O melhor time de jornalistas e analistas do Telegram! Inscreva-se agora e libere a sua vaga

2022-04-05T13:24:05-03:00
Liliane de Lima
É repórter do Seu Dinheiro. Jornalista formada pela PUC-SP.
EMPREGO NO PÓS-PANDEMIA

Saiba como vão acontecer as entrevistas de emprego no pós-pandemia e como se preparar para conseguir a vaga dos sonhos

A entrevista de emprego tende a continuar no modelo remoto no pós-pandemia. O futuro dos processos seletivos é híbrido: presencial e online

6 de abril de 2022
6:32 - atualizado às 13:24
mulher acenando para o computador indicando o início de uma das entrevistas de emprego
Imagem: Yan Krukov/Pexels

“Olá. Consegue me ouvir?”, “Sim, estou te ouvindo. E você está?” Esse costuma ser o início de qualquer diálogo no modelo remoto, em aplicativos como o Zoom ou o Google Meet. O teste de áudio e vídeo virou praticamente um ritual nas conversas realizadas através de uma tela durante a pandemia, incluindo as entrevistas de emprego.

Comigo não foi diferente. Em 2021, após o término da graduação, estava em busca de um emprego efetivo. As etapas de procura, candidatura e entrevistas foram todas no modo remoto.

Esse é um caso particular que se estendeu a muitos outros candidatos a uma vaga de emprego, no regime CLT - que era o meu caso -, estágio, trainee ou qualquer outra modalidade de ocupação - o que inclui empregos temporários e autônomos (freelancers).

Segundo a consultoria global de carreira Korn Ferry, 85% das companhias adotaram o home office como a única forma de trabalho. A pesquisa foi realizada em novembro de 2021.

Isso quer dizer que a maneira de abrir uma vaga de trabalho e todas as outras fases que envolvem a seleção aconteceram dentro de casa, através de um computador, uma plataforma de conversa à distância e uma conexão de internet.

Agora que a pior fase da pandemia parece enfim ter ficado para trás, o que muda para quem está em busca de um novo emprego? Na reportagem a seguir eu conto como as empresas pretendem selecionar os candidatos a uma vaga e as dicas para você se preparar, seja para uma entrevista pessoal ou virtual.

Leia também:

Futuro dos processos seletivos é…

Se você não gosta muito de falar por uma tela de computador, não trago boas notícias. Nos processos de recrutamento e seleção, o modelo remoto veio para ficar, segundo especialistas. É o que comenta, por exemplo, Sandra Gioffi, diretora da Associação Brasileira de Recursos Humanos (ABRH) Brasil.

Para ela, as entrevistas de emprego presenciais ainda são importantes e devem acontecer em específicos casos. “É uma questão muito mais de cultura do que da técnica e da eficácia da ferramenta” [de entrevista online].

A seleção online deve se tornar usual principalmente nas primeiras fases do processo. “Contudo, ainda existe, pela característica do gestor, uma entrevista presencial. Mas, isso ainda é pelo modelo mental do gestor que é muito apegado à questão do contato físico’, acrescenta Gioffi.

Ou seja, os processos seletivos tendem a misturar etapas online e entrevistas presenciais. O que já vem acontecendo no contexto de reabertura da economia. Interações em grupo, dinâmicas e testes comportamentais, criados para aplicação presencial, devem voltar aos tempos pré-pandemia — que não estão tão distantes assim.

Nesse mesmo sentido, Alessandra Araújo, sócia e diretora comercial da Estação4, uma consultoria de Desenvolvimento Humano, aponta que algumas práticas e técnicas de entrevistas presenciais, no período pré-pandemia, vão ser retomadas.

“Muito provavelmente, a gente vai voltar a utilizar algumas ferramentas que a gente sente falta para determinadas posições, tipos de trabalho”, disse.

“Da mesma forma que as empresas estão migrando para o híbrido no dia a dia de trabalho, consequentemente, os processos seletivos eles também vão ser parte no presencial, parte no online”, afirma Alessandra.

Prós e contras do modelo remoto

O modelo remoto de trabalho traz as suas vantagens e que não podemos negar. Mas quando se está na busca de um emprego?

Sandra Gioffi, diretora do ABRH Brasil, destacou que uma das vantagens “aceleradas” pela pandemia é a possibilidade de participar de vários processos seletivos ao mesmo tempo. Mais oportunidades tanto para o candidato quanto para as empresas.

As plataformas de recrutamento já contam hoje com algoritmos capazes de fazer o “match” entre candidatos e vagas. Caso a empresa tenha como prática o home office, consegue atingir pessoas de qualquer canto do mundo.

Por outro lado, não podemos desconsiderar alguns entraves que o online não consegue afastar. “Esse algoritmo, por si, pode ter um viés de quem o programou, o que pode ser um pouco injusto”, considera a diretora da ABRH.

Mas uma verdade que não se pode negar é a agilidade dos processos remotos.

Por outro lado, é importante também considerar a espontaneidade dos candidatos. “Quando você está presencialmente tem um tempo de espera, você conhece a organização e o recrutador consegue ler mais facilmente o comportamento do candidato. Quando você está em uma posição remota, todo esse contexto é reduzido”, comenta Gioffi.

Diferenças entre uma entrevista remota e presencial

Conversar com o recrutador ou com o possível gestor, por si só, pode causar certo nervosismo. Logo, para que o momento da entrevista de emprego não seja uma surpresa, com atrasos e imprevistos, é importante saber algumas diferenças entre elas.

A diferença está no modelo em si. Enquanto que no presencial vale estar atento à maneira como se apresentar, no online a aparência é importante apenas do tronco para cima, por exemplo.

Isso não quer dizer que o visual não seja importante em uma entrevista remota. Uma boa iluminação, além da qualidade do aúdio e do vídeo também interferem — elas são “as roupas” do processo de seleção online.

VEJA TAMBÉM: ENTREVISTA DE EMPREGO? 7 dicas para ser aprovado | Como conquistar a PROMOÇÃO dos seus sonhos

Recrutamento “às cegas”

Uma nova modalidade de seleção que deve ganhar força no pós-pandemia é o chamado “recrutamento às cegas”.

Nesse tipo de seleção, o candidato grava um vídeo contando sobre quem ele é e as justificativas para a candidatura na vaga. A empresa recrutadora apenas recebe um vídeo, sem a imagem do interessado na vaga, ou seja, impossibilitando distinguir as suas características físicas.

O que vale para qualquer entrevista de emprego

Seja qual for o formato, o processo de avaliação do profissional pouco se altera, segundo Alessandra Araújo, sócia e diretora comercial da Estação4.

As perguntas são, em grande parte, sobre quem é o candidato, as experiências, os fatos relevantes que precisam ser compartilhados para a conquista da vaga.

“O recrutador vai avaliar quais são as habilidades, competências e capacidades do candidato dentro da vaga proposta”, explica.

Por fim, Alessandra diz que o posicionamento de quem vai contratar o profissional é fundamental. “O entrevistador tem que ter uma sensibilidade apurada e um senso de empatia para tirar sempre o melhor do candidato.”

Leia também

Dicas para se sair bem em uma entrevista de emprego online

Saber como se portar e conversar, ainda que remotamente, faz mais diferença do que se imagina.

Mesmo que no currículo você exponha todas as aptidões, experiências e aprendizados, a vivência pessoal pode acrescentar dados valiosos para a conquista da vaga. Isso porque é o que pode gerar o ‘match’, a partir das habilidades comportamentais, até mais que a técnica em si.

Aproveitar o momento para citar experiências adicionais, como viagens, expectativas para o futuro podem te colocar ou retirar daquela vaga.

A diretora da ABRH, Sandra Gioffi, dá algumas dicas:

“Primeiramente, o candidato deve estar bem apresentável, o que não é terno nem roupa social, é estar com uma roupa de trabalho e com foco na entrevista. Obviamente, de câmera aberta, porque é onde ele se deixa ver e consegue fazer uma interação com quem está entrevistando. O lugar também precisa ser silencioso”.

Além disso, o candidato precisa se planejar, ou seja, “testar a câmera e áudio antes e garantir que a conexão está funcionando bem”. “Fazer um roteiro de perguntas, porque o candidato precisa perguntar coisas sobre a empresa”, acrescenta.

Orientações como concentração, “estar de corpo presente” e desligar o celular são outras que devem ser levadas em consideração. “São coisas que dizem respeito à organização e gestão do tempo e do espaço que está sendo utilizado”, finaliza.

Em resumo, aqui vão algumas dicas para você se sair bem na próxima entrevista virtual:

  • Entenda qual é a empresa ao qual você está se candidatando;
  • Durante a entrevista, afaste distrações. Ainda que a entrevista seja pelo celular ou computador, desabilite as notificações;
  • Prepare um roteiro de informações suas e possíveis perguntas ao recrutador
  • Esteja focado na entrevista “de corpo presente”
  • Demonstre interesse pela vaga e fale sobre experiências relacionadas às competências requisitadas.

Leia também

Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

CVM recua e libera distribuição de dividendos do fundo imobiliário Maxi Renda FII (MXRF11) com base no ‘lucro caixa’ — relembre o caso

A xerife do mercado de capitais reconheceu “a existência de obscuridade e contradição” na decisão original

Superou o trauma? Bitcoin (BTC) segue no patamar de US$ 30 mil; saiba se a maior criptomoeda do mundo sustentará esse nível

BTC terá também que superar os críticos às moedas digitais, que não pouparam esforços para injetar ainda mais medo nesse mercado já extremamente desorientado

CEO do JP Morgan leva cartão vermelho de acionistas e pode ficar sem bônus milionário, entenda a decisão rara

A desaprovação foi a primeira desde que o conselho do banco norte-americano enfrentou um voto negativo sobre compensações desde que as regras foram introduzidas, há mais de uma década

SEU DINHEIRO NA SUA NOITE

Hapvida, Magazine Luiza e Nubank tombam, mas Ibovespa fecha o dia no azul; confira os destaques desta terça-feira

O maior apetite ao risco e a expectativa de manutenção no ritmo de alta no juro nos Estados Unidos ajudou o Ibovespa, que teve um dia de ganho

FECHAMENTO DO DIA

Ibovespa sustenta alta após susto inicial com Powell; dólar cai abaixo dos R$ 5

O Ibovespa fechou o dia longe das mínimas, mas o dólar caiu 2% com o apetite por risco no exterior

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies