🔴 AGORA O SEU DINHEIRO ESTÁ NO WHATSAPP! CLIQUE AQUI E RECEBA CONTEÚDOS DIRETO POR LÁ. 

Cotações por TradingView

Como sobreviver ao Banco Central: novas informações sobre juros e inflação desafiam investidores

Ata do Copom, CMN e prévia da inflação de junho são os destaques da semana; expectativa para o segundo semestre é positiva

Matheus Spiess
Matheus Spiess
27 de junho de 2023
6:31 - atualizado às 9:20
Viagem ao centro da Terra Roberto Campos Neto
Roberto Campos Neto, presidente do Banco Central, lidera a viagem ao centro da meta.Imagem: Cenas filme - José Dias/PR - Montagem Brenda Silva

A semana será de fortes emoções no Brasil, mesmo com parlamentares distantes de Brasília por conta das festas juninas espalhadas pelo país. Quando eles voltarem, na semana que vem, terão pouco tempo para debater o arcabouço e a reforma tributária, mas isso fica para depois. Afinal, temos mais com o que nos preocupar no curto prazo. Começamos com a terça-feira, em que contaremos com a ata da última reunião do Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central (BC), que surpreendeu um pouco o mercado com seu tom (mais sobre isso a seguir), e a prévia da inflação oficial de junho, o IPCA-15.

Espera-se pela mediana das estimativas que haja estabilidade no mês de 0,03%. Ao mesmo tempo, caso o dado já indique uma deflação no período, o mercado poderá voltar a se animar, principalmente se a ata suavizar ao menos em partes o comunicado da autoridade monetária divulgado na semana passada. Seja como for, devemos ter uma forte desaceleração dos 0,51% do mês de maio.

Por que a ata do Copom é tão importante

O número corrobora o entendimento de que estamos próximos do ponto de inflexão da política monetária, com o BC podendo cortar juros já na próxima reunião, no mês de agosto. Por isso, a ata do Copom também será importante para os investidores, principalmente depois de uma reunião como a da semana passada.

Em resumo, conforme o esperado, a autoridade monetária manteve a Selic em 13,75% ao ano. Até aí tudo bem. O problema foi o direcionamento para os próximos passos. Ainda que tenha retirado a frase que alertava para a retomada do aperto monetário, as palavras de Roberto Campos Neto soaram mais pesadas do que muitos esperavam.

Dito de outra maneira, o comunicado veio mais dovish (flexível) do que o último Copom, mas menos do que o mercado gostaria/projetava. Com isso, a leitura imediata, relativamente mais hawkish (contracionista), cautelosa e conservadora, gerou certo receio sobre os ativos de risco, ainda que a leitura principal não tenha sido alterada.

Basicamente, se antes a maioria dos investidores acreditava que agosto poderia ser o início do ciclo de cortes, agora, setembro tem ganhado força. Ao mesmo tempo, o documento melhorou as expectativas de inflação para 2023 e 2024, em linha com o Boletim Focus, e ainda se mostrou evidentemente "dependente de dados".

A inflação está se aproximando da meta

Parece ser o caso, vide o Boletim Focus da semana encerrada em 23 de junho que trouxe mais uma ampla revisão para baixo das expectativas de inflação para o ano de 2023, com as projeções do IPCA de curto e médio prazos. A mediana das novas projeções aponta para uma variação de 5,06% do IPCA em 2023 e de 3,98% em 2024.

Existem duas informações particularmente relevantes a serem destacadas:

  • i) há quatro semanas, a mediana das projeções para este ano era de 5,71% de inflação, o que significa que, em apenas um mês, essa estimativa foi revisada para baixo em 65 pontos-base; e
  • ii) aqueles que estão revisando seus modelos atualmente estão encontrando uma projeção oficial de inflação em torno de 4,9% para 2023.

Se for o caso, estaremos, segundo essas novas estimativas, a apenas 15 pontos-base de cumprir a meta de inflação deste ano (alguns já possuem 4,6% no cenário otimista, inclusive). Dito de outra forma, a inflação e as expectativas de inflação estão colapsando, em ritmo muito mais intenso do que muitos esperavam no começo do ano.

Como teremos o IPCA-15 de junho (nesta terça) e julho até a próxima reunião do Copom, além do IPCA fechado de junho, provavelmente conseguiremos argumentos mais fortes para cortar em 25 pontos-base em agosto, o que possibilitou a manutenção do meu cenário base para início do ciclo de cortes dos juros.

Banco Central mantém a coerência

A tese de um corte mais agressivo de 50 pontos, porém, parece ter saído da mesa (pelo menos por enquanto). Querendo ou não, a verdade é que o BC manteve sua coerência conservadora e quer garantir a posse de alguma alavancagem antes da reunião do Conselho Monetário Nacional (CMN) no dia 29.

Com o Copom da semana passada, o evento desta quinta-feira ganhou ainda mais importância, até mais do que a ata de hoje (não dá para fazer muito cavalo-de-pau no documento — se o CMN é o fator central da questão, é provável que a ata não difira significativamente do comunicado conservador, embora Haddad tenha solicitado uma linguagem mais precisa).

No encontro, a meta de inflação em 3% deve ser mantida, alterando apenas o horizonte de atuação (ano-calendário) e, talvez, as bandas de tolerância (menos provável, mas ainda assim possível). 

Em outras palavras, a ata da reunião teve sua importância relativamente esvaziada pelo tom do documento da noite de quarta-feira passada e pela reação do mercado durante o pregão da quinta-feira subsequente. Consequentemente, não devemos ver muitas novidades na ata que possam alterar a percepção do mercado.

Leia também

Quando o Banco Central vai cortar o juro?

Contanto que a inflação siga caindo, assim como as expectativas para os índices de preços, o plano de voo para um ponto de inflexão no terceiro trimestre foi mantido.

Se não vier em agosto (como eu espero), definitivamente teremos cortes em setembro, conforme projetou a Oxford Economics caso haja surpresas para baixo da inflação.

Não é só o Banco Central do Brasil

Aliás, as autoridades monetárias da América Latina devem começar a cortar juros no segundo semestre de 2023, dado o processo desinflacionário adiantado frente aos demais players desenvolvidos em andamento e as expectativas de uma desaceleração moderada da atividade na região. O México deve cortar em setembro e o Chile em julho.

A pressão por uma redução das taxas de juros é amplamente difundida em diversos setores da sociedade, deixando o Banco Central praticamente isolado. Isso se deve à queda da inflação e dos juros de longo prazo, à valorização da moeda nacional, à melhora na situação fiscal e à atividade econômica mais fraca.

Com isso, desde que não tenhamos surpresas desagradáveis com o CMN, podemos ter com mais assertividade um corte de juros já em agosto, junto com o México.

Uma surpresa negativa pode afetar a curva de juros, as ações e o dólar — não me espantaria ver um BC ainda duro em agosto se for o caso.

Depois de segurar até aqui, relaxar agora sem antes ter absoluta convicção pode ser prejudicial para a credibilidade do BC.

Sigo acreditando em cortes em agosto (25 pontos) e em um contexto ainda positivo para ativos de risco no segundo semestre.

  • Matheus Spiess, analista da Empiricus Research, segue acreditando que a redução da Selic acontecerá em agosto, mas ainda dá tempo de “travar” excelentes ganhos na renda fixa enquanto o corte não acontece. Agora você pode ter acesso às melhores oportunidades direto no seu WhastApp, com títulos que rendem até 16% a.a. - e que costumam se esgotar rapidamente. [ENTRE NO GRUPO GRATUITO AQUI]

Compartilhe

MARKET MAKERS

As oscilações do mercado financeiro importam? Descubra por que o investidor deve enxergar além do sobe e desce da bolsa

3 de outubro de 2023 - 15:00

Afinal, como lidar com as alterações de humor do mercado? O segredo pode estar na ignorância; entenda mais.

INSIGHTS ASSIMÉTRICOS

Por que a meta fiscal de 2024 preocupa tanto mercado — e o que precisaria acontecer para destravar o rali de fim de ano no Ibovespa

3 de outubro de 2023 - 6:29

Meta depende muito de arrecadação, que tem profunda relação com preços das commodities e juros nos EUA, que restringem ciclo de cortes na Selic, que afetam o mercado financeiro…

EXILE ON WALL STREET

Tony Volpon: Por que o Fed não é seu amigo — BC dos Estados Unidos coloca o ‘dedo na ferida’ dos investidores

2 de outubro de 2023 - 20:01

Depois da última decisão, o mercado adicionou nova alta ao fed funds neste ano, e retirou 0,50% das quedas precificadas em 2024

De repente no mercado

Lula e Campos Neto ‘fazem as pazes’, Petrobras (PETR4) é ‘superada’ por concorrente e Elon Musk ‘não liga’ pra dinheiro

1 de outubro de 2023 - 12:00

Destaques da semana vão desde a reunião de presidentes em Brasília até a nova biografia favorita da Faria Lima

Décimo Andar

Cinco ideias para os próximos cinco anos do mercado imobiliário — e uma incorporadora da B3 para investir

1 de outubro de 2023 - 7:47

Tenho confiança que as ideias são bem fundamentadas e, quem sabe, irão proporcionar lucros para os investidores

Mande sua pergunta!

Meu pai vai vender imóvel da família para pagar dívida da minha irmã; isso pode comprometer minha herança?

30 de setembro de 2023 - 8:00

Leitor quer saber se, ao usar parte do patrimônio do pai para quitar dívida de R$ 500 mil, sua irmã poderia ser excluída da herança

SEXTOU COM O RUY

Na bolsa, estar certo na hora errada é o mesmo que estar errado. Mas o momento pode ter chegado para estas duas ações

29 de setembro de 2023 - 6:03

Se o setor ou a bolsa entrarem em um ciclo desfavorável, o timing errado certamente vai te prejudicar, mesmo que a empresa seja fantástica

MARKET MAKERS

Diga não aos livros ruins: confira a lista de obras importantes (ou não) para investidores

28 de setembro de 2023 - 16:01

O bom uso do tempo é essencial para investidores, mesmo quando o assunto é leitura. Confira as indicações de livros para ler ou largar

ESTRADA DO FUTURO

5 investimentos em tecnologia para os próximos 5 anos — e quase todos passam pela inteligência artificial

28 de setembro de 2023 - 6:13

Inteligência artificial desponta como força-motriz do setor de tecnologia nos próximos anos; conheça as melhores opções para investir

EXILE ON WALL STREET

Rodolfo Amstalden: Os caminhos escolhidos por Elon Musk fizeram o dinheiro correr atrás dele e não o contrário

27 de setembro de 2023 - 18:31

O bilionário Elon Musk, dono da Tesla e do Twitter, teve biografia lançada recentemente e mostra que a motivação da sua vida nem sempre foi o dinheiro

Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies