🔴 3 ações para LUCRAR com a SELIC em alta: clique aqui e descubra quais são

2022-02-24T10:11:41-03:00
Larissa Vitória
Larissa Vitória
É repórter do Seu Dinheiro. Cursa jornalismo na Universidade de São Paulo (ECA-USP) e já passou pelo portal SpaceMoney e pelo departamento de imprensa do Instituto de Pesquisas Tecnológicas (IPT).
TEMPOS DIFÍCEIS

Fundos imobiliários (FIIs) desistem de emissões de cotas com tensão no mercado e balde de água fria da CVM

O cenário se impôs ao fundo BR Properties (BROL11). O fim do período de reservas para o IPO estava marcado para esta quarta-feira (23)

23 de fevereiro de 2022
15:25 - atualizado às 10:11
Imóveis, fundos imobiliários, REITs, REIT
Fundos imobiliários (FIIs) sofrem para emplacar emissões de cotas - Imagem: Shutterstock

*Correção: Ao contrário do que foi publicado anteriormente, o fundo Mauá Capital Hedge Fund (MCHF11) não suspendeu a oferta de cotas. Segue a íntegra da reportagem corrigida:

Assim como acontece entre as empresas, cujo ritmo de desistências de aberturas de capital (IPOs, na sigla em inglês) é intenso em 2022, os fundos imobiliários (FIIs) sofrem para emplacar emissões de cotas.

O cenário se impôs ao fundo BR Properties (BROL11). O fim do período de reservas para o IPO estava marcado para esta quarta-feira (23).

A operação foi suspensa devido a mudanças nas “condições de mercado”.

Entre os catalisadores dessas alterações estão fatores internacionais, como a tensão entre Rússia e Ucrânia e nacionais, com a aproximação do período eleitoral sendo um dos destaques.

Vale citar ainda uma decisão da Comissão de Valores Mobiliários, atualmente em suspensão temporária, que jogou incertezas sobre um dos principais atrativos dos FIIs: os dividendos mensais.

A xerife do mercado de capitais determinou, no final de janeiro, que o Maxi Renda (MXRF11) —  um dos maiores FIIs da indústria — precisa pagar rendimentos aos cotistas com base no resultado contábil, e não no regime de caixa.

Mas, entre mortos e feridos, dois dos quatro FIIs que planejavam realizar ofertas de cotas nesta semana sobreviveram e tornam-se opções para o investidor que busca operações do tipo para ampliar a carteira de fundos de investimentos.

Os FIIs sobreviventes

O primeiro deles é o Plural Crédito Agro (PLCA11), administrado pelo Banco Genial. Como indica o nome, este é um Fundo de Investimento nas Cadeias Produtivas Agroindustriais (Fiagro), classe de ativos que vêm se popularizando nos últimos dois anos.

Com características similares aos FIIs de “papel” — ou seja, que investem em títulos de renda fixa ligados ao mercado imobiliário — aplicadas no universo agro, o fundo busca levantar R$ 200 milhões com cotas a um valor unitário de R$ 100.

O segundo fundo a resistir às condições desfavoráveis do mercado e manter a captação é o BTSP II (BTSI11), da Inter Distribuidora. Essa será a segunda emissão de cotas do FII, que busca levantar R$ 105,6 milhões e também pede R$ 100 por cota.

O BTSP11 é um fundo híbrido, ou seja, pode investir em diversos tipos de ativos imobiliários, como os títulos de renda fixa e também o desenvolvimento de imóveis para venda ou obtenção de renda por locação. 

Para os interessados, o período de reserva das duas operações termina nesta quinta-feira (24).

Além deles, o Mauá Capital Hedge Fund (MCHF11) programou uma captação de R$ 200 milhões com a emissão de novas cotas do FII para esta semana.

Dividendos

Além das emissões de cotas, a quarta-feira também traz novidades sobre distribuição de proventos para os investidores: três fundos imobiliários depositam dinheiro na conta dos investidores hoje.

Os dividendos variam de R$ 0,12 a R$ 9,43 por cota e tem como data base 15 de fevereiro — exceto no caso do NCH EQI Recebíveis do Agronegócio (NCRA11), que considera o dia 16 do mesmo mês.

Confira abaixo quais FIIs distribuem dividendos hoje. Os dados são do site Clube FII.

Fundo Valor por cota
Eldorado (ELDO11B)R$ 4,81
NCH EQI Recebíveis do Agronegócio (NCRA11)R$ 0,12
Brasil Varejo (BVAR11)R$ 9,43

IFIX ronda a estabilidade

Se está difícil para quem deseja emitir cotas pela primeira vez, para aqueles que já negociam em bolsa a situação também não é um mar de rosas. O IFIX encerrou a terça-feira (22) em queda de 0,30% e ronda a estabilidade hoje, pendendo novamente para o lado negativo.

Por volta das 15h25, o principal índice de fundos imobiliários da B3 registra leve recuo de 0,02%, aos 2732,77 pontos.

Confira quais fundos registram as maiores quedas do dia:

TickerFundoVariação
BICR11Inter Títulos Imobiliários-15,80%
FIVN11Vida Nova-10,10%
NPAR11Nestpar-5,43%
BLMC11BlueMacaw Crédito Imobiliário-4,62%
EDFO11BEdifício Ourinvest-4,00%

Veja também as maiores altas:

TickerFundo
CTXT11Centro Têxtil Internacional+7,66%
HPDP11Hedge Shopping Parque Dom Pedro+7,34%
MCHY11Mauá High Yield+6,15%
FAMB11BEdifício Almirante Barroso+4,60%
RBRD11RB Capital Renda II+4,43%
Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Que pi… é essa?

Eu decidi sair do banco, mas não queria entrar em uma enrascada. Bem, acredito que eu tenha encontrado um portal para fugir dessa Caverna do Dragão das finanças. E cá estou para explicar essa descoberta.

GALINHA DOS OVOS DE OURO

Subsidiária da MRV (MRVE3) nos EUA garante mais de R$ 1 bilhão para construtora com venda de empreendimentos na Flórida

A Resia vendeu dois conjuntos localizados na Flóridas e a negociação rendeu cerca de R$ 375 milhões aos cofres da incorporadora

O MELHOR DO SEU DINHEIRO

A quadrilha triste do Ibovespa e o nascimento de uma nova gigante; confira os destaques do dia

O mês de junho vai chegando ao fim, mas o mercado financeiro parece longe de se juntar às alegres festividades juninas espalhadas pelo país.  Na B3 e em Wall Street, os investidores dançam uma quadrilha pra lá de triste e cheia de obstáculos.  Não estamos falando de uma ponte quebrada, uma cobra perdida ou uma […]

FECHAMENTO DO DIA

Ibovespa despenca mais de 11% e tem o pior mês desde março de 2020; dólar sobe a R$ 5,23

O início do aperto monetário do Federal Reserve levou os ativos globais a ter um semestre para esquecer – e o Ibovespa não escapou disso

Proventos

Dividendos: Rede D’Or (RDOR3) e Raia Drogasil (RADL3) vão distribuir quase R$ 300 milhões em juros sobre capital próprio; veja detalhes

Pagamento de nova leva de proventos aos acionistas está previsto para o dia 16 de julho, no caso da Rede D’Or

ALTAS E BAIXAS

Destaques da bolsa: Fleury (FLRY3) e Hermes Pardini (PARD3) disparam com fusão; TC (TRAD3) e Light (LIGT3) despencam

A nova consolidação no setor de saúde mexeu com o segmento nesta quinta; a renúncia do CEO da Light pesou sobre as ações da empresa

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies