A AÇÃO QUE ESTÁ REVOLUCIONANDO A INFRAESTRUTURA DO BRASIL E PODE SUBIR 50%. BAIXE UM MATERIAL GRATUITO

2022-07-12T11:02:06-03:00
Carolina Gama
NÃO SEI SE VOU OU SE FICO…

É hora de fugir da Oi? OIBR3 tem potencial de valorização de ‘apenas’ 11%, segundo o UBS — veja se vale a pena vender as ações

Empresa de telecomunicações dá passos na direção de encerrar o processo de recuperação judicial, mas papéis têm apanhado ao longo do ano, acumulando queda de mais de 64%

8 de julho de 2022
14:24 - atualizado às 11:02
oi oibr3 balanço queda ações
Imagem: Shutterstock/Montagem Giovanna Figueredo

“Não sei se vou, ou se fico… não sei se fico ou se vou…” Se você viu as ações da Oi subirem mais de 1% nesta sexta-feira (08) e caírem no mesmo grau ao fim do dia e ficou na dúvida se compra, vende ou fica com os papéis OIBR3, o UBS pode ajudar. 

A empresa de telecomunicações segue avançando rumo à saída da recuperação judicial. Para isso, a Oi vendeu ativos importantes — entre eles, a divisão de telefonia móvel — dando passos para liquidar o processo. 

Essa notícia pode ter empolgado muitos investidores que têm ou que estão interessados em adquirir os papéis OIBR3, que vem apanhado no ano, acumulando perdas superiores a 64%. Afinal, se as ações caíram tanto e a saída da recuperação judicial está próxima, há uma oportunidade de lucro adiante, não? 

UBS coloca luz sobre a Oi (OIBR3)

Bem, segundo o UBS, o momento é de cautela em relação às ações da Oi (OIBR3)

O banco rebaixou a recomendação para os papéis da empresa, de compra para neutra, e cortou o preço-alvo de R$ 1,70 para R$ 0,60 — o que representa um potencial de valorização de 11% em relação ao fechamento de quinta-feira (08). 

O banco justifica a ação afirmando que a Oi será desafiada em várias frentes: 

  • Adiamento na venda de ativos levou a uma dívida líquida 80% maior; 
  • Crescimento mais lento levou a uma receita 11% menor, enquanto outros passivos foram aumentados;
  • Queima de caixa impulsionada por despesas com juros é maior.

O UBS diz ainda que o prêmio da empresa pode ser a participação na V.Tal — o negócio de fibra ótica da Oi —, que foi reduzida de 42,1% para 34,7%, mas que pode levar anos para ser monetizada.

O gráfico abaixo mostra o desempenho das ações OIBR3 no ano:

Fonte: TradingView

Nem tudo está perdido para a Oi (OIBR3), mas…

O principal potencial de alta que o UBS vê para a Oi (OIBR3) pode vir da gestão de passivos, mas — e sempre tem um mas — o potencial de melhoria de custos é desafiado pelo atual ambiente de baixa liquidez e alta aversão a riscos. 

O banco suíço avalia a que a Oi esteja sendo negociada com um múltiplo de 15 vezes o Ebitda (lucro antes de juros, impostos, amortização e depreciação) estimado para 2023 — acima dos players tradicionais, mas o UBS aponta que a participação na V.Tal justifica o valuation mais esticado.

No entanto, a alta complexidade e a margem de manobra limitada podem fazer com que os investidores se afastem, por isso o banco prefere permanece neutro em relação às ações da Oi.

Veja também: Riscos para a economia no segundo semestre — Lula x Bolsonaro, inflação e juros e chance de recessão nos EUA

Ainda tem a banda larga

O UBS ainda chama atenção para duas tendências não tão favoráveis ​​na banda larga: concorrência e consolidação. 

O mercado brasileiro de banda larga está dividido entre os três maiores players, que têm 52% de participação de mercado, e mais de 15.000 provedores de banda larga, que ficam com os 48% restantes.

Para o banco, essa fragmentação tem duas consequências: 

  • Concorrência acirrada, que levou a uma redução no ritmo de adições líquidas da Oi (junto com seus pares) e pode limitar a capacidade de aumentar preços;
  • Consolidação do mercado, que fortalecerá as concorrentes da Oi, ou seja, empresas com balanços sólidos que recorrem a fusões e aquisições para consolidar presença. 

O UBS chama atenção ainda para o fato de que a consolidação do mercado também impulsionará a consolidação da rede, resultando em menor demanda por serviços V.Tal.

Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

BALANÇO

Inter (INBR31) reverte prejuízo em lucro de R$ 15,5 milhões no segundo trimestre; confira os números

15 de agosto de 2022 - 21:01

No semestre encerrado em 30 de junho de 2022, o Inter superou a marca de 20 milhões de clientes, que equivale a 22% de crescimento no período

BALANÇO DA HOLDING

Lucro líquido da Itaúsa (ITSA4) recua 12,5% no segundo trimestre, mas holding anuncia JCP adicional; confira os destaques do balanço

15 de agosto de 2022 - 19:52

A Itaúsa (ITSA4) esperou até o último dia da temporada de balanços para revelar os números do segundo trimestre. E a paciência dos investidores não foi recompensanda: a companhia lucrou R$ 3 bilhões, uma queda de 12,5% na comparação com o mesmo período do ano passado. O retorno sobre o patrimônio líquido (ROE) sobre o […]

BALANÇO

Resultado da Méliuz (CASH3) piora e empresa de cashback registra prejuízo líquido de R$ 28,2 milhões no segundo trimestre

15 de agosto de 2022 - 19:07

Os papéis da Méliuz amargam perdas de 87% no ano, mas entraram no mês de agosto em tom mais positivo, com ganho mensal de 7%

O MELHOR DO SEU DINHEIRO

Magazine Luiza (MGLU3) dá a volta por cima, XP vai às compras e futuro do ethereum; confira os destaques do dia

15 de agosto de 2022 - 18:52

Há pouco mais de dois meses, quando conversei com diversos analistas e gestores de mercado sobre as expectativas para o segundo semestre, poucos foram aqueles que apostaram nos setores de grande exposição à economia doméstica como boas alternativas para a segunda metade do ano.  Não que empresas ex-queridinhas como Magazine Luiza (MGLU3), Via (VIIA3) e […]

ACIONISTAS FELIZES

Dividendos: Itaúsa (ITSA4) pagará JCP adicional e data de corte é nesta semana; veja como receber

15 de agosto de 2022 - 18:47

Vale lembrar que, após a data de corte, as ações serão negociadas “ex-direitos” e passarão por um ajuste na cotação referente aos proventos já alocados

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies