O melhor time de jornalistas e analistas do Telegram! Inscreva-se agora e libere a sua vaga

2022-04-07T15:17:49-03:00
Renan Sousa
Renan Sousa
É repórter do Seu Dinheiro. Cursa jornalismo na Universidade de São Paulo (ECA-USP) e já passou pela Editora Globo e SpaceMoney. Twitter: @RenanSSousa1
BATALHA DE SMARTPHONES

Por que a falta de suporte para criptomoedas da nova linha Redmi Note 11 da Xiaomi pode colocar marca em apuros?

Empresas como Samsung e Apple já aderiram à moda das moedas digitais e NFTs, mas marca chinesa ficou para trás

7 de abril de 2022
15:17
Novos modelos da Xiaomi Redmi Note 11 não possuem suporte para criptomoedas e porque isso é bom para a concorrência
Novos modelos da Xiaomi Redmi Note 11 não possuem suporte para criptomoedas e porque isso é bom para a concorrência. Imagem: Divulgação

A lista de celulares disponíveis no Brasil da Xiaomi acaba de ganhar mais um integrante para a família. Os novos modelos Redmi Note 11, 11S, 11 Pro e 11 Pro 5G foram lançados em janeiro, mas só aterrissaram por aqui mais tarde devido a pandemia de covid-19.

Mas isso não foi motivo para o lançamento não virar uma festa. Os vídeos do evento mostram uma megaprodução para anunciar a nova linha.

Xiaomi: quem é e quanto custa

De acordo com a divulgação da empresa, a nova linha chega ao Brasil na faixa entre R$ 2,6 mil e R$ 4 mil. Confira:

  • Xiaomi Redmi Note 11: R$ 2,6 mil
  • Xiaomi Redmi Note 11S: R$ 3 mil
  • Xiaomi Redmi Note 11 Pro: R$ 3,4 mil
  • Xiaomi Redmi Note 11 Pro 5G: R$ 4 mil

As telas trazem taxa elevada de atualização, enquanto as câmeras chegam a até 108 MP de resolução.

Enquanto o Redmi Note 11 tem versões com 4 GB ou 6 GB de RAM e 64 GB ou 128 GB de armazenamento, os demais modelos possuem de 6 GB a 8 GB de RAM, com 64 GB ou 128 GB de memória.

Mais detalhes também já podem ser conferidos na página da Xiaomi no Brasil.

Criptomoedas: Um detalhe que não passou batido

A Xiaomi é conhecida por fazer celulares relativamente mais baratos do que outras marcas conhecidas, como a Samsung ou a Apple, que também lançaram novos celulares recentemente.

Contudo, um detalhe importante colocou a empresa chinesa atrás da concorrência sul-coreana e norte-americana: a entrada no mercado de criptomoedas.

Nós entramos em contato com a assessoria da Xiaomi aqui no Brasil, que confirmou que a nova linha de celulares não possui qualquer suporte para criptomoedas ou NFTs, os certificados digitais.

A concorrência saiu na frente, Xiaomi

Para se ter uma ideia, os novos celulares da Samsung já têm integrados a carteira digital (wallet) da própria empresa. Dessa maneira, o usuário poderá usar criptomoedas como meios de pagamentos por aproximação, por exemplo, sem precisar baixar um app externo.

O anúncio foi feito, inclusive, em um ambiente do The Sandbox (SAND), uma das principais plataformas para a criação do metaverso.

Criptomoedas para todos os lados

Da mesma maneira, a maçã também não ficou para trás nessa história. Atualmente, a Apple conta com o Apple Pay, que permite às pessoas negociarem criptomoedas em locais específicos pelo iMessage.

Por fim, a companhia também possui o aplicativo Apple Wallet e serviços da Apple Pay associados para pagamentos móveis.

Na mesma linha, outra gigante da tecnologia também está de olho nos ativos digitais. O Google contratou o ex-executivo do PayPal, Arnold Goldberg, para reforçar o time de pagamentos em criptomoedas. Hoje, o maior expoente do setor é o Google Pay.

Comentários
Leia também
DINHEIRO QUE PINGA NA SUA CONTA

Uma renda fixa pra chamar de sua

Dá para ter acesso a produtos melhores do que encontro no meu banco? (Spoiler: sim).

PORTFÓLIO DE BILHÕES

Aposta contra a Apple (AAPL34)? Veja as mudanças que Warren Buffett, Michael Burry e investidores de elite fizeram nas carteiras

Esses pesos-pesados do mercado financeiros tomaram decisões surpreendentes no primeiro trimestre; confira as mudanças mais significativas que eles fizeram no período

DO BRASIL PRO MUNDO

Guedes tem encontro com Escobari, da General Atlantic, e vai a jantar do BTG; confira a agenda do ministro em Davos

O banqueiro André Esteves, que em abril voltou ao comando do conselho do BTG Pactual, está participando do evento na Suíça

UMA TECH ATRAENTE

É hora da Locaweb? Saiba por que o Deutsche Bank vê ponto de entrada para as ações LWSA3

Banco alemão atualizou a recomendação para a empresa de neutra para compra e vê potencial de valorização de mais de 50% para os papéis

O QUE VEM POR AÍ

Ata do Fed e IPCA-15: confira a agenda de indicadores da semana aqui e lá fora

Nos Estados Unidos, a segunda prévia do PIB no primeiro trimestre também é destaque; na Europa, o PIB da Alemanha é o principal dado

CAMINHO DO MEIO

Menor rejeição e apoio interno no MDB dão vantagem a Simone Tebet; veja os rumos da senadora da terceira via

Maior desafio, segundo marqueteiros, é torná-la popular: 46% do eleitorado desconhece Simone Tebet, segundo pesquisas recentes

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies