro que ele colocou.

Se os investimentos valerem mais do que os depósitos, os acionistas ficam com o que sobrar. Mas se os investimentos valerem menos do que os depósitos, haverá alguma interferência externa para que os depósitos sejam honrados.

Por conta dessa dinâmica, o patrimônio líquido – o ‘equity’ dos acionistas - é apenas uma pequena fração dos ativos (empréstimos e títulos) e passivos (depósitos) do banco.

O equity e a mudança de ativos

O Itaú Unibanco, por exemplo, reconhecido historicamente como o melhor banco privado brasileiro, fechou o 4º trimestre de 2022 com R$ 2,5 trilhões em ativos e “apenas” R$ 170 bilhões de patrimônio líquido.

Ou seja, o equity do banco representava em dezembro somente 6,9% dos ativos do banco. O Itaú possui R$ 6,9 de PL para financiar R$ 100 em ativos – uma alavancagem de 14,5 vezes!!

Se o valor dos ativos do Itaú sofrer uma correção de 6,9%, o PL do banco zera e o preço da ação deveria corrigir a zero. Ou seja, uma pequena mudança do ativo corrói todo o equity.

Credit Suisse e ativos com desconto

O leitor que passou por um aperto financeiro sabe o que é vender um ativo com desconto para pagar as obrigações.

Pegando um caso real como o do Credit Suisse, por exemplo. Em dezembro, o banco divulgou um balanço patrimonial composto por 531 bilhões de francos suíços (CHF) em ativos e CHF 486 bilhões em passivo, o que o deixava com um PL de CHF 45 bilhões (8,5% dos ativos). Na última sexta-feira o mercado pagava de CHF 7,4 bilhões pelo seu PL – o equivalente a 16% do book value e apenas 1,3% dos ativos.

Durante o fim de semana, as autoridades suíças buscaram uma solução rápida para evitar um possível colapso bancário iminente no país, que resultou na aquisição do CS pelo seu maior concorrente, o UBS, em uma negociação típica de um banco considerado too big to fail.

O preço pago pelo UBS foi de CHF 3 bilhões – 60% abaixo do preço de tela de sexta-feira e apenas 1% do pico atingido em 2007.

O Credit Suisse é um exemplo clássico de um banco que perdeu sua principal vantagem competitiva: a confiança.

Bancos não entram em falência da noite para o dia. As sementes de sua destruição são semeadas e regadas por anos até serem colhidas rapidamente.

O CS foi um desses casos.

Neste mini documentário de 26 minutos de duração feito pelo Financial Times sobre o Credit Suisse, diversos especialistas do setor – incluindo a participação do até então presidente do Conselho de Administração do banco – exploram os inúmeros e sucessivos escândalos que o banco passou ao longo dos últimos anos: simpatia histórica à tomada de riscos, conflito de interesses, problemas de governança, relacionamento com facções criminosas e envolvimento com as oligarquias russas, para citar alguns.

Apesar de não explicar o recente problema de liquidez financeira, trata-se de um excelente material para entender como o banco plantou as sementes que o levaram à insolvência.

Um abraço,
Matheus Soares

Compartilhe

O MELHOR DO SEU DINHEIRO

Campeões de audiência: Imunidade da Shopee à taxa das blusinhas, uma chance para a Adidas e rumos do bitcoin (BTC) dividem atenção com reforma tributária e mercados financeiros no SD

13 de julho de 2024 - 12:05

Shopee, Adidas, bitcoin, reforma tributária e mais: veja quem foram os campeões de audiência do Seu Dinheiro na última semana

Oportunidade?

Previdência privada com ações: vale a pena antecipar os aportes em PGBL para aproveitar a queda da bolsa no ano?

13 de julho de 2024 - 7:57

Se você investe em ações por meio do seu plano de previdência privada, você precisa ler isso…

O MELHOR DO SEU DINHEIRO

Fed anima e Ibovespa emplaca melhor sequência desde 2018 — mas vale a pena pagar para ver de novo?

12 de julho de 2024 - 7:46

Desaceleração da inflação nos EUA e sinalização de Powell levam investidores a projetarem corte de juros em setembro — e isso pode ajudar o Ibovespa

SEXTOU COM O RUY

A hora de comprar bolsa é agora? A alta recente pode ser apenas um aperitivo, mas é preciso ter cautela e escolher as ações certas

12 de julho de 2024 - 6:11

Se a ideia é investir em empresas confiáveis, geradoras de caixa e descontadas que conseguirão atravessar o ambiente macro sem sustos mesmo que o clima venha a piorar novamente, esse é um ótimo momento para investir

O MELHOR DO SEU DINHEIRO

Um significado para o CPI: Inflação ao consumidor dos EUA dá o tom com S&P-500 em nível recorde e Ibovespa em busca da nona alta seguida

11 de julho de 2024 - 8:09

Além da inflação ao consumidor norte-americano, investidor brasileiro também repercute vendas no varejo e regulamentação da reforma tributária

EXILE ON WALL STREET

Rodolfo Amstalden: Como definir e melhorar seus objetivos de poupança?

10 de julho de 2024 - 20:00

No artigo “Goal Setting and Saving in the FinTech Era”, autores estudam o real impacto da opção de definir objetivos de poupança e os achados são animadores

O MELHOR DO SEU DINHEIRO

É igual, mas pode ser diferente: Ibovespa busca oitava alta seguida em dia de Powell no Congresso dos EUA e IPCA por aqui

10 de julho de 2024 - 7:58

Além do testemunho de Powell e da inflação oficial no Brasil, investidores monitoram regulamentação da reforma tributária

CRYPTO INSIGHTS

É para comprar bitcoin (BTC) agora? A resposta sem arrodeios está aqui

9 de julho de 2024 - 13:42

Primeiro, vamos compreender a dinâmica atual do bitcoin (BTC) e do mercado atual e, em seguida, investigar o que os dados estão nos dizendo

O MELHOR DO SEU DINHEIRO

De grão em grão: Testemunho de Powell nos EUA coloca à prova série de altas do Ibovespa em meio a feriado em SP

9 de julho de 2024 - 8:03

A bolsa brasileira já acumula alta de 2,02% neste início de julho — já é mais do que a alta acumulada de 1,48% em todo o mês de junho

INSIGHTS ASSIMÉTRICOS

França e Reino Unido experimentam reviravoltas políticas, mas resultados geram situações bem distintas

9 de julho de 2024 - 7:01

Enquanto os trabalhistas obtiveram maioria folgada para governar no Reino Unido, a França flerta com a paralisia política

Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies

Continuar e fechar