⚠️ DIVIDENDOS EM RISCO? Lula e Bolsonaro querem taxar seus proventos e podem atacar sua renda extra em 2023. Saiba mais aqui

2022-09-16T13:02:43-03:00
Ricardo Gozzi
ELEIÇÕES 2022

As últimas fichas de Bolsonaro: A duas semanas das eleições, quais opções restam ao presidente para garantir um segundo turno contra Lula?

Estacionado nas pesquisas, Bolsonaro explora o antipetismo e tenta moderar o discurso enquanto apoiadores de Lula investem no voto útil

16 de setembro de 2022
12:49 - atualizado às 13:02
bolsonaro-alan-santos

Falta pouco mais de duas semanas para o primeiro turno das eleições e a campanha do presidente Jair Bolsonaro (PL), candidato à reeleição, encontra-se diante de uma questão existencial: o que resta fazer para garantir um segundo turno contra o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT)?

Não se pode dizer que Bolsonaro não tenha tentado. Ainda antes do início da campanha, promoveu desonerações, reajustou o Auxílio Brasil e distribuiu recursos a aliados do Centrão por meio do chamado Orçamento Secreto.

Com o início oficial da campanha, em 16 de agosto, os adversários passaram a denunciar o uso, pelo presidente, de eventos oficiais para promover sua candidatura - inclusive os atos de 7 de Setembro, quando foi celebrado o bicentenário da Independência do Brasil.

Bolsonaro paz e amor?

Se você tem acompanhado o dia a dia da campanha, deve ter notado também uma mudança de postura por parte de Bolsonaro. As declarações polêmicas  cada vez mais dão lugar a falas moderadas e até mesmo a recuos em relação a temas antes caros ao presidente.

Em entrevista concedida no início da semana, Bolsonaro admitiu ter perdido a linha em relação a algumas de suas falas durante a pandemia. “Lamento o que eu falei, não falaria de novo”, disse ele. Na sequência, fez questão de chamar a atenção dos mais desatentos: “Você pode ver que de um ano para cá meu comportamento mudou. Minha cadeira é um aprendizado”.

Até mesmo os persistentes ataques ao sistema eleitoral — mais precisamente às urnas eletrônicas — e afirmações como “só Deus me tira daquela cadeira” deram lugar a uma sinalização de que “vai passar a faixa” e se “recolher” se for derrotado em outubro.

No caso de intimidação de um deputado bolsonarista contra a jornalista Vera Magalhães, um dos filhos do presidente apressou-se em repudiar publicamente o episódio - embora num passado recente tanto o pai quanto sua numerada prole tenham protagonizado atos de hostilidade contra a profissional de mídia.

Entretanto, o efeito sobre as pesquisas foi limitado. Até houve uma reação nas intenções de voto do presidente, mas não o suficiente para impedir a campanha de Lula de sonhar com uma vitória já em 2 de outubro.

Com a rejeição mais alta entre todos os candidatos, Bolsonaro pode conquistar a vaga para o segundo turno não por méritos próprios, mas com o avanço de Ciro Gomes e Simone Tebet na preferência do eleitor. Porém, as últimas pesquisas mostram estagnação da chamada terceira via.

Lula e o voto útil

A pouco mais de duas semanas para as eleições, Lula flerta com a possibilidade de vitória em primeiro turno em pesquisas como as do Ipec (ex-Ibope) e do Datafolha, mas dentro da margem de erros das sondagens.

Embora a intenção de votos no ex-presidente esteja também estacionada, ela se encontra muito próxima da metade do eleitorado e pode ganhar o impulso de uma incipiente campanha pelo chamado “voto útil”.

No Ipec, Lula teria 51% dos votos válidos, contra 35% de Bolsonaro. No Ibope, o petista alcançaria 48%, ante 36% do candidato à reeleição.

Uma aposta no medo

Com pouco tempo para reagir, Bolsonaro passou a investir em um dos mais primitivos sentimentos humanos: o medo. Afinal, o medo da reeleição de Bolsonaro é apenas um pouco maior que o medo da volta do PT ao governo, segundo as pesquisas que abordam o tema.

Nos últimos dias, Bolsonaro e seus aliados — mais notoriamente o ministro da Economia, Paulo Guedes — usaram e abusaram de frases nas quais buscaram associar Lula e o PT ao “capeta”, ao “demônio” e demais nomenclaturas do cramunhão.

A aposta no antipetismo apresenta-se como a última cartada da campanha de Bolsonaro para garantir um segundo turno contra Lula e reconfigurar a disputa.

Resta saber qual medo vai prevalecer.

Comentários
Leia também
INVISTA COMO UM MILIONÁRIO

Sirva-se no banquete de investimentos dos ricaços

Você sabe como ter acesso aos craques que montam as carteiras dos ricaços com aplicações mínimas de R$ 30? A Pi nasceu para colocar esses bons investimentos ao seu alcance

SEXTOU COM O RUY

A ação da 3R Petroleum (RRRP3) disparou mais de 20% em uma semana. E pode ser apenas o começo

7 de outubro de 2022 - 6:09

Apesar dos maiores riscos, o potencial de valorização das ações da 3R Petroleum (RRRP3) também é enorme com a expectativa de demanda forte pelo petróleo por mais algumas décadas

A FORÇA DO VENTO

Copel (CPLE6) desembolsa R$ 1,8 bilhão por complexos eólicos no Rio Grande do Norte; veja detalhes

6 de outubro de 2022 - 19:49

A companhia destaca que os dois complexos estão um região que é considerada como “uma das melhores do mundo para a geração de energia de fonte eólica”

ELEIÇÕES 2022

Lula cede espaço para Bolsonaro no Nordeste e perde 9 pontos, segundo pesquisa Genial/Quaest

6 de outubro de 2022 - 19:25

O petista ainda segue liderando as intenções de voto na região onde sempre foi líder absoluto nas pesquisas, mas avanço do rival é um movimento significativo

O MELHOR DO SEU DINHEIRO

Ibovespa emplaca mais uma alta, a disparada da Mobly (MBLY3) e o Nobel de Literatura; confira os destaques do dia

6 de outubro de 2022 - 18:51

Ao longo desta semana, o Ibovespa e os principais índices de Wall Street estão seguindo caminhos distintos.  Enquanto na B3 a alta do petróleo e a repercussão positiva do primeiro turno das eleições seguem levando a bolsa a patamares cada vez mais próximos dos 120 mil pontos, Nova York continua de olho na inflação e […]

FECHAMENTO DO DIA

Ibovespa pega carona com o petróleo mais uma vez e vai na contramão de NY; dólar também avança

6 de outubro de 2022 - 18:35

Embora o dólar tenha acompanhado a tensão internacional, o Ibovespa voltou a ir na contramão de Nova York com a ajuda do petróleo

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies