🔴 3 ações para LUCRAR com a SELIC em alta: clique aqui e descubra quais são

2022-03-20T21:13:52-03:00
Beatriz Azevedo Pinto
GUERRA NO LESTE EUROPEU

Pela primeira vez desde o começo da guerra, Rússia lança míssil poderosíssimo e altamente destrutivo contra a Ucrânia; arma hipersônica é usada para destruir depósito de armamentos

Míssel hipersônico da Rússia foi usado para explodir depósito de armas da Ucrânia

19 de março de 2022
14:01 - atualizado às 21:13
Rússia mantém tropas na fronteira da Ucrânia e bolsas reagem hoje

Neste sábado, a Rússia confirmou o uso de mísseis hipersônicos contra a Ucrânia, pela primeira vez desde o início do conflito.  De acordo com a agência estatal Ria Novosti, o ataque teve o objetivo de destruir um local de armazenamento de armas no oeste da Ucrânia. 

Essa categoria de míssil é altamente mais destrutiva e perigosa do que um míssil comum. O armamento, chamado Kinjal, é bem mais manobrável e desafia todos os sistemas de defesa antiaérea, afirmou Moscou.

Além disso, eles têm capacidade de atingir alvos a 2 mil kilômetros de distância e atingem uma velocidade duas vezes maior que a do som (ao chegar em até 6 mil km/h). 

 "Em 18 de março, o sistema de mísseis de aviação Kinzhal com mísseis aerobalísticos hipersônicos destruiu um grande armazém subterrâneo de mísseis e munição de aviação das tropas ucranianas na vila de Delyatyn, região de Ivano-Frankivsk", disse o major-general Igor Konashenkov, porta-voz do Ministério da Defesa russo.

O fim da guerra entre Rússia e Ucrânia está próximo? 

No final de fevereiro, a Rússia começou uma ofensiva contra a Ucrânia, na tentativa de afastar o país do Ocidente e impedir sua entrada para a Otan (Organização do Tratado do Atlântico Norte). 

Desde então, deixou pelo menos 816 mortos e 1.333 feridos entre a população civil, incluindo mais de 130 crianças, e provocou a fuga de cerca de 5,2 milhões de pessoas, entre as quais mais de 3,2 milhões para os países vizinhos, de acordo com dados recentes da ONU.

Na última sexta-feira (18), os presidentes dos EUA e China conversaram por ligação para tratar sobre a guerra. 

Fato é que enquanto os Estados Unidos orquestram sanções com um grupo de aliados no Ocidente para tentar frear o avanço das tropas de Vladimir Putin sobre a Ucrânia, Pequim - tradicional aliada de Moscou - trabalha pela diplomacia para acabar com o conflito.

Nos 110 minutos de conversa, Biden tentou dissuadir Xi de ajudar a Rússia em sua guerra contra a Ucrânia. 

De acordo com a Casa Branca, o presidente norte-americano descreveu ao líder chinês as implicações e consequências caso a China forneça apoio material à Rússia nos ataques classificados como brutais contra cidades e civis ucranianos.

Ao que tudo indica, o presidente chinês se manteve firme ao propósito de evitar uma escalada ainda maior na guerra entre Rússia e Ucrânia. 

Segundo a imprensa estatal chinesa, Xi disse a Biden que tanto os Estados Unidos quanto a China têm a responsabilidade de garantir a paz - uma sugestão indireta de que ele não está interessado em um conflito que extrapole as fronteiras ucranianas.

Veja também - Guerra Nuclear na Ucrânia? Arsenal atômico russo está pronto para o combate; veja riscos

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

App da Pi

Aplique de forma simples, transparente e segura

ELEIÇÕES 2022

Ô abre alas que Braga Netto vem aí! General da reserva é exonerado e tem caminho livre para ser vice de Bolsonaro

Bolsonaro havia confirmado no domingo (27) o nome de Braga Netto como seu vice na chapa que disputará a reeleição deste ano, causando um pouco de desconforto entre aliados que esperavam a escolha de Tereza Cristina (PP), ex-ministra da Agricultura

SEMANA EM CRIPTO

Bitcoin (BTC): o pior investimento do semestre tenta sobreviver aos dados de emprego nos EUA; confira o que mexe com as criptomoedas na próxima semana

Entre os destaques da semana, estão a liquidação de ativos da Three Arrows Capital, pechinchas no mercado cripto e mais

CAÇANDO MARRUÁ

Bitcoin (BTC) no cabresto? UE tenta domar o mundo das criptomoedas com marco regulatório; saiba como

O acordo é provisório e inclui uma proposta que cobre emissores de criptoativos não lastreados e também as chamadas stablecoins, bem como as plataformas de negociação e as carteiras nas quais os ativos digitais são mantidos

O MEDO DA RECESSÃO

Meta em crise: Mark Zuckerberg quer contratar menos funcionários e demitir mais gente a partir de agora

A dona do Facebook espera um segundo semestre de vacas magras e enfrentará um severo corte de gastos; por isso, a companhia prioriza equipes mais enxutas e agressivas

ELEIÇÕES 2022

É só mais essa! Líder nas pesquisas, Lula descarta tentar reeleição se derrotar Bolsonaro em outubro

Em entrevista, Lula disse que ‘daqui a 4 anos vai ter gente nova’, criticou o Congresso e prometeu retirar sigilos impostos por Bolsonaro

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies